Image
O senador Moura Andrade declara vaga a Presidência da República, na sessão do Congresso que começou na noite de 1º e terminou na madrugada de 2 de abril de 1964 (Foto: Reprodução YouTube)

É a história contemporânea do país pulsando, num áudio emocionante, de arrepiar, que vocês poderão ouvir a seguir.

Nele está o principal trecho daquela sessão entre a noite do dia 1º e a madrugada de 2 de abril de 1964 em que o então presidente do Senado e do Congresso, Auro de Mora Andrade (PSD-SP), sob intensa gritaria de protestos mas também de apoio, declarou vaga a Presidência da República e empossado no cargo o então presidente da Câmara dos Deputados, Ranieri Mazzilli (PSD-SP).

Em novembro de 2013, o Congresso declarou nula essa sessão de abril de 1964, realizada após o levante militar que derrubou do poder o então presidente João Goulart. O presidente deixara Brasília rumo ao Rio Grande do Sul.

Image
Deputados indignados aglomeram-se diante do microfone de apartes. Agarrando o microfone, o líder do PTB, Doutel de Andrade (SC). Atrás dele, o deputado Mário Maia (PTB-AC) (Foto: Reprodução YouTube)

Moura Andrade, com seu vozeirão imponente, usando as fortes campainhas existentes no plenário, impede questões de ordem de parlamentares que argumentavam que o presidente não deixara o país, havia seguido para Porto Alegre e, portanto, a vacância da Presidência era irregular. Uma delas era do deputado Sérgio Magalhães, do PTB da antiga Guanabara, que se dirigia à Mesa do Congresso enquanto vários deputados e senadores gritam, vaiam e aplaudem.

O deputado Bocayuva Cunha (PTB-RJ), por sua vez, tenta informar que oficiais da Marinha haviam detido o governador do Estado do Rio (na época separado da capital, que era o Estado da Guanabara), Badger da Silveira.

É grande o tumulto e, prejudicados pela distância dos microfones de aparte, ouvem-se gritos diferentes de políticos do governo e da oposição — “é mentira!”, “traidor!”, “é isso mesmo!”, “viva!”, “canalha!”…

O áudio não é longo e vale cada minuto. Um importante flash sonoro de história.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TWITTER DO SETTI