AGRIPINO garante: partido que surgirá da fusão do DEM com o PTB será de oposição

José-Agripino-_-AgÊncia-SEnado-440x291

Agripino aponta, da tribuna, FHC e outros responsáveis pelo Plano Real:

O presidente do DEM, senador José Agripino (RN), rebate críticas sobre o eventual caráter governista que teria o partido originário da fusão entre sua legenda e o PTB, em fase de negociação:

– Não há uma chance em um milhão de que isso aconteça — disse o senador, em conversa com o colunista.

Agripino me telefonou para rebater a versão que Joice Hasselmann e eu abordamos em recente edição do programa “Aqui entre Nós”, durante o qual consideramos que a fusão de um partido liberal como o DEM com um outro, que classifiquei de sem coluna vertebral e adesista como o PTB, poderia significar o fim de mais um partido de oposição.

Segundo Agripino, existe um compromisso por parte da ala não governista do PTB de adotar de uma forma geral a linha de comportamento do DEM. Em seu juízo, os senadores e deputados do PTB que votam com o governo deverão aos poucos abandonar a legenda.

O nome que começa a ser acordado para o novo partido é PTB-25: por um lado, manteria uma legenda que, de acordo com seus defensores, tem 70 anos de história; por outro, estaria garantido o número que o DEM utiliza desde as primeiras eleições de que participou, ainda como PFL, em 1986.

O senador Agripino diz que os parlamentares do PTB que concordam em manter a postura oposicionista do DEM “sabem o preço que pagarão” e não estão de forma algum atrás de benesses do poder.

A postura de distância do PTB em relação ao governo tem como principal inspirador o ex-deputado Roberto Jefferson, ex-presidente e ainda manda-chuva do partido, que cumpre pena de prisão domiciliar após ser condanado pelo mensalão por estar se recuperando de um câncer. E sua filha, a deputada Cristiane Brasil (RJ), é a atual presidente do PTB.

Jefferson postou a em seu blog, de tom fortemente crítico ao lulopetismo, uma nota que vai ao encontro do que diz Agripino, sobretudo quando ele parece descartar a importância de dois governistas do PTB, os líderes na Câmara, deputado Jovair Arantes (GO), e no Senado, Fernando Collor (AL):

0-DEM-407x440

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 Comentários

  • Thomas Rossi

    Parabéns pelo belo site, caro Setti. Boa sorte!

    • setti

      Agradeço em dobro, caro Thomas. Abraço.

  • Pronto, Estamos junto. Parabéns, Ficou muito interessante. Boa sorte

    • setti

      Obrigado!

  • Fran

    Setti, não sou muito de escrever , mas sempre leio seu blog na Veja, vou continuar te visitando aqui para leitura leve e inteligente. Parabéns e muito boa sorte em sua nova fase da vida.
    abs,

    • setti

      Muito obrigado, Fran. Terei enorme prazer com suas visitas.
      Abração

  • Rogério Paranhos

    O assunto dessa fusão me fez pensar nas dificuldades de se escolher uma “sigla”, e não levando em conta o “P” de partido, procurei fazer uma espécie de auto-retrato atual:
    .
    MDB – só em último caso, à beira do abismo final
    SOL ou SD – cresça e apareça (ou desapareça)
    C – morreu e não sabe, ou lamento muito, mas ..
    T – To fora, ou cai fora.
    P – mingana que gosctho ou “fala sério”
    R – depende, se a aranha arranha o jarro, ou ..
    S – desconfio a cada dia, mais um pouco
    D – até podemos conversar numa boa, mas não enrola
    H, L ou V – nada contra, mas também nada a favor
    B ou N – não faz a menor diferença

    • setti

      Nada como o bom humor, caro Rogério. Obrigado pelo comentário.
      Abraço

  • Meu caro JORNALISTA RICARDO SETTI (com o que mais poderia te honrar senão com maiúsculas), só tenho que agradecer por ter tido o privilegio de ler alguns de seus textos e assisti-lo na TVEJA. A lamentar,
    duas coisas, o fato de VOCÊ estar saindo da REVISTA, e não ter criado este SITE a mais tempo.
    Muito obrigado.

    • setti

      Obrigado, caro Wellington. O site deu muito trabalho. Há mais de um ano vimos trabalhando a designer Deborah Miranda, meu filho Daniel e eu. E ainda falta muita coisa!
      Abração