Esta foto registra a deliciosa conversa ocorrida no auditório da Editora Abril apenas seis dias depois do grande escritor peruano Mario Vargas Llosa receber o Prêmio Nobel de Literatura de 2010.

A agenda de Vargas Llosa, digna de chefe de Estado, inacreditavelmente lotada, sempre, e em especial depois do Nobel, não impediu que o escritor comparecesse ao Auditório Abril rigorosamente no dia — 10 de outubro — e na hora (13 horas) que havia combinado, meses antes, com o pessoal responsável pelos Diálogos Culturais do Meio-Dia, oferecidos pela editora a seus jornalistas, funcionários de outras áreas e convidados.

O Nobel chamou mais ainda a atenção sobre um escritor muito conhecido dos brasileiros: o auditório estava lotado e a entrevista, encomendada a mim um tanto em cima da hora e feita no palco, teve que ser transmitida em circuito interno de TV e internet para toda a empresa.

As perguntas foram feitas em português, idioma que Vargas Llosa domina perfeitamente. O escritor falou sobre o prêmio recebido — brincou que já estava desistindo –, seu trabalho, sua visão sobre a passagem do tempo, seus planos para o futuro e contou detalhes, alguns saborosos, outros terríveis, sobre suas viagens para escrever o elogiado romance O Sonho do Celta, então recém-publicado no Brasil.

Revelando grande disposição apesar da vida corridíssima, Vargas Llosa do auditório subiu para o 24º andar onde, durante almoço no Terraço Abril, com vista para as áreas mais verdejantes de São Paulo — sim, elas existem –, ainda concedeu entrevista para as “Páginas Amarelas” de VEJA.

Também participei do almoço (e, por generosidade dos entrevistadores, Diogo Schelp e Jerônimo Teixeira, da própria entrevista). Diante de um rico cardápio do dia e ainda de opções de saladas e grelhados, sem contar vinho branco e vinho tinto, Vargas Llosa optou por um simples, mas reforçado, prato de arroz e feijão, só tomou água mineral e nem café aceitou.

O vídeo contém a íntegra da entrevista, que durou 55 minutos — e cada um deles vale a pena. Para assisti-la, basta clicar aqui.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − nove =

4 Comentários

kitty em 03 de setembro de 2015

Sem dúvidas foi uma honra ter entrevistado o ganhador do Prêmio Nobel de Literatura. Parabéns por mais esse logro jornalístico...Um abraço da amiga Kitty Você é imbatível em matéria de gentileza, Kitty. Desculpe o atraso na resposta. Um abração!

kitty em 01 de setembro de 2015

Olá caro Ricardo...nenhum comentário que escrevo aparece....na hora de publicar o comment desaparece...fica todo branco..intentei duas vezes hoje-01/09-///Um forte abraço-Kitty Prezada Kitty, andei viajando e sem acessar o site. Vai ver que foi por isso que não apareceu seu comentário. Estou aprovando agora. Vamos ver! Abraço e obrigado pela visita.

Kitty em 17 de julho de 2015

Olá caro Ricardo. me lembro muito bem dessa entrevista, que foi muito interessante. Não se esqueça que possuo o livro de sua autoria " Conversas com VARGAS LLOSA", e essa entrevista foi para sua coluna em VEJA.Na oportunidade deixei meus parabéns. No livro, muitos de seus colegas fazem referência a sua trajetória e a todos os cargos que ocupou em vários e importantes jornais e revistas. Conservo com muito respeito e carinho suas respostas aos meus comentários..sempre os leio...Um abração-Kitty...///

rose barros em 11 de junho de 2015

parabens pela bela entrevista Obrigado, cara Rose. Pelo elogio e mais ainda pela visita ao site. Um grande abraço e... volte sempre. Aqui não é um arquivo morto. Estou sempre acrescentando histórias inéditas de bastidores -- confira, quando puder, na área de Fotos, por exemplo. Um abração

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI