Vejam só a notícia que publicada no site do jornal Correio Braziliense:

“O assessor parlamentar da deputada federal Érika Kokay que hostilizou o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, na saída de um bar na Asa Sul, Rodrigo Grassi pediu exoneração do cargo.

Ao Correio, ele contou que tomou a decisão após o vídeo que ele postou na internet ter sido usado como forma eleitoreira nas redes sociais para prejudicar a deputada.

Pilha, como é conhecido, vai se dedicar à militância e pode ainda abandonar o Partido dos Trabalhadores, ao qual é filiado desde a adolescência, para militar com isenção.”

Grassi afirma, em nota que o jornal publica e que você poderá ler em seguida, que pede demissão do cargo de assessor da deputada Erika Kokay (PT-DF) em consequência de nota “mentirosa e covarde” publicada pelo site de VEJA — e reproduzida neste espaço.

Mentirosa e covarde como, cara-pálida? A nota mostra o que ocorreu — o militante do PT assediando aos gritos o presidente do Supremo Tribunal Federal, em vídeo que ele próprio distribuiu nas redes sociais.

Refresquemos a memória dele e dos leitores revendo o vídeo. Abaixo, virá o link para quem quiser ler a continuação da matéria do Correio Braziliense.

AGORA CLIQUE AQUI PARA CONTINUAR LENDO A REPORTAGEM DO CORREIO BRAZILIENSE

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − 15 =

TWITTER DO SETTI