Por Daniel Setti

Músico, produtor, dono do selo Reco-Head e colecionador de instrumentos raros, Arthur Joly, paulistano de 34 anos, gastou anos atrás de antigos sintetizadores produzidos a partir dos anos 1960. Principalmente os que levam a marca Moog, criados pelo papa do assunto, o norte-americano Robert Moog (1934-2005). Tais aparelhos influíram consideravelmente em gêneros como rock, jazz e trilhas sonoras de filmes e foram cruciais para o desenvolvimento da música eletrônica.

Cansado dos habituais obstáculos que compradores de artigos importados enfrentam (preços exorbitantes, impostos arrasadores e oferta errática), Joly resolveu simplificar. Ou melhor, complicar. Iria construir, “na raça”, os seus próprios equipamentos.

Se explicar o que fazem os sintetizadores já é complexo — em resumo, geram sons artificiais a partir de procedimentos como a modulação de frequência –, imaginem criar um. Mas Joly, que tem em seu currículo a produção de discos de artistas como Elza Soares e parcerias com o humorista Marcelo Adnet, não se intimidou, pesquisando o assunto na internet. Nem ele sabia que se tornaria uma espécie de cientista maluco e totalmente autodidata dos estúdios.

“Quando comecei, levava dois dias para montar um kit pequeno; hoje monto em quinze minutos”, diz em trecho do mini-documentário abaixo, dirigido por João Jardim. No vídeo, Joly explica um pouco sobre como funcionam as suas diferentes criações, que talha sob encomenda para outros músicos e produtores.

A parafernália é sempre personalizada, variando os sons e a estética da embalagem, e já tem até marca, Reco-Synth. No site estão disponíveis diversos vídeos que mostram um pouco do trabalho de Arthur. Destaque para o divertido clipe “The JolyMod”, apresentando o sintetizador modular homônimo gigantesco que seu criador tirou do papel em menos de um ano. O maior da América Latina, segundo ele.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − 11 =

4 Comentários

Otávio em 04 de maio de 2013

Caro Otávio, críticas duras são plenamente aceitas aqui. Xingamentos -- "canalha", "burro" e outros que você incluiu em suas palavras --, não. As regras do blog para publicação de comentários têm chamada permanente na home page. Dê uma lida.

Alka Setzer em 06 de julho de 2012

Concordo com o Think tank. Andei pesquisando sobre o Joly e seus supostos synths, e na verdade descobri que ele não cria é porcaria nenhuma! Os synths "dele" são tudo cópias de outras pessoas. Por exemplo, tem um site chamado "music from outer space", onde são vendidos componentes e PCB's para vc mesmo montar os módulos do synth. Ele simplesmente pega a placa e manda fazer aqui no Brasil diversas cópias, e depois de pronto ele estampa a marca dele. Isso é projetar? Pra mim é canastrão. Quero ver ele projetar um synth do zero, inventar de verdade algo inovador. Se vcs conferirem este site, verão que até os painéis são iguais, ele não se dá ao trabalho nem de mudar o layout.

Think tank em 31 de agosto de 2011

Será que saber montar um kit eletrônico torna uma pessoa digamos "um cientista maluco"? Cientistas são estes que projetaram e fabricaram o Yamaha Stegea. Dê uma espiada o que se consegue tocar sozinho com tal instrumento. http://www.youtube.com/watch?v=16oaGSltUPE&feature=related

Marco em 31 de agosto de 2011

Amigo Setti: Temos aí um descobridor, inovador e definidor de novos auferidores ! E o mais importante brasileiro ! Abs.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI