Image
Javier De las Muelas com a cliente que bebeu o milionésimo drinque, a advogada Sylvia Budet (Foto: Avui)

Por Daniel Setti

Por volta das 21h20 do dia 30 de junho de 2010, a advogada e professora universitária espanhola Sylvia Budet pediu ao barman do Dry Martini, o mais emblemático bar de coquetéis de Barcelona, um dos grandes bares charmosos da Europa, uma dose do drinque que lhe dá nome, vendido por 10 euros. Foi como se o tempo parasse.

Diante de uma coluna de fotógrafos que disputava espaço na frente do balcão, o empregado, vestindo impecável camisa alva e gravata azul de bolinhas brancas, entregou a bebida a Sylvia e caminhou tranquilamente em direção a uma placa com os dizeres The One Million Celebration (“A Celebração do Um Milhão”).

De trás do cartaz surgiu a numeração digital de um moderno placar sinalizando o número 1.000.000. Só então Sylvia pôde sorver, como indicou o marcador, a milionésima — sim, amigos, vocês leram direito, a mi-lio-né-si-ma — taça de dry martini servida pelo elegante bar situado no bairro do Eixample.

Evento comemorativo internacional

 

Javier-de-las-Muelas- coqueteleiros-convidados-placar-Dry Martini)

 

As dezenas de flashes que registraram os goles da premiada foram apenas mais um dos superlativos que acompanharam Javier de las Muelas, 56, barcelonês dono do Dry Martini Bar, em sua empreitada rumo à incrível estatística, registrada desde 1978 pelo dono anterior do local, Pedro Carbonell, ainda à base de papel e caneta.

Para celebrar o acontecimento, De Las Muelas preparou um grande escarcéu midiático e de marketing, convidando mais de 30 coqueteleiros de diversos países ao bar – que já foi visitado por celebridades como Cindy Crawford, Harrison Ford e Mario Vargas Llosa – e lançando vários produtos, em edição limitada comemorativa, em lojas de grife de Barcelona. Em sua homenagem, a prefeitura da cidade organizou uma recepção.

De médico a cientista louco dos coquetéis

O médico de formação De las Muelas comprou o Dry Martini em 1996, mas frequentava o local desde sua inauguração, dezoito anos antes, por pura admiração aos dotes coqueteleiros de Carbonell.

“Entrar aqui era como ingressar no Vaticano dos bares”, recordava o expert em coquetéis, em entrevista concedida a mim em 2008, diante do placar que então mostrava o número de 978.655 doses consumidas. Para ele, fã de metáforas religiosas sobre o ato de beber com os amigos (“ou liturgia”), “o bar é a igreja, o barman é o sacerdote e o balcão é o altar”.

Hoje comanda mais de 50 funcionários, dá palestras dentro e fora da Espanha, coordena uma escola, escreve sobre coquetéis no tradicional jornal La Vanguardia e não pára de abrir novos estabelecimentos, como o Speakeasy, restaurante anexo ao Dry Martini, e a filial madrilenha do bar.

Image
Bebida inspirada no dry martini, mas com toque de wasabi (Foto: Dry Martini)

Em 2005 De las Muelas resolveu ir além, criando linhas de cerca de 25 coquetéis inspirados no dry martini – incluindo receitas com wasabi (a raiz forte), gelatinas e frapês – que lhe renderiam apelidos como “o Ferran Adriá dos coquetéis”, em alusão ao maior chef do mundo, também catalão, e multiplicando sua reputação.

Rumo ao segundo milhão

O fato de ter entre seus admiradores divas como Sharon Stone – que lhe encomendou um coquetel especial – e oferecer instigante menu degustação que combina seus experimentos etílicos à alta gastronomia no Speakeasy contribui para o burburinho. Mas dificilmente alguma outra façanha sua superará o barulho que o 1.000.000 de dry martinis vendidos fez.

Aliás, na última terça-feira, quase quinze meses depois da One Million Celebration, o incansável placar do Dry Martiny Bar apontava 1.013.915 de drinques vendidos. Ou seja, desde a grande data foram bebidos uma média aproximada de 31 dry martinis por dia.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez + 17 =

2 Comentários

Marco em 03 de outubro de 2011

Amigo Setti: Daniel, grande reportagem 1 pelo espírito empreendedor q o blog desenvolve, 2 q pelas minhas observações existe 2 formas em grandes restaurantes e bares de luxo, q são interessantíssimas, 1 primeiro é a busca do paladar e depois o visual. Ao contrário dos restaurantes popular q 1 buscam o visual e depois o paladar, o q isso significa 1 esfomear em vez de saciar. Abs. Obrigado, caro Marco. Este bar realmente é especial, tanto pela qualidade (mais de 1 milhão de dry martinis!) quanto pela qualidade. Um abraço, Daniel

Nilson Torres em 02 de outubro de 2011

Setti Minha Nossa Senhora que noticia relevante.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI