Trecho de ótima entrevista do dr. Paulo Niemeyer Filho, considerado o maior neurocirurgião do país, à revista Poder:

“O senhor acredita em Deus?

Paulo Niemeyer Filho: Geralmente depois de dez horas de cirurgia, aquele estresse, aquela adrenalina toda, quando você acaba de operar, vai até a família [do paciente] e diz: “Ele está salvo”. Aí, a família olha pra você e diz: ‘Graças a Deus!’ Então, a gente acredita que não fomos apenas nós.”

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × dois =

17 Comentários

Flavio em 01 de novembro de 2012

Negar a Deus é negar-se a si mesmo. Mas vejam como somos incoerentes: os médicos deveriam ser os que mais acreditam em Deus, porém são os que menos acreditam. Não todos! Mas Deus não muda nem mudará sua própria natureza e continuará a nos amar, mesmo sendo nós tão estúpidos e cegos espiritualmente. A bondade de Deus é tão grande, que para aqueles que O querem, ele oferece os céus, a sua morada. Para aqueles que o rejeitam, ele preparou o contrário dos céus: o inferno.

glaucia magalhaes Sumar em 13 de março de 2012

é chocante ver tanta besteira sair da boca de um homem que tem a profissão de medico, neurologista e mais neurocirurgião...poderia comentar cada ponto das incoerencias, absurdos, inverdades e sobretudo erros basicos fundamentais quanto ao funcionamento do cerebro e do coraçao, mas nao o farei aqui seria uma perda de tempo.Este Sr teria no minimo que se atualizar com relaçao neuroplasticidade cerebral e calar a boca sobre Deus ou a espiritualidade da qual ele demonstra uma mais que total ignorancia. Pior de tudo é o jornalista que nao tem nem discernimento nem conhecimento sufuciente para perceber que o que este medi-cu diz esta equivocado em todos os ambitos de sua expressão. Lamentavel passar tantas informaçoes equivocadas Editar isso é como jogar merda no ventilador. Para uma senhora, você é educadíssima, não, Glaucia? Impressionante. Não sabia que publicar uma frase, uma única frase, de um grande neurocirurgião brasileiro era um pecado tão grave. Mas o seu comentário é utilíssimo para quem quer conhecê-la melhor.

larissa em 03 de agosto de 2011

Querido paulo niemeye filho,acontece mesmo com tipos de pessoas com você que só porque tem uma profissão elevada,esquece de DEUS,mas sabe como chama gente assim um tremendo de um "idiota"..... que só pensa em dinheiroe fama coisa que o senhor não tem !!!!!pense mais oque fala querido chegara um dia que você ira pagar por tudo que falou. by:laryssa

Sergio em 11 de abril de 2011

Exemplos de casos opostos existem em maior número. Pacientes que morreram, pedras que matam, ou aleijam, times de futebol que perderam feio. Não sei se Ele existe, mas se Deus tomasse partido, teria nos livrados dos petistas !

JT em 11 de abril de 2011

No último sábado participei do passeio anual do MP Lafer, que este ano foi de São Paulo para Campos do Jordão, reunindo 80 conversíveis na pista. Perto de Taubaté, um dos carros levou uma pedrada no para-brisa, arremessada pelo pneu do carro que ia na frente. Com o campo visual avariado, nosso colega teve que estacionar no acostamento, felizmente na frente de um posto do DER. Parei meu carro para ver se podia ajudar. Outro colega também parou, cujo filho tinha uma caixa completa de ferramentas. Sem nunca ter feito qualquer reparo na beira de estrada antes, consegui remover o para-brisa estilhaçado sem cortar um só dedo. Por uma das fotos no link a seguir, vemos que se a pedra passasse duas polegadas acima, teríamos um acidente trágico e inusitado como manchete de jornal. É coincidência? É um aviso? Não dá para saber. Só sei que antes de sair de casa, pedi proteção para Ele. http://www.mplafer.net/2011/04/passeio.html Fé é um sentimento pessoal e não existe poder de convencimento nesta questão. O que existe são os relatos pessoais. De minha parte posso afirmar que é muita ingenuidade achar que podemos fazer tudo sozinhos. Enquanto seres humanos, dependemos uns dos outros. Por isso, na minha concepção, Ele permite que infortúnios aconteçam: para descobrirmos justamente isso.

jfaraujo em 10 de abril de 2011

Eu acho que não podemos ser tão arrogantes a ponto de ignorar a existência de Deus. A gente vê nos noticiários como acontecem milagres, e eu tenho que admitir, certos fatos são impossíveis de se esclarecer por meio de explicações científicas ou cálculos físicos.

Not funny ... em 10 de abril de 2011

Mas... qual deus? Aquele que fica bisbilhotando a vida de todo mundo e vigiando se o cara está pegando a moça do andar de cima, é aquele que fica ouvindo preces e atende pedidos individuais? Se for esse, com certeza é inapto até mesmo para uma sutura e muito menos criar o universo! Quando o papa K. Vojtyla afirmou que a mão maternal da N. S. de Fátima desviou o tiro do turco M. Acga dos seus órgãos vitais, perguntaram: Caramba, mas a N. S. de Fátima não podia ter desviado a bala do corpo, assim teria aliviado os trabalhos dos médicos para extrair a bala? As mãos dos cirurgiões também foram conduzidas pela N.S. de Fátima?

Tuco em 10 de abril de 2011

. Resposta muito inteligente! A história nos conta que Jesus, "o cristo", de forma política e inteligente (hoje não mais podemos associar política com inteligência - não no Brasil...) assim responde: - Dai a César o que é de César, dai a deus o que é de deus. Fica claro que Paulo e Jesus nunca acreditaram. .

Sol em 10 de abril de 2011

Os médicos geralmente são ateus. Tem uma piadinha que diz: Que médico quando está na universidade pensa que é Deus, e quando se forma, tem certeza de que ele é o Todo Poderoso Deus. hehehe

Paulo Bento Bandarra em 10 de abril de 2011

Será que a penicilina cura mais num país católico ou num ateu? A cirurgia cardíaca realizada na China ou na Rússia está fadada a menos sucesso? Um hospital de irmãs tem melhores resultados do que um público, laico, como o Hospital Sarah Kubichek em Brasília? Um neurocirurgião, mal nos estudos, será compensado nas suas limitações pela bondade de Deus? Será que faltou fé e oração para Tancredo Neves? Sic transit gloria mundi

Marco em 10 de abril de 2011

Amigo Setti: Sempre q tiver dúvida bota a maior Fé em Deus ! Abs.

Karla em 10 de abril de 2011

Perfeito.

Agilmar Machado Filho em 10 de abril de 2011

E se o paciente tivesse morrido ???

Caio Frascino Cassaro em 10 de abril de 2011

Prezado Ricarod: Os assuntos ligados à questão da transcendência geram sempre polêmicas infindáveis. A única coisa que eu gostaria de observar é que a ciência médica, não como técnica, mas no nível epistemológico parou no século XIX. É como se todas as conquistas obtidas pela física ao longo do século XX não existissem, sendo todo o arsenal filosófico da medicina baseado em Bacon e Newton. Aos que porventura não concordem comigo, sugiro a leitura do excelente "A Biologia da Crença", do dr Bruce Lipton, no qual o autor, médico, pesquisador reconhecido em seu campo de estudos com vários trabalhos publicados em revistas conceituadas, agnóstico, toma contato com a física contemporânea e revê todos os seus conceitos de vida. Sugiro ainda leituras complementares de autores como Rupert Sheldrake, Fritjof Capra, Dana Zohar, Amit Goswami e o excepcional David Bohm em seu instigante "A Totalidade e a Ordem Implicada". Esse conjunto de obras foi sumarizado por Léo Villaverde em um livro chamado "O Biocosmos", no qual o autor traça u m panorama pela ciência do século XX e defende uma tese cosmológica bastante interessante. Enfim, tudo isso para dizer que o arsenal teórico referente às questões ligadas à transcendência não desamparam os crentes. Ao contrário, reforçam ainda mais a noção de intencionalidade presentes nas ordens implícita e superimplícita que permeiam nosso Universo. Um abraço

carlos em 10 de abril de 2011

Isso me lembra de um episódio da série House. A paciente sofre um enfarto e a equipe do hospital consegue controlar a situação. A mãe da menina fala "Graças a Deus!" e o House, com a habitual delicadeza, dispara: "Eu salvo ela e você agradece a Deus? Aonde ele tava quando o coração dela parou de bater?"

Paulo Bento Bandarra em 10 de abril de 2011

Para quem luta para acreditar, nem milhares de mortos num tsunami impede de atingir seu objetivo. Sempre é possível racionalizar a falta de evidência!

carla simone em 10 de abril de 2011

É trabalho de equipe cada um faz sua parte.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI