Argentina: Cristina Kirchner dá novo passo em direção ao abismo econômico decretando congelamento de preços

Cristina Kirchner: criticada pelo FMI por manipular dados sobre PIB e inflação, ela decreta o fatídico congelamento de preços (Foto: Agência EFE)

Manipulação de estatísticas econômicas, subsídios dos cofres públicos para todo lado, sucessivas intervenções arbitrárias na vida das empresas, hostilidade aberta — e não raro materializadas em atropelos à lei — ao capital estrangeiro…

O rumo da Argentina para o abismo econômico, que temos procurado registrar aqui, recebeu hoje um forte impulso adicional. A presidente Cristina Kirchner decretou um congelamento de preços por 60 dias, passo populista e demagógico que nós, brasileiros, conhecemos muito bem.

Numa primeira etapa, curtíssima, a coisa funciona. Depois, vêm, inevitavelmente, duas consequências ligadas uma à outra: o desabastecimento e o mercado negro.

Medidas desse teor só conduzem ao que o governo peronista procura conter, a hiperinflação.

Coincidindo com o congelamento, o FMI criticou o governo de Cristina por manipular dados sobre Produto Interno Bruto (PIB) e inflação.

Sugiro que aproveitem para ler reportagem de VEJA que publicamos no blog há pouco tempo — em novembro passado. O título e o link: Argentina: entendam por que centenas de milhares de pessoas estão protestando nas ruas contra o governo de Cristina Kirchner.

LEIAM TAMBÉM:

Como Dilma combate a inflação, segundo Cesar Maia. Cada vez mais perto de Cristina Kirchner, diz o ex-prefeito

ARGENTINA: Senhores fãs do governo de Cristina Kirchner, façam o favor de ler este material e, se puderem, explicar os fatos nele contidos

ARGENTINA — Bartolomé Mitre, dono do jornal independente “La Nación”: “Vivemos uma ditadura com votos. A Argentina está imitando a Venezuela”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 + 15 =

Nenhum comentário

  • Roberto Souza

    Setti,

    agora só falta um pronunciamento da Presidente convocando todos os argentinos para serem “fiscais da Cristina”.
    A partir de então, todo mundo deverá ir para as portas dos supermercados e lojas exigir o fechamento daquelas que vierem a trair a pátria com aumento de preços, se possível que também se prenda os proprietários.
    Depois é só criar uma força tarefa composta de policiais, carros, aviões e principalmente, peões de fazenda para laçar os bois escondidos pelos produtores nos pastos espalhados pelo país.
    Se a viúva Kirchner fizer tudo certinho o resultado é certo e virá rapidamente, ou seja, dessa vez ela conseguirá instalar o caos como nunca antes na história daquele país.

  • Tucson58SP

    AS LOCAS DE MAIO….
    As mães que perderam entes queridos na revolução sanguinária da Argentina, foram apelidades assim, como as locas da plaza de mayo.
    Essa presidente é a LOCA DA CASA ROSADA, DE JANEIRO A DEZEMBRO. Só não é mais por falta de espaço. Eu pensava que os argentinos fossem um pouquinho só mais espertos e politizados, mas são iguaizinhos aos petralhas brasileiros… Deve ser atmosfera que respiramos dessa parte de baixo do equador do globo terreste.

  • ALGUEM ME AJUDA AI...

    A viuva louca vai meter no buraco os tao orgulhosos hermanos e toda vez que a vaca vai pro brejo os governantes deles se lembram das ilhas Falkland como forma de desviar o foco do problema e unir a patria.
    Bem feito para os argentinos sempre tao cheios de orgulho e sentimento de superioridade foram votar num poste com os beicos siliconados, nao poderao rir da gente nunca. Conformem-se eleitores idiotas.

  • ALGUEM ME AJUDA AI...

    So falta a viuva louca imitar o Sarney e apelar pro bigode, aqui a Rose usava a barba ja que o apedeuta perdeu a dele.

  • Corinthians

    Setti,
    Isso é tudo intriga da oposição. Os economistas estão todos errados, não há risco algum, na verdade na Argentina tudo anda tão bem que Cristina deve ser canonizada em breve.
    Nada como um congelamento de preços para provar que tudo está bem.
    Acho que a única diferença entre Cristina e Collor é que Collor primeiro congelou os preços para depois confiscar a poupança dos brasileiros, enquanto que a dona Cristina primeiro confiscou a poupança em dólares dos argentinos para depois congelar os preços.
    Mas sabe como é… a ordem dos tratores não modifica o viaduto…

  • moacir

    Setti,
    Estive lendo os posts anteriores sobre Cristina cujos links você nos disponibilizou.Era evidente a venualização da Argentina.
    A Viúva Negra bloqueou los hermanos ao acesso a informação,aos bens de consumo,ao cartão de crédito
    taxado em 15%,a compra de dólares,ao consumo de produtos importados,às viagens antecedidas por massacres burocratas.Mas estava tudo bem no reino da Rainha Louca,mesmo tendo 800 mil pessoas ido as
    ruas em 8/11/12 num enorme panelaço.Besteira.Aquelas pessoas todas eram classe A.Não contavam.Não tinham votado em Cristina.É cada comentário que a gente tem lido ultimamente…
    Na Argentina a inflação oficial era menor que 10%,
    e quem ousou contrariar essa matemática Cristiniana,afirmando que a mesma se aproximava dos 30% foi multado,processado ou ameaçado.Traidor da Pátria.
    Além do patrimônio Kirchner,nada decolava.NADA MÁS.
    E agora são congelados os preços num acordo entre
    LA LOCA e as grandes redes de supermercados.
    A primeira pergunta que me vem a cabeça é: congelar
    preços porque se a inflação estava sob controle?
    Eu acho graça nesses acordos malucos que são baixados de cima pra baixo.OS PREÇOS ESTÃO CONGELADOS E PONTO.Mas é a presidente e o comércio
    atacadista quem decidem os preços,ou os fabricantes e os produtores?Combinaram tudinho com as…como direi …PONTAS?
    Bem,los hermanos estão gritando lá nos blogs deles
    que esqueceram de combinar com os estabelecimentos médios,os que ficam em cidades interioranas e “los
    chinos”,que creio vir a ser o comércio chinês,hoje globalizado e espalhado por todo território argentino.
    São as mesmas velhas receitas,os mesmos ineficientes remédios,os mesmos inexistentes resultados.Haverá desabastecimento.Como na época dos ridículos fiscais do Sarney,como na Venezuela do morto-vivo atual.
    Los hermanos estão comentando que antes do acordo
    majoraram escandalosamente os preços.Eis o mais expressivo desabafo que encontrei:
    “QUIEN CARAJO LE DA BOLA A LOS PRECIOS!ESTA TODO,
    MUY CARO!
    Pois é! Até onde irá a Argentina Bolivariana conduzida segundo os caprichos loucos da Viúva Negra?
    Abraço

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Cristina Kirchner:
    Mesmo num blogue de oposição absoluta,existem uma minoria de apoio, faço parte desta minoria.
    Total apoio e solidariedades;
    Pedro Luiz

  • Paul

    Esta na hora dessa louca invadir as Malvinas, quem sabe esta receita agora funcione já que controla boa parte da imprensa …

  • João

    Brasileiros criticam a situação econômica do vizinho: “Argentina caminhando para o abismo”. Porém,, esqueceram que os quais já estão mui além de um abismo econômico, presos em um labirinto de maquiagem econômica sem previsão de saída…

  • Manuel Quebra Côco

    Vai começar tudo de novo. Logo virão os fiscais da
    Cristina, o mercado negro, o desbastecimento, a inva-
    são das Malvinas e por fim os militares redentores.
    Acho que desta vez a aventura termina no “pau”.
    Para argentino, todo cstigo é pouco. Povo arrogante.

  • duduzinho das neves

    Setti;
    Dont’ cry for me Argentina.
    -A Cristina K. que era louca endoidou de vez, ela pensa que é Evita Peron, construiu uma cadetral para o defunto Nestor K. seu marido . Argentina de Gardel,do Tango, de Fangio, de Onassis, de Luiz Borges (Prêmio Nobel, Brasil não tem).
    -Há mais de 60 anos a Argentina perdeu o caminho de casa e hoje não sabe onde fica a Patagônia, talvez a nem a Casa Rosada, sede do Governo. Mergulhou numa confusão mental, entre populismo, demagogia, pouca vergonha, sindicalismo peronomismo, descamisados e tá difícil pro Hermanos.
    – Outrora, milionária, orgulhosa, a mais Européia das Américas, as mulheres americanas sonhava em casar com um milionário Argentino, na década de 50 (nós Brasil 80) já havia metrô em Buenos Aires. -Grande produtora de alimentos, não entrou na grande Guerra, ficou neutra e vendeu para os 2 lados do conflito, encheu os confres (cadê o dineheiro que pus aquí? O gato comeu!!). Hoje, favelou, empobreceu, sucateou seu parque industrial e infra estrutura, perdeu sua identidade, vê inimigos pra todos os lados, e vive jogando as culpas nos outros, provalmente vai virar pó.

  • Corinthians

    Bom.
    Pelo menos me parece que alguma cegueira “evoluiu” para miopia.
    O que antes era propagandeado como certezas econômicas, que a Argentina estava bem, que era tudo um sucesso e que os fatos e críticas é que estavam errados agora se tornou em sentimentos de solidariedade – mas claro, ainda de apoio.
    E viva a esquerdopatia que consegue destruir riqueza, que consegue universalizar a pobreza, criar uma nova nobreza na forma dos comandantes do governo e do partido.

  • Eduardo Queiroz

    A Dilma vai copiar, mais cedo ou mais tarde, a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, e também decretar um congelamento de preços… a Dilma gosta das medidas econômicas tomadas pela ditadura militar e depois pelo Sarney, que agora é aliado do PT e pode prestar assessoria econômica à dona Dilma…

  • IZIDRO SIMÕES

    Por falar nisso, cadê o DEFUNTO CHÁVES, cujo espírito (do mal)ainda governa a Venezuela?

  • Carolina Méndez

    Não há mesmo jeito, pelo que se vê. A Argentina parece mesmo caminhar para o caos e a baderna. Também, o que se poderia esperar de um governo dessa senhora?