Image
China: 117 homens para cada 100 mulheres

Essa vergonhosa, horrível situação de tornar-se comum, para homens chineses, “comprar” mulheres para casar-se em países como o Vietnã — com garantia em caso de fuga, e o também hediondo pré-requisito de que as mulheres sejam virgens — não é nada mais do que o resultado da política “um casal, um filho”, imposta à força em 1979 pela ditadura comunista feroz que governa a China desde 1949.

A alegre adesão da ditadura chinesa ao capitalismo não mudou essa política, que abre raríssimas exceções e que pune severamente, por uma série de restrições e perdas de vantagens, casais que excedam a “quota” autoritária do filho único. Evidentemente um país com a enorme população que tem a China precisa preocupar-se com o tema, mas, como se sabe, existem incontáveis formas de encaminhá-lo. A China optou pelas piores para chegar ao crescimento anual que apresenta hoje, de menos de 0,5%, um dos menores do mundo.

Muito antes dos fatos relatados na reportagem do site de VEJA, resultados horripilantes já haviam aparecido, como a prática, comum em áreas rurais, de a preferência por filhos homens levarem pais a matar crianças do sexo feminino, de tal forma que o país sofre, hoje, as consequências desse infanticídio clandestino, mas em massa: há muito mais homens do que mulheres.

Daí a procura de parceiras fora da China, mesmo com o uso de expedientes vexatórios e contrários aos direitos humanos como a “compra” a exigência da virgindade, que, naturalmente, supõe submeter as jovens candidatas, voluntárias ou não, a humilhantes exames médicos.

A quase unânime louvação ao “milagre chinês” na economia costuma deixar de lado aspectos sinistros do regime, como os exemplos citados.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × três =

10 Comentários

Lucas em 26 de março de 2014

Seu comentário era um total absurdo e foi deletado.

brasileiro preocupado em 16 de setembro de 2011

caro Setti, a população deve ser limitada a capacidade do pais suportar a quantidade de seres humanos; ou os governos "democraticos" atentam para a realidade ou terão problemas sérios de sobrevivencia, são muitos, é só pensar um pouquinho; meio ambiente inclue os seres vivos, oxigenio, espaço, etc. A historia tem mostrado que cada povo tem o governo que merece, e como merece, e porque ? As formas de se conseguir um regime democratico custam, muitas vezes, vidas preciosas. Alguns correm o risco e conseguem, outros preferem deixar como está e pagam o custo da decisão; vamos torcer pela nossa democracia, mas não podemos esquecer que tambem somos parte do todo e vivemos no mesmo planeta; sabemos que em algumas regiões do nosso Pais, principalmente as mais pobres, o forte é a produção de gente, temos que equilibrar essa situação ou teremos problemas politicos perenes; o maior risco seria o fracionamento do territorio brasileiro. Nas ultimas eleições tivemos uma amostra e que poderá se repetir no futuro; abs

Alexandre em 15 de setembro de 2011

O que o governo chinês diz diante de tudo isso? Isso não favorece o tráfico de pessoas? O que a ONU diz diante de tudo isso? Cadê os grupos feministas e ONG que não se manifestam? Estão tratando mulheres como meros objetos, meras mercadorias. Tenho pena de quem tem filha na China. É deprimente esse texto.

Think tank em 15 de setembro de 2011

Desculpe me a intromissão, mas afirmar que: " não é nada mais do que o resultado da política “um casal, um filho”, imposta à força pela ditadura comunista feroz que governa a China desde 1979." me parece ser sua fantasia em quere distorcer fatos, pois isto foi imposição da era Mao, portanto antes de 1979, este até premiava com um radinho de pilha aos cumpridores. Infelizmente o Brasil hoje, é a repetição das lorotas do timoneiro Mao, - corrupção, loteamento, farsa, e impunidade, após 1979 Deng destituiu os donos das BOQUINHAS e instituiu a meritocracia. Os resultados estão ai mesmo para os que torcem o nariz, é o terceiro país que mais patentes registram por ano atrás apenas do Japão e USA, hoje a comunidade européia de pires na mão pede à China para financiar a mamata corporativa que deu no que deu. Na linha da sua maneira de inferir, devemos então louvar a falta de planejamento familiar tupiniquim e gangues de pivetes que inundam as ruas que assaltam, matam, e impunemente depredam até instalações de instituições construídas para tal finalidade. Você se engana, prezado Think Thank. Preocupação com o tamanho da população chinesa existe há muitos anos, desde o começo da década de 50. Inicialmente os dirigentes comunistas, depois de vencerem a guerra civil e se instalarem no poder, em 1949, viam a imensa população como um fator de poder e projeção futura do país. Alguns anos depois, começou a preocupação. Aos poucos, foi-se adotando uma série de medidas de incentivo a que as pessoas tivessem menos filhos e de desencorajamento a quem pretendia ter família numerosa. Não havia, porém, medidas coercitivas duras. Os radinhos de pilha foram instituídos não na China, mas na Índia, pela primeira-ministra Indira Gandhi. Pois bem, aos poucos foi-se instituindo na China, ainda sob Mao, uma política de planejamento familiar crescentemente restritiva. Mas a linha dura, a política de "um casal, um filho", foi instituída em 1979, sim, três anos depois da morte de Mao. Um abração

Paulo Bento Bandarra em 15 de setembro de 2011

Como você pode acusar de ditadura não resolver nada, prezado Setti? (Não vou chamar de amigo que isto é coisa séria, tem que ser verdadeiro, não para babar ovo) . E o Pai do Povo, Getúlio Vargas? Que nos proprocionou uma guerra civil (quantos morreram em 32 e quantos em 64?) e três constituições? O homem que nos legou o maior presidente do Brasil, Jango, que era de fazer na lei ou na marra? Como que ele, referência até hoje, não resolveu nada?

patricia m. em 14 de setembro de 2011

Ohhhhhhhhhhhh Setti, voce nao entendeu a ironia, ne... (euzinha totalmente anti-comuna, etc etc etc) . Tudo bem, eu me contento (deveras) com o sistema americano de justica. Esses caras ai iam pegar perpetua se estivessem aqui nos EUA. Igual o Madoff.

Geraldao em 14 de setembro de 2011

Essa coisa de querer o bem do próximo é conversa pra boi dormir. Observe que no Brasil um grupo (PT e base) tenta de qualquer forma implantar uma ditadura do partido único alegando o bem comum e erradicação da pobreza e etc e tal. Eles estão preocupados consigo mesmos, papo de aranha. Estão todos ricos, Fidel, russos e chineses do part. comunista. Farsa, mas tem gente ainda que acredita em paraíso. Outra coisa, dizem alguns comunistas que quem está travando o capitalismo hoje em dia é a democracia, dir. humanos e dir. em geral, e aí citam o capitalismo chinês que está indo de vento em popa. Dá pra acreditar?

patricia m. em 14 de setembro de 2011

Ha uma coisa boa no comunismo chines: a rapidez com que matam corruptos la (e a familia ainda paga a bala, oooooba). Juro que esse metodo deles eu gostaria que fosse implantado no Brasil. Ja pensou no Ze Dirceu, heim? Uhhhhhhh... Só que, lá, o direito de defesa é uma piada, não existe uma Justiça minimamente independente, os advogados que defendem pessoas sob suspeita do Estado têm atividades cerceadas, as arbitrariedades são incontáveis, adversários políticos do regime são frequentemente acusados de corrupção para serem tirados do mapa -- e por aí vai. Ditadura nunca resolveu problema nenhum, Patrícia.

Paulo Bento Bandarra em 14 de setembro de 2011

Esta turma que tinha que passar por uma Comissão da Verdade de fato. Não chutar cachorro morto para esconder os cachorros bem vivos de hoje!

Paulo Bento Bandarra em 14 de setembro de 2011

Acho que vergonhoso não é exigir virgindade, mas a venda para uma pessoa desconhecida a sua filha, como uma cabra ou uma vaca. "Você, apartir de agora, é coisa daquele homem." Virgindade acho que os islâmicos, paquistaneses e indianos também exigem. Mas vender? Acho muito pior do que comprar.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI