Image
O primeiro-ministro espanhol, José Luis Rodriguez Zapatero

Muitos leitores estranharam o post em que declarei minha exaustão com o uso de Deus e da religião na atual campanha eleitoral e comentei o fato de um estado teoricamente laico, como o Brasil,incluir a divindade já no preâmbulo da Constituição, além de não estender a laicidade sequer ao dinheiro — cujas cédulas têm inscrito o lema “Deus seja louvado” — e de manter o crucifixo em repartições públicas, a começar pelo Supremo Tribunal Federal.

A título de comparação, queria mencionar que o governo de um país tão ou mais católico do que o Brasil — e católico há mais tempo –, o do primeiro-ministro José Luís Rodríguez Zapatero na Espanha,prepara umprojeto de modificação da Lei de Liberdade Religiosa, de 1980,que banirá até funerais de estado realizados em catedrais e igrejas.

FUNERAIS CIVIS, FIMDOS SÍMBOLOS RELIGIOSOS– O projeto só não está em discussão no Parlamento devidoà necessidade de o governo espanhol concentrar energias e apoios na adoção de medidas para enfrentar as consequências, brutais para o país, da crise financeiramundial de 2008. Zapatero não quer gastar seu já erodido capital político nessa questão, que enfrenta oposição frontal do maior partido de oposição, o conservador Partido Popular (PP).

De toda maneira, o projeto existe e foi aprovado poresmagadora maioria noúltimo congresso do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), em julho de 2008,como parte do programa de governo de Zapatero. Segundo o projeto, o Estado organizará “exclusivamente funerais civis” para mortos ilustres e os símbolos religiosos, inclusive o crucifixo, serão proibidos em edifícios públicos — como ministérios, sedes de governo, prefeituras, colégios. universidade e hospitais, exceto “os edifícios com valor histórico-artístico, arquitetônico e cultural”.

Algumas medidas já quebraram a multicentenária ligação entre o estado espanhol e a igreja católica. O novo Regulamento de Honrarias do Exército, por exemplo, aprovado em maio, eliminou a francamente absurda tradição de os militares, em determinadas solenidades, renderem homenagem ao Santíssimo ou à Virgem Maria .

EM VEZ DE “JURAR”, “PROMETER” — Também deverão ter fim as solenidades de posse de ministros perante o Rei que incluem o juramento sobre a Bíblia.Já em sua segunda posse como “presidente do governo” — título oficial do primeiro-ministro na Espanha –, em abril de 2008, alguns ministros de Zapatero deixaram de “jurar” respeito à Constituição e “lealdade ao Rei”, substituindo o verbo pelo aparentemente mais laico “prometer”.

Image
Dezenas de cidades espanholas já adotaram a proibição da burka

Com a nova lei, o governo de Zapatero pretende também equiparar, em questões de isenção de impostos, liberdade total de culto e outras quatro confissões religiosas consideradas com “notórias raízes” no país — católicos ortodoxos, budistas, mórmons e testemunhas de Jeová — a diferentes correntes protestantes, aos muçulmanos e aos judeus, cujos dirigentes assinaram há 20 anos um acordo com o estado espanhol, da mesma forma como existe, há 30 anos, um conjunto de tratados com o Vaticano.

A QUESTÃO DA BURKA — A controvertida questão do uso ou não da burka– aquelas vestes medievais impostasàs mulheres muçulmanas, sobretudo, mas não somente, no Afeganistão — não consta da lei.

Dezenas de cidades espanholas, contudo,já adotaram a proibição, e não apenas em nome das liberdades públicas, maslançando mão de um expediente que esquiva o tema religioso: a burka impede que a pessoa seja corretamente identificada — em bancos, lojas e em eventuais abordagens pela polícia.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 7 =

42 Comentários

Ninkurou em 13 de outubro de 2011

Você viu as noticias falando sobre restrições de religião lá? Sobre passeatas anti-católicos,sobre incendiamento de igrejas e outras coisas terriveis que os cristões sofrem na espanha? Espero que o brasil nunca adote estas medidas, o Brasil foi eleito por uma revista como o pais de maior liberdade religiósa....

Ninkurou em 13 de outubro de 2011

Perseguem os católicos na espanha! Lá está um inferno cada vez maior para católicos, e agora em vez de leis que protegem a religião querem bater mais nela? Acho que a turma lá considera que matar cristões por serem cristões um ato constitucional...

LG em 22 de outubro de 2010

Ricardo Setti, Certamente estúpido 'in totum' o sr. não é. Então, a única justificativa que encontro para essa porcaria que o sr. escreveu aí em cima é má-fé, além do mais rasteiro ódio anti-religioso, nomeadamente órdio anti-católico. Devo lembrar-lhe que: 1º) o estado brasileiro é laico, sim, mas não é ateu. Como Rui Barbosa, o maior doutrinador da liberdade religiosa que este país já teve, lecionou há mais de um século, estado laico significa que o Poder Público, através de suas agências e agentes, é incompetente em matéria de opção religiosa, é neutro entre as diversas confissões existentes em dado país, deixando-se a escolha por tal ou qual religião à cargo da consciência individual dos crentes. Vale dizer, é o oposto do estado com religião oficial. Porém, isto não quer dizer que o estado deva ser indiferente ou hostil às manifestações religiosas preponderantes da população, às suas crenças principais e mais arraigadas, aos símbolos de tais crenças e às expressões públicas de fé. No Brasil, como não escapa a qualquer um com um mínimo de integridade intelectual, TODA A NOSSA CULTURA, repito, TODA foi informada e constituída sob o pálio da Igreja e da fé Católicas, sendo certo que ainda hoje é o Catolicismo Romano a religião da maioria esmagadora da nossa população. Que a fé fundante do país e preponderante entre a população tenha expressão pública, inclusive com a aposição de cruxifos nas repartições públicas e Fóruns de Justiça é algo tão natural quanto demonstração de que o Catolicismo está presente no 'ethos' popular de forma inequívoca. Estado que se insurge contra este fato elementar, não é um estado laico, mas um estado de militância atéia; 2º) O (des)governo do sr. Zapatero em Espanha é um governo radicalmente socialista e claramente hostil à religião do povo espanhol que é o Catolicismo. É um governo que tem reiteradamente ofendido a fé dos católicos daquele país e feito tudo o que está a seu alcance para afrontar as prescrições da Igreja em vários temas de interesse social, do "casamento" gay ao aborto. Não é um governo laico. É um governo de militantes do socialismo e do ateísmo; 3º) comparar os símbolos do cristianismo com aqueles da religião muçulmana, em se tratando de mundo ocidental, e pretender enxergá-los em pé de igualdade, é sinal de ignorância e má-fé. Se o sr., sendo um ocidental natural de um país feito à sombra do Catolicismo, não compreende a distinção entre a Cruz de Cristo e a tal burka, então, sinceramente, não tenho nada mais a discutir com o sr. É isso. Nunca mais retornarei a esta página de ódio anti-católico e de burrice seminal. Adeus. P.s: a burka não é um símbolo religioso. Vá estudar, burro!!! Que pena, L. G. Tão cheio de pompa e escreve esse bando de asneiras, ainda mais ofendendo a mim. Não me fale em ódio, porque seu comentário é eivado de ódio da primeira à última palavra. Lamento que os denodados esforços da senhora sua mãe para torná-lo uma pessoa educada e madura tenham fracassado.

Eduardo em 22 de outubro de 2010

Saudaçoes. Moro na Espanha e penso que o artigo comparou de forma muito breve a situaçao daqui com a do Brasil. 1º porque o PSOE (partido do Zapatero) é socialista no sentido estrito e tenta implantar seu programa. Já aprovou o aborto, pagamento para desempregados, etc. Agora está com os símbolos religiosos, porém, dada a crise, penso que nao se reelegerá daqui a 18 meses; 2º Aparte o esforço europeu de estabelecer estados laicos, o principal motivo para conter os "símbolos" religiosos em público creio ser o esforço que se está fazendo para impedir que os costumes muçulmanos (vide França com governo de direita) em relaçao aos direitos da mulher, que contrastam fortemente com os costumes ocidentais, se propaguem. Como as leis têm de ser genéricas, as proibiçoes se voltam a todas as crenças e todos os símbolos, mas a percepçao é de que é melhor "perder o anel do que o dedo". Assim, penso que a retirada de símbolos religiosos de instituiçoes públicas no Brasil (STJ por exemplo) é devida, mas pelo cumprimento constituicional do laicismo do Estado e nao porque se é mais ou menos religioso. Caro Eduardo, obrigado por daí da Espanha acompanhar o blog. Agradeço também seu comentário e, na verdade, tendo a concordar com você. Um abração e volte sempre.

veiaco em 21 de outubro de 2010

Quem não tem passado (não apreende com os erros e acertos), não tem futuro. O próximo passo seria a monarquia e o seguinte, pra que primeiro ministro.

Carlos em 20 de outubro de 2010

Caso seja aprovado esse projeto haverá um retrocesso na Espanha em vários sentidos. Todo o país que deixa de lado sua tradição, seus valores principalmente os religiosos perderá sua identidade se tornará um país decadente, corrupto e vil. Os valores tra dicionais,o sentimento patriótico e o núcleo familiar sólido é o que faz um país estável e próspero, caso contrário teremos um país doente,fraco, fragmentado onde o que vai predominar será uma ética utilitarista vazia valores humanistas seja de esquerda ou de direita.

Aldezir Vila Nova em 20 de outubro de 2010

E faz muitíssimo bem. Quantos anos perdidos e quanto sofrimento causados àqueles que não "rezavam pelo catecismo". Sábia decisão.

Rafael Martins em 20 de outubro de 2010

Aqui na Suécia, que é muito mais laica que a Espanha, banir as burqas iniciaria uma guerra civil...

ricardo em 20 de outubro de 2010

Talvez o Zapatero queira excluir Ávila do mapa. E a catedral de Gaudi. Chama-se intolerância. Caro Ricardo, o Zapatero não tem nada contra a igreja católica. Trata-se apenas de "laicizar" o estado espanhol. Quanto a Ávila, sinceramente eu não sabia que havia ali uma catedral de Gaudí. Acho que talvez você tenha se equivocado. A grande obra de Gaudí, que era catalão e só realizou obras na Catalunha, é o famosíssimo Templo Expiatório da Sagrada Família, em Barcelona, em construção há mais de 100 anos. Ávila é uma cidade da província do mesmo nome, situada longe da Catalunha -- na Comunidade Autônoma de Castillal y León. Abraços

Carlão em 20 de outubro de 2010

Ricardo, meu caro Ateu, considero que Zapatero exagerou. Funerais de Estado, por exemplo, são um caso à parte: por um lado são cerimônias públicas, já que são pessoas de relevo na História de um país, de uma nação. Por outro, nada mais particular e íntimo que as convicções religiosas e os ritos fúnebres que elas carregam. Acho mais civilizada a convenção que adotamos aqui: o velório é feito em edifícios públicos e o rito fúnebre é feito segundo a religião ou convicção do defunto (ou de sua família, já que morto não opina).

Antunes em 20 de outubro de 2010

PS - Em Deus nos confiamos, "in God we trust"

Antunes em 20 de outubro de 2010

Caro Ricardo, Eu concordo com muito dos seus argumentos em favor de um Estado laico. Acho que as decisões de Estado não podem ser motivadas por questões religiosas. E acho também que as discussões sobre o aborto foram conduzidas pelos candidatos presidenciais de maneira infeliz, mesmo não entendendo como retrocesso a Igreja ter se manifestado contra a sua legalização. Defendem os seus princípios, e tem o direito de questionar os candidatos a respeito. Além disso, temos o direito de saber as suas opiniões. Gostando ou não das opiniões da Igreja, esses debates fazem parte da democracia. Por outro lado, não acho totalmente possível separar o Estado da religião, ou melhor, dos princípios religiosos arraigados na nossa sociedade, na nossa cultura, na nossa formação educacional e no cotidiano. A proibição de símbolos religiosos em repartições, na minha opinião, reprime uma possibilidade de expressão espontânea da Fé, presente em nossa cultura. Na verdade, essa proibição não seria uma maneira de impor um multiculturalismo artificial em vez de sinalizar a separação entre Estado/Igreja? Se um muçulmano interrompesse por alguns minutos seu expediente para as suas orações seria condenável? Se um espirita, colocasse um copo d'água ou um livro espírita em sua mesa, também seria censurável? Porque um crucifixo, como uma demonstração de fé daqueles que trabalham em um escritório, é condenável? Isso não significa que o Estado está sujeito à Igreja, significa que as pessoas que trabalham ali professam o cristianismo, que faz parte de nossa cultura. Um abraço Antunes PS - Eu me lembro de a inscrição do dólar dos EUA, "Em Deus nós confio!"

Akva em 19 de outubro de 2010

Entre o Partido "SOCIALISTA OPERÁRIO" querer e o legislativo e o povo espanhol concordarem há uma certa distância, não acha?

Oz em 19 de outubro de 2010

Caro Ricardo, com todo o respeito, a questão dos símbolos religiosos tem, para mim, sentido que é dado nos dois textos publicados no assunto. Em primeiro lugar é de necessário que se diga que a própria Constituição da República em seu preâmbulo invoca a proteção de Deus. Seria, o preâmbulo da Constituição, inconstitucional? Atentaria contra o estado laico que nela se funda? Creio que não. Na verdade o laicismo do estado não se dirige a proibir os sinais de fé, e mesmo os símbolos religiosos( que num pais predominantemente cristão fazem parte da cultura e da história da nação). Segundo, deve ser sempre lembrado, o Estado, como criação do direito, tem sua legitimidade na política, com p maísculo, que se faz com a predominância de valores centrais de uma sociedade, nascidos das correlações de forças nela existentes. Evidente que tais valores são baseados em um consenso da maioria, respeitando os direitos da minoria. Assim, mesmo que não acredita em Deus, pelo motivo mesmo de não acreditar, não deveria se sentir ofendido pelo uso de símbolos, que deve inclusive considerar ridículos, mas que tem importância para uma grande parte, senão a maioria do povo, um dos elementos que constituiem o Estado. Neste sentido, faço minhas as palavras de Alexandre Martins, novel constitucionalista, que lembra, com propriedade, que nosso estado é Laico e não ateu, respeitando o direito de cada um professar sua fé. Estado Laico é aquele que não se subemte a religião, mas sem desrespeitá-la. Assim os símbolos hoje existentes em predios públicos lá estão por motivos históricos e culturais, não sendo apenas um elemento religioso. Lembro finalmente que em virtude de nao respeitarem tais aspectos, mesmo alegando motivo religioso, os talibas destruiram Budas erigidos em pedra, havia centenas de anos. Assim, considero que uma posição radical em favor de qualquer religião, ou contra ela (qualquer delas) afronta mais o laicismo do Estado do que a manutenção de símbolos. Aliás, mesmo aos nãos cristãos a existencia de um crucifixo em tribunais tem um efeito filosofico muito interessante, serve para lembrar como juizes sediciosos (a turba) e pusilânimes (pilatos) se unirão para dar azo a uma das grandes injustiças do sistema penal de todos os tempos.

geovani em 19 de outubro de 2010

simples é só o cristão não votar nesses políticos, ou na hora do voto eu sou católico desde criancinha?

Seilon em 19 de outubro de 2010

Me desculpe,mas o que você defende não é um estado laico,e sim,um estado ateu.Num estado laico não se pode admitir leis que obriguem o uso de símbolos religiosos,mas também não podem ter leis que os proibam.Que o governo faça,mas sem proibição legal.E quanto a questão da burca,é um absurdo que um sujeito aparentemente sensato como você tenha esse tipo de pensamento.Um país livre não pode obrigar uma mulher ou um homem a usarem aquilo que não querem,como também não pode proibir que seus cidadãos usem aquilo que queiram usar.Se uma muçulmana não quer usar uma burca,que não use,é um direito dela;mas se ela quiser usar,por achar importante,que use,pois também é um direito que um país livre tem de lhe dar.Você falou em outros posts em fundamentalismo religioso,por simplesmente igrejas Cristãs defenderem os seus princípios.Eu te digo que esse tipo de política do governo espanhol,que você acha uma maravilha,nada mais é do que uma espécie de fundamentalismo ateísta,ou coisa parecida.Pense bem:uma mulher espanhola não pode ser ela mesma ao chegar em muitos países árabes,por estes obrigarem as mulheres a andarem de burca;e uma mulher muçulmana,na Espanha, não pode ser uma muçulmana da forma que ela deseja ser,por a lei Espanhola proíbi-la de usar a burca.Isso,na sua opinião,são dois exemplos de países tolerantes e livres? Caro Seilon, eu não defendi propriamente nada. Apenas apontei contradição entre o que estatui a Constituição e a realidade do país. Abraços, volte sempre.

Perola em 19 de outubro de 2010

Religião não deveria ser tema principal de debate politico,voce está certo.Mas é interessante verificar,ao ler os comentários,como muitos se acham democráticos,ou seja,respeitadores dos direitos dos outros,mas não conseguem conviver com as opiniões dos demais:uns não se conformam por alguém não crer em um deus e outros exatamente porque crem.Isso acontece onde quer que os leitores possam comentar. Ouve-se muito na TV: "Há muita maldade no mundo porque muita gente não carrega deus no coração",ou seja,joga-se a conta da maldade nos que não professam uma religião.Li sobre um movimento de ateus contra a discriminação,pois são hostilizados ao se declarar ateus.Sempre se soube que a Dilma não tinha religião,a biografia dela era clara,mas ela deve ser derrotada não por ser ateia,mas porque é despreparada para o cargo. Obrigado por sua visita e seu comentário, cara Perola. De fato, é difícil para muita gente conviver com as diferenças, com diversidade de opiniões, ouvir e respeitar o outro. Neste blog têm aparecido muitas pessoas assim. Felizmente, há muitas outras completamente diferentes. Você, com certeza, é uma delas. Um abraço, volte sempre.

Zé Augusto em 19 de outubro de 2010

Prezado Ricardo, congrego na igreja Batista e, recentemente, questionei junto a amigos (todos cristãos) o absurdo da inscrição "Deus seja louvado" nas cédulas do Real, já que o Brasil se diz um estado laico. Qual não foi a minha suprpresa: todos, sem exceção, me condenaram, dizendo entre outras coisas, que eu era um "falso" cristão, que deveria defender a "divulgação" do nome de Deus, etc. Um absurdo!!

maria em 19 de outubro de 2010

Desculpe minha ironia do comentário anterior,mas é que o PT anda dizendo que quer tirar o Brasil do atraso,da religião católica...

maria em 19 de outubro de 2010

Mas como a Espanha está muderna,sô,vamos correndo copiar,com certeza eles são muito mais inteligentes do que nós... Quem falou em copiar? Só dei o exemplo de um país de grande maioria católica -- e há muito mais séculos do que o Brasil -- que está levando ao pé da letra, ou pretende levar, a questão do estado laico, não-religioso. Abraços, Maria, e volte sempre, mesmo não concordando com as coisas que se escrevem aqui.

Zé de Tremembé em 19 de outubro de 2010

Correção Ricardo: A espanha não pretende; o partido que está no poder pretende. Segundo o seu próprio texto, o projeto não chegou ao no Parlamento e os demais representantes do país não se manifestaram. Acho que você estendeu para todo o país, uma intenção de um grupo, que ainda não chegou ao país como um todo. Caro Zé, você tem razão. Vou lá mexer no título. Obrigado por sua visita, por seu comentário e por sua atenção. E volte sempre, hein? Abração.

JT em 19 de outubro de 2010

Caro Setti, Eu tinha como conceito que as monarquias européias eram uma instituição ligada à Igreja Católica, em princípio. No Reino Unido houve o sisma com o Vaticano, que resultou na criação da Igreja Anglicana. Está posto que o sistema de governo espanhol não é centrado no Rei Juan Carlos, mas a realeza espanhola é independente da Igreja Católica? Desculpe a minha ignorância no assunto. Confesso que sou cristão e se tivesse que emigrar para outra nação, evitaria os países onde o cristianismo é minoria. Nem todos os países são tolerantes como o Brasil. Talvez eu fosse bem aceito na Austrália e no Canadá. Creio que seja este o receio dos cristãos (brasileiros ou espanhóis) em permitir que seus símbolos sejam retirados da vida pública: o crescimento de outras religiões e minorias. Seria esta uma posição legítima ou preconceituosa? Não é uma discussão para ser encerrada num só tópico. Jean Caro Jean, A Espanha é um país onde reina a mais absoluta liberdade. Vou com frequência para lá, onde vivem minha filha e genro meu filho e nora e meu netinho. Poucos países no mundo gozam de tal grau de liberdade. No país há liberdade, e há respeito aos contrários. A monarquia espanhola é, digamos, pessoalmente católica, ligada tradicionalmente à Igreja, frequentam a missa, casam os filhos na igreja etc. Mas o Rei, segundo a Constituição, é o chefe de Estado, que é separado e independente da igreja. Do ponto de vista legal e constitucional, a monarquia espanhola, que foi aprovada em plebiscito em 1978, juntamente com a Constituição, nada tem a ver com a igreja católica. Quanto à questão de emigrar, além do Canadá e da Austrália, todos os países da Europa Ocidental são muito tolerantes e abertos em relação à religião, excetuada a Irlanda, umbilicalmente ligada à Igreja Católica. Um abraço, volte sempre.

Amadeus em 19 de outubro de 2010

O Zapatero só faz isso lá porque a Espanha de há muito já não conta com uma imprensa atenta e combativa como a nossa. Menos ainda, com políticos que honrem e defendam as seculares tradições do país. Queria vê-lo fazendo isso tendo nos calcanhares uma Veja, o Globo, Folha, Estadão. A imprensa espanhola é tão ou mais atenta e combativa quanto a nossa. E mais diversa, com mais tendências políticas. Há uma enorme diversidade de grupos de mídia, inclusive poderosos grupos regionais, com jornais e emissoras de rádio e TV fortes. Na Catalunha, por exemplo, o secular jornal "La Vanguardia", que está à frente de um poderoso grupo de mídia, é tão bom quanto "El País". Idem o "El Periódico", também de Barcelona, integrante do Grupo Zeta de comunicações. Uma imprensa regional forte, com pouquíssimas exceções, como no Paraná, na Bahia e no Rio Grande do Sul, não existe no Brasil. A diferença é que a imprensa regional na Espanha é mais independente do que a nossa, muito dependente do poder político logal. Um abraço, aparece sempre.

J.BRASIL em 19 de outubro de 2010

ACORDA GONZÁLEZ! A ELEIÇÃO JÁ COMEÇOU, MEU FILHO! FALE DA DÍVIDA DO LULINHA! TODO MUNDO ACHA QUE O BRASIL JÁ "PAGOU SUA DÍVIDA"! ATÉ PETISTA CRÊ NISSO! ACORDA GONZÁLEZ! DIA 31 JÁ É O DIA DA ELEIÇÃO! ORFEU! POR ZEUS! ACORDE O GONZÁLEZ! OU ESTAMOS ORANDO EM VÃO? ARCANJOS, ANJOS, SANTOS DOS CÉUS, OU HUMANOS QUE PISAM O CHÃO DURO! ACORDEM O GONZÁLEZ, O PROPAGANDISTA DO SERRA! ACORDA GONZÁLEZ! FALE PRO POVO QUAL É DÍVIDA DO BRASIL: Dívida Externa (inclui"Investimento direto: empréstimos intercompanhia") por ex: negócios entre FORD americana e a FORD brasileira. US$ 309 bilhões CONFIRA: bcb.gov.br/pec/sdds/port/sddsp.htm?perfil=1#ext Dívida Externa (fora os "investimentos direto sou empréstimos intercompanhia") US$ 235,4 bilhões CONFIRA:bcb.gov.br/htms/notecon1-p.asp Dívida Pública Bruta do Governo Central(em reais)R$ 1.996 trilhõesCONFIRA: bcb.gov.br/pec/sdds/port/sddsp.htm?perfil=1#real O BRASIL ESTÁ PEGANDO DINHEIRO EMPRESTADO NO EXTERIOR: 14/09/2010 16h24 - Atualizado em 14/09/2010 16h24 Tesouro levanta US$ 500 milhões na reabertura do Global 2041 CONFIRA: g1.globo.com/economia-e-negocios/noticia/2010/09/tesouro-levanta-us-500-milhoes! A NOSSA DÍVIDA PÚBLICA EM DÓLAR É DE U$ 1.300 BILHÕES! 72% DO NOSSO PIB DE U$ 1.800 TRILHÃO. ENTÃO: "o PIB brasileiro seria de 1,8 trilhão de dólares, ante 1,5 trilhão de dólares da Espanha"! É O QUE ESTÁ NA WEB! GONZÁLEZ!? TU TÁ NAS NUVENS? TU É UM ANJO, OU HUMANO? ACORDA!

JT em 19 de outubro de 2010

Caro Setti, Por coerência, se o governo da Espanha levar adiante tais propostas, num segundo momento isso implica em deposição do Rei Juan Carlos. Ou não? Parabéns pela coluna e por ler e responder os comentários! Obrigado por sua visita e por suas palavras generosas, caro Jean. Se houvesse tempo e condições, eu responderia a todos os comentários, mas, como felizmente eles aumentam dia a dia, isso não é possível. Quanto ao conteúdo do seu, não estou vendo conexão entre a questão da liberdade religiosa e o caráter não laico do estado espanhol e a monarquia, que foi absorvida pela Constituição e, posteriormente, aprovada em plebiscito pelo povo espanhol. Um abraço

adirn em 19 de outubro de 2010

Quem começou a provocar a questão religiosa foi o proprio PT em seu partido, desrespeitando o país. Agora é o momento dos religiosos reagirem, lutando para ganhar o candidato que não vai agredir seus direitos de crença e de sentimentos. O candidato não precisa ser religioso nem da mesma religião, mas precisa ser íntegro e honesto. É esta a questão. O PTNÃO FOI HONESTO, NÃO FOI INTEGRO, NÃO RESPEITOU A RELIGIÃO E ESTE É O MELHOR MOMENTO PARA OS RELIGIOSOS LUTAREM PARA EXPULSAR DO PODER AQUELE QUE FOI COLOCADO LA E NÃO FEZ POR MERECER. O PT SÓ LUTOU PELAS CAUSAS GAYS, MALTRATOU E HUMILHOU RELIGIOSOS. Os religiosos tem o direito sim de intervir nas eleições, como os miliantes gays fizeram a cabeça dos governantes, os religiosos tem os mesmos direitos, e se possível da sociedade.

adirn em 19 de outubro de 2010

Existe uma grande diferença muito grande entre o aborto ( que é assasinar crianças) e o excesso religioso ( preconceituoso) de proibir as mulheres de mostrar seus corpos. É diferente obrigar padres e pastores a casarem gays se eles não querem, não gostam ou se sentiriam constrangidos, isso vai contra a liberdade dos padres e pastores. sem levar em conta a questão religiosa, é obrigar a alguem fazer algo que o constrange, isto está contra a constituição e contra os direitos humanos.

Rodrigo em 19 de outubro de 2010

Estado laico não quer dizer estado anti-religioso. A laicidade não se expressa eliminando símbolos religiosos, mas tolerando os mesmos. O Brasil é um país de formação cristã e maioria cristã, logo a presença de símbolos religiosos pertence à nossa história. Ou acaso devemos derrubar também o Cristo Redentor? Curioso também que a atitude tomada na Espanha venha de um partido socialista, os mesmos socialistas que há 70 anos atrás massacraram religiosos em nome dessa "tolerância" Sugiro que converse um pouco com seu companheiro de Veja, Reinaldo Azevedo, sobre esse assunto. Poderão trocar muitas informações: http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/a-intolerancia-dos-tolerantes-ou-derrubem-o-cristo-rendentor-e-ponham-descartes-no-lugar/

julio em 19 de outubro de 2010

Acho interessante, desde que, por exemplo, quem é budista não seja proibido de uma imagem de Buda na parde de sua repartição, ou mesmo Cristo, se for cristão. Mas acho uma grande bobagem discutir essas coisas quando há tanta fome para ser saciada, e esta não tem face nem credo. Na mesma medida que ninguém é obrigado à cruz na parde, também não deveria ser desobrigado, se a colocar.

Rodrigo em 19 de outubro de 2010

Espanha católica? A Espanha de Teresa Dávila, de Santo Inácio de Loyola, de São João da Cruz, sim, essa Espanha era católica. A Espanha da Guerra Civil, das centenas de mártires católicos, perseguidos pelos comunistas, arrastados e esquartejados pelas cidades, pendurados nas praças, das Igrejas incendiadas e esquartejadas, não, essa Espanha não é católica. Essa Espanha continua até hoje a perseguir a religião. Pesquise a situação dos padres ainda hoje na Espanha, outrora um Reino de Cristo, onde não podem nem mais usar clergyman em certas localidades, sob o risco de apanharem. Caro Rodrigo, Visito religiosamente a Espanha, onde vivem minha filha e meu filho, e lhe asseguro que é um absoluto delírio falar em perseguir religião no país. Quanto à Guerra Civil, houve massacres e barbaridades dos dois lados. Bas ler um único livro isento sobre a tragédia, não mais do que um. Abraços

pedro simon bolivar em 19 de outubro de 2010

a europa vai daí pra baixo... é bíblica a profecia da apostasia das nacoes...

Anouk em 19 de outubro de 2010

Num país cristao, como o Brasil, aceitar o crucifixo em Instituicoes Públicas é um ato de tolerância; ou nao? Por outro lado o crucifixo simboliza o respeito aos valores morais universais; ou nao?

amauri em 19 de outubro de 2010

Boa tarde Ricardo! O governo espanhol PRETENDE banir a liberdade religiosa. Para isto ele precisa de aprovação do congresso, certo? Os cristãos possuem uma cultura. Dentro desta cultura valores. Eles pretendem tambem coibir a expressão cultural dos cristãos? Caro Amauri, acho que você não entendeu o post. O governo espanhol não pretende banir a liberdade religiosa -- a Espanha é um dos países mais tolerantes do planeta. Pretende, sim, tirar a religião da coisa pública, do estado. Também que não se privilegie uma religião em detrimento das demais. E, sim, o projeto precisa passar pelas Cortes, o Parlamento. Um abraço, volte sempre.

Marco A em 19 de outubro de 2010

Caro Jornalista Ricardo Setti A Dilma chamou os Paulistanos de Bestas em seu blog oficial de campanha. O que acha de reproduzir aqui em sua pagina, na primeira pagina ???? Quem sabe ainda fazer uma enquete sobre o assunto .. Abraço. Esse "Blog da Dilma" não é blog da candidata, mas de partidários dela.

Naomi em 19 de outubro de 2010

Ricardo, e a questão da saúde de Dilma, ninguém vai abordar? Até um cego vê que que ela não está com aspecto saudável. Será que corremos o risco da História se repetir? Quando morreu o Tancredo, aquele que atende pelo apelido de Madre Superiora (por ter se adonado do Convento das Mercês) recebeu a presidência numa bandeja de prata e protagonizou um dos peíodos mais turbulentos do país. E que faremos se o mesmo acontecer com Michel Temer? Aí lhe digo: teremos que temer mesmo. Aborde isso, homem do céu, estou morrendo de medo, confesso. Oi, Naomi. Acho que fui um dos raros, raríssimos jornalistas que abordou isso, longamente -- e justo no meu primeiro post, o post de estréia do blog,dia 13 de setembro. É uma questão de interesse público e a própria Dilma deveria esclarecer o assunto. É dever dela. Obrigado pela visita. Um abraço.

Petterson em 19 de outubro de 2010

Com tantos exemplos na Europa, vamos nos apegar justamente à Espanha? Podemos aproveitar e já ir para Portugal ou Itália. Tenha paciência. Caro Petterson, Sou eu quem peço: tenha paciência comigo... Diante da reação a meu post sobre "Chega de Deus na campanha presidencial", pincei um exemplo para mostrar que existem países onde a questão está sendo debatida. Não abordei outros países europeus e sim a Espanha porque lá, sim, isto está sendo debatido precisamente agora. Um abraço, volte sempre.

sandoval sader em 19 de outubro de 2010

escrevi errado: posto em lugar de post. "Nao de sua" = Nao sei de sua...

roberto stone em 19 de outubro de 2010

Estou de pleno acordo. O Cristão deve ser reconhecido pelo seu modo de proceder, como um imitador de Cristo e os símbolos de sua fé devem ser levados em seu interior. As atitudes exteriores, típicas dos fariseus que, para serem reconhecidos, oravam em voz alta nas esquinas e tocavam trombetas quando davam esmolas foram desprezadas e condenadas pelo Mestre.

sandoval sader em 19 de outubro de 2010

Caro Jornalista, Ví hoje seu outro posto sobre religião. E agora este. Nao de sua crença religiosa. Embora aprove, sempre, seus cometários aqui no blog, fico preocupado em notar uma certa implicancia sua com a religião. Sou católico e nao acho que os governos, em nome do laicismo dos paises, devem se preocupar com retiradas de simbolos religiosos que ja fazem parte de nossa cultura e costumes. A bobagem do pio Sarney em colocar Deus nas notas eu acho mesmo um disparate. Quanto a manter Crucifixos em repartições publicas, principalmente no Brasil, se ofende é a uma minoria. Minha opinião.Abração. Caro Sandoval, nada tenho de implicância contra as religiões. Pelo contrário, tenho profundo respeito por todas. O objetivo do artigo foi mostrar as contradições entre um estado que se diz laico e a realidade de seu dia-a-dia. Abraços, volte sempre.

Paulo em 19 de outubro de 2010

Parabéns aos idiotas socialistas operários. Vão renunciar à sua cultura, expurgar o cristianismo da vida pública a troco de nada enquanto os muçulmanos são cada vez mais assertivos. Podem ir pro buraco sozinhos, desse exemplo não precisamos. Até funeral tem querem que seja laico... Asneira pouca é bobagem... A Inglaterra e Argentina não têm essa separação obsessiva, são democracias piores por isso?

sem_opcao em 19 de outubro de 2010

Se criticam quando se quer fazer fazem, dizendo que somos imitadores de gringos,por que deveríamos imitar a Espanha ou qualquer outro país, seja ele católico( ou + católico) ou não.Sejamos apenas brasileiros, com nossa história e mais nada.Somos ou não uma nação?( mesmo q queiram destruí-la).Copiar para que?

Anônimo em 19 de outubro de 2010

Vox Populi aponta = Dilma: 93%, Serra: 7% Aprovação do Governo Lula: 99,99999999999999999999%

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI