Amigos, eis um útil e cívico passatempo: consulte à vontade os salários de todos os funcionários do Supremo no link contido neste post

O plenário do Supremo em sessão (ainda na gestão do ex-presidente Cezar Peluso): agora, salários disponíveis para consulta do público (Foto: STF)

Amigos do blog, eis um belo, útil e cívico passatempo: vocês já podem, livremente, acessar pela internet a lista completa dos funcionários do Supremo Tribunal Federal — 1.189 em atividade, 493 aposentados e pensionistas, 16 ministros aposentados e 15 magistrados convocados para auxiliar nos trabalhos — para saber quanto, afinal de contas, ganha cada um.

Isso inclui, claro, os 11 ministros, que recebem o teto do funcionalismo público: 26,7 mil reais. Estão disponibilizados no site do Supremo salários desde o ano de 2005.

Vocês vão constatar que, curiosamente, há vários “analistas judiciários” que abocanham quase o mesmo que os ministros para que trabalham.

Este é mais um dos bons efeitos da Lei de Acesso à Informação, aprovada pelo Congresso, que entrou em vigor no dia 18 de maio passado e é um passo importante no processo de democratização do país.

Cheque os salários de todo o pessoal do Supremo neste link.

O bom exemplo do Supremo, que na verdade se limita ao elementar — cumprir a lei — não quer de jeito algum ser imitado pelo sindicato de funcionários do Distrito Federal, que conseguiu, em medida liminar de mandado de segurança junto ao Tribunal de Justiça local, impedir a divulgação das folhas salariais, sob o argumento de que “fere a privacidade” dos servidores.

A decisão provisória do desembargador Romeu Neiva certamente será revista pelo plenário do TJ.

“Privacidade”, hein? Aí tem coisa…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nenhum comentário

  • Marco

    Dom Setti: É inegável esse avanço, bobagem essa coisa de particular.De querer impedir a divulgação, quem quer isso, mostra o quantos essas pessoas esperam uma visão politica de facilidade e desigualdade em suas revindicações. Para serem aceitas.
    Abs.

  • Luiz Alberto

    Caro 7i,
    Fiquei até com pena do DIONY THIAGO ALMEIDA GALVÃO, pois levou no mês de março/12 somente R$2.099, sendo técnico judiciário, enquanto vários colegas na mesma função embolsam até seis vezes a sua remuneração.
    Enquanto isso, um técnico administrativo na minha cidade, tendo 10 anos de profissão, recebe R$835,00 (bruto) para “ralar” 8 horas por dia.

  • Esron Vieira

    É um bom alento em se tratando de transparencia.
    Agora não me venha chorar um funcionário público em ter se salário vindo à público. Pois seu patrão é a sociedade que paga impostos que são revertidos em salários. É o preço de ser público. Afinal, qual patrão não pode saber quanto paga aos seus empregados?

  • João Fernando

    Fiquei intrigado com o pagamento aos ministros do STF ativos, onde consta o subsidio de 35.630,84, o que não confere com a informação de que seriam 26.700,00 o teto do funcionalismo.
    Será que estão mentindo para nós ou/e descumprindo a Constituição, ou receberam aumento e o povo em geral não ficou sabendo?

    É preciso checar, caro João Fernando. Há ministros que recebem um extra por integrarem, também, o Tribunal Superior Eleitoral.

  • João Fernando

    Já os subsidios dos ministros inativos é 26.723,13;
    Porque da discriminação?

  • João Fernando

    Também achei muito estranho um servidor receber de provento líquido, mais do que o provento bruto, sendo mais de 15.000,00 correspondentes a devolução de imposto de renda.
    Nível: C15
    Exercício FC/CJ: CJ-1

    Total bruto: R$ 17.372,21
    Total de descontos: R$ -12.545,15
    Total líquido: R$ 29.917,36

    Detalhamento dos Créditos (R$)
    Proventos
    e Pensão Civil Exercício
    FC/CJ Indenizações Total
    17.372,21 – – 17.372,21
    Detalhamento dos Débitos (R$)
    Abate-teto IR PSSS Desc. Diversos Total
    – -15.591,60 1.480,16 1.566,29 -12.545,15

  • Tuco

    .

    He, he, he…
    http://prntscr.com/bnziz


    .

  • João Fernando

    Já retiraram do ar.
    Checar é fácil. São onze ministros e só três integram o TSE.
    De toda sorte se o subsidio máximo é 26.000,00 por determinação Constitucinal, nada justifica que alguém ganhe mais de 35.000,00.
    E é na Justiça onde mais acontecem essas artimanhas.
    Será só porque eles decidem tudo administrativamente e não precisam recorrer ao Judiciário, como os demais mortais?

  • Paulo Otávio P. de Barros

    A partir do momento, em que o cidadão SE DECIDE por ser um funcionário PÚBLICO, tem que sempre se lembrar que, neste exato momento, ele está abrindo mão da sua PRIVACIDADE !!!
    Ou eu será que estou errado ?!?!?!….

  • Bruno

    Quando leio comentários como o do Esron Vieira sinto vergonha alheia “sou contribuinte e o servidor é meu empregado, logo tenho o direito de saber quanto ele ganha”. Falácia pura – Afinal por acaso servidores públicos são isentos de pagar tributos?
    Na maior parte dos casos funcionário público ganha mal. Mas na cabeça (ou na ausência dela) do povo constrói-se um imaginário de uma fábrica de milionários. Foi constrangedor testemunhar os ministros do STF exibindo seus contracheques, cujo valor líquido não chega aos R$ 20mil. Um executivo mediano recebe isso, fora os bônus anuais. O funcionalismo público é enxergado como a origem de toda a corrupção, quando na verdade em geral a corrupção se manifesta na forma ativa, ou seja, nasce de fora, na iniciativa de uma empresa ou cidadão. A nossa política encardida é certamente a origem de todo o mal. Surpreendente foi testemunhar a votação do STF em que se afastava os agentes políticos da incidência da lei de improbidade administrativa. E de pensamentos mediocres como esse que a Dilma esperava mesmo. O salário do servidor na gastança do governo é apenas uma gota de água neste oceano por onde se movem os recursos públicos, até porque todo trabalhador, seja ele do setor público ou privado, é obrigado a declarar anualmente seus rendimentos, sem escapatória. Agora, onde está a transparência na gastança dos cartões corporativos e nas empresas estatais?