Image
Dilma com o ex-presidente Fernando Henrique: relações cordiais, mas uma injustiça aqui, outra ali (Foto: Agência Estado)

A favor da presidente Dilma, diga-se que, diferentemente de Lula, ela teve a dignidade de estabelecer relações cordiais com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, a quem convidou para várias solenidades oficiais e a quem sempre tratou com fidalguia — além de ter publicamente reconhecido, mais de uma vez, feitos do governo do grão-tucano, sobretudo seu papel na estabilidade econômica.

Nos últimos dias, porém, Dilma vem se deixando contaminar pelo clima de campanha eleitoral. Em sucessivas conversas que vem tendo com empresários, a presidente costuma se referir ao fato de que, em seus três anos e meio de gestão, a inflação — notoriamente sendo varrida para debaixo do tapete com medidas artificiais que explodirão mais adiante — vem se mantendo em média pouco superior a 6%, ao passo que chegou a 12% no último ano de FHC.

Sim, é verdade. Mas Dilma se esquece de algo que fez disparar os percentuais em 2002, ano eleitoral: o “efeito Lula”, ou seja, o temor generalizado dos mercados do que poderia representar um governo petista, uma vez que Lula passou a maior parte de sua carreira na oposição propondo desvarios como, por exemplo, o calote da dívida externa — algo que desmoralizaria o país por uma geração e pioraria enormemente a vida dos brasileiros.

O mercado, os investidores internacionais e boa parte do eleitorado só começaram a se acalmar no final de junho de 2002, quando o PT publicou sua Carta do Povo Brasileiro (muitas vezes, erradamente, lembrada como “Carta aos Brasileiros”, que é outro documento importante, de outra época), em que Lula deu sinais de que continuaria com os pilares da política econômica de FHC e não faria loucuras.

A essa altura, porém, as expectativas sobre o que faria Lula no Planalto já haviam catapultado a inflação.

Pelo menos 4 pontos nesses 12% podem ser atribuídos ao “efeito Lula”.

Dilma, naturalmente, lançando mão de memória seletiva, deixa de mencionar esse pequeno detalhe quando relembra o passado recente.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 + 4 =

Nenhum comentário

Celso em 22 de outubro de 2014

Então podemos concluí que a inflação hoje é um efeito do Aécio "Never". E ele também é culpado por não chover há um ano em São Paulo... Claro que, ao escrever "concluí", você deve ter querido dizer "concluir", não?

Adriano em 07 de junho de 2014

Na verdade, sempre achei Dilma e FHC muito parecidos. Quando ela se candidatou à presidente, eu disse que ela na prática seria um Fernando Henrique "de saias". Não deu outra. Pois não vejo FHC como um representante da direita, muito pelo contrário: ele tem sim um quê de bolivariano.

edson em 07 de junho de 2014

Inflação segundo wikipédia: 1999 = 9,52% (Teto da meta de 10%) 2000 = 6,59% (Teto da meta de 8%) 2001 = 8,23% (Teto da meta de 6%) 2002 = 12,53% (Teto da meta de 5,5%) FHC pegou a inflação a 900% ao ano. Você acha pouco o que foi feito? E a de 2002 foi influenciada pelo menos em 4 pontos pelo "efeito Lula" -- o pavor dos mercados de que Lula mantivesse em mente as loucuras que ele prometeu fazer ao longo de sua carreira, como dar o calote na dívida externa. Lula acabou enfiando o rabo entre as pernas com a Carta ao Povo Brasileiro, em que ajoelhou no milho e prometeu dar seguimento às principais políticas de FHC -- sem o que seu governo teria sido um completo e absoluto desastre.

Meia verdade em 05 de junho de 2014

O dolar paralelo, na epoca, bateu os 4,50. Nao me estranha esse discurso da Dilma, o que ficaria surpreso seria o silencio. Politicos e nao so o PT, em ano eleitoral, de alguma forma tambem "esquecem" o que nao lhe convem.

GEROLDO ZANON em 04 de junho de 2014

Depois deste encontro o FHC foi tomar um banho com agua sanitária praga também pega

Martha em 04 de junho de 2014

Nunca acreditei nas boas intenções de Dilma em relação a FHC. Por trás de suas firulas, havia segundas intenções, para posar bem nas fotos. Nunca perdeu oportunidade de alfinetá-lo. Parece que há uma espécie de ingenuidade desse pessoal do PSDB com relação ao aceitar se relacionar com petistas. Logo eles mostram as garras e o que realmente são. Aécio que se cuide com Eduardo Campos. Logo, logo eles mostram sua natureza.

razumikhin em 03 de junho de 2014

A parte socialista que resta em FHC - não é simples expelir todo esse veneno, que nos obrigaram a ver, ouvir, ler, respirar, durante toda nossa vida. Por isso, a minha solidariedade, FHC! - ainda respeita comunista. Eles não valem o ar que respiram, FHC.

Moacir 1 em 03 de junho de 2014

Setti, Isto é café pequeno.Para mim o que é surreal não é nem o fato dos petistas fingirem desconhecer que a possibilidade de Luizinácio se eleger em 2002,provocou um tsumani no mercado e duplicou a inflação.O que eu acho absurdo é terem escrito para o sujeito - analfabeto funcional ele não poderia fazer de próprio punho! - uma Carta aos Brasileiros na qual o Pinóquio jurava de pés juntos que , na economia,não mudaria uma linha do texto exitoso escrito antes dele ,pelo partido cujo canditado enfrentaria nas urnas. E BANÂNIA O ELEGEU!! Teremos pela frente mais ilusionismo.Por decisão do Santana os números,os resultados ,as conquistas dilmistas, a serem apresentados na campanha de reeleição da Rainha dos Pobres ,obedecerão a uma matemática criativa.Serão somados aos do Luizinácio e divididos por 12 anos.Simples assim.O "probrema" é que vão precisar de muita purpurina.Bota marketing nisso.A coisa está preta. Quem leu os jornais hoje tomou conhecimento que nos 3 anos do desgoverno da postA 37,9% dos lucros das 5 mais importantes estatais de Banânia,foram repassados ao Tesouro.Por lei tais repasses não podem exceder 25%.Estes truquezinhos contábeis,aportes de receitas atípicas, adiamento de gastos - como os precatórios ,por exemplo! - com certeza ajudam lá o Mantega a fechar suas contas de " padeiro",mas arrasam com a credibilidade do país. Também hoje os mais importantes jornais deztepaiz noticiaram que essa economia patinando num pibinho pouco varonil de 1,5%,acaba de fazer indústrias várias - conte fora dessa as montadoras que já haviam dado um freio de mão há uns 2 meses - a dar férias coletivas a seus empregados.Só a Eletrolux mandou descansar 4.600 dos seus 8.600 funcionários.Que outras indústrias estão fazendo o mesmo? A Whirpool - leia Consul e Brastemp - a LG, a Semp, a Toshiba, a Panasonic,a Samsung e a Sony. Da mesma forma praí uns 25 mil metalúrgicos vão poder assistir TODA a Copa em casa.Os estoques estão muuuuito altos.O comércio vai devagar quase parando.Há um pessimismo generalizado que vai do chão da fábrica até o consumidor. E o desemprego? Subiu para 7,1% no primeiro semestre.Bem que tentaram amordaçar o IBGE! E a inflação ? Vai estourar o teto da meta antes da eleição. Se ilude bem aposta que a população não tem uma noção beeem clara de que as coisas não estão indo nada bem,obrigado. Recomendo a leitura da pesquisa descrita no link abaixo. http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,satisfacao-de-brasileiros-pos-manifestacoes-de-2013-cai-igual-a-paises-da-primavera-arabe,1504705 O modelo petista de desgoverno está falido.Acabado.Sem discurso,a petezada sabe que pode perder a próxima eleição.Não é à toa que o concurso de agentes está tentando através do DECRETO LEI 8.243/ 2014 - assinado na moita e por baixo das saias da PresidentA - bolivarizar de vez o Brasil. Os cumpanheiros não vão largar fácil o osso.O desmame das tetas da União vai ser litigioso.Como é que fariam para sustentar as proletárias famílias? Caviar está custando os olhos da cara! Todo cuidado é pouco.Bandido não brinca em serviço. Acho bom a imprensa botar a boca no trombone com relação a esse último decreto-coelho retirado da cartola petista. http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/partidos-tentam-barrar-decreto-bolivariano-de-dilma Abraço

Leonardo Saade em 03 de junho de 2014

Assisti ontem a entrevista com o Senador Aécio Neves e achei excelente! Também vi a entrevista com Eduardo Campos semana passada no Roda Viva e achei o ex-governador de Pernambuco muito "travado", medindo as respostas. Campos parecia com medo de desagradar sua vice Marina com algumas respostas, e me espantou a quase reverência que ele tratava o ex-presidente Lula. Na entrevista de ontem, Aécio se mostrou mais solto, respondeu a todas as perguntas com bom humor e firmeza, não fugiu e nem enrolou nas questões polêmicas . Atacou o projeto petista sem poupar nomes, e sem agressividade. Mostrou os erros do governo petista, e apresentou soluções. Enfim, se mostrou um ótimo candidato, com potencial para vencer o PT em outubro! Ótimo programa grande Ricardo Setti, parabéns pela sua participação!!

Cidadão Quem em 03 de junho de 2014

Uma coisa é certa: não voto em Dilma nem com banda de música. Agora, precisamos analisar cuidadosamente o quadro político. Não podemos acreditar que o país dará a necessária guinada apenas elegendo um novo presidente. Ainda estou muito cético em relação ao Aécio e ao PSDB. Não me esqueço jamais das contradições inerentes ao governo FHC. Do fato, por exemplo, de que foi ele quem escancarou as portas da administração pública para o terceiro setor, aprovando a legislação de OSs, OSCIPs e, no geral, de convênios. Pure trash. Continuo a comentar mais tarde... Abraço, Setti. Welcome back.

o desPTtizador em 03 de junho de 2014

E os estragos q estes 12 anos de DEFeito lulla nos causaram???? Será um esforço homérico para nos recuperarmos!

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI