Image
Nova York: os “brancos, anglo-saxões e protestantes” perdem terreno para latino-americanos e descendentes (Foto: Exame/Editora Abril)

O Censo dos Estados Unidos teve seus principais resultados divulgados em março, mas é tal sua extensão que a análise dos dados produz novidades periódicas desde então. Uma delas, surpreendente: a área metropolitana de Nova York, cidade que muitos americanos – e muita gente – considera a “capital do mundo – já não é mais uma cidade com maioria de cidadãos que se auto-designam como sendo “brancos”. Eles são, agora, 49% dos 18,9 milhões de habitantes.

Com Nova York, 22 regiões metropolitanas do país têm os brancos como minoria. A mudança de um país de tradicional maioria WASP – acrônimo em inglês para “branco, anglo-saxão e protestante “– se deve, sobretudo, ao grande aumento da população de imigrantes latino-americanos e seus descendentes, que explodiu 43% na última década.

56 combinações para as pessoas se auto-definirem

Muitos desses, naturalmente, são de pele branca, mas o censo pergunta às pessoas não por isso, e sim pelo grupo étnico em que ela se inclui. Num país multiétnico como os EUA, o Censo apresenta nada menos do que 56 combinações possíveis para as pessoas se auto-identificarem – desde “caucasiano” (branco) ou “afroamericano” (negro) a combinações como “hispano não branco”, “asiático branco”, “hispano negro” etc.

O fato é que os cidadãos americanos de origem latino-americana já somam 50,4 milhões – 16% da população americana –, sendo o maior contingente não-branco do país. Os negros constituiem 13% do total. Em Nova York, especificamente, os impropriamente chamados “hispanos” somam um percentual maior – 23% –, sendo de 16% o total de negros, 10% de asiáticos e, além dos auto-denominados brancos, 1% o de outros grupos.

Entre as 22 regiões metropolitanas em que não há mais maioria branca, encontram-se, além de Nova York, a capital, Washington, e cidades importantes como Las Vegas (Nevada) e San Diego (Califórnia), sem contar o fato de que há cidades de bom porte, principalmente no Texas, na Califórnia, no Novo México e no Arizona cuja maioria da população é de origem latino-americana.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez + 19 =

2 Comentários

tico tico em 06 de setembro de 2011

Os Estados Unidos é multiétnico, e pouco misceginado, de forma que daria para se fazer um levantamento da contribuição que dão as várias etnias e respectivas religiões, na economia, nas ciências exatas, e na tecnologia do país. Seria interessante...

Observador100 em 06 de setembro de 2011

Caro Setti, uma curiosidade: um branco nascido na África do Sul seria um "afro-descendente"?

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI