Especial 11 de Setembro – Bruce Springsteen e “The Rising”, o álbum que todos esperavam após o 11 de Setembro

O-álbum-de-Springsteen-o-Levante-do-título-é-a-cara-dele

O álbum de Springsteen: o "Levante" do título é a cara dele

Por Daniel Setti

Na semana em que os atentados de 11 de Setembro completam 10 anos, o Música no Blog não passa ileso à data, trazendo a este espaço alguns dos momentos em que a tragédia de Nova York esbarrou no mundo da música. A relação completa você pode conferir no blog Lá Vem o Mala da Lista.

Todo mundo sabia que a pessoa certa para compor o álbum-símbolo do pós-9/11 era Bruce Springsteen. Ele sabia, os bombeiros cobertos de pó cinzento sabiam, republicanos neocon e democratas “prafrentex” também.

Diz o compositor de New Jersey, desde os anos 70 uma espécie de porta-voz do cidadão médio trabalhador americano, que começou a escrever as canções de The Rising no dia seguinte aos ataques. Não deu outra: menos de um ano depois, o disco com quinze faixas, boa parte delas inspirada no massacre e em seus personagens, fazia estrago nas paradas. De quebra, era o álbum em que Bruce se reunia com sua mítica E-Street Band após uma década e meia.

A faixa-título mistura, em menos de sete minutos, todo o carisma épico de The Boss (“Chefe”), como é chamado o cantor de New Jersey, e o dramatismo otimista de quem já se prontifica a seguir adiante após a tragédia. Calma no começo – ainda que a escolha de acordes já insinue a grandiloquência que está por vir – , a canção vai ganhando corpo com a entrada das guitarras, esquenta mais e mais na repetição do refrão duas vezes, até chegar ao clímax, o “la-la, la-la-la-la”, de arrepiar. O fato do show retratado no vídeo abaixo ter sido na própria Nova York, de frente ao Radio City Music Hall, debaixo de chuva, só aumentam a emoção.

Com versos abertos a interpretação, válidos para qualquer situação de florescimento ou ressurreição (“Eu encontro o meu caminho em meio à escuridão/Não sinto nada além desta corrente que me controla”), “The Rising” seria depois utilizado na campanha de Barack Obama.


THE RISING 2002 BRUCE SPRINGSTEEN por runawaydream

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 Comentários

  • Vera Scheidemann

    Gostei demais ! Sou fã de Bruce Springsteen
    há muito tempo. Foi uma ótima lembrança para
    o dia de hoje.
    Tenha um bom domingo e um abraço !
    Vera

  • Marcelo Meireles

    Haverá na Mídia Mundial, homenagens aos civis afegãos com “stress pos traumático” ?

    E as 900 mil mortes causadas pela Guerra ao Terror, alguém vai comentar ? Eram todos do Talibã, Al Qaeda e do Exército de Saddam ?

    As subservientes e abestalhadas Nações do mundo, mandarão condolências aos iraquianos e afegãos tb ?

    Essa babação em cima dos EUA pelo 11/09, ofende ao bom senso.

    Até pq, os atentados foram uma resposta, um protesto, à vil atuação dos EUA mundo afora, oprimindo, sugando riquezas.

    A Guerra ao Terror equivale a 300 “11 de set”.

    Além de serem consoloados, os EUA precisam ser duramente cobrados pelo resto do mundo.

  • Grande boss. Grande!!
    eidia

  • Marco

    Amigo Setti: Daniel vou citar Homero :
    Os Deuses dispõem dos destinos humanos e
    decidem sobre as quedas dos homens,
    afim d q gerações futuras
    possam compor cantos.
    Abs.
    Ps: O q ele quer dizer mesmo q a nossa sorte seja indiferente, o q sofremos e perecemos, sempre vai haver temas e músicas q esclareça os destinos humanos.

  • carlos nascimento

    Daniel Setti,

    Muito bom relembrar Bruce, suas canções nos transportam para a magia do sonhar, buscando acreditar que é possível vivenciarmos dias melhores.
    Já que vc é um expert musical,é está assinando participação na Coluna, veja se é possível postar algo sobre a maravilhosa Banda – CREEDENCE CLEARWATER REVIVAL – afinal, John, Tom e Stu, proporcionaram momentos mágicos em minha juventude. Eramos felizes, eramos sonhadores, ao som daquelas músicas que explodiram na América.
    Não sei o porquê da mídia não ter dado o devido crédito ao Creendence e a sua importância para os jovens daquela época.
    Já fiz esse mesmo pedido ao seu pai, a agenda dele anda muito apertada.
    Vou aguardar.
    Saudações.
    Carlos Nascimento.

  • Reynaldo-BH

    Daniel, como dizia Chico Buarque, domingo é dia que até palhaço chora! Depressivo é pouco!
    Certamente você conhece esta do Coldplay. FIX YOU (embora nem tudo tenha conserto!).
    Espero que goste dela!
    Abração!
    http://www.youtube.com/watch?v=hbJuEFs7-kU

  • Thales

    Querido Setti, parabéns pelo post! É esta sua maneira de abordar os temas que me faz entrar diariamente no seu blog!

    Muito obrigado, caro Thales. No caso, os méritos todos são de meu filho Daniel, colaborador do blog.
    Abração e volte sempre!