Image
Evo Morales: o perigo dos “linchamentos indígenas”

Falei em outro post dos chicoteamentos previstos em lei na Bolívia e dos linchamentos estimulados pela criação de “justiças indígenas” para 36 diferentes comunidades no país. Muita gente no país vizinho tem se sentido liberada por essas “justiças”, que impõem penas com base em “tradições milenares”, e vão em frente, punindo com a morte quem considera ser criminoso.

Mas há luz no fim do túnel nesse clima de barbárie que envolve a novidade idealizada pelo presidente Evo Morales. Há três semanas, uma corajosa juíza de Direito, da Justiça propriamente dita do país, Nancy Bustillos, mandou para a cadeia 14 líderes indígenas como culpados pelo linchamento, em junho de 2004, de Benjamin Altamirano, prefeito de Ayo Ayo, cidadezinha de 7 mil habitantes 90 quilômetros ao sul de La Paz.

Para que se tenha idéia da importância do gesto da juíza, tratou-se da primeira condenação por linchamento ocorrida na Bolívia.

Dos 25 acusados, a juíza condenou oito a 30 anos de prisão sem direito a indulto por “perseguição, sequestro, tortura e assassinato” e seis a penas variando entre dois e 20 anos de cadeia. Quatro réus foram absolvidos e sete estão foragidos.

Envolto em acusações de corrupção e se sentindo ameaçado, o prefeito Altamirano vinha apelando para a polícia, a Justiça e até ao Congresso por proteção. Em vão: ninguém lhe deu ouvidos. Acabou sendo seqüestrado, torturado e morto. Seu corpo queimado, com as mãos atadas, apareceu na praça central da cidade.

A CORAGEM DO PROMOTOR – Como se não se fosse de esperar o vale-tudo. “A ‘justiça comunitária’ real contradiz os argumentos edulcorados de seus partidários intelectuais e urbanos”, comentou o cientista político Jorge Lazarte, “que idealizaram o que, na vida real, tem muito de questionável sob o ponto de vista dos direitos humanos”.

Mais direto ao ponto, um editorial do jornal La Razón, de La Paz sentenciou: “O que dirigentes políticos e autoridades não se atrevem a reconhecer é que os linchamentos estão se transformando em moeda corrente precisamente onde se estimula a aplicação da ‘justiça comunitária’”.

À sentença da juíza e à reação do jornal soma-se a atitude do também corajoso promotor público que atuou no caso, Milton Mendoza. Ele lembrou que, em casos de linchamento, a participação de boa parte das comunidades gera “uma forma de solidariedade conjunta” destinada a encobrir os culpados.

Mesmo assim, disse, a decisão da juíza demonstra que “é difícil, mas não impossível” investigar essas barbaridades, descobrir os criminosos e colocá-los na cadeia.

Image
O corpo de um homem é carregado depois de ser queimado até a morte em La Paz, na Bolívia

Com a repercussão da condenação, o governo boliviano e várias organizações indígenas, assustadas com o massacre dos quatro policiais que mencionei no post anterior, afirmaram que os linchamentos não fazem parte da “justiça comunitária”. E até o Congresso controlado por Evo Morales e seu Movimiento al Socialismo (MAS) aprovou uma resolução rechaçando a associação da “justiça comunitária” a “toda forma de vingança”.

Organizações humanitárias do mundo todo estão monitorando a Bolívia.

Menos mal.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 − 6 =

7 Comentários

Leon Tondowski em 26 de setembro de 2010

Esta é a barbárie que a diplomacia de resultados d governo Lula apoia. Alinha-se perfeitamente com a flexibilização dos direitos humanos e com a tolerância às ditaduras tão caras a este governo. Mas tudo bem, quem tem mais de 80% de aprovação, pode tudo e tem sempre razão. Nossa passividade que o diga.

Lilian Glauce Rossi em 26 de setembro de 2010

Evo moral(es) omitiu-se? Fingiu que não viu? ouviu? e ainda se fez de vítima? (itens obrigatórios de um populista)

Marco Antonio Carvalho em 25 de setembro de 2010

IMPRESSIONANTE! -E eu que pensava que esse indiosinho ridículo era apenas (se é que se pode dizer "apenas") um traficante... -Isso torna absurda qualquer postura de apoio ou amizade a um paiseco como esse! -O Lula e toda a quadrilha que o cerca é ainda muito mais irresponsável e escrota do que eu imaginava... -Estou pasmo!

Nicodaniel em 25 de setembro de 2010

Por que esta foto tem uma legenda dizendo que o homem foi queimado até a morte e o homem tem a pele e as roupas sem sinais de queimado? Caro amigo, Obrigado por ser tão atento. Na verdade, a pessoa morreu em consequência das queimaduras ocorridas durante o linchamento. Provavelmente foi retirada das chamas já morta, mas antes que o fogo consumisse ainda mais o corpo do que aparece na fotografia. O caso é real, a foto é real, a pessoa infelizmente morreu mesmo. Um abraço, volte sempre. Ricardo Setti

jandira gomes em 24 de setembro de 2010

Meu Deus! Pra onde caminha a humanidade?

jandira gomes em 24 de setembro de 2010

Minha Nossa Senhora Aparecida; periga os "hermanos" daqui "importarem" a idéia do "hermano" de lá e adotarem os tais métodos por aqui. Com a incontingência mental e verbal do Lula, periga ele considerar que descobriu o método para calar a imprensa., e todos os que são contrários à candidatura imposta por ele.

Siará Grande em 24 de setembro de 2010

Caro Ricardo, não vou fazer nenhum comentário pois Você já disse tudo. Mas queria fazer, ou melhor, repetir uma velha pergunta: A ABI nada tem a dizer? A UNE nada tem a dizer? As CEBs nada têm a dizer? O MST nada tem a dizer? O PT nada tem a dizer? Os movimentos sociais nada têm a dizer? O Presidente Lulla e o Chanceller Cellso Amorim nada têm a dizer? Afinal, o governo petista é um grande aliado e financiador do governo Moralles, os acionistas da Petrobras que o digam. Afinal, quando os americanos cometem qualquer barbaridade real ou imaginária, o pessoalzinho da esquerda não espera um segundo pra denunciar os crimes do capitalismo americanos. Ou será que o pessoalzinho da esquerda aprendeu com o grande compositor Chico Buarque de Hollanda que só existe crime do lado de cima do Equador? Ótima pergunta, ou ótimas perguntas. Mas, meu caro, o que é que você pode esperar de um governo que se omite na ONU quando se trata de direitos humanos em países como Cuba, Síria ou Coréia do Norte? Um abraço, volte sempre. Ricardo Setti

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI