Com a renúncia de Clésio Andrade, Minas tem senador duplamente biônico — e outro “apenas” biônico. Dos 3 senadores mineiros, só Aécio Neves foi efetivamente eleito

O agora ex-senador Clésio Andrade (PMDB-MG) e o senador Zezé Parrela (PDT-MG) (Fotos: Tulio Santos/EM/D.A. Press :: Lia de Paula/Agência Senado)

O agora ex-senador Clésio Andrade (PMDB-MG) e o senador Zezé Parrela (PDT-MG): o primeiro já era suplente, e agora em seu lugar assume um segundo suplente. O segundo ganhou um mandato quase inteiro de 8 anos sem ter um só voto (Fotos: Tulio Santos/EM/D.A. Press :: Lia de Paula/Agência Senado)

Quem por acaso ainda ache que a reforma política não é necessária e moralizadora deveria atentar para o que sucede neste momento no segundo maior Estado brasileiro, Minas Gerais.

Com a renúncia ao mandato do senador Clésio Andrade (PMDB-MG), por supostas “razões de saúde”, assume o mandato o tucano Antônio Aureliano Sanchez de Mendonça, ex-deputado federal e filho do ex-vice-presidente da República Aureliano Chaves.

Agora vejam que barbaridade (outras virão a seguir): Clésio, presidente licenciado da Confederação Nacional do Transporte e ex-vice-governador de Minas no primeiro mandato de Aécio Neves (quando pertencia ao atual DEM, aliado do PSDB), era primeiro suplente do senador realmente eleito e ex-ministro dos Transportes Eliseu Rezende (DEM), que morreu em janeiro de 2011.

Assim, sem ter tido um só voto, desempenhou as funções de senador da República durante mais de 3 anos e meio. Esse tipo de suplência é em certa medida uma reedição, infelizmente abençoada pela Constituição de 1988, dos grotescos senadores biônicos da ditadura militar — a partir de 1978, um dos três senadores de cada Estado passou nomeado pelo regime, com o referendo pró-forma da respectiva Assembleia Legislativa.

Pois bem, não bastasse Clésio haver sido senador por tanto tempo sem haver recebido voto, agora Antônio Aureliano, SEGUNDO SUPLENTE do falecido Eliseu Rezende, e será senador até fevereiro de 2015, quando assumirá o novo Congresso eleito em outubro próximo.

A feiúra institucional do caso piora quando se sabe que as “razões de saúde” do ex-senador Clésio não existem — tanto é que ele está reassumindo as pesadas tarefas de presidente da Confederação Nacional do Transporte. Na verdade, Clésio está fugindo de julgamento pelo Supremo Tribunal Federal por sua implicação no propinoduto mineiro, impropriamente chamado de “mensalão tucano” (não foi mensalão, e não teve apenas tucanos envolvidos).

Ao renunciar, ele perdeu o foro privilegiado e seu julgamento será transferido do STF para a Justiça em Minas.

Resta, então, lembrar que o segundo dos três senadores por Minas é também um suplente em exercício definitivo: o cartola do Cruzeiro Zezé Perrella, que era suplente do ex-presidente Itamar Franco. Em 2010 Itamar foi eleito senador pelo PPS com grande votação, assumiu em fevereiro de 2011 mas morreu em julho do mesmo ano.

Perrella ganhou de graça, e sem eleitores, sete anos e meio de mandato.

O único dos atuais três senadores por Minas que foi efetivamente eleito é Aécio Neves (PSDB).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × três =

6 Comentários

  • MILTON SIMON PIRES

    DOS INTESTINOS DESSA NAÇÃO

    Milton Pires

    Disse aquele que dormia no sofá vermelho do DOPS, que há de levar consigo até o túmulo o segredo sobre a morte de Celso Daniel, e que não reconhece como amigos os que estão na Papuda, que lhe “assusta o ódio que eles têm contra Dilma”.
    Não tenho ódio do senhor, senhor presidente..Prova é que, mesmo presidente não sendo, insisto em assim chamá-lo para facilitar nossa “conversa”. Como eu poderia ter ódio de alguém que, usando óculos com armação francesa, ternos ingleses e sapatos italianos, ainda seria capaz de encontrar no vinho tinto de garrafão da serra gaúcha o consolo contra os ataques dessa “imprensa burguesa”?
    Presidente Lula, quando em 1980 uniu-se em São Paulo o submundo criminoso do sindicalismo com a covardia da universidade brasileira, fundou-se no país a mais corrupta e criminosa de todas as instituições: o Partido dos Trabalhadores. Sabemos, o senhor e eu, que as bandeiras principais de então não eram a revolução bolivariana, o socialismo tupiniquim, nem os direitos dos gays. O senhor, seu partido e uma parte podre da Igreja Católica conquistaram mais de 100 milhões de brasileiros com um discurso que, acima de tudo, mostrava-se como defensor da ética, da responsabilidade com a coisa pública, e com a riqueza da Nação. Em 1989, presidente, eu marchei ao seu lado para enfrentar as hordas que, chamadas de filhotes da ditadura, apresentavam-se como caçadoras de marajás. Lembra-se o senhor quando Collor disse em cadeia de televisão que o senhor queria o aborto de sua filha? Que espécie de pessoa é o senhor que agora abraça esse sujeito perante as câmeras de TV? Quem é o senhor para falar em “ódio contra Dilma” quando foi ele, o ódio, o motor que permitiu o nascimento e a ascensão ao poder do seu partido? Esquece-se o senhor de sua filósofa predileta berrando histérica suas frases de ódio contra a classe média?
    Durante a permanência no poder, presidente, o seu partido destruiu o que restava da rede hospitalar brasileira, humilhou todos os médicos, policiais e professores e entregou para nações cujo nome os brasileiros sequer sabem pronunciar o fruto do seu suor e do seu trabalho. O senhor, seu apedeuta, representa o que há de mais podre na vida pública nacional quando, aliando-se com gente da estirpe de Maluf, Collor e Sarney, destruiu a própria possibilidade da vida democrática na sua tentativa de comprar todo Congresso Nacional. Você (e de agora em diante mudo o tratamento), seu apátrida, sua criatura sem hino nem bandeira, traiu a nação que guardava na imagem de um operário a esperança de honestidade e num partido ligado à Igreja e à Universidade a crença numa sociedade melhor.
    Ódio, presidente Lula, é aquilo que o senhor e sua criatura, assaltante de bancos da década de 60 e dona de lojinha de 1,99 sempre cultivaram e é isso agora que estão colhendo. Não comporte-se portanto como uma vestal ofendida. Seu discurso não é melhor do que o de certas mulheres que vendem o corpo nas imediações da ponte que liga o Brasil ao Paraguai. A nação inteira já sabe quem são o senhor e seus asseclas, qual sua vistão de Estado e o que pretendem fazer com nosso país. Fanática ou não por futebol e carnaval, essa gente não aguenta mais seu discurso histérico contra Deus, contra o casamento e a favor da drogas. Somos brasileiros, presidente Lula…Nossa história não começa nas ONGS corruptas criadas pelo seu partido para que dinheiro público desviado fosse.
    Outro dia eu escrevi que você nada mais é do que uma espécie de Macunaíma que, na década de 70, ganhou um rádio de ondas curtas e ficou escutando as transmissões de Havana para o resto da América Latina. Isso demonstra o que penso da sua capacidade de esforço e do seu conhecimento teórico da ideologia que você defende como sendo capaz de trazer o reino de Deus para dentro das terras brasileiras. Oportunista como sempre foi, você agora se aproveita do fato de Dilma ser mulher e essa condição invoca como motivo daqueles que com justiça à ela se opõem. Sabemos, você e eu, qual sua opinião sobre mulheres e como você, presidindo o sindicato dos metalúrgicos, gostava de uma “viuvinha” quando essa vinha lhe pedir ajuda, não sabemos?
    Você, Lula, e seu partido associado aos traficantes, nada mais são do que mais um tipo de parasita..mais um simples tipo de verme que se Deus quiser está para ser evacuado para sempre …dos Intestinos dessa Nação.

    Porto Alegre, 19 de julho de 2014.

  • PSC-20

    Sou a favor de apenas um suplente para cada senador,acho também que o número de senadores,deputados e vereadores deveriam ser diminuídos em 1/3.

  • CHAGAS

    Hoje quando votar para senador devemos observar quais são os elementos que ocupará a suplência para que em caso de morte do titular não surprendermos com individuos dessa espécies ,é o caso dos citados acima.

  • Kitty

    Bom dia caro Ricardo,
    Não há duvidas que uma reforma política se faz necessária e, até diria que urgentemente, para que essas distorções que, você no seu bem enquadrado post, faz menção. São sim resquícios da ditadura militar que colocava senadores biônicos e, que continuam servindo do mesmo jeito aos políticos que, mesmo em plena democracia, não interessa qualquer reforma que vise tirar-lhes privilégios. Daí a demora, o empurra-empurra da reforma politica que seria, inclusive, um aprimoramento da democracia. De longe percebe-se que a ninguém interessa. Sempre há apadrinhados para colocar em postos claves como forma de agradecimento por serviços prestados aos partidos beneficiados. Que bom saber que o senador Aécio Neves é o único senador realmente ungido pelo voto popular!!
    Se eu pudesse assinaria embaixo o extraordinário comentário do Dr. Milton Simon Pires. Disse tudo aquilo que está entalado, não só na minha garganta, mas a de muitos brasileiros de bem e que não compactuam com a política petista e a dos seus seguidores.
    ( Ricardo, se interessa, no blog do CoronelLeaks( Coturno Noturno) onde há um post sobre o artigo tendencioso que a Folha publicou este domingo. Além de um vídeo, tem um adendo grifado em amarelo, onde consta uma folha do Departamento de Obras Públicas do Estado de Minas Gerais–DEOP-MG. Isto poderia ajudar ao esclarecimento da construção de um aeroporto num terreno do avô de Aécio. Devemos elucidar a má intenção desse jornalista que estampou uma nota maliciosa e tendenciosa sobre este caso..). Um forte abraço-Kitty

  • João Bosco

    Se Aécio for eleito presidente, e será….

  • Cidadão Quem

    O Senado está-se tornando uma House of Lords. Mas que “lords”!!!
    Em minha concepção, gente, por assim dizer, “inha”. Às vezes, quando estou com saco, de bom humor, sintonizo a rádio Senado. Nossa Senhora! Fico com pena dos caras, muito bem formados, pois os concursos para o Senado são os mais concorridos do país, que são obrigados a trabalhar com esses senadores. Para começar, são despreparados. Realmente, refletem o índice de alfabetização do país. Assinam, um a um, os capítulos da boa gramática. As ideias, por seu turno, são ininteligíveis. Naturalmente, as ideias vêm embrulhadas com o papel de discursos pretensamente sagazes, sábios, espertos, profundos, maquiavélicos. Todos fazem pose de raposa felpuda. Super engraçado. Aliás, trágico para c******. É de lascar. O povinho… zeta.