Foi terrível contemplar as cenas de horror ocorridas na região serrana do Estado do Rio no começo deste 2011, com quase mil mortos em consequência de inundações e deslizamentos em sete cidades da região. Pelo menos 99 pessoas são consideradas desaparecidas e os atingidos, muitos deles até então vivendo em áreas de risco, não têm ideia de como tocarão suas vidas para frente.

A fiscalização dessas áreas de risco e de obras irregulares é uma das responsabilidades do Ministério Público.

O MP até procura fazer seu papel fiscalizador, mas muitas vezes não vê resultado algum quando os processos que instaura vão para a Justiça. Diz a respeito a promotora de Justiça Aldaíza Miranda, de Teresópolis (RJ):

— Um dos problemas que enfrentamos é que nossa legislação processual faz com que o Judiciário julgue uma ação civil pública que interessa a 150 mil pessoas e o despejo do inquilino de um botequim da esquina com a mesma urgência.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − dois =

Nenhum comentário

Atento em 19 de janeiro de 2011

"...com a mesma urgência" entenda-se "...com NENHUMA urgência".

Marco em 19 de janeiro de 2011

Caro R. Setti: Completando, no terreno da vergonha! Abs.

Marco em 19 de janeiro de 2011

Caro R. Setti: Não sei o q é o mais perigoso ! Abs.

Camada von Ozonio em 19 de janeiro de 2011

CABRAL. SOTERRA, MATA E ABANDONA.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI