Image
O porta-aviões nuclear “USS Enterprise” (aposentado em dezembro passado) com parte de sua escolta: falta de porta-aviões nas vizinhanças da Síria é estranhável (Foto: US Navy)

O anunciado ataque dos Estados Unidos à Síria como punição e alerta pelo uso de armas químicas, feito pelo governo contra os insurgentes, foi, como se sabe, aprovado hoje pela Comissão de Relações Exteriores do Senado e comporta incontáveis pontos de vista.

O presidente Barack Obama revela que a superpotência americana está agindo por um imperativo moral e pela necessidade de avisar aos inimigos dos EUA e aliados — leia-se, por exemplo, o Irã — de que o recurso a armas banidas por convenção internacional não pode ocorrer sem ficar claro que acarretará graves consequências para quem delas lançar mão no futuro.

Entrando na área onde brilha o amigo e colega Caio Blinder, exponho em seguida algumas observações, dúvidas e perguntas a respeito da operação:

1. Aliados (1): o presidente Barack Obama preferiria que os EUA não agissem sozinhos e está em frenéticas negociações para formar algum tipo de coalisão.

Com o “não” a uma intervenção militar contra o ditador Bashar Al-Assad pronunciado pelo Parlamento do Reino Unido a uma moção nesse sentido apresentada pelo primeiro-ministro David Cameron, ficou bastante abalada a alegação de que a Velha Albion não passa de um capacho da política externa americana.

2. Aliados ((2): tão importante foi o voto do ocorrido no Palácio de Westminster que — não tenham dúvida — levou o próprio Obama, presidente do país mais poderoso do mundo, a alterar sua linha de ação e buscar o apoio do Congresso americano antes de proceder ao ataque punitivo.

3. Aliados (3): a história e suas ironias, sempre. A França, objeto do ódio de boa parte da opinião pública americana por sua relutância às invasões de George W. Bush ao Afeganistão e o Iraque — quiseram até mudar o tradicional nome que têm, nos EUA, as batatas fritas, French fries -, é a potência militar mais disposta a golpear a Síria, que “não pode ficar impune”, segundo o presidente (socialista) François Hollande. Isso num momento em que até a fidelíssima Alemanha deixou Obama falando sozinho.

4. Guerra com data marcada: a diplomacia e a o vespeiro impressionante que é o Oriente Médio obrigaram os EUA à estranhíssima posição de eliminar por completo o coração de qualquer ataque punitivo em grande escala, que é o fator surpresa.

Anunciado há dias e dias, o ataque será grandemente complicado, para os americanos, pelo aviso prévio. Serviços de inteligência ocidentais já constataram que a maior parte dos melhores jatos de combate sírios foram transferidos para o Irã para evitar sua destruição no solo. As armas químicas em boa parte já foram espalhadas por diferentes sítios na Síria.

5. A operação e algumas dúvidas (1): se os melhores aparelhos da Força Aérea não estão no momento estacionados em território sírio, se boa percentagem das armas químicas mudou de lugar, o que, exatamente, os EUA vão atacar? Naturalmente, centros de comando e comunicação, conhecidos de cor pelo Pentágono, são alvos naturais, assim como pistas de pouso, quartéis, navios de guerra e outros alvos naturais.

6. A operação e algumas dúvidas (2): se existem alvos naturais, descritos no item acima, por outro lado até generais de aviação da reserva já compareceram à TV americana para dizer que os mísseis de cruzeiro Tomahawk, uma das principais armas do ataque, não têm carga explosiva suficiente para afetar depósitos de armas químicas ocultos em montanhas escavadas e reforçados com espessas paredes de concreto. E as armas químicas são o fulcro da questão toda.

Os Tomahawk estão a bordo de cinco destróieres da Marinha norte-americana estacionados no Mediterrâneo, próximos à Síria.

7. A operação e algumas dúvidas (3): uma vez que os EUA não querem “coturnos no terreno” — expressão usada para assegurar que não haverá desembarque de soldados na Síria –, um cenário de ataque minimamente eficaz deveria forçosamente incluir mais do que apenas os cinco destróieres já no Mediterrâneo. Pelo menos um porta-aviões, com dezenas de jatos de combate a bordo e, ao redor, a poderosa e obrigatória escolta de vasos de guerra que acompanham essa grande arma letal.

8. A interrogação Rússia: no auge dos debates no Senado americano e na Assembléia Nacional francesa, hoje, o presidente russo Vladimir Putin concede entrevista e diz que, sem prova inequívoca de que Assad usou armas químicas contra os insurgentes, um ataque à Siria — aliado tradicional dos russos no Oriente Médio — seria “um ato intolerável de agressão a uma nação independente”. Acrescentou, misterioso, que em tal caso a Rússia “tem seus próprios planos”.

A Rússia de hoje não é a União Soviética, mas é uma potência militar e nuclear de proporções gigantescas. Quais serão esses planos? É evidente que são declarações dissuasórias, destinadas a preocupar e embaraçar a Casa Branca. Mas um presidente de um país desse porte não joga palavras ao vento. Qual seria, efetivamente, a reação russa? Levante a mão quem achar que sabe.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 + dezesseis =

17 Comentários

Pedro Luiz Moreira Lima em 12 de setembro de 2013

Amigo SergioD: Não estou criticando sua opinião e do qual concordo - estou apenas sendo mais enfático. Grande abraço Pedro Luiz

Corinthians em 10 de setembro de 2013

Setti, Neste caso específico, acredito que a posição e a solução providenciada pelo presidente-ditador russo é realmente muito oportuna. Tanto para o incompetente Obama, quanto para o mundo. Caso Assad saia, sabemos que o risco de uma nova nação terrorista surgir, com armas químicas, é gigantesco. Caso Assad fique, o risco de massacre de inocentes, com armas químicas, também é gigantesco. A remoção das armas químicas da equação seria ótima. Perfeito somente se fosse definido a desativação destas armas. É... Puttin Grila

Pedro Luiz Moreira Lima em 10 de setembro de 2013

Amigo SergioD: Dúvidas? poderia ser um torcedor do caos e dizer - Vai Fundo Obama e mergulha no Atoleiro! Sim, seria mais um passo para a decadência do Grande Império - mas uma torcida assim a custa de Milhões de Mortes é uma Torcida pela Morte e nesta Torcida jamais farei parte. Não aprendem e não querem aprender - a visão da foto - Porta Aviões e sua Esquadra Protetora - mostra o mesmo grito de guerra imbecil dos Franquistas na Guerra Civil Espanhola -" Abaixo a Inteligência,Viva a Morte!" Infelizmente é a tal da Marcha da Insensatez. Abração SergioD Pedro Luiz

alberto santo andre em 08 de setembro de 2013

no atual cenario mundial ate que seria no minimo comico ver o que fariam ou farao os estados unidos os governos russos e americanos ,se fosse uma briga de cachorros eu iria la jogar a areia para atiçar a briga,so para que soubessemos os resultados ,visto que estes imbeciloides que estao no poder teem muito mais medo da morte que nos simples mortais que enfrentamos a morte todos os dias ,que nos e impingida pela semeacao e adubacao da bandidagem pelo pt no brasil atraves da sua secretaria de direitos dos bandidos e seu ministerio da injustica.

SergioD em 06 de setembro de 2013

Ricardo, tenho as mesmas dúvidas quanto a esse ataque à Síria. Atacar o que? Com que objetivo? Isso para não dizer que um ataque ao regime atual acaba fornecendo valioso auxílio ao pior inimigo dos EUA na atualidade, a Al-Qaeda, que está firmemente instalada na Síria e que apoia uma das facções rebeldes. Infelizmente só existe uma maneira de terminar com esse morticínio naquele país do Oriente Médio, mas creio que vai demorar muito para vir. Um acordo político tipo o alcançado no Líbano. Vamos lembrar que naquele país foi necessário que a Guerra Civil durasse desgastantes 15, ou 16 anos, para que as forças políticas se conscientizassem da necessidade de paz. No entanto, como podemos sentir, esse acordo na Síria de hoje está tão distante quanto a Galáxia de Andrômeda se encontra na Via-Láctea. Abraços

Tadeu Tedesco em 05 de setembro de 2013

Amigos, não sejamos ingênuos como a PresidentA Dilma, ao ficar escandalizada com a espionagem americana sobre sua pessoa! Esse bafafá entre Americanos e Russos é uma mera justificativa dos Russos para com os Sírios, seus aliados. Esse ataque sairá, com certeza! A esta altura, a Casa Branca já possui provas incontestes do uso de armas químicas, sejam elas verdadeiras ou não. O presidente russo assim se posicionará, lavando suas mãos: "Bom, como ficou comprovado o uso de armas químicas, e a Rússia é uma das consignatárias do banimento de tal meio cruel, mesmo sendo uma aliada histórica da Síria, não podemos concordar com este ataque covarde do governo Sírio contra seu próprio povo!" Para aqueles que acham Forças Armadas uma inutilidade, fica o aviso! Não se espantem se em 100 anos resolverem "salvar" O QUE SOBROU DA Selva Amazônica, Patrimônio da Humanidade,dos Malditos brasileiros, que não sabem e não tem meios de conservá-la! Basta o motivo! Água? A Selva como "pulmão" do mundo? os pobres indígenas? Raros minérios que existem em abundância? lembrem-se...OS FINS JUSTIFICAM OS MEIOS!

aloisio costa de jesus em 05 de setembro de 2013

ohh o que sera que o grande satã fara agora ? sera que vai invadir a siria e detonar o psicopata de damasco? sera que vai partilhar as reservas do pais com megacorporações depois de conquistado? ohh o que sera ,sera que a russia e a china va brecar o grande satã ?, afinal paises com um belo historico de bom mocismo e respeito aos direitos humanos não pode deixar acontecer uma coisa destas não e ? bom a verdade é que 100,000 pessoas ja morreram e milhares estão refugiadas ,vivemos em uma era que as informações circulam muito rapido é monstruoso as imagens que corre o mundo do ataque quimico perpetrado na siria ,não se sabe de onde só sabe que aconteceu e é muito grave , a russia tem o ditador como um fregues confiavel para seus artefatos militares a china é famosa pela sua indiferença a vida humana tai darfur para confirmar é famosa a frase de um buracrata chines que negocia petroleo em darfur que disse que não ve nada de anormal na região dos massacres promovida pela milicia janjawid a população negra local, os estados unidos é um mal ,mas é um mal necessario neste caso ,pois se depender da china e russia barbaridades muito pióres serão cometidas no futuro ,os yankees são notorios não pela dominação militar e sim pela cultural ,foi só eles olhar para este conflito automaticamente se tornou debate mundial e isso meu amigo é a potencia do carisma para o bem ou para o mal voce que escolhe

Luciano em 05 de setembro de 2013

Se não forem apresentadas provas de que Assad é o responsável pelo uso de armas químicas e os americanos atacarem a Síria, uma possibilidade seria a Rússia lançar um ataque contra os rebeldes.

Vlad em 05 de setembro de 2013

Essa guerra ou esse massacre como queiram, só terá coturnos em terra para limparem o mar de sangue desta sofrida população da Síria.Antes enviaram muitos droids,misseis,sem separarem o povo do governo,sem separarem rebeldes ou aliados ao governo.Será apenas a morte de milhares de pessoas indiscriminadamente, receio um dia chegarem a Coréia do Norte, ai vai sobrar bomba para vários paises.

Dalberto Giacometti Lima em 05 de setembro de 2013

Pois é os "SENHORES DA GUERRA" estão adorando ter que atacar a Siria, é o que eles adoram "GUERRA" A intolerância humana ainda vai nos destruir para sempre, quem deveria a meu ver tomar uma atitude e por um fim em tudo isso é "CRIADOR DEUS TODO PODEROSO" éra bom que Ele repetisse "GÊNESIS CAPITULO 6" quando Ele se arrepende de ter criado o homem por tanta maldade, por causa de um só homem chamado Noé, Ele ainda teve compaixão de nós, mas pelo jeito não adintou nada, olha como está a humanidade, um lixo. Estou etremamente decepcionado, porque a ganância do homem não tem fim, é capaz de criar uma "GUERRA" por causa de um "VAZO DE TERRA, que pena, mas eu duvido que DEUS vai dar outra chance a nós, isso aqui já acabou faz tem, e raça humana não aprende por isso vai desaparecer do mapa acredite quem quiser, que Ele tenha misericórdia de mim e todos aqueles que pelo menos se esforça em acreditar Nele. Essa é a minha opinião, talvez não vale muito, mas é sincera, e não vou mudar jamais. "A INSUSTENTÁVEL LEVESA DO SER" Me perdoem a franqueza, pessoal mas essa é a grande verdade, eu não suporto a "GUERRA E A VIOLÊNCIA" sou mais a favor do diálogo e a partilha, mas o homem ainda é muito primitivo nesse quesito, haja vista que eles ainda tem o hábito de acumular riquezas, que coisa mais primitiva e idiota, serem donos de quintais embandirados, isso é cafona de mais, adoram dizer eu sou dono disso e daquilo são pequenos de mais para entender o verdadeiro sentido da vida, tem muito de seus semelhantes que passam fome ainda em pleno terceiro milênio, isso é inadmissível e insuportável, só que se esquecem que sua vida é curta, e quando morrem ou são enterrados ou simplesmente cremados, ai ou viram cinza ou pó, e ai quem poderá mudar isso..? ninguém jamais, esse é o grande castigo da tão IDOLATRADA HUMANADE, para mim são apenas umas formiguinhas nesse imenso UNIVERSO, quem sabe um dia seremos todos curados dessa insanidade querer sempre o poder, pois não somos nada sem DEUS a Ele tudo pertence, mas ainda tem alguns estúpidos que duvidam de sua existência..!!! Podem zombar de mim quem quiserem, posso viver nesse mundo, mas não pertenço a ele..! Dalberto Giacometti Lima O extra terrestre... Ciao Bellos terráqueos...hahahahah

Bruno em 05 de setembro de 2013

Coloco link de um "infografico" com detalhes da situação no Mediterrâneo. . http://www.publico.pt/multimedia/infografia/contamse-as-armas-para-uma-guerra-no-mediterraneo-89

caioblinder em 05 de setembro de 2013

Grande amigo Setti, em uma crise tão confusa é melho navegar com suas observações, dúvidas (são tantas) e perguntas: o seu GPS, abraços, Caio Blinder Obrigado, meu querido amigo. E desculpe não ter colocado link para seu blog, o que será feito agorinha. Abração

Pedro Luiz Moreira Lima em 05 de setembro de 2013

Vai fundo Obama em mais um atoleiro!

Clovis Eduardo Godoy Ilha em 04 de setembro de 2013

Carlos José, eu acho que, tirando o povo daquele pedaço do mundo, ninguém mais está disposto a morrer pela Síria. O problema é o carniceiro de Damasco se vingar lançando seus mísseis contra Israel, mas aí o castigo vai ser bem cruel.

AlexRio em 04 de setembro de 2013

Barak Obama, seus drones, sua NSA e suas armadas são o retrato da falência moral final do Instituto Nobel, em debacle desde 1973 quando deu o premio da Paz aos carniceiros Henry Kissinger e Le Duc Tho.

netto em 04 de setembro de 2013

Ai, ai, ai...! Final do mês desembarco NY e LA por 10 dias. Os fedecas dos EUA nos airports vão revistar até minha cueca.

Carlos José em 04 de setembro de 2013

Na guerra da Iugoslávia em 1999, o Boris Yeltsin deu declarações contra o Ocidente tão ou mais duras que essas do Putin. Os russos chegaram a falar em uso de força militar. Talvez o Putin seja um irresponsável e dê início a 3º guerra mundial, mas acredito que no máximo a Rússia mandará armas mais pesadas pra Síria.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI