“Coluna 2”, de Sonia Racy:

Uma espécie de praga eleitoral alastrou-se por ex-ocupantes do Ministério da Justiça durante o governo do presidente José Sarney.

Seu primeiro titular da pasta, Fernando Lyra, não se reelegeu deputado federal pelo PDT de Pernambuco.

O terceiro, Oscar Corrêa, trabalhou para a eleição do filho Oscar Corrêa Júniorp ara governador de Minas pelo PFL – e o filho amargou um último lugar na corrida.

Finalmente, o derradeiro ministro da Justiça de Sarney, Saulo Ramos, viu frustrada sua tentativa de eleger-se deputado federal pelo PTB de São Paulo.

Só escapou mesmo o ex-ministro e ex-senador Paulo Brossard, desfrutando de uma confortável vaga vitalícia no Supremo Tribunal Federal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *