Image
O STJ e sua sede faraônica em Brasília: depois de amanhã, com a posse do ministro Luiz Fux no Supremo,  haverá 5 vagas a preencher na corte

Haja tinta na caneta da presidente Dilma Rousseff.

Com a posse do ministro do Superior Tribunal de Justiça Luiz Fux no Supremo Tribunal Federal, depois de amanhã, quinta, dia 3, o STJ – segundo tribunal mais importante do país – estará desfalcado de nada menos do que 5 de seus 33 ministros.

(As quatro vagas existentes antes da saída de Fux vêm sendo preenchidas interinamente, como prevê a legislação, por desembargadores oriundos tribunais de Justiça – no caso, de São Paulo, Ceará, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.)

O desfalque entre os integrantes da corte significa que a presidente Dilma Rousseff mal começa seu mandato e já poderá nomear 5 ministros do STJ. Diferentemente do que ocorre com o Supremo Tribunal Federal (STF), porém, os ministros do STJ não são de livre nomeação dos presidentes da República.

Eles são, sim, designados pelo presidente, mas seguindo o que manda o artigo 104 da Constituição, um terço deve provir de lista tríplice escolhida pelos desembargadores dos tribunais regionais federais, o segundo terço vem necessariamente de desembargadores dos tribunais de justiça estaduais — também em lista tríplice por eles elaborada –, e o terço final, em partes iguais, cabe a advogados e membros do Ministério Público (Federal, estaduais e do Distrito Federal), alternadamente, igualmente em listas de 3 nomes.

Pinçado, das listas, o nome do preferido do presidente, ele ainda precisa passar pela aprovação do Senado.

Das 5 vagas que existirão com a saída do ministro Luiz Fux para o Supremo, 3 caberão aos advogados, 1 ao Ministério Público e 1 aos tribunais de Justiça.

O STJ é o único tribunal superior em que todos os atuais ministros (incluindo, por ora, o ministro Fux) foram nomeados por apenas dois presidentes: FHC designou 10, Lula os outros 17.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × quatro =

Nenhum comentário

André Pessoa em 01 de março de 2011

Você chamou duas vezes na matéria o STJ de STF. No quarto e no último parágrafo. Obrigado pelo alerta, amigo André. O blog não seria nada sem os leitores. Já corrigi. Abração

Paulo Bento Bandarra em 01 de março de 2011

Se privilegiou a harmonia entre os poderes em vez da independência dos mesmos! Quase uma monarquia! O povo mesmo só assiste esta troca de cadeiras suspeitas.

Ana Maria em 01 de março de 2011

Será que vamos correr perigo da Presidente só indicar pessoas simpáticas ao PT?

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI