Uma cláusula de segurança do edital de concorrência impedirá que, por causa do terrível acidente de ontem em Santiago de Compostela, na Espanha, a estatal espanhola de ferrovias, Renfe, participe da concorrência para o trem-bala brasileiro. 

A cláusula de segurança é sábia e certamente tem suas razões de ser, mas a Renfe é uma estatal competente e responde pela segunda maior rede de trens de alta velocidade do mundo, o AVE espanhol, com cerca de 3.500 quilômetros de linhas — atrás apenas da gigante China, com seus espantosos 9.300 quilômetros.

Por comparação, é bom lembrar que, na Europa, a pioneira França tem 2.000 quilômetros e a poderosa Alemanha, pouco mais de 1.300 — e o território de ambas é maior do que o da Espanha.

Apesar da crise que afeta a Espanha, a Renfe ainda toca, em baixa velocidade, obras que, ao final, significarão um acréscimo de 1.800 quilômetros ao total da rede do AVE.

Pedro Peduzzi
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Integrante de um dos consórcios apontado como favorito para participar da licitação do trem de alta velocidade (TAV) que vai ligar Campinas, São Paulo e Rio de Janeiro, a operadora estatal [espanhola] Renfe pode ser excluída do processo licitatório.

Uma cláusula do edital não permite a participação de operadoras envolvidas em acidentes fatais nos últimos cinco anos. A Renfe opera o TAV espanhol que descarrilou ontem (24) no norte da Espanha em acidente que, até o momento, já contabiliza 78 mortes. [Atualização: o número de mortos até este momento chega a 84.]

De acordo com a [estatal brasileira] Empresa de Planejamento e Logística (EPL), o edital de licitação do TAV prevê que “cada participante deverá apresentar na entrega das propostas uma declaração de que não participou de sistema de TAV com acidente fatal no período de cinco anos”. O prazo para entrega das propostas está marcado para o dia 16 de agosto, na sede da BM&F Bovespa, em São Paulo. A mesma regra já havia inviabilizado a participação da empresa China Communications Construction no certame.

Em maio, a ministra espanhola de Fomento, Ana Pastor, havia confirmado que as três empresas públicas – Adif (administradora de infraestruturas), Ineco (engenharia e economia de transporte) e Renfe (operadora de ferrovias) – formariam um consórcio para participar da licitação do TAV brasileiro. Com o acidente, o consórcio terá de procurar um novo operador de ferrovias para ter condições de participar do processo licitatório.

Image
Bombeiros fazem o resgate dos restos do trem em Santiago de Compostela (Foto: Lavandeira Jr. / EFE)

Em dezembro do ano passado, logo após visita da presidenta Dilma Rousseff à Espanha, a EPL, estatal brasileira responsável por planejar e promover o transporte ferroviário de alta velocidade no país, assinou um acordo de cooperação com a Ineco, outra integrante do consórcio espanhol.

Entre os objetivos do acordo, ao qual a Agência Brasil teve acesso, está o desenvolvimento de uma “estratégia macro de implantação de um sistema de alta velocidade no Brasil” e suas “implicações tecnológicas de desenvolvimento regional, sociais e ambientais, incluindo a definição da estrutura institucional e funcional da EPL”, além de treinamento de pessoal.

Na época, tanto o ministro dos Transportes, Pedro Passos, quanto o presidente da EPL, Bernardo Figueiredo, negaram que a parceria resultaria em qualquer tipo de favorecimento às empresas espanholas durante os processos de licitação do TAV brasileiro. (…)

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × quatro =

15 Comentários

Santana*100 em 29 de julho de 2013

190 Km/h foi o que disse a repórter! Esses Trens de alta velocidade têm computadores que monitoram sua velocidade por todo o percurso. Como pôde o maquinista imprimir uma velocidade dessas! sem que os computadores avisassem que o TREM estava numa velocidade totalmente incompatível com o trecho que ele percorria? A Central de Monitoramento não avisou ao maquinista? – Particularmente não acredito que o maquinista seja o único culpado. - Outro fato interessante notar: a Locomotiva fez a curva, mas foi descarrilada pelo primeiro vagão. Algo de muito errado nesta história! Aguardaremos as investigações.

Robert em 28 de julho de 2013

Pois é, Setti, o presidente da Renfe já deve ter se acertado com o José Dirceu e está tranquilo quanto à participação na "disputa" do trem-pirulito brasileiro: Folha de SP: O presidente da empresa espanhola Renfe, operadora estatal dos trens em seu país, afirmou que o descarrilamento que matou 78 pessoas em Santiago de Compostela não deve afetar a qualificação da empresa para disputar a licitação do trem-bala brasileiro. A empresa é uma das principais interessadas em construir o trem-bala entre Rio e Campinas, e o leilão ocorre em 13 de agosto. "Não aconteceu numa via de alta velocidade, nem num trem de alta velocidade, e por isso não é um acidente da alta velocidade espanhola", afirmou o presidente da Renfe, Júlio Gómez Pomar, à agência Efe. Segundo ele, a linha onde ocorreu o acidente "é mista, de transição para a alta velocidade", mas o trecho onde ocorreu o acidente não é de alta velocidade e por isso não teria os sistemas de segurança adequados.

Corinthians em 27 de julho de 2013

MILTON SIMON PIRES - 26/07/2013 às 11:06 Pior que é verdade, e realidade. Não se chama PVP, mas MAV - Militância em Ambientes Virtuais, um grupo do PT, bem remunerado...

O Bebum da Rosemary em 26 de julho de 2013

No Japão com tsunamis,terremotos,furacões,nevasca,chuvas de verão(que eles chamam de guerrilha gou) e um calor desgraçado,desde que foi criado o primeiro shinkansen até hoje não houve um único acidente.

Paulo em 26 de julho de 2013

Como engenheiro ferroviário, eu torço para que esse trem bala NUNCA seja uma realidade aqui no Brasil. A não ser que aprendamos antes a operar ferrovias. Aí estão as operadoras de carga com acidentes diários que provam isso.

MILTON SIMON PIRES em 26 de julho de 2013

EXPRESSO DA REALIDADE – PATRULHA VIRTUAL PETRALHA (PVP) Milton Simon Pires Caros leitores, às vezes nunca é demais reforçar determinadas coisas que quase todo mundo já sabe, né? Nosso tema aqui vai ser a PVP - Patrulha Virtual Petralha. Eu ainda não havia escrito nada mais extenso sobre isso, pois então...lá vai.. Antes de começar, um aviso: faria parte da própria tática da PVP insistir que ela mesma não existe não fosse uma burrice que já cometeram e que agora derruba essa idéia. Sabem qual? O próprio PT noticiou sua criação! Reynaldo Azevedo escreveu sobre isso com muito mais elegância do que eu possa tentar aqui. O Ricardo Noblat e a Folha de São Paulo também apresentaram a notícia, lembram? Pois é.. A idéia de patrulhar toda sociedade de forma alguma nasce com o PT mas é necessário fazer uma grande distinção com a noção de censura da Ditadura Militar que tantas vezes os bandidos petistas fazem questão de lembrar. O "patrulhamento" é fenômeno distinto..é muito mais sutil e muito mais covarde. Governos que estabelecem censura em algum momento deixam "claro" o que pode ou não ser escrito - patrulhas; não. Na China em 1966 os Guardas Vermelhos criaram um tipo de terror resumido muito bem na seguinte piada: Contam que 3 sujeitos estavam dentro de uma cela de prisão sem luz em Pequim e começaram a conversar. O primeiro perguntou a um deles - Por que você está aqui? Resposta do sujeito - Porque sou a favor de Mao Tse Tung. Repetiu a pergunta ao segundo preso. Resposta - Porque sou contra Mao Tse Tung..Estabeleceu-se aí um silencio constrangedor até que um dos questionados perguntou a quem começou a conversa - E você, o que foi que fez de errado? Resposta – Nada! É que eu sou o Mao Tse Tung.. Esse tipo de absurdo mostra qual a lógica da patrulha: criar um ambiente em que não é possível confiar em mais ninguém. Afirmo que isso não tem nada a ver com censura e que gera nas pessoas o medo de ser perseguido pelos petralhas em seus locais de trabalho e estudo! Isso nada tem a ver com a idéia de liberdade na internet. Hoje o PT consegue pagar, sim PAGAR, gente para controlar tudo que se escreve contra eles no Facebook e nos Blogs que vão contra o governo provando que a sua relação com o Estado de Direito é, como já escrevi um dia, de promiscuidade. Para uma organização criminosa como é esse partido, a Constituição deve ser respeitada somente quando serve a seus interesses; caso contrário que vá para o inferno. Esse fenômeno de controle da internet pela PVP só pode ser entendido em toda sua gravidade se compreendermos corretamente o que essa rede se tornou..É um absurdo dizer que trata-se apenas de um meio de comunicação. Faz tempo que a rede mundial deixou de ser isso e tornou-se um universo cultural próprio capaz de gerar um linguagem e um código de ética específicos. Fala-se hoje em "netiqueta"..palavras criadas online constam em dicionários clássicos, relações amorosas começam e terminam baseadas nessa coisa..revoluções são combinadas em "tempo real"..Pergunto: como pode alguém afirmar que a PVP é "parte do jogo" e que trata-se da "democracia virtual"?? Se alguém me perguntar: "Mas Milton, quer dizer que não se pode defender o PT na internet??" Minha resposta é com outra pergunta - "Com a ajuda da ABIN??" Com dinheiro público envolvido na monitoração do que as pessoas escrevem contra o Governo Federal?? É disso que devemos ser a favor para evitar "a volta dos militares"?? Meus amigos, todo esse texto resume-se da seguinte maneira: O PT nasceu para fazer no Brasil uma revolução cultural e depois transformá-lo na Cuba da América do Sul. Não pode haver, no seu plano de poder, nenhum aspecto da cultura capaz de escapar ao seu controle. Internet não é exceção. Não adianta ganhar eleições com dinheiro das FARC, matar prefeitos ou financiar Marchas de Maconheiros, Vadias ou Movimentos Gays, se não se detém a hegemonia também no mundo virtual..um mundo muito mais rápido e imprevisível que aquele que o PT pode comprar, que se confunde com a própria realidade de uma maneira cada vez mais perigosa e que arrasta como um locomotiva tudo que vem atrás..Foi por causa disso que a PVP nasceu..para ser a maquinista do expresso da realidade.. Dedicado a homens como Reynaldo Azevedo, Augusto Nunes e Ricardo Setti..e a tantos outros que ainda são jornalistas de verdade nesse inferno vermelho em que vivemos Porto Alegre, 26 de julho de 2013 AVC (antes da vinda dos cubanos)

Robert em 26 de julho de 2013

A matéria completa do Guardian, fonte do texto resumido da Folha, dá uma maior profundidade ao aspecto politico que resultou na construção criminosa da perigosa curva. Aos interessados: Spain train crash: human error over decades, not just seconds http://www.guardian.co.uk/commentisfree/2013/jul/25/spain-train-crash-human-error

roby em 26 de julho de 2013

Será que o nosso (des)governo vai mesmo insistir nesse elefante branco? Se as próprias empreiteiras nacionais — que irão enriquecer nababescamente com a estrovenga — veem o empreendimento com ressalvas, o que esperam "as oposições" (e também os tão louvados manifestantes) para enterrar de vez essa pretensão descabida?

Paul em 26 de julho de 2013

Mas ainda estao pensando nesse absurdo ...., deve ser coisa do Lulao e do lulinha para **** **** ***** ***** ****** **** .....

Robert em 26 de julho de 2013

Matéria da Folha de hoje revela que a curva foi comprometida por interesses politicos, que demandavam a entrega rápida da obra, rapidez que não seria possivel se tivessem sido desapropriados os terrenos necessários para construir a curva com a angulação correta e segura. Em outras palavras, a Renfe seria a parceira ideal para esse governo incompetente e corrupto, mais preocupado em ações de marketing politico do que a minima seriedade na gestão da coisa publica.

Rodrigo em 25 de julho de 2013

A espanha esta falida mesmo, como pode dexar isso acontecer, na italia o doido vai e vira um navio com 7 mil pessoas, esse europeus são meio malucos...

Tuco em 25 de julho de 2013

. Fosse aqui o muro só existiria no projeto. É que o valor do material teria sido desviado por algum pilantra. Muro? Pra quê? .

Luiz C. em 25 de julho de 2013

Se sair mesmo o trem bala tupiniquim, depois de concluído, o País pode fechar para balanço. Teremos de começar outra vez.

sergio the original since 1ª leitura em 25 de julho de 2013

Trem bala, onde? Com o país quebrado só se for bala juquinha!

popeye em 25 de julho de 2013

Prezado Setti, Essa licitação do trem-bala ligando Rio a São Paulo é um absurdo. Um verdadeiro acinte com o País. Deveria ser suspensa imediatamente. Esse governo não tem idoneidade moral nem competência para uma empreitada desse porte.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI