Amigos, não sei se vocês terão a mesma impressão, mas, além do que poderia estar afetando seu comportamento — drogas, álcool, Deus sabe o que mais — senti uma infinita tristeza, uma enorme “dor de viver” em Amy Winehouse nesta que seria sua última apresentação em público, em Belgrado, capital da Sérvia (e da ex-Iugoslávia).

Como se fosse premonitória de sua partida, tão absurdamente precoce.

Vejam a primeira parte a seguir:

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

35 Comentários

Anne em 05 de outubro de 2014

Eterna diva, Amy cantava com a alma, expressava seus sentimentos, sofrimentos...

Anne em 05 de outubro de 2014

Eterna diva

Anne em 05 de outubro de 2014

Descanse em paz Amy, sofreu muito sim, diva maravilhosa, não tem o que falar, está bem agora!

janaina em 27 de julho de 2011

Na boa falo por experiência de causa mesmo , faltou família , principalmente pai sabe se tivessem internado pois só os pais poderiam fazer isso a força pois ela por si só jamais poderia sair dessa sozinha

Diogo Gianeri em 26 de julho de 2011

A depressão era ainda mais notável do que o estado constantemente trôpego da cantora; até porque, entra-se num círculo vicioso mortal: as drogas causam depressão, que é "combatida"... usando-se mais drogas. Já não bastassem todos os discos que perdemos de Jimi Hendrix, Joplin, The Doors (que sem Jim Morrison virou uma portinhola), mais um talento nos é tomado. Descanse em paz, menina, e que seu talento genuíno, isso sim, seja sempre seu maior legado para nós.

JR PIT BOY CPF14933389861 em 26 de julho de 2011

EU TE AMO NO BRASIL FOI DELICIOSO...

Caio Frascino Cassaro em 26 de julho de 2011

Prezado Ricardo: Amy Winehouse, cujo nome parece uma piada cruel, viveu sua vida nos extremos da agonia e do êxtase. Sempre me passou a sensação de uma dor profunda na alma, lembrando Bernardo Soares, o semi-heterônimo de Fernando Pessoa, personagem principal e narrador do "Livro do Desassossego". Há uma passagem no livro chamada "Intervalo Doloroso", na qual Bernardo termina um texto absolutamente pungente a respeito da dor de viver com a frase: "A minha vida, é como se me batessem com ela." Nada me parece mais Amy Wynehouse do que isso. Meus pêsames a todos nós.

Cecilia em 26 de julho de 2011

Pobrezinha, tão absurdamente grande e tão pequena e desprotegida ao mesmo tempo.... Vontade de colocá-la no colo e embalar, agora ela está em paz.

Joel em 26 de julho de 2011

Enfim, Amy deu um bom exemplo.

Aurea A Kogar em 25 de julho de 2011

Caro Sette. Parabens, voce foi um dos unicos ''escribas'' a ver, de maneira humana, o fim dessa promissora interprete. Sua percepcao 'e corretissima e at'e eu senti a ''dor de viver''. Entao Amy se arrastava duplamente, alterada por substancias quimicas que a faziam tropega, e por uma expressao facial/corporal arrastando, implorando, ao som das ''palavras'' ditadas por seus ''backs''. Os bracos cruzados junto ao peito em forma de concha, querendo consolo e aconchego, tentando ninar/acalentar a si propria. Que solidao... Que sua alma, agora, alcance a paz. Obrigada.

sheila lima em 25 de julho de 2011

sETTI,ELA ME PARECE OU MUITO DROGADA OU BÊBADAOU OS DOIS,NÃO SEI EXPLICAR MAS PERDEMOS UMA CANTORA COM INFLênciado blues e do soul prá ninguém colocar defeito! É uma pena .

joão lourenço em 25 de julho de 2011

Como outros "idolos"morreu por ser uma viciada em drogas e sem orientação familiar .Que sirva só de exemplo do que é o pior para o humano.

Ruth em 25 de julho de 2011

Como Fred Mercuri Amy também era uma pessoa sozinha.

Ruth em 25 de julho de 2011

Amy era uma garota fraca e ingenua,conheceu as drogas atarves desse ex-namorado que trouxe problemas a sua vida

Heberth Diaz em 25 de julho de 2011

Por coicidencia ou não, antes de ver o vídeo desse artigo deixei carregando e fui assisti outro que já estava totalmente carregado "Love is a losing game" que é o mesmo que está aqui na coluna. E é uma pena ela ter partido tão cedo e prematuro, Amy viveu pouco, curtiu muito e amou de mais, amou tanto ao amor dela que esqueceu dela. Eu gostava dela agora ainda mais, não sei a que levou a esses excessos mais ela vai deixar um legado na música que a sua voz macia, aveludada e potente que me aguça os cinco sentidos, jamais será esquecida. Descanse em Paz sweet and brave Amy Winehouse. ☆ 14 de setembro de 1983 † 23 de julho de 2011 :'(

Alexandre em 25 de julho de 2011

Se quiser se suicidar, basta seguir o exemplo da Amy Winehouse.E quando seus familiares se preocuparem com você diga: no,no,no,no

tico tico em 25 de julho de 2011

Níngúem nasce bebendo e se drogando. Pesquise-se e se chegará ao(s) motivo(s). Quem se mata, mata a pessoa errada. Havia uma outra Emi Winehouse. Uma perda. Para todos.

Pimenta em 24 de julho de 2011

Caro Setti, A mim, Amy passou a impressão de estar sendo consumida por insuportáveis dores. Tanto a dor física (por ter os órgãos corroídos pelo uso de drogas pesadas), quanto (e principalmente) "a dor de alma", por não saber o que fazer para sair da areia movediça em sempre viveu, e por não encontrar quem realmente fosse capaz de estender a mão, para tirá-la dali. Pena.

duduvieira10 em 24 de julho de 2011

Certamente meu caro Sr. Setti! A impreensão é qe ela está carregando a dor do mundo,,, e pensar que nossos patrícios, jovens também idealistas respaldados pela Justiça de Instâncias Superiores, fazem marcha em defesa e apologias a drogas letais,,numa demonstração imbecíl e totalmente mórbidas! Atenciosamente.

Ailton em 24 de julho de 2011

Amigo Ricardo Setti; O maior cultuador das liberdades, gostam de fazer censura, proibiram a cantora Amy de entrar nos EUA por ser um mal exemplo de comportamento para a juventude estadunidense, pensei que só o Irã e Coreia do Norte pensavam assim. Tá bom, o velho do macaco não enxergar a própria cauda.

Marco em 24 de julho de 2011

Amigo Setti: É difícil de compreender esses tipos q parecem estranhos, esquisitos e extraordinários.Contra um mundo inimigo e contra a opinião pública. Passa a ser um excêntrico e louco. Q passam por conseguinte a vulgares. Pela exigência postulada q fazem se sentir um solitário até pela família. Esse é o risco ! Abs. PS: Amanhã como tinha te falado vou viajar por alguns dias, aproveitando as sugestões do NE, da Srta. Adriana Setti pela internet. Depois te digo se ela é realmente uma boa guia. favor avisa tbm o A. Nunes. Pode deixar. E aguardo seu veredito sobre o trabalho de minha filha. Você está melhor, caro Marco? Grande abraço

Dawran Numida em 24 de julho de 2011

Que pena, garota. Que pena.

carlos nascimento em 24 de julho de 2011

Passou da hora, já perdemos vários talentos, precisamos promover "REFLEXÕES" emergenciais, as drogas são um refúgio inútil, temos que quebrar as barreiras dessa apologia, promover novos valores de congraçamento, a utopia do "BRILHO FALSO" momentâneo já se esgotou, o segredo está na sinergia da familia e dos amigos. Façamos algo com urgência, antes que outras Amy, tão jovens, partam, deixando-nos esse imenso vazio de impotência e dor. A ciência avança em determinadas áreas, na questão neural, estacionamos, ainda somos primitivos, precisamos desintoxicar os cérebros de nossa juventude, não é possivel deixarmos a cocaina e agora o crack assassinar nossos jovens e até mesmo crianças.

Tito Livio Bereta Bereta em 24 de julho de 2011

Caro Setti, não apenas tristeza por ela, mas por tantos outros que se foram, brutalizados pelo trinômio maldito: drogas, sexo e rock... a trilogia do suicídio. E por muitos outros que, mesmo sem se apegarem as mesmas práticas, também nos deixam pela forma mais brutal, a única condenada veementemente por todas as religiões: o suicídio! Direto ou não, pois a overdose nem sempre é proposital, eles nos deixam. Elis, Raulzito, Ernest Hemingway. Carlos Estevão, Péricles e muitos outros cujo nome não me ocorre. Talvez o maior mistério para a vida do ser humano seja ela própria, a sua vida. Buracos imensos, cujo preenchimento não encontra matéria apta a preenchê-lo. Independentemente de tudo isso, escolhamos viver. Bem ou mal, com pt ou sem pt, escolhamos viver. A cada dia basta o seu mal. Solidário com sua tristeza, convido-o a remar e orar. Seja para Deus ou para os deuses, rememos e oremos. "Elevo meus olhos para o monte. De onde me virá o socorro? Meu socorro vem do Senhor, que fez os seus e a terra." Palavras atribuídas ao rei Davi, o maior entre os maiores, dentro da história judaica. Deve haver algo de verdadeiro nessas palavras. Grande abraço.

Kaos em 24 de julho de 2011

A vida dela deveria ser usada para mostrar às crianças o que as drogas fazem a qualquer pessoa. A dependência química é uma doença, a pior de todas.

Paulo Bento Bandarra em 24 de julho de 2011

atentados que deixaram 92 mortos em Oslo ... Como as mortes em acidentes aéreos, os mortos em acidentes de carros ou de ônibus possuem muito mais glamour para a mídia!!!

SergioD em 24 de julho de 2011

Ricardo, não acompanhava muito a carreira da Amy. Minhas filhas, sim. No entanto, o que sempre me impressionou foi sua voz poderosa. Suas músicas não diziam muita coisa para mim, mas, inegavelmente, não ouvi voz mais bonita entre as cantoras da sua geração. Fica difícil de entender o que a levava a flertar com a autodestruição. Não sou psicólogo. Fica a dor de ver um talento tão grande se apagar dessa forma. Um abraço

Jotavê em 24 de julho de 2011

Acho que foi exatamente isso que nos emocionou tanto - além é claro, do fato de estarmos perdendo uma das maiores cantoras do século XXI. Todos nós queríamos salvá-la de algum modo. Víamos aquela tristeza toda, aquela vida completamente inviável vagando, de choque em choque, no intransitável mundo dos outros, incapaz de uma comunicação que não se desse por meio da representação musical - que ela fazia tão bem - víamos tudo isso e queríamos pôr a menina no colo, dar-lhe um abraço infinitamente terno e acolhedor, dizer para não se assustar, que os outros passam, e são tão frágeis por dentro quanto ela, só um pouco mais sorridentes, às vezes, ou mais sisudos e verbosos ao longo da semana, mas que ela poderia, se quisesse, até sorrir, andar pela praia, dizer "bom dia", ouvir a resposta, sabendo que esse fantasma que lhe desejou bom dia iria passar e desaparecer, sem destruí-la. Ficamos tristes, eu acho, com nossa própria impotência diante da tristeza dessa moça que a correnteza levou sem que pudéssemos fazer nada. P.S.: Ouvi duas faixas de um disco (disco, mesmo) da Janes Joplin, para finalmente comparar. Amy perde. Por pouco, mas perde. Mas por muito pouco. A habilidade básica é a mesma. Cada nota que elas emitem tem uma personalidade própria, e está dizendo mil coisas ao mesmo tempo.

veiaco em 24 de julho de 2011

Facundo Cabral Não estás deprimido, estás distraído … …Distraído em relação à vida que te preenche, Distraído em relação à vida que te rodeia, Golfinhos, bosques, mares, montanhas, rios. Não caias como caiu teu irmão que sofre por um único ser humano, quando existem cinco mil e seiscentos milhões no mundo. Além de tudo, não é assim tão ruim viver só. Eu fico bem, decidindo a cada instante o que desejo fazer, e graças à solidão conheço-me… o que é fundamental para viver. Não faças o que fez teu pai, que se sente velho porque tem setenta anos, e esquece que Moisés comandou o Êxodo aos oitenta e Rubinstein interpretava Chopin com uma maestria sem igual aos noventa, para citar apenas dois casos conhecidos.

Tuco em 24 de julho de 2011

. LPavarotti, AWinehouse e não quero me lembrar de mais vazios. Legados insubstituíveis. Fizeram um mundo melhor - e pra sempre farão uma tremenda falta. .

ixe em 24 de julho de 2011

Nossa. Que Deus guarde bem essa menina de muito talento, grande cantora, compositora, distinta da média, mas muito infeliz.

zedomatogrosso em 23 de julho de 2011

lamentalvemente ela não sabia do ditado "porco sabe o pau que coça"... vai fazer falta?

Reynaldo-BH em 23 de julho de 2011

REHAB (Reabilitação). AMY WINEHOUSE Tentaram me mandar pra reabilitação Eu disse "não, não, não" É, eu estive meio caída, mas quando eu voltar Vocês vão saber, saber, saber Eu não tenho tempo E mesmo meu pai pensando que eu estou bem; Ele tentou me mandar pra reabilitação Mas eu não vou, vou, vou Prefiro ficar em casa com Ray Não posso ficar 70 dias internada Por que não há nada, Não há nada que possam me ensinar por lá Que eu não possa aprender com o Sr.Hathaway Não aprendi muito na escola Mas sei que as respostas não estão no fundo de um copo Tentaram me mandar pra reabilitação Eu disse "não, não, não" É, eu estive meio caída, mas quando eu voltar Vocês vão saber, saber, saber Eu não tenho tempo E mesmo meu pai pensando que eu estou bem; Ele tentou me mandar pra reabilitação Mas eu não vou, vou, vou O cara disse: "Por que você acha que está aqui?" Eu disse "não tenho a menor idéia Eu vou perder meu amor Então eu sempre mantenho uma garrafa por perto" Ele disse "acho que você só está deprimida, Me dê um beijo aqui, amor, e vá descansar" Tentaram me mandar pra reabilitação Eu disse "não, não, não" É, eu estive meio caída, mas quando eu voltar Vocês vão saber, saber, saber Eu não quero beber nunca mais Eu só preciso de um amigo Não vou desperdiçar dez semanas Pra todo mundo pensar que estou me recuperando Não é só meu orgulho É só até essas lágrimas secarem Tentaram me mandar pra reabilitação Eu disse "não, não, não" É, eu estive meio caída, mas quando eu voltar Vocês vão saber, saber, saber Eu não tenho tempo E mesmo meu pai pensando que eu estou bem; Ele tentou me mandar pra reabilitação Mas eu não vou, vou, vou ====== RIP AMY!

Mari Labbate em 23 de julho de 2011

O comportamento da cantora inglesa, Amy Winehouse, refletiu uma profunda crise existencial. Ela não conseguiu encontrar profundos objetivos, na Vida. Ao cantar, abraçava-se: sinal evidente de solidão. Como não encontrava apoio, além de tocar-se, olhava o próprio braço e via apenas um braço tatuado: solidão extrema. O apoio familiar e acompanhamento psicológico são essenciais para a recuperação. Percebi, energeticamente, que ela optou por não ouvir ninguém. Esse terrível desenlace comprova que o ser humano não mantém-se, sadiamente, somente com recursos materiais. Não é essa a filosofia lullista? Faltaram pessoas a sua volta, que a fizessem olhar para as coisas belas e simples da Vida. Faltou mesmo uma visão metafísica, transcedental, uma religação com o Cosmos. Olhar para o firmamento à noite, por exemplo, é um excelente exercício. Se ela tivesse descobrido as suas limitações, com certeza não teria subido tanto. Sem rumo, a queda foi vertiginosa. Todas as pessoas que sonham muito alto, levam grandes tombos, no final. Estou vendo Lulla novamente. É a síndrome do "eu posso tudo", quando ninguém pode, porque somos muito limitados. As pessoas possuem uma visão distorcida de si mesmas. Por isso é importante o convívio social, ao vivo, no qual pode-se receber muita ajuda. Uma grande verdade: quem sobe muito, acaba sendo vítima de bajuladores e perde a oportunidade de reciclar-se. As crianças devem ser trabalhadas desde pequenas, para aprenderem a suportar as frustrações que a vida oferece. A "dor de viver", SETTI, surge no momento em que o ser humano descobre a sua pequenez, não consegue extrapolar o próprio ser e perde-se, em si mesmo. Hoje em dia, falar na Criação Divina até ofende as pessoas, porém é nessa descoberta que percebe-se, como se pode crescer, nessa condição, e ser feliz, profundamente.

rossini thales couto junior em 23 de julho de 2011

Caro Setti: Tão belas e sensíveis como as canções e as letras da Amy foram as palavras do amigo ao definir a dor de ver uma estrela com tanto brilho e magnetismo se apagar assim tão precocemente... Sem dúvida, a música contemporânea perdeu hoje um grande talento. Abração

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI