Image
Vista noturna de Istambul, a grande metrópole da Turquia

Os obstáculos para a Turquia ser aceita na União Européia, sobretudo criados pelos governos da França e da Alemanha, reticentes, entre outras razões, a abrigar um país muçulmano de 74 milhões de habitantes no seio de uma aliança de nações de origem cristã, parecem não levar em conta o acelerado processo de modernização do país.

A modernização inclui o uso da internet, ainda pedestre e incipiente na maioria dos países muçulmanos do Oriente Médio — mesmo os riquíssimos, como a Arábia Saudita ou o Kuwait.

Para ficar em apenas um dado, Turquia é o quarto país do mundo com o maior número de usuários ativos no Facebook, atrás apenas dos Estados Unidos, do Reino Unido e da superpopulosa Indonésia — cerca de 23 milhões de pessoas, ou quase 30% da população. Só nos últimos seis meses, mais de 1 milhão de internautas turcos se cadastraram na rede social, segundo dados do site Facebakers.com. (O Brasil está em 20º lugar).

Image
No avião presidencial turco, o presidente Abdullah Gül (à direita) com o colega alemão Christian Wulff e as esposas, em foto que ele próprio colocou no Twitter

O presidente da República, Abdullah Gül, é ferrenho adepto do Twitter, onde tem 133 mil seguidores e costuma postar recados políticos importantes.

Recentemente, por exemplo, ele protestou de forma dura contra decisão da Justiça que bloqueou vídeos do YouTube. (A Justiça turca vem decretando o bloqueio de páginas do site de vídeos diante da guerra virtual desatada em 2007 entre internautas nacionalistas turcos e gregos — a Grécia é rival histórica da Turquia).

Traduzida para o português, a mensagem tem mais do que os 140 caracteres máximos do Twitter, mas aqui está: “Boa noite a todos”, começa a mensagem. “Quero compartilhar com vocês minhas opiniões sobre vários temas. Sou absolutamente contra a censura na internet. Pedi que se busque uma solução. Se for necessário, mudaremos as leis”.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 + 7 =

3 Comentários

Rafael Martins em 24 de novembro de 2010

Ao visitar Istambul, compartilhei de sua opinião de que a Turquia deveria ser aceita na União Europeia. Mas quando considerado o leste turco, conhecido também como Curdistão, a Turquia ainda tem muito a fazer. A região está infestada de terroristas. E os turcos tem uma posicão preconceituosa em relacão aos curdos, mesmo quando considerado todos os esforcos dos últimos anos em relacão a maior aceitacão desta minoria nem tão pequena.

Engov em 23 de novembro de 2010

Muito pelo contrário! A Turquia só é considerada para entrar para a União Européia por causa de seu processo de modernização. Os outros países foram considerados e aceitos por causa de aspectos culturais e apesar de suas graves deficiências econômicas e políticas (Os PIIGs, os países bálticos, por exemplo). A Turquia é considerada por causa de seu processo de modernização e ocidentalização e apesar de sua língua, cultura, e religião não constituírem parte da Europa.

V.H. em 23 de novembro de 2010

Com essa mensagem ele já ganhou meu respeito.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI