Image
Bill Clinton, 42º ex-presidente dos EUA: exemplo de como fazer diferença mesmo fora da política

Amigos, é muito interessante esta entrevista que o diretor de Redação de VEJA, Eurípedes Alcântara, fez com o ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton, publicada nas “Páginas Amarelas” da edição nº 2.222, de 22 de junho passado. Clinton, na conversa, mostra-se muito feliz com o que tem podido realizar com sua fundação, que movimenta bilhões de dólares e, acredita ele, ajudou a nada menos do que 200 milhõeos de pessoas no mundo.

Por isso mesmo, Eurípedes escreve que Clinton “se reinventou como personalidade global” e o chamou de “mais forte candidato ao posto de melhor ex-presidente vivo dos Estados Unidos” – um exemplo de como um ex-presidente, mesmo fora da política, pode ser extraordinariamente ativo, fazer diferença e contribuir muitíssimo para o bem-comum.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Mais forte candidato ao posto de melhor ex-presidente vivo dos Estados Unidos, Bill Clinton, de 64 anos, descobriu-se, em muitos aspectos, mais realizado agora do que quando ocupou a Casa Branca, de 1993 a 2001. Em uma reflexão amarga ainda no cargo, Clinton disse que ser presidente dos Estados Unidos era, muitas vezes, tão frustrante quanto dar ordens em um cemitério, “pois ninguém abaixo parecia escutar” o que ele estava dizendo.

Ele hoje viaja o mundo supervisionando as iniciativas da Clinton Foundation, que vão da prevenção da malária, da aids e da obesidade infantil à melhoria das condições ambientais das quarenta mais populosas metrópoles do planeta, com foco em energia limpa e na transformação dos lixões urbanos em avançados centros de reaproveitamento de energia. Clinton deu entrevista a VEJA há poucos dias, na suíte presidencial do hotel Sheraton, em São Paulo.
.
Seis anos depois de lançar-se nessa atividade, o senhor coleciona mais triunfos ou frustrações?
.
Nós, comprovadamente, melhoramos a vida de mais de 200 milhões de pessoas necessitadas no planeta. A cada ano, juntam-se a nós milhares de pessoas dispostas a nos ajudar a ajudar a quem precisa. Essas pessoas se comprometeram no total com 63 bilhões de dólares que financiam nossas inúmeras atividades.
.
Elas são pródigas com o senhor por acreditarem que o dinheiro será bem gasto?
.
Primeiro, porque elas têm a perfeita consciência de que não estão doando dinheiro para ganhar o direito de se sentar com alguns figurões e, assim, sentir-se importantes. Elas sabem que o dinheiro delas será usado para fazer coisas que efetivamente mudarão para melhor a vida dos indivíduos e a saúde global do planeta. Conosco, há pouco discurso e muita ação. Nós fazemos. Se der errado, tentamos novamente.
.
Qual é o seu papel na operação?
.
Contribuí com a ideia inicial em 2005 e, desde então, venho ajudando a definir as regras e montar a rede mundial de colaboradores. É assim que funcionamos. Dizemos: as regras são essas, agora façam vocês alguma coisa com impacto direto na vida de quem precisa de ajuda no mundo.
.
Quando o senhor lançou a Clinton Initiative, em 2005, já não existiam organizações não governamentais (ONGs) demais?
.
Esse foi um dos fatores que mais me animaram. Existiam então cerca de 500 000 ONGs no mundo. Havia muita gente fazendo trabalhos sem uma coordenação, muitas vezes sem foco e algumas com pouca transparência. Minha ideia foi juntar filantropos, governos, empresas, líderes políticos mundiais de quem fiquei amigo no governo, caso do seu ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, e montar uma estrutura com menos palavrório, mais ação e comprometimento.
O segundo fator foi o fato de que nos Estados Unidos e em outras partes do mundo havia um número enorme de gente muito rica disposta a doar dinheiro para as boas causas, mas que temia estar desperdiçando sua fortuna. Então decidi que, se montasse uma organização mundial transparente e eficiente, essas pessoas se sentiriam mais seguras e ajudariam mais. É o que tem ocorrido.
.
De modo geral, as ONGs gastam melhor o dinheiro do que os governos?
.
Os governos podem ser tão eficientes quanto as ONGs, mas é preciso que se movam dentro de bitolas éticas muito rígidas.
.
O que é mais eficiente quando se trata de ajudar necessitados a se levantar e caminhar com as próprias pernas?
.
Temos boas experiências a relatar com a concessão de microcrédito. Muita coisa foi aprendida desde a experiência pioneira de Muhammad Yunus e do Grameen Bank em Bangladesh [Yunus, economista e Prêmio Nobel da Paz em 2006, fundou e dirige o Grameen Bank, banco que tem o governo como sócio e que distribui microcrédito para milhões de pessoas como forma de combater a miséria criando pequenos empreendedores].
Eu conheci o Yunus em 1983. Hillary [mulher de Bill e secretária de Estado dos EUA] e eu éramos amigos do fundador de um banco comunitário em Chicago, o Shore Bank, e ele nos apresentou o Yunus. Ficamos curiosos por saber se ele achava que a experiência do microcrédito teria impacto em países ricos. A resposta foi positiva. O próprio Shore Bank já havia conseguido fazer coisas extraordinárias ao financiar carpinteiros negros pobres e também eletricistas que haviam acabado de emigrar da Croácia, alocando-os nos trabalhos de reconstrução de edifícios na degradada região sul de Chicago. Hoje tem agência do Grameen Bank até em Nova York.
.
Qual foi a grande evolução do banco comunitário?
.
Foi a constatação de que, se o microcrédito sozinho já faz um bem enorme ao ajudar as pessoas a entrar no sistema de economia de mercado e ganhar a vida nele, seus efeitos podem ser ainda mais impactantes quando estendidos aos pequenos empreendedores. Temos visto isso no Haiti. Os bancos no Haiti ganham muito dinheiro cobrando taxas elevadas para converter remessas feitas do exterior em dólares e euros para gurdes, a moeda local. Como se sabe, 25% do PIB do Haiti é formado por remessas de dinheiro para os haitianos feitas por parentes, principalmente dos Estados Unidos, Canadá e Europa.
O que ocorre quando um haitiano pobre e de espírito empreendedor recorre a um banco local em busca de, digamos, 100 000 dólares para abrir um pequeno negócio? O banco quer cobrar dele taxas anuais de juros de 50% sobre o empréstimo. É absolutamente ridículo. Então, a coisa certa a fazer é oferecer crédito a taxas razoáveis para empreendedores, de modo que eles possam se estabelecer, ganhar dinheiro e pagar o empréstimo. É o que estamos fazendo no Haiti.
.
São operações a fundo perdido?
.
Não. São operações bancárias que dão lucro. No nosso caso, recebemos 20 milhões de dólares do milionário mexicano Carlos Slim e do não menos rico Frank Giustra, do Canadá, para emprestar a pequenos empreendedores do Haiti. Eles vão ter lucro nessas operações, mas já se comprometeram a reinvesti-lo nos mesmos moldes. O que estamos fazendo no Haiti é um modelo de grande futuro, em que ONGs, empresários e o governo trabalham juntos para identificar as carências e agir coordenadamente para resolver os problemas com maior eficiência.
.
Mas lucro rima com ONG?
.
Sim. Queremos que esses investidores tenham lucro. Não existe incompatibilidade. Sem lucro, as operações de microcrédito tendem a não ser sustentáveis. É preciso, porém, que a busca do lucro seja alinhada a objetivos sociais. Aprendi que as ações mais eficientes de ajuda são justamente aquelas construídas sobre bases econômicas sadias e com remuneração adequada para todos os envolvidos. Parte vital do nosso trabalho é tornar isso evidente para as empresas.
.
Como funciona essa equação?
.
Um caso clássico em que atuamos foi no barateamento do preço dos remédios contra a aids. Nós procuramos os laboratórios fabricantes dos remédios e mostramos a eles que nas vendas aos países emergentes e pobres era um erro insistir em obter grandes margens de lucro com baixos volumes e ainda correr o risco de não receber nada de governos instáveis e pouco confiáveis. Por que não inverter o processo, vendendo diretamente a nós grandes quantidades, com pagamento à vista, mas recebendo margens de lucro bem menores? Para os laboratórios, fornecer remédios assim se tornou um bom negócio, um negócio diferente, porém, em que o interesse privado se alinha com o interesse social.
.
A multiplicação das ONGs significa que o governo, como o conhecemos, fracassou?
.
No Haiti com certeza. O país tem 10 milhões de habitantes e 10 000 ONGs. Mas, mesmo com a melhoria do governo e o fortalecimento da economia, fenômenos que estão ocorrendo agora, o Haiti ainda vai precisar das ONGs. O Bolsa Escola, programa criado pelo presidente Cardoso e ampliado por seu sucessor, o presidente Lula, é um exemplo de ação governamental bem-sucedida que não precisou das ONGs para funcionar.
Mas, quando o Brasil decidiu, de maneira inédita no mundo, fazer exames e levar remédios contra a aids aos recantos mais isolados da floresta tropical amazônica, a rede capilar de ONGs, em especial as ligadas à Igreja Católica, foi de extrema importância para o sucesso da operação. Quando começamos nosso trabalho com a aids, havia fora dos Estados Unidos, do Japão e da Europa apenas 200 000 pessoas que recebiam tratamento adequado para a doença. Dois terços delas, 135 000, estavam no Brasil.
.
Quando o senhor pensa nos resultados positivos que vem obtendo, não tem a sensação de que muito mais poderia ser feito?
.
É realmente complicado. É extremamente recompensador segurar um bebê nos braços e saber que ele vai viver graças a alguma coisa que você fez. Mas é inacreditavelmente frustrante ter a consciência de que, para cada pessoa que você ajudou a sobreviver, duas ou três na mesma situação vão morrer. Então o impulso maior é tentar a cada dia fazer mais e atingir positivamente mais pessoas. É frustrante também saber que certas políticas e atitudes funcionam, mas não ter mais o poder de mudar o sistema diretamente e pô-las em prática.
.
O senhor sente saudades da Casa Branca?
.
Amo o que eu venho fazendo desde que deixei o governo. Sinto que estou pronto para fazer muito ainda, mas não deixa de ser frustrante tomar consciência de que, se tivesse poder político, teria como evitar que meu país continuasse com políticas energéticas equivocadas que, se mudadas, poderiam criar milhões e milhões de postos de trabalho. Mas, sem poder político, tudo o que posso fazer agora é tentar convencer e demonstrar com meus projetos que estou certo.
.
Não é catastrofismo a ideia de que estamos destruindo o planeta…
.
Image
Clinton: “Se tivesse poder político, teria como evitar que meu país continuasse com políticas energéticas equivocadas”

Se estivéssemos mesmo, será que já não teríamos um Bretton Woods [cidade onde se reconstruiu o capitalismo na fase final da II Guerra por meio de acordos entre países que, entre outros resultados, criaram o FMI e o Banco Mundial] ou um Plano Marshall [plano dos EUA para reconstruir a Europa no pós-II Guerra Mundial] ambiental global? Há uma diferença enorme entre termos falhado em conseguir um acordo global na cúpula de Copenhague em 2009 e os fracassos dos países individualmente em atingir as metas de corte nas emissões de carbono com as quais se comprometeram no Protocolo de Kyoto.

São duas coisas diferentes, que, se confundidas, produzem uma visão equivocada da questão. Apenas quatro dos 24 países ricos signatários do Protocolo de Kyoto estão dando mostras de que vão atingir as metas. Os demais falharam – e não por discordarem das premissas envolvidas naquela decisão, mas por não terem encontrado a solução econômica para fazer o que acreditavam ser o correto. Já Copenhague fracassou, basicamente, porque a China e a Índia não quiseram se comprometer com metas que pudessem ameaçar o ritmo de crescimento acelerado de suas economias. Os
avanços estão abaixo da superfície.
Tomemos o caso da China. Mais até do que muitos americanos, os chineses sabem que suas escolhas energéticas atuais são insustentáveis. A China está trabalhando arduamente para mudar sua matriz energética, apostando tudo na energia solar, não apenas como uma forma de ajudar a salvar o planeta, mas para que suas empresas lucrem formidavelmente. A China tornou-se o maior produtor mundial de células fotovoltaicas.
.
De fora, qual é a imagem ambiental do Brasil?
.
Vocês são vistos de duas maneiras. A boa mostra um país ambientalmente exemplar, que diminuiu o ritmo do desmatamento, tem 90% da frota de automóveis que pode ser movida a combustível biológico e quase toda a sua eletricidade gerada de maneira limpa, por turbinas movidas a queda-d’água. A ruim revela um Brasil que usa pessimamente seu potencial de geração de energia solar, que, se aproveitado na sua plenitude, evitaria todas as pressões sobre a Amazônia que hoje preocupam o mundo, como o avanço das plantações sobre a mata nativa e as controversas novas hidrelétricas em terras indígenas.
.
O mundo tem o direito de cobrar bom comportamento ambiental do Brasil?
.
Eu não tenho o direito de pedir ao Brasil que diminua seu ritmo de crescimento enquanto houver um único brasileiro na miséria que possa ser guindado à classe média pelo progresso econômico. Mas o Brasil atingiu uma nova posição relativa no mundo à qual o país precisa corresponder, assumindo também as responsabilidades decorrentes do novo status quo. Entre essas responsabilidades, está a de fazer as escolhas energéticas mais compatíveis com a sustentabilidade planetária.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − quatro =

10 Comentários

Kenjiro Nagasawa em 20 de setembro de 2011

E nem vou mencionar os escândalos e afins...

Kenjiro Nagasawa em 20 de setembro de 2011

Ricardo, sei que já faz tempo desde a publicação do post, mas minha esposa viu o comentário do, como diria o Augusto Nunes, "milicianoailton" abaixo, e gostaria de responder só com um parágrafo do sempre ótimo Reinaldo Azevedo:"Petistas tendem a reagir mal — é compreensível — quando se afirma que Lula e o partido deram uma sorte danada ao pegar este ciclo da economia mundial. Na gestão dos companheiros, os preços internacionais das commodities quadruplicaram, por exemplo. Aí está o colchão que amortece todas as suas incompetências. Não precisaram fazer muita coisa além de administrar mais do mesmo." Não espero que o sujeito entenda isso ou assuma que o entendeu.

Ailton em 24 de agosto de 2011

Ricardo 20/08/2011 às 12:06; Não meu caro, não sofro de nenhuma lavagem. O você acha? Acha que só a direitopáta tucana como você, são os que podem se pronunciar? Caro Ricardo, nem todos os eleitores do PT/Lula são de esquerda e tampouco socialista/comunista, o que você me diz dos 96% de plena aprovação que os brasileiros deram para o governo do Lula/PT de 2003 a 2010? você acha que todos esses 96% de brasileiros são todos socialistas ou comunistas?

Ricardo em 20 de agosto de 2011

Esse Aílton é o típico exemplo de quem sofre a lavagem cerebral esquerdopata PaTética.

Ailton em 17 de agosto de 2011

Descupem os excessos de "L", onde não existem

Ailton em 17 de agosto de 2011

Meu caro Kenjiro, nos temos que nos preocupar com o radiativo Japão, ele sim, não chega a 2014, já começam a viver de caridade das outra potências.

Ailton em 17 de agosto de 2011

Kenjiro Nagasawa Não se preoculpe meu caro Kenjiro, agora Lula tem tempo para tudo, até para ler entrevistas de 'colegas', naquele período ele não teve muito tempo para isso, ele estava muito oculpado em transformar esse país na 7ª potencia mundial, ejetar 105 milhões de brasileiros na classe média, a segunda maior das américas, oculpou-se em aumentar as exportações que eram de U$8,0bi para U$220,0 bi anuais e gerar essa reserva de capitais externos de U$370,0bi e recebivéis de U$700,0bi. Que pena que Lula ndava preoculpado em gerar esses 17 milhões de novos empregos, não leu nada nesse período, com esse tempo 'livre' pode criar meios para a industria se desenvolver, como vemos a automotiva fabricar e vender 30 milhões de unidades e navais que lançam U$30,0bi em navios e plataformas ao mar nesses oito anos. Talvez o nosso mercado interno não se tornasse essa potencia em consumo como vemos agora, se Lula desse tanta atenção aos Charutos e mexiricos do Clinton. Se desse tanta atenção a entrevistas de outros presidentes, meu caro Nagasawam talvez hoje nos estariamos nas mesmas condições em que se encontra os EUA. Quebrados e de chapéu nas mãos, ou com cuias de queijo como fazia os tucanos na decada de noventa.

Ailton em 17 de agosto de 2011

O mundo respirava mais, e melhor quando o Mr.Clinton acendia os seus famosos charutos, que momento antes foram "guardados" nas particularidades do corpo da sua secretaria, a Mônica Lewinsky, escondia depois retirava e os fumava. Bons tempos aqueles, com essa brincadeira o Mr.Bill não lençu nenhum míssel contra os outros povos.

Kenjiro Nagasawa em 14 de agosto de 2011

Alguém tem que ler isto para o Lula.

Marilin em 13 de agosto de 2011

"como o avanço das plantações sobre a mata nativa e as controversas novas hidrelétricas em terras indígenas." - Ele está mal informado. Enquanto ele ajuda pessoas o seu país mata milhões de inocentes em guerra estúpidas no governo que a esposa faz parte. Ele deveria ajudar a acabar com as guerras que o seu país tem feito ao longo dos anos, aí sim passaria para história como um grande homem ajudando a poupar muitas vidas. Infelizmente é mais um demagogo. Quisera eu que houvesse um demagogo como este no Brasil. Deixe a ideologia de lado, Marilin, e veja quanta coisa interessante e útil o Clinton está fazendo. Quanto a guerras, quem as começou foi o Bush filho, não é mesmo? Já esqueceu?

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI