Image
Dom Pedro: ameaçado de morte e protegido pela Polícia Federal (Foto: periodistadigital.com)

Um veterano combatente pelos direitos humanos durante a ditadura, o bispo dom Pedro Casaldáliga, ex-titular e bispo emérito da prelazia de São Félix do Araguaia (MT), está sofrendo uma série de ameaças de morte que o obrigou a deixar sua cidade e, sob proteção da Polícia Federal, transferir-se para um local não identificado a mil quilômetros de distância.

As ameaças ao bispo, defensor do que considera os direitos dos índios, coincidem com o início do processo de desocupação da Terra Indígena de Marãiwatsédé, com 160 mil hectares, após 20 anos de disputa judicial.

O texto abaixo fornece algumas informações adicionais.

Da agência EFE

Gloria Casaldáliga, sobrinha do bispo dom Pedro Casaldáliga, informou que seu tio está “bem, mas preocupado pela situação”.

Em declarações à Catalunya Rádio, de Barcelona [dom Pedro nasceu na Catalunha], segundo informou a emissora em um comunicado, a sobrinha do bispo, de 84 anos e sofrendo da Doença de Parkinson, decidiu abandonar sua casa “não apenas por sua segurança, mas também pela das pessoas que cuidam dele”.

Gloria Casaldáliga falou com o tio por telefone e disse que, apesar das circunstâncias que o obrigaram a deixar sua casa, achou que ele está “bem e tranquilo”.

Acrescentou que seu tio quer que “essa situação acabe o quanto antes” e que tem “muita vontade de voltar a sua casa em São Félix do Araguaia junto aos seus”.

Dom Pedro deixou São Félix devido a um recrudescimento das ameaças de morte que recebe há anos por seu trabalho em favor dos índios, disseram à EFE fontes de uma organização indigenista.

“Dom Pedro está seguro”, limitou-se a explicar um porta-voz Conselho Indigenista Missionário (CIMI), organização vinculada ao episcopado brasileiro, que no entanto, por razões de segurança, não revelou para onde viajou o bispo.

O CIMI denunciou que as ameaças aumentaram nas últimas semanas, ao que tudo indica devido a uma decisão judicial que favoreceu os índios Xavante numa disputa pela propriedade de terras no município de São Félix.

O bispo, que chegou em 1968 a esse remoto rincão de Mato Grosso, sempre apoiou as reivindicações dos Xavante. Nascido em Balsareny, na província de Barcelona, ele chegou à Amazônia brasileira depois de passar sete anos como missionário na Guiné Equatorial.

No Mato Grosso, acabou abraçando a Teologia da Libertação, corrente nascida nos chamados “movimentos de base” da igreja católica no Brasil, que depois se espalharia para o restante da América Latina e que foi condenada pelo Vaticano, por identificar em seus postulados “princípios marxistas”.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − 9 =

Nenhum comentário

Maria Zilda Abreu da Silva em 30 de setembro de 2013

Na minha família tem sequelas dessa maldita época. Em 1969 mamãe(hoje falecida) conheceu e se envolveu com um seminarista Antonio Carlos Garcia Ayres que era envolvido com a igreja e defendia os pequenos latifundiários(2ºela dizia)aí já sabem o que aconteceu com todos eles.Sumiram com ele e mamãe ficou grávida(gêmeos)nunca mais ouviu falar dele.Hoje meus irmãos(43 anos)e nós também ,ainda sofremos por não sabermos nada do pai deles. Minha irmã na sua graduação, fez a sua monografia sobre esta maldita Guerrilha do Araguaia pra tentar descobrir e entender o que realmente aconteceu naquela época com os religiosos ligados a igreja católica e ao padre Pedro Casaldáliga que era compadre de minha mãe.Por favor que souber de alguma coisa neste sentido, ajude meus irmãos e a todos nós. Abraços

Valdeci Imidio de Souza em 04 de junho de 2013

Pobres dos índios que estão no meio de fera$, cujo objetivo fundamental e´ engordar sua conta bancária,explorando terra, gente e, o que é mais triste, consciências! Parabéns a dom Pedro pela sua corajosa luta, mesmo que para isso corra risco de vida!

Jorge Kharrero em 23 de março de 2013

D.Pedro casaldaliga sempre foi um amigo e um aliado na defesa dos pobres e dos direitos humanos.Vestiu a camisa da TL,teologia da libertacao, fez opcao preferencial pelos os pobres, parabens D. Pedro continue com a bandeira, eu tiro meu chapel para o Senhor.

Wagner Gheler em 27 de dezembro de 2012

Casaldáliga, o Bispo da Morte. D. Pedro Casaldáliga atua desde a década de 70 no Estado de Mato Grosso, onde tem feito a pregação da "teologia da libertação" e fomentando invação de terras e perseguição aos seus inimigos. Muito interessante como alguém em sã consciência e sem interesse particulares pode apoiar essa aberração da "opus dei" no Brasil. Este velho indecente e imoral deveria há muito ter retornado ao seus país natal, onde com certeza, estaria encarcerado.

Kalixto Guimaraes em 22 de dezembro de 2012

CASALDÁLIGA: BISPO SEM PÁTRIA CLERO SEM DEUS. Proscrito e mal visto pelo Vaticano devido as contundentes criticas que faz sobre a “suntuosidade papal” e contra os sacramentos da Igreja, mais uma vez Casaldáliga aplica o seu “golpe baixo” contra o povo do Araguaia, ao alardear um pressuposto plano para assassiná-lo. Oportunista de sempre, Pedro Casaldáliga, não podia perder o clima de tensão regional provocado pela desocupação forçada e arbitraria que a presidenta Dilma, impôs aos produtores da Suiá-Missu, para reeditar o seu factóide predileto. Colocar-se de vitima dizendo que “vive sob ameaças” plantando na imprensa a boataria de que “fazendeiros planejam a sua morte,” esse tem sido o modus operandi durante os quarenta anos de sua atuação polemica e controvérsia frente a prelazia do Araguaia. Assim, Casaldáliga, alimenta a sua mente paranóica e obstinada para se tornar no personagem principal e mártir da “libertação dos povos oprimidos do terceiro mundo.” Ex-comungado pela Opus Dei, por conta de sua rebeldia Casaldáliga, tem reafirmado reiteradas vezes as suas posições contrarias aos dogmas da Santa Sé, principalmente, após a sua aposentadoria. Aliado ao Conselho Mundial das Igrejas, CMI, organização com sede em Genebra, da qual, o Vaticano não faz parte, Casaldáliga, transformou a prelazia do Araguaia, em um feudo particular, onde, ele dita as cartas sempre de acordo com os interesses de seus patrocinadores. Toda a estrutura predial da prelazia, templos, casas paroquiais, galpões e centros comunitários existentes nos quatorze municípios que a compõem, obtiveram recursos de entidades e fundações ligadas ao CMI, menos do Vaticano, daí se explica a autonomia de Casaldáliga, em rezar uma missa diferente e o seu engajamento na radical agenda política indigenista e ambiental que contrapõem as obras estruturais do País, a exemplo de; Belo Monte, implantação das hidrovias, rodovia Transbananal e tantos outros projetos de vital importância ao desenvolvimento nacional. Os milhões de dólares que recebe do exterior, a titulo de generosas doações chama a atenção pelas somas elevadas e permite ao luxo de manterem um Banco de Credito Popular, gerenciado por uma ONG ligada ao bispo, a Associação Nossa Senhora de Assunção, ANSA, com sede em São Félix do Araguaia-MT, que financia pequenos empreendimentos com taxas de juros bem convidativas. Tal “banco,” que funciona há doze anos, nunca foi investigado. Atuando como verdadeiro peão do capitalismo internacional, Casaldáliga, vai aos poucos sendo desmascarado a medida que vai ficando cada vez mais evidente, quem ele é realmente e para quem trabalha. Apátrida e panteísta o falso bispo, usa a tutela dos pobres, índios e descamisados apenas como discurso para se locupletar e manter o seu prelado feudal. O governo petista que hoje homenageia e protege Casaldáliga, como ícone dos direitos humanos é tão canalha quanto ele. Negociam as riquezas do País e travam o desenvolvimento da nação, vendendo a falsa idéia de que o Brasil esta crescendo. Crescendo rumo ao apagão, ao sucateamento da indústria nacional, a falta de saúde pública, segurança, educação, de logística e rodovias decentes e o pior, estão entregando a soberania nacional ao domínio estrangeiro. Não há duvidas de que o bispo sem pátria e o clero sem Deus, do qual, ele é serviçal, se juntaram ao governo dos petralhas para espalhar o terror no Araguaia e transformar o Brasil em uma imensa prelazia.

mario alberto benedetto lynch em 17 de dezembro de 2012

tenho rezado muito por ele ;ainda há no brasil injustiça,ele luta por um ideal

Pedro Luiz Moreira Lima em 15 de dezembro de 2012

Mario: D.Pedro Casaldáliga nunca teve uma atividade política, sempre em sua Prelazia e sendo uma referencia aos pobres e oprimidos de sua região e um terror para os grandes senhores de terra e do poder econômico. Sofreu um atentado em plena ditadura civil militar e seu auxiliar direto - a história:O padre Burnier faleceu tragicamenete em 12 de outubro de 1976, em Goiânia (GO), depois de ter sido baleado por um policial na tarde de 11 de outubro, em Ribeirão Cascalheira (MT), quando, junto com Dom Pedro Casaldáliga, intercedia em favor de duas mulheres presas que eram torturadas. Segundo Dom Pedro, as mulheres eram ameaçadas com um caititu bravo que poderia despedaçá-las. O assassino foi o soldado Ezy Ramalho Feitosa, que lhe deu um soco, uma coronhada e um tiro de bala dundum. Com 33 anos de atraso, o Governo Federal admitiu, no início de dezembro de 2009, através do trabalho da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, que o assassinato do Padre Burnier, foi provocado pelo regime militar. O reconhecimento oficial da culpa do Estado na morte, repara um erro histórico e abre caminho para a indenização dos familiares de Burnier - Padre João Bosco Burnier - PRESENTE! A Teologia da Libertação começou muito antes da ascensão de um líder metalúrgico e posteriormente do PT. Teologia da Libertação é um movimento supra-denominacional de teologia política, que engloba várias correntes de pensamento que interpretam os ensinamentos de Jesus Cristo em termos de uma libertação de injustas condições econômicas, políticas ou sociais. Ela foi descrita, pelos seus proponentes como "uma interpretação da fé cristã através do sofrimento dos pobres, sua luta e esperança, e uma crítica da sociedade e da fé católica e do cristianismo através dos olhos dos pobres", mas outros a descrevem como marxismo cristianizado. Embora a teologia da libertação tenha se tornado um movimento internacional e inter-denominacional por acolher de forma inclusiva e fraternal os valores das Religiões do Oriente, da Umbanda, do Espiritismo, do Islamismo e do Xamanismo, ela começou como um movimento dentro da Igreja Católica na América Latina nos anos 1950-1960. A Teologia da libertação surgiu possivelmente como uma proposta de alternativa de reação moral e sobrenatural à pobreza causada pela injustiça social naquela região. O termo foi cunhado em 1971 pelo peruano padre Gustavo Gutiérrez, que escreveu um dos livros mais famosos do movimento, A Teologia da Libertação. Outros expoentes são Leonardo Boff do Brasil, Jon Sobrino de El Salvador, e Juan Luis Segundo do Uruguai. Como boa parte dessa geração está aposentada ou já faleceu, alguns novos nomes estão despontando para substituí-la, como por exemplo o promissor teólogo sul-matogrossense João Paulo Timoteo da Silva , Dom Adriano Ciocca Vasino e Dom Paulo Sérgio Machado. Leonardo Boff Um dos mais dinâmicos e aguerridos polos de irradiação da Teologia da Libertação na América Latina é a Unisinos, instituição de ensino superior jesuíta do Rio Grande do Sul, que acaba de promover o Congresso Continental de Teologia. Com base nos 50 anos do Concílio Vaticano II, esse Congresso propõe uma leitura mais progressista do Concílio que contraste com a versão oficial retrógrada do Vaticano que organizou um Sínodo em Roma sobre a mesma efeméride. A influência da teologia da libertação diminuiu após seus proponentes, e seu movimento serem admoestados pela Congregação para a Doutrina da Fé (CDF) em 1984 e 1986. A Santa Sé criticou certos conceitos da teologia da libertação como a focagem de pecado institucionalizado ou sistêmico, excluindo os criminos individuais, e o incentivo a luta de classes. Dentro de um mesmo seminário saem um D.Helder Câmara e outro Bispo ultra reacionário( perdão esqueci o nome) veja você numa mesma turma dois religiosos de linhas tão diferentes - infelizmente a Igreja Católica decide criar uma Igreja de pensamento único e o fim da pluralidade do livre pensar. Quanto aos outros argumentos - foi uma Direita sempre derrotada pelo voto popular e apoiada militarmente e financeiramente pelos EUA - derrubou um governo democrático e implantou um regime ditatorial onde a liberdade foi substituída pela tortura,morte e desaparecimento de pessoas - foi a resistência armada e não armada, responsável pela Liberdade e Democracia que temos hoje com seus defeitos e virtudes. Sou católico e o atual caminho que a Igreja segue, me afasta dela - jamais sigo uma doutrina religiosa ou não do pensamento único. Abraços Pedro Luiz

Mario em 14 de dezembro de 2012

Setti, Dom Pedro Casaldáliga dedicou sua vida religiosa em defesa dos “pobres e oprimidos”, usando a dialética marxista nas suas ações e pregações, calcadas na “Teologia da Libertação”, que, hoje se vê, mais dividiu os fiéis da Igreja Católica do que somou. Pregou abertamente em favor da esquerda, fiel à sua ideologia e princípios políticos. Patrocinou invasões e o conflito por terra, entre posseiros e grileiros, entre índios e produtores rurais, uns com a posse da terra há longo tempo, e outros, proprietários legítimos de seus lotes. Casualmente, Dom Pedro fez sua carreira política e religiosa, na região que sediou a aventura conhecida como Guerrilha do Araguaia. Até hoje estes fatos lamentáveis se repetem, nos conflitos mediados pelo INCRA e pela Justiça, Brasil afora, embora o STF já tenha decidido que de acordo com a Constituição, salvo engano, somente as terras ocupadas pelos índios, quilombolas e afins, até 1988, data da promulgação desta, serão frutos de análise para desocupação, em proveito destas comunidades. .Escrevo sobre o que disse Dom Odilo, Arcebispo de SP, sobre a busca do poder político na Igreja Católica, em entrevista ao G1, por ocasião das eleições para prefeito de São Paulo e que, em minha opinião, é pertinente ao assunto e esclarece, em parte, o posicionamento atual da Igreja Católica. “Não aprovamos que nossas igrejas sejam transformadas em espécies de currais eleitorais ou que também o voto de nossas comunidades religiosas e nossos votos, os votos de nossos católicos, sejam impostos por cabresto eleitoral a eles por ministros religiosos”, afirmou o arcebispo. O arcebispo definiu o posicionamento da Igreja Católica como contrária ao uso da religião como forma de obter o poder político. “Consideramos que a manipulação e a instrumentação da religião em função da busca do poder político não são um bem para sociedade e não são coerentes com os princípios da liberdade de consciência e do legítimo pluralismo no convívio dos cidadãos. Além de tudo isso poderia deixar divisões e feridas dificilmente cicatrizáveis no seio das religiões e das comunidades religiosas”,disse. Acredito nas palavras do Arcebispo. E, melhor ainda, ele as está transformando em ações. Lembro, porém, que num passado recente, a Igreja Católica participou ativamente do projeto de poder do PT. Através da CNBB, Teologia da Libertação, Pastorais diversas, CIMI, padres parlamentares, pregação política nas missas, uma boa parte da igreja abraçou a ideologia da esquerda radical. Ajudou a incendiar o país, politicamente. Deu no que deu. O Vaticano, através do então Cardeal Ratzinger, hoje Papa Bento XVI, recolocou a Igreja Católica brasileira no rumo, através de punições (lembram do silêncio obsequioso?). Efetivou expurgos diversos e promoveu prelados que comungavam com os dogmas católicos e demais orientações do Papa, afastando, ainda que parcialmente, a chamada “marxistização” da igreja. O PT, ao chegar ao poder, afastou-se parcialmente da igreja. Já não era mais tão importante o apoio recebido. Continua, no entanto, a manter laços com a CNBB e religiosos influentes, viúvos da Teologia da Libertação e adeptos do jeito petista de ser e governar. O temor de Dom Odilo de que o uso da igreja na busca do poder político “poderia deixar divisões e feridas dificilmente cicatrizáveis no seio das religiões e das comunidades religiosas”, no meu ponto de vista já aconteceu, pela opção populista da igreja no passado, que se reflete nos dias atuais, na divisão entre católicos e a perda sistemática de fiéis para as demais igrejas, pejorativamente chamadas de “seitas”. Setti, pela leitura das palavras de Dom Odilo, pode-se concluir que Dom Pedro Casaldáliga não seguia e não segue a orientação do Vaticano sobre o não uso político da Igreja. Foi uma voz contra e enfrentou o arbítrio, em tese, em busca da "justiça social", seja lá o que isto signifique, e "paz no campo", com ações que somente trouxeram o conflito. Assim como a esquerda pegou em armas, para trocar uma ditadura de direita por outra de esquerda, Dom Pedro e a esquerda radical jamais lutaram pela democracia representativa como a conhecemos e desejamos.Coisas que você prega na sua coluna. Concordo que nada justifica as ameaças que, segundo o texto, o Bispo vem recebendo. Embora, em minha opinião, esteja colhendo o que plantou, tem todo o direito, como qualquer cidadão, de ser protegido e ter sua vida garantida pelo Estado.

Pedro Luiz Moreira Lima em 13 de dezembro de 2012

Amigo Moacir: Belas palavras. Abraços Pedro Luiz

moacir em 13 de dezembro de 2012

Setti, Eu não vou aqui discutir teologia.Acredito em Deus,SIM,mas meu Deus ainda não tem nome nem casa. Gostaria de registrar dois fatos apenas: 1- Apesar de não comungar as IDÉIAS de Dom Pedro, não tenho como negar que ele viveu em total coerência com as idéias DELE.É preciso coragem para tanto.Essa coragem eu respeito. 2-Durante o período imediatamente posterior ao AI5 (1968) a oposição ao regime civil-militar foi calada no Brasil,seja pela perseguição,tortura ou cassação ou pelo exílio ou auto-exílio aos quais os opositores se viram obrigados a se submeter.Todas as cabeças pensantes do país foram exiladas:Amado,Gullar,Gabeira,Chico, Caetano,Gil,Vandré,Arraes,FHC,Serra,escritores,jor nalistas etc. A resistência, a oposição e o movimento de conscientização anti-ditatoial foram mantidos pelos adeptos da Teologia da Libertação ou por aqueles que por ela foram influenciados. Tendo calado todo mundo,a Ditadura não podia silenciar O CRISTO. Reynaldo-BH tem toda razão quando afirma que não se tratava do histórico CRISTO dos dogmas e mistérios.Que era,isso sim ,um Cristo com a cara daquele momento histórico latino americano. Os padres que abraçaram a Teoria da Libertação atuaram em diversas frentes,algumas bem radicais como foi e é o caso da Pastoral do Campo. Houve um trabalho de conscientização junto a juventude,através de grupos que se reuniam em Encontros promovidos por ordens religiosas,onde eram debatidos temas sociais,onde se fazia teatro amador,onde se cantava as músicas proibidas dos exilados,tipo Amanhã Vai Ser Outro Dia,do Chico e Pátria Amada,do Vandré. Em 1968 eu tinha só 14 anos.Aqueles padres me apresentaram o meu entorno,me mostraram o meu contexto.Vi a cara da miséria,da fome,da doença, do analfabetismo,da opressão.O meu senso de justiça eu devo,em grande parte,aqueles padres. Os mais jovens não tem idéia do que é a gente não poder falar,se manifestar,se reunir,debater. Enquanto a minha geração esteve amordaçada aquele Cristo Libertador falava. Não me fez nenhum mal escutá-lo. E lhes garanto que os jovens de outrora,a minha geração,os hoje médicos,engenheiros,advogados,professores,atores, empresários,recordam aqueles padres com o respeito da certeza que suas palavras nos fizeram pessoas mais atentas e humanas. Muito obrigado por opinar, Moacir. Este espaço está aqui para isso mesmo. Abraço

Zina em 13 de dezembro de 2012

Esse velho senhor não passa de um comunista marxista abjeto,que usa a igreja para disseminar sua ideologia anacrônica, incentivando invasões de terras e protegendo celerados do mst e indios, que a muito deveriam ser emancipados, visto que já deixaram de sê-lo a muito e vivem pendurados no dinheiro que gente de bem rala para conseguir trabalhando e o governo tunga com impostos escorchantes e transferem para esses indolentes, que só tem direitos e nenhum dever.

Pedro Luiz Moreira Lima em 12 de dezembro de 2012

Setti; Pelas opiniões e maioria - uma Invasão do CCC,MAC e cia. Pedro Luiz

sheila lima em 12 de dezembro de 2012

O que li na imprensa é que moram e trabalham ali produtores rurais que penso, produzem alimentos para nós brasileiros e foram transformados em arruaceiros pois estão defendendo suas casas, sua família, sua propriedade há muitos anos.O que produzem os índios? Será que não chegou a hora de discutirmos a questão indígena e parar com essa discussão romântica e alienada sobre o direito dos indios já aculturados?

sheila lima em 12 de dezembro de 2012

O que li na imprensa é que moram e trabalham ali produtores rurais que penso, produzem alimentos para nós brasileiros e foram transformados em arruaceiros pois estão defendendo suas casas, sua família, sua propriedade há muitos anos.O que produzem os índios? Seá que não chegou a hora de discutirmos a questão indígena e parar com essa discussão romântica e alienda sobre o direito dos indios já aculturados?

LUIZ OLIVEIRA em 12 de dezembro de 2012

Pois é Angelo Losguardi. O Padre Paulo Ricardo é que é um verdadeiro homem de bem. Este sim, merece um post aqui na coluna do Ricardo e não Casaldáliga, um homem que disseminou a luta de classes e ódio da Teologia da Libertação marxista em nosso país. Casaldáliga é apenas um excomungado latae setentiae (mesmo que finja não saber disso) de acordo com a doutrina da Igreja católica, que assim o determina para todo aquele católico que de um modo ou de outro colabora com o marxismo e suas derivações esquerdistas.

Angelo Losguardi em 12 de dezembro de 2012

LUIZ OLIVEIRA 12/12/2012 às 9:49 . Interessante você citar o padre Paulo Ricardo, que desenvolve um belíssimo trabalho na internet levando a palavra Católica e foi covardemente perseguido por esses canalhas da teologia da libertação justamente - veja que absurdo!!! - por seguir fielmente as orientações do Vaticano e do Papa.

Tuco em 12 de dezembro de 2012

. Vez ou outra o Grande RSetti vai no embalo desses canalhas que orbitam este Nobre Espaço, e dá nisso! De há tempos que o Grande RSetti deveria, em desejando colocar essas notícias abjetas na Coluna, deixar de manifestar -se com um prólogo... Queimaria menos o filme! No entanto, faz questão de iniciar assim: Um veterano combatente pelos direitos humanos... Menos, não é mesmo? Onde já se viu a laia defender "direitos humanos"? Falta agora louvar o comunistão que o RAzevedo tratou de "metade gênio, metade idiota". Ele foi generoso, pois de gênio não há nada - basta consultar qualquer estudante de arquitetura. . Caro Tuco, não fui -- e não vou -- no embalo de canalha nenhum. Se você quer saber, foi um grande amigo meu, jornalista, quem me sugeriu a publicação, que achei correta, diante dos fatos. Quanto a queimar o filme, é opinião sua, não é, Tuco? Quanto ao "comunistão", Oscar Niemeyer, eu já o louvei como artista. E repito o que escrevi: não separar a obra da ideologia da pessoa e, em função da ideologia, desconsiderar ou denegrir a obra por ser da autoria de quem é constitui, para mim, sinal de barbárie. Abraço

LUIZ FERNANDO em 12 de dezembro de 2012

OBS: - AQUI NÃO É DIOCESE E SIM PRELAZIA OK, obrigado pela observação. Vou mudar. Abraço

LUIZ FERNANDO em 12 de dezembro de 2012

CARO SETTI, O BISPO DA PRELAZIA DE SAO FELIX DO ARAGUAIA, É MAIS UMA METASTASE DO TUMOR DA CORRUPÇÃO IMPUNE DO BRASIL. BADERNEIRO , VAGABUNDO, SE APÓIA EM INDIOS XAVANTES,COMPRADOS PRA ROUBAREM AS TERRAS DE GENTE TRABALHADORA E HONESTA. EU DIGO COMPRADOS, POR QUE 2/3 DOS INDIOS SABEM QUE ESTAS TERRAS NÃO SÃO DELES, OS XAVANTES SÃO INDIOS DO CERRADO E AS TERRAS SAO FLORESTAS AMAZONICAS, OS PROPRIOS INDIOS SABEM DISSO. O COMUNISTA DE BATINA, FOI EMBORA NÃO POR AMEAÇAS E SIM DE VERGONHA, POR TRANSTORNAR +- 8.000 PESSOAS EM DETRIMENTO DE 160 INDIOS COMPRADOS POR ONGS INTERNACIONAIS E PASMEN SENHORES, PASMEN, ESTA EM ANDAMENTO A CRIAÇÃO DA NAÇÃO XAVANTE, EM PLENO CORAÇÃO DO BRASIL. UMA NAÇÃO INDEPENDENTE!!!! E VCS DEVEM ACHAR QUE EU ESTOU DOIDO OU DELIRANDO, MAS VENHAM AQUI PRA VCS VEREM A BARBARIDADE QUE ESTAO COMETENDO, MENSALÃO, ROSE, VALÉRIO, DIRCEU,LULA... É TUDO FICHINHA PERTO DA BARBARIDADE COMETIDA CONTRA O POVO BRASILEIRO, AQUI NO CORAÇÃO DO BRASIL (QUE TRABALHA).

alex em 12 de dezembro de 2012

Isso é um bandido de batina

LUIZ OLIVEIRA em 12 de dezembro de 2012

Ricardo, creio que você não sabe, mas todo católico e, especialmente, clérigos católicos, que, de uma forma ou de outra, colaboram com o marxismo, como é o caso de dom Pedro Casaldáliga, que aderiu à Teologia da Libertação, de cunho marxista ; estão excomungados automaticamente pela Igreja católica. Os esclarecimentos podem ser obtidos a partir deste vídeo publicado pelo Padre Paulo Ricardo http://padrepauloricardo.org/episodios/ser-comunista-e-motivo-de-excomunhao

Jan Dalollio em 12 de dezembro de 2012

Referências morais: Dom Fragoso, Dom Edmilson Cruz, Cardeal Lorcheider, Dom Câmara e Dom Casaldáliga. A linhagem de Dom Arns configurou um padrão. Ninguém poderia, de consciência sã, não reconhecê-los; independentemente das idiossincrasias e escopo ideológico. O Brasil seria outro - e pior - sem ELES. A ausência de uma Igreja comprometida com os direitos humanos, por exemplo, e corajosamente denunciante da tortura no Brasil, foi fundamental para que a ditadura brasileira não atingisse o grau de desvario que se viu às margens da bacia do Prata.

Angelo Losguardi em 12 de dezembro de 2012

Simplesmente não acredito nisso. Quem está levando "no lombo" nessa história toda são pequenos agricultores daquela região. E esses caras, dessa famigerada teologia da libertação, nada mais são que infiltrados dentro da igreja Católica lá colocados com a intenção de justamente destruir a igreja. São cínicos, ateus completos, gente que acha que os fins justificam os meios. É mais provável que esses caras acreditem numa abóbora sagrada do que em Jesus Cristo. . P.S.: Mudando de assunto (?), canalhas também envelhecem. Semana passada, aliás, morreu um no Brasil, e certa seita já está querendo "canonizá-lo".

IZIDRO SIMÕES em 11 de dezembro de 2012

A AGIP é a petrolífera do Vaticano, consorciada com a ENI, que é a estatal petrolífera italiana. Assim, quando alguém ler ENI - AGIP em algum letreiro, já sabe quem está por trás das coisas.

ze do matogrosso em 11 de dezembro de 2012

..ratifico, endosso e assino o post abaixo, do blogueiro Izidro. Casaldáliga, por estas bandas conhecido como o bispo vermelho, está colhendo o que plantou. Não consta que tenha se dedicado ao santo ofício da missa, ou aos pobres merecedores de apoio espiritual. Sempre turvou as águas da parte do Araguaia, onde vive. É o idealizador e o guru de certas ONGs, lesa pátria e penduradas no cofre da viúva. Afora, ser apoiador das idéias do MST. Quando a área em questão, objeto de litigío, pertencia à AGIP, braço financeiro do vaticano, conhecida como Liquigás, este bispo não tussiu e nem mugiu. Já houve mortes no vale do araguaia, inclusive de padres e indios. É só pesquisar. Dá para ver a correlação e isto no tempo do que chamam de ditadura. Estes bons sílvicolas, desta região, estão a merecer uma reportagem, séria e isenta, para se estabelecer a verdade dos fatos. A maioria, principalmente os jovens já estão totalmente integradas à sociedade. Estudam, trabalham e constituem familia. O que resta por lá são os criadores de cachorros magros e sarnentos (média de 10 por familia) e de guris catarrentos (já nascem aposentados). Foi a realidade que vi por longo tempo. PS. com admiração caro Reynaldo BH, DOM HELDER e casaldáliga, estão tal qual água e óleo queimado.

wilson em 11 de dezembro de 2012

Em Cuba estes padrecos militantes não dão pitaco Che os eliminou, mas aqui fomentaram a luta de classes e são apagam incêncio com gasolina. Deve ser a conciência a arder. Esquerdoide mediocre se acha farol da humanidade Mas baba de sectarismo.

Ana Helena Tavares em 11 de dezembro de 2012

Com relação ao comentário de Natal, digo que também estive em setembro na região. Estive tanto em São Félix como em Posto da Mata, região de Maraiwatsede. Meu ônibus foi barrado pelos posseiros durante um protesto. Posso afirmar que D. Pedro ainda incomoda, sim. E muito. Os produtores rurais de Suiá Missú o odeiam com todas as forças. Vi um deles, na minha frente, dizendo que D. Pedro iria pro inferno. Eu estava indo (e fui) a São Félix entrevistar o bispo e conheci um ser humano iluminado que espero que a Polícia Federal consiga proteger.

Pedro Luiz Moreira Lima em 11 de dezembro de 2012

Amigo Moacir: Ao ler o comentários uns babando de ódio como Izidro Simões, meu amigo ReynaldoBH mesmo com suas críticas a Teologia da Libertação, que eu mesmo não conhecendo com profundidade, é a Teologia da Solidariedade e para mim basta. Suas palavras carinhosas e santas juntas com ReynaldoBH na defesa de D.Pedro Casaldáliga é o suficiente - aos outros como se contrapor ao ódio?apenas entristece e nos faz sentir menos humanos. Meu amigo Setti - jamais homens como D.Pedro Casaldáliga fariam algo fantasioso - uma vida dedicada ao combate a miséria e opressão, as ameaças a sua vida foram sempre constantes e serão sempre basta ver o Ódio que gera aqui. Poderei discordar de você aqui e ali Moacir, mas a sua sensibilidade,amor ao próximo e dedicação a sua família e aos seus pais - só o fazem crescer como ser humano. Ao ReynaldoBH - saúde,força e esperança são as mensagens que envio sempre a você. Aos outros - leiam as palavras do Moacir e ReynaldoBH e tentem evoluir como pessoas. Abraços Moacir,ReynaldoBh e Setti. Pedro Luiz

alberto santo andre em 11 de dezembro de 2012

NO INICIO DA DECADA DE SESSENTA, A IGREJA CATOLICA FOI A FAVOR DOS MILITARES E CONTRA O PSEUDO SOCIALISMO, QUE QUERIA VIGORAR NO BRASIL ,PESSOAS COMO DOM AGNELO ROSSI EM SAO PAULO ,FORAM OS ESTEIOS DOS MILITARES NO GOLPE DE 1964 ,POREM COMO MERDA NA AGUA E AO VENTO, ESTA MESMA IGREJA COM **** HUMANAS COMO DOM CLAUDIO HUMMES,DEIXARAM DE APOIAR OS MILITARES E BANDEARAM SEU APOIO NAO AOS REAIS SOCIALISTAS, MAS SIM AOS BANDIDOS INSTALADOS NESTE PAIS ,QUE TEM GRANDE PARTE DE SUA POPULACAO DE MUARES.

IZIDRO SIMÕES em 11 de dezembro de 2012

Pois é! O plantio é livre mas, a colheita é obrigatória.O bispo passou a sua vida no Brasil, azucrinando a vida dos outros, patrocinando a invasão de terras, como o MST faz hoje. Tentou por tres vezes invadior a agropecuária Suiá-Missú, até saber que ela era do VATICANO, aravés de empresas das quais o Vaticano é dono. Aí, sentindo que a barra pesou, parou de ameaçar a Suiá-Missú e foi literalmente infernizar a vida de outros. É assim mesmo: AQUI SE FAZ, AQUI SE PAGA. Agora vive por aí, acuado e com mêdo da morte. Ora! Porque esse mêdo, já que é sacerdote e sabe muito bem ou tem a abrigação de saber o que é a morte. Possivelmente seja receio, paúra ou desconfiança de que já sabe para que lugar vai depois da morte, e que não será recebido por São Pedro. Deve ser isso. O CÉU não é para terroristas rurais, sacerdotes ou não.

moacir em 11 de dezembro de 2012

Há uma convergência entre as idéias e crenças de Dom Pedro e a sua vida.Sem dúvida um humanista da maior grandeza,que nos merece todo respeito. Que Deus e o Brasil o protejam

Reynaldo-BH em 11 de dezembro de 2012

Tenho minhas críticas (e pensando bem, quem sou eu para tê-las?) acerca da Teologia da Libertação. E tive a graça de conhecer pessoalmente Dom Helder e padre Ítalo Coelho, da Paróquia de Copacabana. E tantos outros. Que não eram teóricos, mas vivenciais. A Teologia da Libertação não é teologia. É posicionamento político. Histórico, importante. Fundamental na época em que nasceu. Teologicamente não se compara a Hans Kung, Theillard de Chardin e mesmo Ratzinger. Entre os atuais. A influência libertária humanizou em excesso a divindade de Cristo. Vulgarizou conceitos. Fugiu do Cristo Histórico, criando um outro "histórico" em que a fé e o mistério eram ignorados. Nada disto diminui um milimetro o papel histórico, humanístico, libertador de Dom Pedro do Araguaia. E menos ainda a ameaça, a intimidação e medo incutido em um batalhador, de 84 anos e doente. Uma vergonha nacional. Que a Polícia Federal proteja um homem que é ético, sério e defensor das próprias ideias sem jamais demonizar o opositor. Tanto que tem o respeito de Ratzinger (Papa Bento) coom de Hans Kung ou dos irmãos Boff (Leonardo e Clodovis). Este encargo cai nos ombros do Governo. Que o mantenha à salvo. Que se discutam as ideias e posições de Dom Pedro. NUNCA que usem a violência como argumento. É irmã da mentira. E como esta, filha do obscurantismo.

Tuco em 11 de dezembro de 2012

. O que difere os índios dos petralhas - na sociedade brasileira - é que aqueles não produzem nada; já estes produzem os maiores escândalos vistos numa República. .

macaca fuscata em 11 de dezembro de 2012

2013 será o Ano do renascimento episcopal!

macaca fuscata em 11 de dezembro de 2012

Ele rezar o Pai Nosso diariamente! Se espiritualizar, sabe! Leia o Huberto Rohden, Rvmo!

Natal em 11 de dezembro de 2012

Prezado Setti! Antes de mais nada, D. Pedro não é mais o titular da Diocese, ele é bispo emérito, pois, como sabemos, os bispos se aposentam compulsoriamente aos 75 anos. Eu conheço D. Pedro há 36, desde que eu era guri. Fui um dos inúmeros admiradores desse bispo franzino de fala mansa. Hoje o respeito muito, mas deixei de admirar sua pregação, pois D. Pedro parou no tempo! Conheço S. Félix há mais de 20 anos e hoje a realidade é muito diferente de quando ele chegou na cidade em fins dos anos 60. Não sei se é verdade essa ameaça, o fato é que há muitos anos ele deixou de "incomodar", as pessoas não ligam mais para o que ele diz. D. Pedro defende MST, petistas, enfim, esquerdistas de forma geral, pois para ele são os ricos/direita de um lado e os pobres/esquerdista de outro. Sugiro que você, como excelente jornalista que é, investigue melhor isso. Está me parecendo meio fantasioso! Estive em setembro na região, conversei com pessoas ligadas a ele e com quem não o preza e não senti esse clima todo! Grato pela atenção Caro Natal, obrigado pelo esclarecimento sobre o "bispo emérito". Claro, com 84 anos não poderia mesmo ser titular da diocese. Erro meu. Vou corrigir. Quanto ao fantasioso, bem, eu me limitei a reproduzir o noticiário da agência EFE, com algumas informações na abertura que já são de conhecimento público. Um abração

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI