Image
A capa do disco: padrão gráfico colorido e moderno, com fotos do craque holandês Anton Corbijn, já era indício de que nascia um novo U2

Por Daniel Setti

Quando, em outubro de 1990, os quatro integrantes do U2 se deslocaram a Berlim para gravar seu sexto disco, levaram na bagagem uma grande ansiedade por criar uma sonoridade inédita.

O grupo irlandês necessitava encerrar a primeira e bem-sucedida década de sua carreira, que chegara ao auge – tanto artisticamente quanto comercialmente – com o excelente álbum The Joshua Tree, de 1987.

Berlim, os estúdios Hansa e Brian Eno – o triângulo definitivo

Trouxeram a tiracolo também um enorme apetite por interagir com a história recente. A escolha da cidade alemã não fora por acaso: apenas 11 meses antes o muro de Berlim havia caído e as duas Alemanhas agora eram uma só, simbolizando o fim da era comunista e o início de um período promissor para o país europeu. O U2 queria estar lá e se alimentar da atmosfera de otimismo daquele lugar, naquele momento.

Igualmente pouco aleatória foi a decisão de gravar o material inédito nos estúdios Hansa. Localizado a apenas 100 metros do muro, era uma espécie de templo sagrado pop por ter sido o lugar de gestação de discos míticos, especialmente Low (1977) e Heroes (1978), de David Bowie.

Tampouco era gratuita a presença de Brian Eno, um velho conhecedor de Hansa justamente por ter trabalhado com Bowie naqueles dois álbuns, como produtor.

Eno, aliás, já era um veterano em projetos de Bono e companhia, com quem começara a colaborar na intensa bolacha Unforgettable Fire (1984), e ainda viria a dividir créditos com o grupo em muitos outros momentos de sua carreira. Seu fiel escudeiro Daniel Lanois seria o outro encarregado das gravações.

Uma “outra banda”

A combinação de elementos não poderia ter surtido maior impacto. Mais de um ano depois das primeiras sessões, a 19 de novembro (precisamente há 20 anos, portanto), era lançado Achtung Baby (“Atenção Baby”, em alemão), o resultado da imersão berlinense.

Não fossem algumas características fundamentais do U2 tão marcantes – a voz e as canções de Bono, a guitarra espacial de The Edge e a “cozinha” firme de Adam Clayton e Larry Mullen Jr. -, dava para dizer, à audição do primeiro single, “The Fly”, que tratava-se de uma outra banda. A estética ágil e colorida do videoclipe eram também uma pista sobre a reinvenção. Assistam:

Edge radicalizara ainda mais nos efeitos de guitarra, tornando-a ácida e sensual, a batida de Mullen Jr. vinha carregada de suíngue funk diretamente influenciado pela cena musical de Manchester (Stone Roses, Happy Mondays), e Bono cantava agora com mais malandragem.

Outras músicas de trabalho iam sendo divulgadas – “Mysterious Ways”, “Even Better Than the Real Thing”, “Who’s Gonna Ride Your Wild Horses”… – e ficava claro de que o U2 não só criara uma de suas obras-primas, mas também entrara em sua segunda etapa, abraçando a ironia, o glamour visual (Bono agora usava modernos óculos e reluzentes jaquetas de vinil) e experimentações eletrônicas (parte delas chupadas de vanguardistas alemães como Kraftwerk e Einstürzende Neubauten). Para trás ficara o período anterior, de aura mais séria e messiânica.

A turnê que se seguiria, “Zoo TV”, atestaria a nova pegada ousada, com gigantescos telões controlados por controle remoto pelo vocalista e a maior parafernália que uma banda já carregara na estrada até então (assistam abaixo trecho da abertura de um show da época na Austrália)

Comemorações

Definitivamente, as duas décadas de Achtung Baby não estão passando batidas. Entre os marcos comemorativos estão o lançamento de AHK-toong BAY-bi, coletânea-tributo organizada pela revista inglesa Q – a mesma que classificou o U2 como a melhor banda de rock dos últimos 25 anos – em que diversos nomes de peso releem o repertório do hoje clássico trabalho. Entre os quais, Jack Wihte, Depeche Mode, Nine Inch Nails e The Killers.

Outra homenagem é prestada com o ótimo documentário From the Sky Down, do diretor norte-americano Davis Guggenheim, que recupera as raízes da banda até chegar na produção de Achtung Baby e esmiuçá-la. Abaixo, a primeira parte do filme (com legendas em espanhol).

LEIA TAMBÉM:

Especial 11 de Setembro – U2 voltou a se inspirar em Nova York após tragédia

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 + 14 =

2 Comentários

Geneurônios em 23 de novembro de 2011

Ninguém mais postou nada ? Só eu que me interesso por certos aspectos musicais? E nem sou grande fã do U2 !!!

Geneuronios em 19 de novembro de 2011

Para conhecer como o The Edge cria seus sons na guitarra é indispensável o recente DVD/Blu-ray "A TODO O VOLUME", com a presença também do Jimmy Page e do ...,ih esqueci o nome. Indispensável!!!

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI