Image
O aeroporto de Tenzing-Hillary, em Lukla, no Nepal: pensou em um problema, ele tem (Foto: K. S. Ngon)

É de arrepiar esse material, que mistura vídeos reais com animação e imagens de simuladores de voo. Os pilotos internacionais podem divergir em um ou outro caso, mas veja quais são os aeroportos geralmente considerados mais perigosos do mundo, e por quê.

O vídeo é em inglês, mas resumo aqui os problemas de cada um, pela ordem de aparição — os mais perigosos ficam para o fim:

Lindbergh Field, San Diego, Califórnia, EUA: a cidade cresceu em volta do aeroporto original, obrigando os pilotos a manobrarem em meio a um paliteiro de prédios, sem contar o enorme edifício-estacionamento do próprio aeroporto.

Aeroporto de Funchal, Ilha da Madeira, Portugal: um espanto — o terreno é tão escasso que foi preciso esticar a pista do aeroporto, sobre pilotis, mar adentro. Não bastasse isso, as montanhas produzem um vento encanado fortíssimo que atrapalha pousos e decolagens.

Eagle County Airport, Vail, Colorado, EUA: é cercado por montanhas, parte das Rochosas, e sua altitude torna menos denso o ar e obriga a um acionamento específico de turbinas tanto na decolagem como na aterrissagem.

Courchevel, França: a pista dessa estação de esqui parece uma montanha russa, que fará o avião saltar antes da hora. A previsão do tempo muitas vezes não é precisa.

Kai Tak, Hong Kong, China: espremido em meio a um maciço de prédios, pista curta — de tal forma que, para deixar bem claro quando ela acaba, havia uma parede pintada em xadrez branco e vermelho. Acabou sendo desativado.

Gibraltar, território britânico encravado na Espanha, na entrada do Mediterrâneo: além de ficar justo ao lado do imenso rochedo de Gibraltar, sofre o efeito de ventos fortíssimos, é cercado de prédios altos e a pista, por falta de espaço, atravessa uma rodovia, com semáforo para os automóveis e tudo.

Princess Juliana Airport, Saint Marteen, Antilhas Holandesas: em 1943, a deliciosa ilha, que a Holanda compartilha com a França — com soberania sobre St. Martin, metade do território –, tinha apenas um hotel. Hoje, com a mesma pista de aeroporto, são cerca de 3 mil. Os aviões, para descer, passam a dezenas de metros das cabeças dos frequentadores de uma das praias mais populares.

Saint Barthélemy, Caribe francês: um dos destinos mais caros e exclusivos do mundo continua tendo um aeroporto de pista minúscula, no qual os aviões fazem proezas para não acabar na areia da praia.

Aeropuerto de Toncontin, Tegucigalpa, Honduras: outro de pista curta demais que, além do mais, termina num pedaço de montanha.

Tenzing-Hillary Airport, Lukla, Nepal: encravado na cadeia dos Himalaias, concentra várias dificuldades que fazem o pesadelo de pilotos — do ar rarefeito à quantidade de montanhas ao redor, da propensão a turbulências até problemas de visibilidade e ventos fortes, além de uma pista tão curta que, tomada a decisão de aterrissar, não há retorno possível, pois não há como arremeter o aparelho novamente.

EIS O VÍDEO:

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco + 6 =

16 Comentários

bompqdt em 01 de agosto de 2014

Estive em Honduras no inicio do mês de Junho,e assim que a aeronave tocou o solo,o piloto foi aplaudido! Aeroporto de Toncontim,com certeza o mais perigoso que estive!

ewcpqd em 03 de junho de 2014

Rogério nada entendo de aviação,porém fiquei com a impressão que,se necessário arremeter no aeroporto do Nepal é impossível.Certo?

Rogério Carvalho em 25 de maio de 2014

Exceto o Toncontin, de Tegucigalpa, que realmente é uma encrenca, os demais da lista não são problemáticos, o máximo que acontece em algum deles, como os que ficam nos Himaláias, é ter que se ficar um pouco mais atento ao vento. Para piorar, alguns dessa relação, como o de Funchal e o de Sint Maarten, são uma delícia para pousar. Leigo dando palpite em aviação é um problema, só sai besteira. (Rogério Carvalho, comandante de Boeing 777, 32 anos de aviação e 17.266 horas de vôo)

Alexandre Duguinho em 23 de maio de 2014

Que se dane a segurança. O importante é que este mundo maluco em que vivemos continue girando à alta velocidade!

moacir em 24 de janeiro de 2013

Setti, Nunca tive qualquer receio de pousar/decolar de San Diego,Funchal e Vail.Courchevel já me deixou tenso uma vez e San Marteen é arrepiante se a gente, de baixo, olhar pra cima enquanto as aves estão aterrizando.Mas nada que realmente me tenha tirado o sono.

Marta em 24 de janeiro de 2013

E Congonhas?

Beth Augusto em 24 de janeiro de 2013

Que pena não está dando para assisistir Cara Beth, já está corrigido. Abraços

Jotinha em 26 de março de 2012

Sugiro uma pequena enquete. Pergunte aos pilotos a respeito do aeroporto de Vitória, Espírito Santo. Além de todos os problemas acima citados, há a questão daquelas lanterninhas de raio laser no rosto do piloto, à noite e durante a aterrissagem. Os pilotos estão pousando as aeronaves com as luzes de advertência apagadas. É uma situação gravíssima e, para variar, sem providência alguma dos organismos públicos responsáveis. Haja irresponsabilidade!

Fernando em 26 de março de 2012

Faltou Congonhas e Santos Dummont

J.Torres em 24 de março de 2012

Bom para comparar com os nossos Santos Dumont (aproximação por sobre o mar) e Congonhas (sobre prédios), que nem aparecem na lista. Tem um aeroporto, creio que nos Alpes. Há anos vi um video de um jato da Lauda Air. Mal o avião descola da pista tem que fazer uma guinada forte, pois à frente há um paredão montanhoso natural. Muito bom. E com tudo isso, sempre me senti mais seguro dentro de um avião do que ao volante no trânsito - opinião compartilhada com vários pilotos profissionais com quem já conversei.

Hélio em 24 de março de 2012

Vídeo muito interessante sobre estes aeroportos sui generis no mundo! Aproveitando este post, convido a todos pra visitarem a FIDAE 2012, a maior feira aeronáutica da América Latina, que vai acontecer de 27 de março até 1o. de abril em Santiago do Chile. Estive lá em 2008 e recomendo, é muito show! Abs!

Willer em 23 de março de 2012

Setti, vídeo muito interessante. Para os aficionados da aviação e simulação aérea estes aeroportos são velhos conhecidos, fui apresentado ao LUKLA por um nepalês que morava no Canadá,isto nos bons tempos pré 911, a tragédia de NY mudou muito as coisas. Este hobby é terrível, você passa horas voando sem notar nada ao seu redor além do cockpit(caso voe IFR) gasta uma grana danada em equipamento e nunca vai atingir a perfeição. Mas nada se compara à sensação de um pouso perfeito, só mesmo um pouso real, privilégio de uma elite de técnicos que invejo com a mais saudável das invejas.

Reynaldo-BH em 23 de março de 2012

Vejam este vídeo real do que seja aterrizar no Funchal! http://www.youtube.com/watch?v=Y7Ad4y9hPE4

Abreu em 22 de março de 2012

. Aterrizar naquele aeroporto no Nepal deve ser assustador, sem dúvidas, mas não menos do que em Wellington, New Zeland, "graças" aos ventos constantes (que por lá parece já não assustar a ninguém...). . Confira-se: http://www.youtube.com/watch?v=bqxhzStuSgs .

Marlene em 22 de março de 2012

Como os governos permitem tamanho desrespeito com a vida das pessoas ????

Reynaldo-BH em 22 de março de 2012

Aterrisar no Funchal é uma experiência inesquecível!!! (Em San Diego, sinceramente não notei nada errado. Uma morrer inocente.. hehehe). Deve ser por isso que no aeroporto da Madeira o que mais tem são balcões com ofertas de viagens de.... navio! Lá não venta! Tem um VENTILADOR ligado em toda a pista! E parece a piada do português com o pisca-alerta dos carros, ao testar se estava funcionando ou não: "está, não está, está, não está.." O avião vai tocar na pista! Não vai não, vai sair dela! Voltou! Olha a terra! Cadê a pista??? O bom é que a emoção está inclusa no preço da passagem!

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI