O delegado da polícia de Goiás Hylo Marques Pereira, citado em conversas telefônicas do malfeitor Carlinhos Cachoeira gravadas com autorização da Justiça, está desaparecido há seis dias.

Este é o mais recente fato estranho e grave ligado, de alguma forma, às investigações sobre Cachoeira e seus tentáculos.

O agente da Polícia Federal Wilson Tapajós Macedo atuou na chamada Operação Monte Carlo, que levou à prisão de Cachoeira, participou desta prisão e, com seu trabalho, ajudou a por a nu as relações promíscuas do malfeitor com o mundo político políticos, além de contribuir para a desgraça política do ex-senador Demóstenes Torres.

Image
Tapajós: importante na investigação da Operação Monte Carlos, e assssinado com dois tiros no cemitério de Brasília (Foto: Perfil no Facebook)

Foi assassinado a tiros no Cemitério Campo da Esperança, em Brasília. A PF diz já ter dois suspeitos, cuja captura estaria “próxima”. Sem mais detalhes.

Antes, recebera ameaças anônimas.

Image
Ameaça de morte: o juiz federal Paulo Augusto Moreira Lima, que decretou a prisão de Cachoeira, recebeu ameaças e à família e pediu remoção do posto

O juiz federal Paulo Augusto Moreira Lima, da 11ª Vara Federal de Goiás, o responsável pela decretação da prisão de Cachoeira e pela autorização à Polícia Federal para interceptar telefonemas de suspeitos de integrar a quadrilha, pediu afastamento devido a ameaças diretas e indiretas a si e sua família.

A procuradora Léia Batista, ativa no caso Cachoeira pelo Ministério Público de Goiás, pediu proteção ao Conselho Nacional de Justiça em razão das ameaças de morte que recebeu.

Image
A procuradora de Justiça Léia Batista: ameaçada de morte, pediu proteção ao Conselho Nacional de Justiça

O que mais será necessário para que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, decrete uma emergência e coloque o que puder em matéria de recursos humanos, de informação e técnicos da Polícia Federal para verificar aonde levam os fios desse novelo?

Será preciso que ocorram oito mortes suspeitas ou homicídios de possíveis testemunhas, como desgraçadamente se deu com o caso do prefeito Celso Daniel, para que se note que há algo estranhíssimo e grave em andamento?

A propósito, as oito mortes do caso Celso Daniel — estamos no Brasil — ficaram, como sabemos, por isso mesmo.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 3 =

Nenhum comentário

hernandes mhatfirewall em 17 de janeiro de 2013

um dos fatores principais que afetam o progresso do Brasil é sem duvida a corrupção. É por isso que o brasil não vai pra frente. Na minha simples e ulmilde opnião o povo brasileiro era pra ser "os verdadeiros homems da lei".

Kitty em 29 de julho de 2012

Caro Ricardo, Não dá para acreditar o poder que há por trás da gangue do Cachoeira,faz lembrar o modus operandi da máfia, ela atua pelo medo, sequestro ou com a eliminação dos que atrapalham os seu planos. Me preocupa o silêncio que há sobre a morte do detetive Tapajós, as ameaças a juízes e o desparecimento misterioso de um investigador, todos relacionados com a teia de corrupção, tráfico de influência e o envolvimento de políticos, entre os quais, três governadores e importantes empresários da construção com o contraventor Cachoeira. O Ministro de Justiça Cardozo não está dando satisfações à sociedade sobre o andamento das investigações sobre os casos mencionados. Muito silêncio..não estou gostando nada disso!Enquanto na CPI, estamos suportando o contínuo deboche e desrespeito do bicheiro, que sabe muito sobre políticos corruptos e se aproveita para peitá-los sabendo que os têm amedrontados por que sabem que se ele abrir o bico será um Deus nos acuda! Um abraço, caro Ricardo. Kitty

Eduardo em 28 de julho de 2012

O ministro é do PT, ele não enxerga, não escuta, não fala e também não sabe de nada. Ele fez curso com o mestre Lula

Mimi em 26 de julho de 2012

O que falta? Falta o procurador Matheus Baraldi perceber que tem coisas muito piores acontecendo no Brasil do que a atuação da PM em São Paulo.

Luiz Alberoni da Silva em 26 de julho de 2012

Pessoalmente, tanta demora em medidas mais drásticas só pode querer dizer uma coisa: envolvimento do governo em maior ou menor grau com os suspeitos / acusados. Se não for, que tal MAIS ações?

Luiz Carioca em 25 de julho de 2012

Faltou falar do Escrivão Fernando Spuri Lima, encontrado morto em casa com uma cena de suicídio toda armada. Amigos e parentes tem toda a certeza de que não se trata de suicídio. Ele era amigo do Wilton Tapajíos, provavelmente mais uma vítima do caso cachoeira.

João Paulo em 24 de julho de 2012

Covarde e canalha é quem se esconde atrás de falso nome e de falso email para ofender e mentir.

Rogério Borges em 24 de julho de 2012

Excelente artigo, Ricardo. É isso mesmo. Este estado de insegurança que atinge até aqueles que têm instrumentos para nos defender de ladrões e criminosos de toda ordem não pode persistir. A única explicação para esses casos, Cachoeira, Celso Daniel, Mensalão, Paulo Preto e outros é que existe uma conivência política que impede as devidas punições.

carlos em 24 de julho de 2012

sera que nao errou de pais, acho que igual a mafia italiana, o carlinhos cachoeira tinha que ser solto gente, ou nossos governantes nao querem que outro roubam tambem, o povo egoísta, nao aceita competição e ainda querem a copa no brasil.

Leite da Silva em 24 de julho de 2012

O Problema todo é o advogado HOMEM. Já foi MINISTRO e da JUSTIÇA.

Osvaldo Aires Bade - Comentários Bem Roubados na "Socialização" em 24 de julho de 2012

Ao Jacson Perego - 23/07/2012 às 20:50. Pois sim amigo soluções existem e muitas, mas quem vai executar? R: Importaremos 5.000 mil ingleses, 3.000 suecos, 2.000 dinamarqueses, 1.000 holandeses e por aí vai. É como diz o Bolsonaro: A reforma é pelos eleitores. Existe um plano mundial de ataque frontal a forma de se viver nesses países livres ocidentais - Brasil incluso e já bem avançado o plano perverso. . - Quem roubou a cultura dos EUA? http://cinenegocioseimoveis.blogspot.com.br/2012/07/quem-roubou-cultura-dos-eua-escrito-por.html . Abraço a Todos Osvaldo Aires

Jacson Perego em 23 de julho de 2012

Simples, é só desvincular as policias(civil, militar, federal)da subordinação a ministérios e secretarias e/ou governos (cargos políticos)e criar um órgão para comando dessas instituições, orgão este composto por juízes, promotores e advogados sem qualquer tipo de indicação politico/partidaria e com certeza veremos polícias atuantes e indepentes!

Regina Oliveira em 23 de julho de 2012

O que falta? Falta Seu Mestre mandar...

fpenin em 23 de julho de 2012

E os membros da corporação Polícia Federal, hein? Vão deixar-se achincalhar de tal maneira, sem ao menos um gemido de indignação? A Polícia Federal vem sendo, nos últimos anos, mero instrumento das ações pouco republicanas do PT;o desmantelamento moral de uma instituição das mais respeitáveis do Brasil interessa a quem? Todos sabemos a resposta e é triste a conclusão a que chegamos. Pena...

Marco Antonio em 23 de julho de 2012

O país é, e sempre será, dominado por máfias ( do jogo do bicho, das empreiteiras, das concessões de linhas de ônibus, da venda de sentenças,é só escolher. Mas o dia 07/09/2012 é o dia do basta!!!!

fpenin em 23 de julho de 2012

8 mortes no caso Celso Daniel? Até a minha netinha de apenas 20 dias de vida mata essa charada. Em vez de investigadores, o caso do ex-prefeito teve cúmplices. Agora, duas pessoas vinculadas à apuração do caso Cachoeira já foram despachadas, sem contar juízes ameaçados e tudo o mais.O ministro da Justiça precisa trabalhar, o mais urgente possível. E com isenção. Afinal, isto aqui é uma nação ou um faroeste?

Natal Santana em 23 de julho de 2012

Setti, parece-me claro que ao Ministro Cardozo não interessa as atribuições jurídicas/judiciárias do ministério. Ele não tem tempo para isso porque faz política em tempo integral; para ele a PF pode ser esculhambada, desmoralizada, desmontada... o que vale é usá-la contra adversários políticos. Num país sério, a instituição Polícia Federal estaria metida até a medula na investigação desses casos e pra valer, mas no Brasil, seria esperar demais.

Adeilson em 23 de julho de 2012

Eu dou proteção a Léia Batista, lindaaaaa....

Rodrigo Ribeiro em 23 de julho de 2012

Goias e pior que o Rio de Janeiro, aqui impera a lei do silencio. Falou, morreu!!

Celio Roseno em 23 de julho de 2012

Não digo a quem você deveria caluniar porque minha santa mãe me deu educação desde criança. Sorte que, parece, você não teve. Suma daqui.

Corinthians em 23 de julho de 2012

Setti, Dizer o que ? Falta ao atual ministro da justiça um aval do antigo ministro e grande ídolo petista, e hoje defensor de quedas d'água...

Roberta em 22 de julho de 2012

Faltou comentar as "misteriosas coincidências" recentes (pra quem acredita em coincidência) de querer cumprir pena fora da Papuda, com tornozeleira eletrônica, da suposta tentativa de suicídio por auto-enforcamento, de gente morrendo espancada lá dentro da Papuda... será que a Papuda não é segura mesmo?

Ana em 22 de julho de 2012

E se os fios desse novelo chegarem na mídia, como vem aparecendo nas escutas telefônicas da PF?

VANDERLEI em 22 de julho de 2012

Em meu ponto de vista, a culpa pelo Brasil estar do jeito que está é nossa (dos brasileiros), nos esquecemos dos acontecimentos e votamos em corruptos, deixamos os políticos mandarem em nossa vontade, sendo que é justamente o contrário, ou não. O poder não emana do povo e para o povo. Mas é justamente ao contrário o poder emana do políticos para os políticos. Eleições chegando, temos a obrigação moral de escolhermos políticos comprometidos com o Brasil e o povo brasileiro, ou vocês acham que estão preocupados conosco. Acordaaaaaaaaada BRASIL.

VANDERLEI em 22 de julho de 2012

Tá faltando o policial federal morto no cemitério e o escrivão da policia federal, que está escondido, ameaçado de morte. Estamos na Itália dos mafiosos.

Márcio em 22 de julho de 2012

ISSO É TER GUERRILHEIROS(TERRORISTAS) NO PODER, EXERCITO, POLÍCIAS, MP'S ENFRAQUECIDOS,... E O CRIME AVANÇANDO NAS GRANDES CIDADES COM DIREITO A CAMPANHAS DE DESARMAMENTO ANUAIS INCENTIVADAS POR "ONGS", LOBBY POLÍTICO PARA DESCRIMINALIZAÇÃO DAS DROGAS, DO JOGO, DE CLINICAS DE ABORTO, ... ESCANDA LOS QUE DERRUBARIAM QUALQUER GOVERNO NORTE AMERICANO OU EUROPEU, MAS NO BRASIL NÃO DÃO EM NADA E O PIOR DE TUDO PESSOAS MORREM, MAS NINGUÉM É PRESO ! CASOS COMO: PC FARIAS, CELSO DANIEL, ... E INÚMERAS QUEIMAS DE ARQUIVO. QUE PAÍS É ESSE ?

sergio em 21 de julho de 2012

Falta os PeTralhas saírem do governo,um governo que já teve como Ministro da Justiça Tomaz Bastos,nem precisa dizer que é um governo do crime organizado

Pedro Luiz Moreira Lima em 21 de julho de 2012

Do Estadão Secretário de Segurança: pedir desculpas foi 'erro' Ferreira Pinto critica ida de PM à casa da família do publicitário; para especialista em luto da PUC, ato foi precipitado O secretário de Segurança Pública do Estado, Antonio Ferreira Pinto, reprovou na sexta-feira, 20, a iniciativa de oficiais da Polícia Militar de pedir desculpas à família de Ricardo Prudente de Aquino, o publicitário morto por PMs no Alto de Pinheiros. Ferreira Pinto disse que o Estado lamenta o ocorrido, mas que pedir desculpas seria algo vazio. "Desculpa, acho que chega a ser ridículo, bisonho. A família fica até mais indignada, parece até uma certa insensibilidade. Na minha avaliação, foi um erro. Se eu tivesse sido consultado, diria que a gente deve respeitar a dor dos familiares." Na manhã da quinta-feira, o tenente da PM Gilberto Evangelista, do 23.º Batalhão - mesma unidade dos policiais que mataram o publicitário -, foi à casa da vítima pedir desculpas à família. Horas mais tarde, durante entrevista coletiva sobre o caso, o comandante interino da Polícia Militar, coronel Hudson Tabajara Camilli, também pediu desculpas publicamente à família de Aquino e à sociedade. Crítica. Para a coordenadora do Laboratório de Estudos e Intervenções sobre o Luto da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), psicóloga Maria Helena Pereira Franco, a iniciativa do policial que esteve na casa do publicitário foi precipitada. "Eu não sei o que o levou a ir lá naquele momento e da maneira que fez, mas acho que ele poderia ter esperado um pouco mais", disse a especialista. "Eu não chamaria de desrespeito, mas toda família precisa de um tempo para absorver o que está acontecendo. Acho que nesse caso ele estava considerando mais a necessidade dele diante disso do que o estado dos familiares." Já no pedido público de desculpas de Camilli, segundo Maria Helena, houve uma distância "mais confortável para a família". "Eu não sei como os parentes estão lidando com essa perda, ou como estão entendendo isso, mas, dependendo do caso, o pedido de desculpas pode ser interpretado como ato de boa vontade, com intenção reparatória ou até como ato de invasão." A psicóloga não quis comentar as críticas de Ferreira Pinto. "Eu diria que ele está fazendo um julgamento de valor tendo em mente com o que está acostumado a lidar, o procedimento policial."

Pedro Luiz Moreira Lima em 21 de julho de 2012

Por Marco Antonio L. Aloprados e aloprados Durante as investigações da Operação Monte Carlo, a Polícia Federal apreendeu um material que pode ser a pista para a compreensão de uma dos mais estranhos episódios da história política recente. Trata-se de gravações de uma conversa entre o ex-sargento da Aeronáutica Idalberto Matias de Araújo, o Dadá, e o jornalista Mino Pedrosa, ex-repórter da Isto É e hoje autor do site QuidNovi, sobre o chamado “escândalo dos aloprados”, como ficou conhecida a suposta tentativa de compra de um dossiê contra o então candidato a governador de São Paulo José Serra (PSDB) em 2006. O dinheiro apreendido pela PF para comprar o dossiê anti-tucano. Foto: AP Curiosamente, o material foi apreendido na casa de Adriano Aprígio de Souza, ex-cunhado do bicheiro Carlinhos Cachoeira. Souza foi preso em julho pela PF, na esteira das investigações sobre o grupo. Ao analisar o material, a PF encontrou o grampo de uma conversa ocorrida em 2006 entre Dadá e Mino Pedrosa no qual o jornalista dizia ter informações sobre como o dossiê foi negociado. Dadá é apontado pela PF como araponga do grupo de Cachoeira. O escândalo, que tumultuou as eleições daquele ano, eclodiu após um assessor da campanha de Aloizio Mercadante, candidato do PT ao governo paulista, ser pego ao entrar num hotel em São Paulo para supostamente comprar informações contra o adversário tucano. O material conteria documentos que ligariam o ex-ministro da Saúde à chamada máfia dos sanguessugas, como ficou conhecido o grupo investigado por desviar recursos da saúde. Na conversa, possivelmente gravada por Dadá, Mino Pedrosa e o araponga conversam sobre as origens do escândalo dos aloprados. O jornalista revela que o dossiê havia sido confeccionado por Luiz Antonio Trevisan Vedoin, pivô dos sanguessugas, e oferecido aos petistas. No entanto, quando a negociação avançou, o mesmo Vedoin entrou em contato com um emissário da campanha José Serra – que teria acionado a Polícia Federal. O plano de Vedoin era criar um fato político contra o PT durante a eleição. Diálogo gravado por araponga e apreendido pela PF Em seguida, Mino Pedrosa diz ter em mãos informações que poderiam ser a “bala de prata” para “matar o Barbudo”, numa clara referência ao então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, postulante à reeleição. O jornalista afirma ter informações de que a proximidade de Lula com seu ex-assessor pessoal Freud Godoy, suspeito de participação na compra do dossiê, poderia mudar os rumos da eleição de 2006. Para comprovar as suspeitas, Pedrosa pede a Dadá que obtenha clandestinamente os documentos junto ao Coaf e à Receita Federal sobre movimentações financeiras de Lula para confirmar as suspeitas. O episódio mostra como o grupo de Cachoeira agia para alimentar informações para tumultuar o ambiente político – e que nem mesmo o presidente estava imune a ação dos arapongas.

carlos nascimento em 21 de julho de 2012

O País está precisando com urgência de um novo Eliot Ness, e ai RS, poderia indicar alguém para assumir essa missão ? Um só não é suficiente, Carlos...

Luiz em 20 de julho de 2012

O poder do Cachoeira é enorme, e com estes acontecimentos parece muito como as execuções de Giovanni Falcone e Paolo Borsellino, pela Cosa Nostra.

Mari Labbate *44 Milhões* em 20 de julho de 2012

Essas barbáries comprovam que os Reis-do-Cangaço: Lampião e Maria-Bonita continuam atuando, no Brasil, até hoje. Do nordeste, migraram para São Paulo, e em seguida para Goiás! É O FIM! Os criminosos são tão tolos, que nem perceberam que deixaram muitas migalhas-de-pão pelo caminho, a ponto desse caso ser caracterizado como Celso-Daniel II: fresquinho... fresquinho... Realmente, o Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, não possui qualificativos para essa importante missão: não consegue distinguir as diferenças existentes entre as migalhas do MESMO PÃO! Renuncie, Ministro! É o melhor que pode fazer, após os ataques de pânico e de mania de perseguição: reforçar a segurança nada resolve em problemas espirituais. Especialistas em técnicas-de-guerrilha deverão ser contratados. Outra sugestão interessante seria adotar as delações premiadas. A combinação desses dois recursos resultaria na prisão de todos culpados. Com as digitais sujas de sangue, os delinquentes-insones não conseguem mais ocultar-se. Chá-indiano para suportarem as derrocadas da Vida! Não se esqueçam de que o nariz dos Pinóquios cresce a cada mentira proferida. E tudo complica-se mais! É verdade que fica mais emocionante assistir aos meliantes molhando as calças e as saias...

antilulla em 20 de julho de 2012

o ministro é petista...vê se ele está ligando pra isso...

Paulo Cesar em 20 de julho de 2012

a possibilidade de uma intervenção da onu no brasil esta uma lambança tcm ministro da justiça nao tem nada aver com justiça o brasil esta tomado por uma organizaçao criminoza no juticiario no excutivo e no lesgilativo so bandido a coisa esta feia

José Benedito Napoleone Silveira em 20 de julho de 2012

Dá pra dizer com certeza de que lado esse ministro está? Será que ele está interessado em desenrolar algum novelo? Afinal, não é dele a autoria da providencial lei que amparou parecer da "digníssima" Ana Arraes, do TCU, na tentativa escandalosa de dar uma mãozinha aos mensaleiros?

POLUIÇÃO em 20 de julho de 2012

ESTÁ PÁGINA ESTÁ UMA POLUIÇÃO. LIXO. TÁ PARECENDO A POLITICA DO BRASIL. ZERO. Bah, que coisa... Onde é que você aprendeu a ser tão educada, tão gentil e, sobretudo, tão fina?

jair silva em 20 de julho de 2012

Quanto a questão das oito mortes supostamente relacionadas com o caso Celso Daniel, a resposta foi dada pela Polícia Paulista subordinada ao Governador do Estado de São Paulo, a qual realizou dois inquéritos sobre a morte do ex-prefeito e não encontrou qualquer conotação política vinculada ao assassinato. Salvo melhor juízo a PCSP não tem nenhum interesse em defender o PT.

Emerson em 20 de julho de 2012

Interessa ao ministro decretar emergência??

Hélio em 20 de julho de 2012

Há cerca de um mês o Ministro Tourinho, do STJ, concedeu Habeas Corpus para o Calinhos Cachoeira, afirmou que, como ele e a quadrilha já estavam presos não ofereciam perigo à sociedade. Estas ameaças e assassinatos servem para provar o contrário. Para nossa sorte, o Cachoeira acabou não sendo solto, pois uma juíza de Goiás teve mais juízo e o manteve preso. Abs!

tito em 20 de julho de 2012

A Rapousa cuidando do galinheiro!

Dercio Conceicao em 20 de julho de 2012

e tem ainda o caso do escrivão da Polícia Federal Fernando Lima, de 34 anos, que foi encontrado morto com um tiro na cabeça no início da noite desta quinta-feira (19) em sua residência, no bairro Jardim Botânico, bairro próximo ao Lago Sul - a Polícia Civil trabalha inicialmente com a hipótese de suicídio - segundo os primeiros depoimentos de familiares, sofria de depressão aguda e teve seu estado agravado após o assassinato do agente Wilton Tapajós Macedo, de quem era amigo.

Antonio em 20 de julho de 2012

Não publico acusações falsas.

Mendes em 20 de julho de 2012

Não publico acusações mentirosas, sobretudo se baseadas em um veículo de comunicação mentiroso e sob permanente suspeita de onde obtém seus recursos.

Reg Prata em 20 de julho de 2012

A verdade pura e simples, caro Setti, é q temos algo igualzinho à máfia italiana instalada no Brasil. Vai ter q fazer uma degola como a q foi feita (e ainda está sendo feita, sejamos francos) lá. E como o Brasil é bem maior q a Itália... >:(

Anti petista em 20 de julho de 2012

Melhor não comentar porque senão eu posso "sumir" também ... mas esse caso é igual ao do Celso Daniel ... se meteu com o PT ... vai pra VAAAAALA

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI