Image
Em países civilizados, o plenário da Câmara é intocável. Aqui… A invasão de hoje incluiu desde pessoas que queriam que o Congresso mantenha os vetos da presidente Dilma ao Ato Médico até representantes de associações de policiais e bombeiros pressionando para a aprovação de piso salarial nacional (Foto: Agência Câmara)

Pode-se não gostar dos políticos em geral, pode-se criticá-los, pode-se (e deve-se) fazer manifestações de protesto contra atitudes, votos e comportamentos de políticos de qualquer partido — mas há limites para tudo, e a democracia não comporta a baderna.

É isso — baderna, palavra de que os politicamente corretos temem lançar mão por ser “de direita” — que ocorreu hoje ao longo do dia, e ainda ocorre, na Câmara dos Deputados, com uma série interminável de “manifestações” que incluiu uma intolerável invasão do plenário da Casa.

Frequento o edifício do Congresso, hoje em dia de forma bissexta, desde os anos 60, e a coisa está cada vez pior e mais desrespeitosa. Passou-se da fase das simples vaias — quando os responsáveis eram convidados a retirar-se pelo que hoje se chama Polícia Legislativa — à de atirar objetos das galerias ao plenário para, agora, simplesmente invadi-lo.

O plenário, numa democracia séria, seria considerado terreno intocável, símbolo do Legislativo, o poder teoricamente do povo. Aqui…

Um grupelho de baderneiros invadiu a área de trabalho dos deputados, onde só é permitida a presença de parlamentares, ex-parlamentares, funcionários e jornalistas credenciados, e fez o diabo: gritavam palavras de ordem, xingavam, faziam soar apitos e, no meio da bagunça, cantaram também o Hino Nacional. Ali se misturava um pouco de tudo: pessoas interessadas na questão do Ato Médico e outros na votação de piso salarial para policiais militares.

Foi o ponto baixo de um dia inteiro de manifestações ruidosas e nem sempre adequadas dentro do Congresso Nacional.

Manifestantes de vários grupos diferentes já haviam ocupado o Salão Verde, imenso saguão que antecede o plenário.

Havia gente de todo tipo e de várias tendências espalhada pela Câmara, sobretudo nos corredores.

Indígenas invadiram salas de comissões técnicas, protestando contra uma Proposta de Emenda Constitucional que coloca sob responsabilidade do Congresso, e não mais do Executivo, a homologação de terras públicas como sendo indígenas.

Médicos exigiam que o Congresso (Câmara e Senado reunidos) derrubasse os vetos da presidente Dilma ao projeto, já aprovado, da Lei do Ato Médico.

“Profissionais da área da saúde”, como se autodenominam, estavam lá justamente para o oposto — pressionar o Congresso a manter os vetos à Lei do Ato Médico.

Outros manifestantes pretendiam falar em nome de policiais militares e bombeiros, exigindo que a Câmara vote em segundo turno a PEC 300, aprovada em primeiro turno em 2010 e depois engavetada, que estabelece um piso nacional para ambas as categorias. Alguns desses participaram da entrada à força no plenário.

Como é possível que um policial — supostamente, agente da lei –, ainda que travestido em integrante de uma associação de classe, parta para a desordem aberta, invadindo na marra o coração da Câmara?

Não há como discordar de um político chinfrim, a quem critiquei diversas vezes — o presidente da Casa, deputado Henrique Alves (PMDB-RN), que exigiu “respeito” aos invasores do plenário:

— Não é assim que vão conquistar os votos desse plenário.

Alves também criticou aqueles que apelam para “um discurso fácil e demagógico” na abordagem de temas complexos, como todos os expostos acima.

Diante da confusão que vários grupos formavam nas entradas do edifício do Congresso, a Polícia Militar do Distrito Federal, acionada, começou a impedir o ingresso de manifestantes. Representantes dos médicos se queixaram de restrições à liberdade de expressão.

Pode até ser. Mas tem muita gente confundindo o legítimo e necessário ato de pressionar o Congresso — via manifestações pacíficas e ordeiras, entrega de abaixo-assinados, e-mails e telefonemas a deputados e senadores e por aí vai — com a ação física de ir até os parlamentares e, direta ou indiretamente, ameaçá-los.

A insatisfação com o Congresso, em geral absolutamente justificada, precisa encontrar meios decentes e civilizados para se escoar.

Já escrevi e repeti o que é óbvio: queiram ou não, deputados e senadores são representantes do povo. Não foram nomeados bionicamente por ninguém. Não são alienígenas. Não foram eleitos por cidadãos da Nova Guiné ou do Panamá, mas por nós, brasileiros.

Estão furiosos com eles? Pois votem melhor da próxima vez.

As instituições precisam prevalecer sobre os que as ocupam temporariamente.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 − quatro =

Nenhum comentário

Corinthians em 21 de agosto de 2013

A solução é votar melhor, e consciente sim. É respeitar as instituições sim. Um erro - ou no caso, vários - não justifica outro. Não é por que o senador XYZ foi corrupto que eu vou quebrar o patrimônio público. Não é por que o partido PABC roubou que eu vou impedir o funcionamento de instituições que são imprescindíveis em uma democracia. O voto tem que ser pensado, analisado e consciente. Não existindo a opção ideal, devemos votar no que mais se aproxima, no melhor - ou colocando de outra maneira, no "menos pior" - pois só assim haverá mudança gradual da situação. Desconsiderar a necessidade de políticos, de partidos, de instituiçÕes é o mesmo que pedir para viver em uma ditadura, com um salvador da pátria dizendo exatamente o que você deve fazer - e pior, o que não deve. Os políticos eleitos não são bons o suficiente para a democracia ? Cobre, dentro da democracia. E troque de políticos na próxima eleição.

MOLTO FRANCO em 21 de agosto de 2013

"O presidente da Casa, deputado Henrique Alves (PMDB-RN), que exigiu “respeito” aos invasores do plenário:" Concordo que a democracia tem seus ambientes e rituais que devem ser respeitados por TODOS. Isto inclui também o dep. Henrique Alves e todos os NÃO REPRESENTANTES em que se transfiguraram os políticos oriundos de mandatos ilegítimos, pois em sua maioria, segundo pesquisas dentro do próprio congresso, o foram por voto de legenda, o que lhes deixa muito a cavaleiro para não RESPEITAR aos cidadãos, contribuintes, eleitores, através de suas tramóias e conluios de seus interesses escusos na calada da noite. Sugiro que os leitores acessem www.excelencias.com.br para conhecer melhor o perfil deste Henrique e aproveitem para conhecer também os dos demais e vejam onde está a razão. Aquela Casa não merece a atual safra destas ultimas legislaturas. Um ditado caipira bem popular, para finalizar: POR ONDE PASSA BOI, PASSA BOIADA.

João em 21 de agosto de 2013

Na minha opinião os manifestantes fizeram o certo, ocupando as cadeiras dos Deputados. Baderna seria se os manifestantes tivesse adentrados e quebrado tudo isso sim, poderia dizer que realmente seria uma baderna de revoltosos...

João em 21 de agosto de 2013

que moral que eles têm para falar em legitimidade de manifestação popular; como que índios adentram no Congresso Nacional armados de facão e flechas e ninguém contesta; simplesmente, obedece as manifestações indígenas; só para frisar, não são índios selvagens; porquê eu vi um dos Cacique monitorando um tablet e o outro, um celular de ultima geração. Que Constituição desigual é essa que para uns pode tudo e para outros nada pode???

P Faustini em 21 de agosto de 2013

É assim que começa,confundem democracia com baderna,reivindicação com coação daí pra frente é um pulo, tem sempre alguém doidinho para tomar o poder acima das leis e implaantar uma ditadura seja ela militar ou civil, de direita ou esquerda aí quando abrimos os olhos ja é tarde.

Paulo R. Herrmann em 21 de agosto de 2013

Caro Setti na verdade os deputados e somente eles sao os culpados por isto que esta ai, eles acharam bonito e democratico quando baderneiros imvadiram a secao do Dep Feliciano e o reflexo esta ai. No RS o governo do estado nao moveu uma palha sequer nas manifestacoes contra o aumento das passagens e contra o prefeito e assim se vai a tal da historia do nao e comigo mais o goverso se asusta quando os manifestantes comesao a marchar contra o palacio estadual e federal ai o medo pega e a comcequencia ainda vai vir quem viver vera.

Markito-PI em 21 de agosto de 2013

Com licença, caro Setti. Preciso acrescentar algo a teu ponderado comentário. Estes "policiais", se viessem buscar a imensa maioria dos parlamentares e algema-los,( eles merecem)nem assim teriam razão.A casa é do povo. Mas, o que parecem ignorar, todos os que V. elencou, não estão ali porque resolveram virar deputados. FORAM ELEITOS. Pelo povo.Podem ser extirpados da camara com um simples apertar de botão em outubro do ano que vem. Pela força do voto.

Bruno em 21 de agosto de 2013

Também vi e também não concordo. Até ouvi bateria ajudando a festa ! Considerando que muitos (ou bastantes) eram médicos, pessoas que tiveram acesso a um superior nível de ensino...faltou dar as aulas de educação ou civilidade. . Antes porém, fiquei surpreso com a confusão e falta de organização para tratar de uma coisa simples como uma votação (no país que se orgulha de ter um sistema eletronico de voto com qualidade ímpar) !! Que coisa mais mal feita. Depois nos discursos os parlamentares quase esqueciam de indicar QUAL o veto a que se referiam... . Acabei desligando pois me deu vergonha. Mal vai o país assim.

ZE CRICRI em 21 de agosto de 2013

Um pais que é governado por um partido, que teve na baderna, sempre o seu principal argumento político, não pode reclamar do que esta acontecendo. Acontece é que os baderneiros de antigamente, hoje querem comportamento diferente dos seus antigos aliados. Porem estes, ao ver a rapaziada do soci- alismo, a enriquecer aos olhos vistos, tambem que- rem a sua parte no espólio da viuva. O diabo, é que não tem para todos, dai a confusão.

Carlos em 21 de agosto de 2013

Não vou publicar esse relato, caro Carlos, em primeiro lugar porque este espaço é destinado apenas a comentários de leitores, e não a transcrições de textos publicados em outros veículos. Em segundo lugar, porque o veículo do qual você transcreveu não merece de minha parte nenhuma credibilidade.

Francis em 21 de agosto de 2013

INEPTOCRACIA: Um sistema de governo onde os menos capazes de liderar são eleitos pelos menos capazes de produzir, e onde os membros da sociedade com menos chance de se sustentar ou ser bem-sucedidos são recompensados com bens e serviços pagos pela riqueza confiscada de um número cada vez MENOR de produtores.

Lógico Verdadeiro em 21 de agosto de 2013

Votem melhor da próxima vez? Ai, ai ,ai...como são bobinhos! Votar em quem, se só aparecem porcarias???!!!

Miguel em 20 de agosto de 2013

Petistas anônimos já ameaçam de genocídio quem ousar criticar o governo do PT, num futuro governo totalmente dominado pelo PT. Vejam a ameaça de um petista anônimo feito no site brasil247 à um tucano que criticava o governo: "Escutem, tucanos e asseclas! 20.08.2013 às 23:36 Mais cedo ou mais tarde nesse país se formarão Comandos de Caça aos Idiotas Vagabundos (CCIV). E, aos poucos, as nossas instituições farão "vistas grossas" quando começarem a aperecer corpos esquartejados de idiotas indignados tucanos coxinhas por aí. NINGUÉM dará a mínima e até apoiará esses comandos limpadores do país. O mundo dá as voltas: ôntem teve o CCC, amanhã terá o CCIV. Fiquem logo "espertos" aí". http://www.brasil247.com/pt/247/cultura/112301/Ao-247-Marta-d%C3%A1-resposta-dura-ao-senador-A%C3%A9cio.htm

Liberal em 20 de agosto de 2013

De fato, a revista é tão desimportante, tal como seu site e seus blogueiros, que você, com sua linguagem podre e cafajeste, se dá ao trabalho de vir aqui, ler e enviar comentários -- asquerosos, mas comentários. Ou seja, até gente de seu quilate se interessa pelo trabalho dos jornalistas da revista.

Decente em 20 de agosto de 2013

Imbecil é leitor que escreve asneiras grossas, imbecil é quem considera baderna e desrespeito como "participação democrática". De democratas assim Cuba está lotada.

diego em 20 de agosto de 2013

que esses camarads deixam para quem ganha salários que mal dá para se sustentar..mas mesmo assim sustentam familias...mas ai que familia estamos falando?aquela que resistem ainda em ser ordeira..pois as que veem seus filhos passando fome não suportam, e assim vale tudo.

Jorge de Luca em 20 de agosto de 2013

E esse papo de vote corretamente é completamente furado ! São bonzinhos quando estão de fora mas viram lobos quando sentam no senado ou camara ! De todos os politicos honestos , tire 30% e o que restar 70% são bandidos ! Taí o Jader barbalho que não me deixa mentir !

Emidio Sampaio em 20 de agosto de 2013

Você disse bem: numa democracia séria. Mas aqui não é uma democracia séria.

Osmario em 20 de agosto de 2013

Na realidade somos um arremedo de democracia, estamos a anos luz de um estado democrático. O Congresso Nacional tornou-se um antro de vendilhões, cujo ultimo interesse é o da Pátria. Não respeitam o povo, diante do que são suspeitos para exigirem respeito de quem quer que seja!

Mario sergio pacheco de sousa em 20 de agosto de 2013

Aqui no RIO uma juíza garantiu o direito dos invasores alegando ser a casa do povo. Alguém sabe como isso vai acabar?

Bruno Sampaio em 20 de agosto de 2013

" votem melhor da próxima vez." É basicamente isso. E cuidado quando políticos forem fazer "o diabo" na época de eleição. O coisa-ruim não tem partido, e pode morder a mão do dono. Deixaram que o clime de total desrespeito às leis virasse coisa cotidiana em manifestações pelo Brasil inteiro, imprensa incluída. Quando o CAOS vier bater à sua porta, lembre-se que sem respeito às LEIS, o que acontece é o cada um por si, a BARBÁRIE. Parabéns pelo texto, Setti.

Jorge de Luca em 20 de agosto de 2013

A democracia no Brasil é ilegitima desde o momento que um carlos cachoeira elege um senador demostenes ! Tem muitos mais politicos deputados e senadores eleitos por bandidos de facções criminosas se dizendo ""eleitos pelo povo "" ! Então é preciso votar melhor, prestar mais atenção nas eleições para vereador, deputado estadual, deputado federal e senador. Ou você acha que bandidos constituem a maioria do povo brasileiro?

Jorge de Luca em 20 de agosto de 2013

Brasil não tem democracia ! Sendo assim mais uma vez parabens aos policiais e bombeiros que se arriscam para cuidar da população !

Jorge de Luca em 20 de agosto de 2013

Não publico incitação à baderna, à desordem e à desobediência às leis neste blog. Pode procurar outro.

Nelson em 20 de agosto de 2013

Mas o que fazer se esses congressistas "só pegam no tranco"? Capa da revista Veja que mostra bem a situação de comodismo de nossos políticos: "Então é no grito"? Votar melhor na próxima eleição. Assim é a democracia. Violência e baderna, nunca! Desculpe-me perguntar, mas você se lembra em quem votou para vereador no ano passado em sua cidade, para deputado estadual, federal e senador em 2010?

AlexRio em 20 de agosto de 2013

Diante do verdadeiro despautério de corrupção desenfreada, desperdicio vil, abuso astronomico, deboche geral com o povo, e baderna geral hj existente nos tres poderes, apoio qualquer tipo de manifestação feita contra o poder constituido, à exceção de ataques fisicos ou de um golpe de estado.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI