Candidato do governo brasileiro vai enfrentar peso-pesado da Espanha para cargo de diretor de órgão da ONU

O governo brasileiro, que investe, confiante, na candidatura do ex-ministro do Desenvolvimento Social José Graziano como secretário-geral da FAO, órgão da ONU para a alimentação e a agricultura, está, ao que tudo indica, subestimando as chances de seu provável principal concorrente, o ex-chanceler espanhol Miguel Ángel Moratinos.

Os trunfos do governo brasileiro, extremamente animado com as possibilidades de vitória depois de perder várias disputas em órgãos internacionais, são promessas de votos de países da América Latina e da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, o intenso trabalho de aproximação com a África realizado pelo ex-presidente Lula, patrocinador inicial da candidatura do ex-ministro, e as gestões que o próprio Graziano fará junto a países africanos na semana que vem.

Também a presidente Dilma tentará abiscoitar votos árabes durante o encontro América do Sul-Países Áranbes (Aspa), em Lima, no Peru, no mês que vem.

Moratinos, contudo, dispõe, de início, com a força da União Europeia, composta de 27 países. Some-se a isso o fato de a Espanha ser o país que mais contribui para os cofres da FAO, com 40 milhões de euros por ano. Não há certeza sobre um voto europeu maciço em sua candidatura, claro, mas não se pode desprezar votos vindos até do terreno em que o Brasil se acha seguro: são próximas e calorosas as relações que a Espanha mantém com os países de língua espanhola, inclusive pelo fato de abrigar 1 milhão de latino-americanos em seu território.

Na África, a Espanha tem pesados investimentos, principalmente no Marrocos. E, até pela presença dos mouros na Península Ibéria por 700 anos, do século VIII ao final do século XV, a Espanha mantém uma ancestral proximidade com os governos árabes – não foi por acaso que os palestinos aceitaram iniciar em Madri, em 1991, as primeiras negociações diretas de paz com Israel. É também na costa mediterrânea da Espanha que possuem palácios e passam férias vários monarcas árabes, a começar pelo rei Abdullah, da Arábia Saudita.

Finalmente, Moratinos, deputado socialista de simpatia pessoal legendária, com quem terá que se haver o tímido, discretíssimo Graziano, é uma raposa com vasta experiência internacional. Poliglota que fala até russo e sérvio, durante seis anos chanceler da Espanha, viajante incansável, responsável por várias levas de libertações de prisioneiros políticos em Cuba, exerceu cargos tão díspares como o de embaixador num país árabe importante, o Marrocos, e também em Israel.

Diplomata de carreira, antes de ser chanceler cuidou, no Ministério espanhol de Relações Exteriores, de assuntos da África do Norte, da África Subsaariana e do Oriente Médio, e presidiu o Instituto Espanhol para a Cooperação com o Mundo Árabe.

É um tremendo peso-pesado, e não vai ser fácil para Graziano dobrá-lo. De todo modo, o quadro de candidaturas só se definirá no próximo dia 8. A eleição, que se dá em etapas até que permaneçam no páreo apenas dois candidatos, será em junho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze + 16 =

Nenhum comentário

  • Marco

    Vamos comparar curículos. O de Moratinos já conhecemos. E o do Graziano? Além do sucesso estrondoso do Fome Zero, o q mais ele apresenta?

    O Graziano é um professor universitário respeitado, mas acho que perde longe na comparação com Moratinos tanto em experiência, sobretudo internacional, como nas qualificações profissionais.

  • Glorinha de Nantes

    Pobre! Pobre josé graziano! Sem qualquer chance de competir com um Morentino! A não ser pelo fato de ser do Brasil, o mais pobre, o mais faminto, o mais carente de Educação, o de mais baixo IDH, o mais submerso dentre os emergentes, o país de dimensões continentais em tudo! Pobre josé graziano! Certamente, estará creditada em sua conta a parcela significativa da população__30%__ que ascendeu um degrau na escala social, em apenas oito anos! O mercado consumidor ampliou-se por ação do Ministério do Desenvolvimento Social, durante e devido a sua competente gestão! AND SO ON! AND SO ON! AND SO ON! Pobre josé graziano! INACREDITÁVEL QUE UM GRANDE HOMEM SE PRESTE A ESSE PAPEL, TAMBÉM! A não ser que nunca o tenha sido!
    AI, AI, AI! AI, AI, AI! J O S É. G R A Z I A N O !!!

    Cara Glorinha, o Lula fez tanta demagogia em países do Terceiro Mundo que não devemos nos surpreender caso o Graziano — um desconhecido no cenário internacional –, com os respectivos votos, acabe vencendo essa eleição. Pessoalmente, considero o ex-ministro Moratinos muito, mas MUITO mais preparado para o posto. Não sou patrioteiro a ponto de considerar que Graziano, só por ser brasileiro — e claro que ele tem qualidades –, deva ser o candidato que eu gostaria que assumisse a FAO.

    Abração

  • Samara

    Só quem não tem dignidade é capaz de torcer contra o Brasil e desqualificar um brasileiro em detrimento de estrangeiros.

    O que é dos gringos é melhor do que é nosso ad eternun?
    Por isso o Brasil não tem o respeito que merece.
    Se fosse um Argentino, tenho certeza que todos estariam torcendo por ele, fosse ele quem fosse.
    O Brasil tem muito que aprender com os hermanos.

    Deixe de ser mentecapta. Vou “torcer” para o Graziano só porque ele é brasileiro? Informe-se e veja quem é mais competente. E, por favor, suma deste blog, você está tomando muito de meu precioso tempo.

  • gaúcha indignada

    Caro Setti, nem publica mais estes “comentários” dos analfabetos funcionais que são filiados ao partido da taxa de sucesso. É muita ignorância! Quanto a política internacional, o Brasil não está sendo bem visto lá fora, nestes últimos 8 anos, foi vergonhoso.

  • Samara

    Só para informação dos leitores incautos e sem senso crítico que se deixam levar por pseudo-opiniões de jornalistas tendenciosos:
    Sou poetisa, compositora e cantora.
    O analfabetismo passa bem longe de mim, felizmente.
    Não sou perfeita e erro muito. Admito isso com humildade, pois nem Cristo foi perfeito.
    Estou em constante abertura pra o aprendizado infinito.
    Porém, tenho opinião própria e não me deixo levar por jargões ideológicos.
    Sou eu, sou única.
    Tenho pensamento próprio e acho que todo ser humano deve ter o seu.
    Aplaudir qualquer coisa por falta de capacidade de discernir a realidade é uma bestialidade.
    Abraços, querido jornalista.

  • Thales

    Na minha opinião, não me importa o partido de determinada pessoa para ocupar qualquer cargo público, importa a qualificação.
    Uso a mesma metodologia para órgãos internacionais, pois, não me importa a nacionalidade e sim a competência da pessoa.
    O importante para o mundo não é ter no comando da FAO um brasileiro ou um espanhol e sim uma pessoa competente.
    É óbvio que o espanhol tem um currículo melhor do que o brasileiro, e caso venhamos a perder novamente, paciência.
    Fico realmente impressionado com pessoas mentecaptas que só servem para patrulhar blogs sérios, acusar os outros de crime de lesa-pátria e fazer auto elogio.

    Obrigado por sua visita e sua solidariedade expressa no último parágrafo, caro Thales. Seu comentário é de uma sensatez gratificante.

    Abração

  • Annie

    Sem dúvida, Morantinos é mais bem preparado. Sem essa de dignidade ou indignidade por apoiar um europeu. O governo medíocre que temos, deve focar o seu trabalho en dar dignidade ao povo brasileiro, aquele mesmo pelos quais foram escolhidos.

  • Natal Santana

    Neste caso, tenho de torcer contra! Se a mais importante credencial de Graziano for o Projeto (ou Programa?!) Fome Zero, a coisa vai mal, pois, este nasceu morto, tal qual um feto mal formado. Alguém conhece um só brasileiro que tenha recebido um único benefício vindo do “Fome Zero”?!

  • Natal Santana

    PS.: hehehe… “Sou poetisa, compositora e cantora”… Postei meu comentário sem ler os demais antes e perdi a chance de falar dessa Samara! Com tantas “atribuições” não se espante que tenha tais pensamentos. Cara Samara: a única torcida pelo pior perdoável é no futebol: nosso time pode ser o ìbis de PE que a gente vai sempre torcer por ele. Neste caso, envolve coisas importantes demais para ficar nessa patriotada burra! E alto lá com essa de “Só quem não tem dignidade” porque eu sou uma pessoa muito digna e, nem por isso vou deixar de torcer por um “estrangeiro” em detrimento de um brasileiro, caso entenda que aquele é melhor que este!

  • Aldo Matias Pereira

    Ricardo,
    Acho que será um bom teste para se verificar se a ONU está disposta a compartilhar e participar da era da mediocridade. Quanto ao voto em brasileiro, que cabecinhas pequenas, não? será porque então não se optou por trabalhar e patrocinar Ellen Gracie que, além de brasileira, poderia representar a presença da mulher brasileira em um órgão importante da ONU mas que o PT preferiu dar de comida às hienas (apoiou um egípcio) só porque ela representaria uma indicação de FHC, que a conduziu ao supremo?

    Você lembrou bem, caro Aldo. No caso da ministra Ellen Gracie, o governo não a apoiou “por ser brasileira”. Será que tem a ver com o presidente que a indicou ao Supremo? E será que agora nós, cidadãos, precisamos apoiar o Graziano para a direção da FAO só por ser brasileiro? De minha parte, como alguém que passa parte do tempo na Espanha, onde vivem e trabalham minha filha e meu filho, e que conhece um pouco aquele país, torço para o ex-chanceler espanhol Moratinos, que considero muito mais experiente no plano internacional e muito mais preparado. Serei considerado traidor da pátria por isso? Vai ver que, para petistas fanáticos, a resposta é “sim”. Fazer o quê?

    Abraço

  • Marcelo (Vitória-ES)

    Sette, vamos e venhamos: Quem é esse tal de Graziano. Tenho vaga lembrança que foi o cara de um falido programa chamado “Fome Zero”. Só. Um fracasado nato…

    Caro Marcelo, Graziano é professor universitário e foi o criador do programa Fome Zero, que desapareceu por completo no Bolsa Família. Atualmente, exerce um cargo de direção da FAO na América Latina.

    Em tempo: meu sobrenome correto é Setti (estou entre os “oriundi”, descendente de italianos pelo lado paterno). Sette é um nome de família de origem portuguesa.

    Um abração, volte sempre.

  • Elvio

    Ricardo, Gaucha,
    Me permitam,
    Sra Samara (que não é lá da Samaria)
    Permita-me:
    1. Fiquei tão arqueológicamente impressionado pelo nome bíblico que rogo:
    a)Poetisa – Favor indicar o nome da pulicação, para que eu corra para adquirir e iluminar meu espírito;
    b)Compositora/Cantora:nos brinde com uma obra excelsa de sua lavra;
    c)Humildade a toda prova: Cristo e eu, ali óoo!! (esfregar indicadores)
    d)Superlativos não faltam, (creio falta um tchiquitito de modestia;
    e)”Sou eu, Sou única”: portanto, sozinha ou largada;
    f) Deve ser daquelas ripongas que voltaram a pé de Woodstock( alguem já disse isso)que ficam lendo tarot nas mesas da Vila Madalena, enchendo o saco de quem quer relaxar;Tipo uma Rebordosa;
    g)Deve ser adepta de Masoch: bate!!! bate!! >>> Não bato!! Não bato e pronto..
    Ricardo, não creio que você publique, em todo caso, em nome de tudo que é sagrado, não deixe essa criatura obter meu mail, essa gente é perigosa.
    Elvio

    CLARO que publico, caro Elvio. E por que não publicaria?

    Abração e volte sempre.