Não tem o menor cabimento o desrespeito ao Congresso Nacional representado pelo pouco caso com que testemunhas da CPI do Cachoeira vem tratando seu dever de comparecer perante senadores e deputados.

Hoje, por exemplo, das quatro testemunhas convocadas, nenhuma compareceu, três delas com desculpas e manobras de estudante gazeteiro e uma delas sem sequer se dar ao trabalho de apresentar uma razão qualquer para a ausência, plausível ou não.

Não houve outra saída para o presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), que não encerrar a sessão.

É claro que o trabalho de uma CPI, como já ressaltei várias vezes, não se resume à tomada de depoimentos. Há montanhas de documentos a escrutinar — extratos bancários, relação de ligações telefônicas, relatórios da Polícia Federal, transcrição de gravações de telefonemas autorizadas pela Justiça…

É, porém, uma desfaçatez o que vem ocorrendo com sucessivos depoentes, que ignoram solenemente a CPI, tratando de suas convocações como se fossem brincadeira de moleques.

Isso configura um desrespeito não apenas à verdade dos fatos, que a sociedade toda espera que venha à tona com a CPI, mas um desrespeito ao Congresso Nacional — que, criticado e muitas vezes injustiçado, é e continua sendo, não obstante, representante legítimo do povo brasileiro, constituído por senadores e deputados eleitos em eleições limpas.

O fato de que muitos dos que criticam o Congresso não concedem importância à escolha de seu candidato na hora de votar não depõe contra o Legislativo — mas contra eleitores que se comportam assim, e aos quais falta a autoridade, que imaginam ter, de criticar os que elegeram de forma irresponsável.

O Congresso é quem faz as leis no país, e está em suas próprias mãos, assim, endurecer as regras que regem as CPIs, impondo com mais energia a obrigatoriedade do comparecimento de testemunhas às CPIs, tornando mais estritas as brechas para o não comparecimento e, se for o caso, dotando as comissões de mais poderes.

É o que deve ser feito, sob pena de uma desmoralização adicional que o Congresso não está em condições de suportar.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + 12 =

Nenhum comentário

Corinthians em 06 de julho de 2012

mario rio rj - 05/07/2012 às 7:53 Apesar de emocionalmente concordar com sua colocação, não concordo racionalmente. isso representa um risco de as coisas ficarem piores - empates em votações importantes é um exemplo. Isso para não dizer que no fim quem está deixando de ser representado é a população. O que precisa mesmo é começar a colocar os políticos na cadeia mesmo... já passou da hora faz tempo...

mario rio rj em 05 de julho de 2012

Político afastado por corrupção deveria ter a sua vaga no Congresso deixada vazia até a próxima eleição, estimulando os partidos a selecionaram melhor seus nomes a serem apresentados aos eleitores como candidatos. O benefício também seria a economia porque individualmente são os mais caros do mundo. Quase 600 políticos com mandatos no CONGRESSO é um exagero por causa da crise na EUROPA que impede reajuste/correção salários aos servidores públicos e aposentadorias

relume romano em 04 de julho de 2012

"ha excessivas palavras grandiloqüentes e carência de ações que correspondam a elas".

marques em 04 de julho de 2012

A CPI já é desmoralizada quando alguém é convocado como testemunha ou como réu e solta a famosa frase: "me permito o direito constitucional de ficar em silêncio". Ora bolas, se todo mundo sabe disso, porque não mudam esse direito constitucional, ou então, que não convoquem essas pessoas. Na verdade, quem tem que falar não quer falar, (pelo menos ali naquele momento) e quem tem que ouvir, não quer que quem tem que falar fale. É tudo joguinho de faz-de-conta.

Eduardo em 04 de julho de 2012

O Vital do Rêgo é aqui bem perto, na Paraíba. Campina Grande é o rego dos Rêgos. Se mexeram com a montanha de voto de cabresto que a família tem por lá, ele não apenas convoca o Cavendish e o Cabral, como, se necessário, até a Dilma. Mas e o 'acordo'?

Murilo em 04 de julho de 2012

Para moralizar a CPI:2) APÓS APROVADA A COMPOSIÇÃO DEVERÁ SER COM 50% DOS PARTIDOS DE OPOSIÇÃO; 2) PODER PARA CONDUZIR OS ACUSADOS CONVOCADOS QUE IRÃO SE APRESENTAR PARA SE DEFENDER E NÃO EFETUANDO A DEFESA ENTENDE-SE COMO DELITO ASSUMIDO.

edson rosalvo em 04 de julho de 2012

O congresso é uma reunião de bandidos,com raríssimas exceções.Depois que o pt está no poder,ai ficou bem claro a bandidagem praticada.Nunca teve qualquer moral,agora então,nenhuma.

CLAUDIUS em 04 de julho de 2012

2/3 dos investimentos são oriundos do Estado. Quem nã ajuda a eleger gente para o executivo e o legislativo não tem a mínima chance de obter fatias rendosas dos empreendimento: estradas, portos, aeroportos, construção civil, esgoto, saneamento em geral, fornecimento de movéis para as forças armadas e polícia e agora a tal guarda municicipale por aí vai. Antes do PT no Governo a coisa se restringia a financiamento de campanha e após licitações dirigidas, ou nenhuma, e por aí iam. O PT ianaugurou a coisa mais bizzara: mantuenção do poder com o desvio do dinheiro público e compra de conscieências ou suprindo que não tem nenhuma. Todos que foram eleitos o foram com este esquema. Como os membros da CPMI ~vão investigar alguma coisa? Já reclamaram que flatam algumas gravações. Claro. Exatamente as que envolvem os membros da dita cuja. Na realidade o que vemos é que uns querem saber o que os outros congressistas e demais eleitos e também os não eleitos fizeram no verão passado, ou melhor, nas eleições passadas. Questão de quem levou mais. Seria uma troca de achaques meio canhestra. Vejam que o dinheiro desviado é tanto que nem se deram ao trabalho de arrumar paraiso fiscal, pagar 10% de comissão para bancos destes locias. Preferiram viver a vida e torrar tudo em Monte Carlo e Paris. Se o MPF não tivesse assinado protocolo de troca de informações com os USA a farra seria em Vegas. Muito melhor para torrar dinheiro. E tem a patifaria da entrada da Venezuela. A coisa foi tão esquisita que, $ei não...

Democracia Vacina Anti-Petralha em 03 de julho de 2012

ENQUANTO O CONGRESSO FOR APENAS UMA EXTENSÃO DO EXECUTIVO ,NADA VAI MUDAR ,O QUE DEVERIA OCORRER É A TOTAL INDEPENDÊNCIA DOS PODERES ,COMO O CONGRESSO VAI FISCALIZAR O EXECUTIVO SER FOR AMIGO INTIMO DO MESMO , FAZER O TRABALHO DE CONGRESSISTA PARA O SEU CANDIDATO DO EXECUTIVO É BEM DIFERENTE QUE PERMITIR QUE O MESMO FAÇA DE SUA ADMINISTRAÇÃO UMA CATÁSTROFE ADMINISTRATIVA E PERMITA A CORRUPÇÃO ,COM OS PODERES NO SEU DEVIDO LUGAR E FUNÇÃO ,NÃO TERIA ESSA CONVERSA DE ABAFAR CPIs OU CHAMAMENTO DE MINISTROS PARA EXPLICAÇÕES SEJAM QUAIS FOREM E NOMEAÇÕES DE JUÍZES E OUTRAS NOMEAÇÕES OU SEJA A INDEPENDÊNCIA FORTALECE A HONRA A DEMOCRACIA E TODOS PODEM GOVERNAR SEM FAVORES DE AMIGOS ,MAS COM ESSE CONGRESSO DE IMBECIS EM GRANDE MAIORIA NÃO VAI FUNCIONAR NUNCA E ISSO BRASIL AFORA EM ASSEMBLEIAS ESTADUAIS E CÂMARA MUNICIPAIS ,ESTAMOS MUITO LONGE DO QUE DEVERIA SER.

sandra d'agostini em 03 de julho de 2012

Desculpe-me, RICARDO. Mas ESTA CPI já nasceu sem o devido respeito, todo mundo conhecendo seus objetivos mesquinhos, ou seja:não investigar nada das lambanças e crimes. Antes sim, ofuscar o julgamento do mensalão, fragilizar as instituições e pegar somente alguns desafetos do insano ex presidente.E assim foi caminhando, até aqui.Tenho acompanhado td de perto.Assim, fica difícil cobrar condutas cidadãs de convocados a depor, não é mesmo?

Omoreira em 03 de julho de 2012

Prezado Ricardo, O mesmo respeito que os senhores parlamentares dispensam aos brasileiros honestos, as testemunhas estão dispensando aos senhores parlamentares. Para ser respeitado é necessário, em primeiro lugar, respeitar os outros. Um abraço.

Thiago Hart em 03 de julho de 2012

Esperar o quê se o exemplo vem de cima? Quantas vezes dona Dilma, quando ainda era ministra, foi ao congresso dar explicações? Quantos ministros não são blindados? Costumo treinar meu espanhol assistindo a TVE, uma vez por semana o senhor Rajoy - e antes dele o senhor Zapatero - estava lá no congresso explicando os atos e ouvindo muuuito da oposição e dos próprios aliados. Eu acho que um ministro de estado deveria ser obrigado a ir pelo menos trimestralmente ao congresso para apresentar seu trabalho. Nos EUA as comissões do Congresso são extremamente rígidas e duras com as "autoridades", não se cansam de lembrar ao presente que ele está perante o povo americano, perante o Congresso - com boca cheia - e deve dar explicações, apresentar projetos e ouvir sugestões. Sabe pq isso não se dá no Brasil? Porque temos arremedos de instituições que só pioraram na era lulopetista. Abraço Setti, @thiagohart

bene em 03 de julho de 2012

Infelizmente o comportamento dos depoentes é compatível com o do nobre relator e do presidente que não querem apurar nada. Convoquem o Cavendish, o Pagot , o Sérgio Cabral, o prefeito de Palmas e outros que realmente têm tudo a dizer. A CPI foi um tiro no pé que o Lula deu. Apure-se pra valer ou fechem o circo.

Eduardo em 03 de julho de 2012

A Comissão, essa aí, não se deu nem se dá ao respeito. Primeiro, julgar o que se lê por aí, foi o apedeuta que deu o pontapé inicial (ele costuma morder). Depois, quando se recusam a convocar Cavendish e o babalorixá do Rio de Janeiro, Sergio Cabral, quem, afinal, não se dá ao respeito? Os últimos três apenas se valeram de escusas!

João Fernando em 03 de julho de 2012

É o nosso Código Penal e o Código de Processo Penal. São muitos os casos em que o crime compensa, pois a pena é pequena e via de regra não resulta em prisão, devido os dispositivos legais existentes para proteger quem descumpre a lei. E parece, ao que tudo indica, que a Comissão que elaborou projeto apresentado no Senado Federal vai ampliar os casos em que o crime compensa, bem como deixar de considerar crime muitas das infrações penais hoje previstas. Os penalistas brasileiros, bem como os juízes de nosso país são muito bonzinhos. Com os bandidos. Já com os cidadãos de bem e que obedecem as leis....

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI