Amigos, o resumo da principal notícia postada neste momento na Agência Brasil.

“Demanda do consumidor por crédito aumenta 8% em agosto”

“Em relação a agosto de 2010, a procura aumentou 14%. No acumulado do ano, a alta chega a 13,1%, ante o mesmo período do ano passado. O maior aumento foi verificado entre os consumidores que ganham até R$ 500 por mês (12,4%). Todas as regiões brasileiras tiveram crescimento da busca por crédito.”

Agora, o que tenho a dizer: por um lado, são boas notícias. São sinais de prosperidade do país em meio a um ambiente externo de paralisia ou de crescimento negativo.

O aumento da demanda por crédito significa que há oferta, as pessoas conseguem consumir o que precisam, ou parte disso, ou realizar no todo ou em parte desejos legítimos de consumo. Pouca oferta de crédito era um velho entrave ao crescimento da economia brasileira, e isto melhorou consideravelmente.

Já o custo do crédito é outra questão. Vamos por ora deixá-la de lado.

O crescimento da oferta de crédito muito acima do crescimento do PIB e o aumento e do consumo apresentam, porém, uma outra vertente, menos risonha. Em primeiro lugar, pressionam a inflação, e então é de se indagar se realmente o Banco Central operou corretamente ao baixar de forma relativamente drástica os juros na reunião de 31 de agosto passado. Em segundo lugar, os dados hoje divulgados mostram que quem ganha menos está se endividando mais.

Temas para nossa reflexão.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez − um =

Nenhum comentário

ricardo em 10 de setembro de 2011

Esta demanda se dá por puro marketing. As financeiras estão oferecendo facilidades de credito por telefone e o povareu esta caindo direto neste enredamento.

Caps em 10 de setembro de 2011

crédito=dívida Num país com juros tão altos, é sempre bom lembrar disso. A propósito: crescimento patrocinado por crédito subsidiado me faz lembrar de umas bolhas que andaram estourando por aí... EUA, Grécia, Irlanda.

Paulo Bento Bandarra em 09 de setembro de 2011

É que nós adquirimos a cultura de consumir hoje para pagar amanhã. Assim, não se poupa quase. Na hora de receber o crédito o banco é bonzinho, da hora de pagar é malvado.

Marco em 09 de setembro de 2011

Amigo Setti: Vou te relatar um caso q aconteceu comigo a 1 Semana. Depois daquele susto q te relatei, com a roda do pneu com minha mulher, ela resolveu trocar de carro. OK, sobrou para mim pesquisar a melhor oportunidade. Resolvemos dar o nosso carro e pagar a vista o restante. Passei 1 semana correndo atrás. Impossível, ninguem te dá desconto acima de 2 % a vista, fora q avaliam o teu carro na troca quase 30 % abaixo do preço. Perguntei pq isso, por causa q as financeiras pagam a concessionária a vista, perguntei qual as taxas de financiamento 1,3 % am. Isso dá quase o valor de 2 carros financiado. Já q tu financia a Desvalorização do teu carro e mais a falsa valorização do Novo, já q tu tira da concessionária com uma desvalorização de quase 20 %. Aí não tive dúvida comprei um semi-zero com quase 20.000 Km de um particular, foi tranquilo ! 70 % das vendas d hoje no comécio são através de Cartão de Crédito, cheque quase não existe mais. É a mesma estratégia das financeiras cobram apenas 2 ou 3 % para empresa de juros e pagam a vista. O endividamento de consumo tende a subir cada vez mais. Abs. Seu relato é significativo da situação que vivemos, caro Marco. E sua última frase é perfeita. Abração

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI