COPA 2014: Assessor da CBF tem piti e faz voltar clima de "Ame-o ou deixe-o" da ditadura para cima de jornalista chileno

Em coletiva de imprensa, o assessor da CBF, Rodrigo Paiva, dá as instruções a Felipão (Foto: VIPCOMM)

Em coletiva de imprensa, o assessor da CBF, Rodrigo Paiva, dá as instruções a Felipão. Esta é uma foto de arquivo (Foto: VIPCOMM)

Uma pergunta absolutamente normal e corriqueira de um jornalista do Chile dirigida hoje ao técnico Felipão e ao capitão da Seleção Brasileira, Thiago Silva, durante entrevista coletiva em Belo Horizonte provocou uma reação intempestiva e absurda do assessor de imprensa da CBF, Rodrigo Paiva.

O jornalista queria saber a reação de Felipão e Thiago à preocupação existente no Chile quanto à possibilidade de não haver uma arbitragem isenta na partida que o Brasil disputará amanhã, no Mineirão, contra a seleção chilena, pelas oitavas de final.

Paiva, encastelado na CBF há 21 anos, amigão de Ricardo Teixeira — o mesmo Teixeira escorraçado da CBF sob uma nuvem de denúncias após 23 anos de mando e desmandos, hoje em exílio milionário na Flórida — que o sucessor, José Maria Marín, manteve no cargo, censurou a resposta e investiu contra o jornalista chileno:

– Esse tema é primitivo e imaturo — atacou ele. — Soa até ridículo. Não é apenas um desrespeito com a Fifa, é um desrespeito com a história da seleção brasileira e com o povo brasileiro. O Brasil não precisa de árbitro para ganhar título e nós não vamos mais falar sobre isso –, avisou, enquanto Felipão e Thiago permaneciam calados e imóveis.

Desrespeito “ao povo brasileiro” como, cara-pálida?

Quando, como e por que esse camarada acha que pode se arvorar em alguém que fala “pelo povo brasileiro”?

Por acaso estamos na época infeliz e negra do “Ame-o ou deixe-o”?

Paiva praticamente mandou o jornalista chileno calar a boca, quando deveria ficar quietinho em seu canto e deixar que Felipão e Thiago Silva respondessem — até porque perguntar é obrigação de jornalista e, como se sabe, não ofende

Além de que o repórter chileno fez uma pergunta absolutamente pertinente, devido ao peso da camisa verde-amarela ao qual se soma o fato de o Brasil ser o anfitrião da Copa. Tão pertinente que basta lembrar o pênalti inexistente em Fred contra a Croácia, origem do segundo gol da Seleção na Copa.

Nilton Santos dá um carrinho para tirar a bola de Puskas: o grande lateral, nesta partida da Copa de 1962, cometeria um pênalti clamoroso que o juiz marcou como falta fora da área (Foto: AP)

Nilton Santos dá um carrinho para tirar a bola de Puskas, o gigante húngaro naturalizado espanhol: o grande lateral, nesta partida da Copa de 1962, cometeria um pênalti clamoroso que o juiz marcou como falta fora da área (Foto: AP)

A pergunta era mais pertinente ainda sendo o jornalista do Chile, país onde o Brasil conquistou a Copa de 1962, sendo bicampeão deixando atrás de si, porém, um rastro de irregularidades. No terceiro e decisivo jogo da fase de grupos, por exemplo, em que a Seleção precisaria pelo menos empatar com a Espanha mas, já no segundo tempo, perdia por 1 a 0, houve um pênalti escandaloso de Nilton Santos no ponta Collar que o juiz assinalou como falta fora da área.

Na sequência da jogada, a falta que não foi falta, batida pelo grande Puskas, resultou em gol de Peiró, que o árbitro anulou até hoje não se sabe por quê. Um 2 a 0 para a Espanha já passada a metade do segundo tempo seria um problemaço, meio caminho andado para a eliminação do time do técnico Aymoré Moreia. (A Seleção jogou sem Pelé, contundido no 0 a 0 anterior contra o Tchecoslováquia.)

Na semifinal contra o próprio Chile, vencida pelo Brasil por 4 a 2, Garrincha — o principal craque do time com a ausência de Pelé — foi expulso por falta violenta e, obviamente, não deveria jogar a final, que seria contra a mesma Tchecoslováquia. Ao Tribunal Disciplinar da FIFA, o juiz peruano Arturo Yamasaki informou que mandara Garrincha para o chuveiro por informação do bandeirinha uruguaio Esteban Marino, já que não vira direito o lance.

A FIFA tentou ouvir Marino, mas ele havia sumido do Chile. Até hoje não se sabe direito o que ocorreu, embora haja grandes suspeitas — inclusive porque Marino fez proveitosa carreira como árbitro, posteriormente, no Brasil.

Então, onde é que está o desrespeito?

Seria desrespeito “ao povo argentino” falar do gol de mão de Maradona contra os ingleses na Copa de 1986?

Desrespeito ao povo brasileiro não é fazer perguntas, tarefa e obrigação de jornalistas.

Desrespeito ao povo brasileiro são as práticas, hábitos e forma de agir, em nome do Brasil, que a CBF faz, impunemente, há décadas. Desrespeito é ter tido João Havelange e Ricardo Teixeira como presidentes. Desrespeito é ter no comando, desde 2012, um político aposentado de terceira, como Marin, o surrupiador de medalhas alheias, cria do malufismo e ex-governador biônico de São Paulo durante alguns meses por imposição da ditadura militar.

Deixe uma resposta para jair sergio de moraes Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × um =

Nenhum comentário

  • Roberto

    Na verdade está ficando vergonhoso torcer para o Brasil, dentro e fora de campo, não pela seleção de craques honrados, mas pela maneira torpe dos dirigentes em todas as áreas, que só sabem fazer gol contra e receber o premio.

  • Jose Almeida

    Taí um bom gancho O Rodrigo Paiva esta na CBF a 21 anos. Entrou quando lá chegou o Ricardo Teixeira e não saiu. Marin o manteve. Parece que o moço manda até no Felipão. Uma pequena matéria sobre o assunto.

    “Matéria de Luiz Carlos Azenha, exibida originalmente na Record, mostra os imóveis adquiridos pelo ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira, no paraíso fiscal de Andorra.

    Mapeia, também, o caminho utilizado para desviar dinheiro da entidade, passando pelos EUA, com ajuda de Sandro Rosell, até chegar a uma “misteriosa” conta corrente no pequeno país europeu.

    Protegida por sigilo, nunca se soube ao certo o nome do correntista.

    Fontes próximas aos envolvidos garantem, sem medo de errar, que o beneficiário, mas não o dono, de fato, dos recursos, seria o diretor de comunicação da CBF, Rodrigo Paiva.

    Situação que justificaria sua permanência no cargo, mesmo com tantas suspeitas e clara participação, por ação e omissão, nos “problemas” da entidade.” Do Azenha.

  • Paulão

    Prezado Setti,
    O tom e o conteúdo da “respsota” desse assessor confirma que a suspeita dos chilenos é TOTALMENTE PROCEDENTE. A resposta mais sensata e honesta seria dizer que isso não existe em Copa do Mundo, blá-blá-blá, etc.
    Assim, na bola ou, se necessário, no apito, já está garantida a vitória da seleção canalhinha amanhã, contra o Chile.
    Se o jogo estiver difícil pro “nosso” lado, o felipão vai dar a ordem para os atacantes se jogarem de qualquer jeito dentro da área, que o juizão vai marcar pênalti.

  • jair sergio de moraes

    Discordo de você, não é porque a CBF é o que é que estão errados neste caso, os chilenos estão querendo fazer um pressaõ em cima da arbitragem, acho que o Felipãp já havia respondido ao técnico holandês de forma correta, o Brasil ganhou cinco copas do mundo, revelou os maiores jogadores de todos os tempos, ficar colocando dúvidas sobre a atuação da arbitragem antecipadamente é querer antecipar a pressão, e outra coisa não é porque é jornalista que é bonzinho não, a imprensa tem que ser sempre livre, mas não é composta de santinhos, tem os bons e também existem os picaretas, espertalhões, corruptos, os que puxam a sardinha pro lado do seu time ou país, é bom ir devagar, a imprensa também não está acima de tudo.

    Você leu mesmo o post todo?
    Abraço

  • Plahço

    discordo de vc. Concordo com o Jair Sérgio Moraes. O jornalista chileno quis botar gasolina na fogueira.

  • Plahço

    só os chatos insistem nessa história de Copa do mundo comprada, entregue, apoiada pelos árbitros. Ou isso, ou voce nunca jogou bola na vida… e aí eu entendo sua falta de compreensão do assunto…

    Quem é que escreveu sobre Copa do Mundo comprada? Eu citei fatos concretos ocorridos e critiquei esse camarada que quer falar em nome “do povo brasileiro”.

  • Paulão

    Com licença, Setti.
    Ao prezado comentarista “jair sergio de moraes
    – 27/06/2014 às 17:45”.
    ……………
    Acho que você tem toda a razão, companheiro. Vamos nos unir para elaborar e divulgar amplamente uma lista-negra de jornalistas esportivos reacionários, direitistas, impatriotas, conspiradores contra a FIFA e contra a CBF. Esses sacanas vão ver o que é bom prá tosse. Ah, vão…
    ******************
    É um chiste, viu?

  • Paulão

    Prezado Setti,
    O que mais se tem ouvido nos últimos dias, especialmente depois de bombardeio de críticas ao luisito-Hannibal-suárez, é que os críticos nunca vestiram uma camiseta, nunca entraram num gramado, nunca calçaram uma chuteira (não vale kichute) e, portanto, não sabem o que estão falando.
    Isso é conversa mole de petralha.
    Para eles, só critica o bolsa-voto-família quem nunca passou fome na vida. E só pode criticar novela chata da tevê quem já foi ator ou diretor de novela. Só pode criticar decisões judiciais favoráveis à quadrilha petralha que for advogado, promotor ou juiz, etc, etc.
    Paspalhos Trapaceiros!

  • geodematos

    Nunca fui com a cara deste tal “Aspone” da CBF, mas contra fatos não há argumentos: o fato é que a imprensa chilena está sim pressionando a arbitragem para este jogo eliminatório. Desta forma, difícilmente o juiz vai marcar uma penalidade máxima a favor do Brasil, mesmo que um chileno quebre a perna de um brasileiro dentro da área ou corte um cruzamento com a mão.
    Os sul americanos, de um modo geral, são catimbeiros, especialmente os chilenos, que apelam para os golpes mais baixos para “melar” um jogo. Quem não se lembra da farsa do goleiros Rojas com o tal foguete que o teria atingido? ficou mais do que provado que ele mesmo provocou o ferimento em seu rosto para anular a partida que estavam perdendo. Sem contar que apelam para a violência pura e simples quando estão perdendo.
    Quem viver, verá.

  • Siará Grande

    Ué, se o Lula e os PT sempre falam em nome do povo brasileiro, quem não concorda com eles não passa de um traidor da pátria, por que o Ricardo Teixeira não pode se arvorar em porta-voz deste país? E outra coisa, Ricardo, o que têm a ver os milicos com a CBF? Não entendi.

  • Laerte Concante

    Vamos ser sinceros, se Felipão respondesse a esta pergunta seria ainda bem mais ofensivo que a própria pergunta. Quanto ao pênalti em Fred a frase “joga sem pegar” já diz tudo, a inexistência do pênalti é perfeitamente discutível, portanto, houve a mão do jogador adversário e a queda de Fred, se Fred se jogou logrando êxito, foi por pura inexperienciaria do adversário. O pênalti se não houve houve de fato, houve de direito. Diria a mesma coisa se o pênalti fosse contra o Brasil. Quanto “ao desrespeito ao falar do gol de mão de Maradora”, vamos ser sinceros novamente, o gol foi validado, pois não se tinha como ter invalidado na época, mas um povo se orgulhar de ter conseguido um tento desta forma é mais do que ultrajante e em vez do “fair play” mostra, quem aprova este tipo de jogada demonstra ser adepto do “foul play” ou malandragem no Brasil. Foi uma vergonha para a equipe argentina o “la mano de dios”. Com toda certeza merecem ter um Papa, quem sabe assim respeitam mais o que falam de quem falam. Quanto ao que acham da CBF ou os políticos no Brasil, não faz exatamente parte do contexto em si. Afirmar que por ser a Copa no Brasil, a equipe brasileira será beneficiada pela arbitragem, quase toda ela estrangeira, muitos de países que nem participam da Copa e toda ela pertencente a FIFA, não foi apenas uma pergunta ofensiva, mas também estúpida, a não ser que houvessem claríssimas evidências, e principalmente, provas. A resposta mais sensata seria mandá-lo perguntar isso ao Presidente da FIFA, a comissão técnica do Brasil? Convenhamos.

  • Ramos

    Excelente, simplesmente excelente…

  • Sol

    Sou chilena e moro há mais de 40 anos aqui e achei a pergunta bem bocó ou cafona (como diz o Luiz F. Pondé). Achei a resposta na medida, já que sempre se usa esse argumento primitivo.
    Vamos lá, quem ficou 2 anos sem competir por acobertar o fingimento do goleiro no Maraca? O Chile. Então, com que direito vem duvidar do juiz, da competição e do país anfitrião? Nenhum!
    Achei a resposta corretíssima!

  • Roberto Souza

    Caro Setti,

    penso que o tal assessor de imprensa é mais um que se deixou contagiar pelo clima de endeusamento de tudo e todos da seleção brasileira, só isso.
    São milhares de horas de transmissões de rádio e TV, milhares de páginas de jornais e revistas e um espaço inacreditável na internet, quase todas a endeusar os candidatos a heróis nacionais.
    Acho até natural que algumas das pessoas envolvidas se deixem levar por essa onda e se considerem acima do bem e do mal, a ponto de decidir se alguma pergunta pode ou não ser feita àqueles, agora elevados a condição de mitos intocáveis.
    Abraço!

  • Anonimo

    em 1962: não foi falta, nem pênalti!
    FOI FALTA DO JOGADOR ESPANHOL, NO NILTON SANTOS!
    Ele pula em cima do lateral brasileiro, cavando a falta
    .
    A suposta “esperteza” de Nílton Santos:
    ele dá 1 ou 2 passos dentro da área
    e fica EM CIMA DA LINHA DA GRANDE ÁREA!
    Quer dizer: DENTRO DA ÁREA! Se fosse para ser pênalti, o Nilton Santos tinha se denunciado ao ficar EM CIMA DA LINHA (como ele tinha consciência que não tinha feito falta nenhuma, foi uma “cavada” sem-vergonha do ponta espanhol, Nilton Santos ficou “na dele”
    .
    A cobrança da falta pelo Puskas!
    Uma cera e uma catimba danada!
    O juiz apitou, o Puskas foi andando em câmara lenta prá bola…e não cobrou! Parou e começou a “dar marcha-ré” para se preparar prá cobrar de novo! O juiz, apita de novo, pro catimbeiro fazer a cobrança!
    Finalmente, o “perna-de-pau” húngaro (hehehe) faz a tal da cobrança e numa disputa de bola na área, o juiz apita e os brasileiros param no lance e o espanhol, em seguida, dá uma bicicleta desmarcado, para o gol, com o lance já paralisado…o juiz tinha marcado falta de um espanhol na disputa de bola na área…O JUIZ,NA VERDADE, JÁ TAVA DE “SACO CHEIO” DO LANCE CATIMBADO PELOS ESPANHÓIS”tentativa de cai-cai pro juiz marcar pênalti, falta inexistente, catimba do Puskas prá bater a falta, empurrão espanhol na área)
    .
    E O PIOR! OS PRÓPRIOS BRASILEIROS DIFUNDINDO A LENDA, O BOATO (SEM VEREM O VÍDEO, NO YOUTUBE)DE QUE O NILTON SANTOS ENGANOU ALGUÉM (como, se ele ficou em cima da linha, no final de sua “esperteza”? Como, se ele estava tão calmo, justamente por saber que não fez falta nenhuma em ninguém! Foi o espanhol que pulou prá cima dele, “cavando” o maior cai-cai, 50 anos antes do Neymar!
    .
    Brasilero,
    brasilero.
    deixa de fazer gol-contra a sua glória
    não foi pênalti, não foi falta,
    nem aqui nem lá na China
    brasilero,
    brasileiro,
    assista mais ao youtube e pare de fazer gol-contra
    a sua glória passada

  • Henrique

    Esse pessoal aí da CBF está tão acostumado com essa moita , que já quase se considera um tipo de 4º poder . É incrível como a CBF age como uma espécie de republiqueta dentro do Brasil. E são intocáveis. Esse Rodrigo Paiva, por exemplo, está há uns 15, 20 anos (não estou certo) nessa mamadeira gigante . E não há o que o tire de lá. Se tem uma instituição no Brasil que precisa se renovar é a CBF

    Acho que você não leu o post direito, meu caro Henrique. Lá está a informação de que esse senhor é funcionário da CBF desde 1991.
    Abração

  • FILÓSOFO

    Concordo plenamente com o jornalista Setti nesta questão, apesar de não ter o conhecimento futebolístico do mesmo. A CBF não passa de uma máfia fundada pelo Havelange, ***** pelo ***** Ricardo Teixeira e agora comandada pelo ex-governador biônico ( da ditadura ) Marin das “Medalhas”. Não entendo como um governo progressista do PT convive com estes fantasmas do passado – nesta nefasta política do “Panis et Circensis”. A presidenta Dilma deveria intervir e rever os estatutos desta CBF, tornando-a uma autarquia sob tutela e fiscalização do Estado, que deveria ser promotor dos grandes eventos esportivos.

    ABRAÇOS CORDIAIS ( prometendo não mais importuná-los nesta COPA com meus parcos arrazoados ).

    Caro Filósofo, os asteriscos foram necessários para evitar processos na Justiça. Embora eu concorde com as palavras que você usou e que eu eliminei.
    Abraço

  • FILÓSOFO

    Prezado jornalista Setti :

    Grato pela publicação e desculpe-me pela imposição dos “asteriscos”.
    Desejo uma BOA NOITE – enviando congratulações pela excelente cobertura da COPA.

    Não há o que agradecer. Quem agradece seu gentil comentário sou eu.
    Abraço

  • Marcos

    Boa, Setti! Matou a pau.

  • Ezequiel-SP

    Há quem diga que essa será a “COmPrA das COmPrAs” – E só não vê que o Brasil foi ajudado no primeiro jogo quem não quer…

  • pierre

    Se esse Assessor fez a coisa certa, não temos certeza!
    Mas, temos certeza que não seria da alçada do Filipão ou do Tiago Silva responder essa pergunta,digamos,infeliz,para não dizer estúpida, do jornalista chileno!
    Baseado em quê ,a formulou?
    E o que tem a ver o Técnico e o Jogador com isso?
    O jornalista chileno foi capcioso! Quis envolver os dois em polêmica para fabricar notícias e tumultuar o pré-jogo!

  • Ronald

    E quem é Rodrigo Paiva para falar em nome do povo Brasileiro? Ninguém! O lacaio da CBF perdeu uma ótima oportunidade de ficar calado.

  • Oliveira

    Já passou da hora desse playboyzinho sair dai!

  • Itamar Leandro

    Assessor incompetente com emprego vitalicio garantido por cartola corrupito

  • sergio e.

    Excelente artigo , parabéns ..
    Não dá mais para aguentar personagens que usam de demagogia , populismo ou patriotada , para defender apenas seus interesses .
    Essa seleção apenas representa seus interesses e de seus patrocinadores , usam da boa fé e esperança de milhões de brasileiros para fazer mais dinheiro .Definitivamente o sr Paiva , não deveria invocar o nome do povo brasileiro em vão .

  • Lino Porto

    Ricardo, se você olhar com atenção no Youtube o lance do Nilton Santos em 62, verá que o espanhol se atirou. Não foi pênalti. Nilton, malandro, para não cair no truque, deu um passo a frente e “enganou” o juiz, que de fato marcou a falta inexistente, mas fora da área. O gol anulado na sequência foi por impedimento (a jogada já estava parada quando o espanhol dá a bicicleta; repare que Gilmar nem vai na bola). Já na semifinal contra o Chile, Garrincha foi expulso no fim do jogo (já estava 4 a 2) por ter dado um pontapé no traseiro (bem ao estilo Chaplin) de um lateral chileno que lhe bateu o jogo todo.

    Pois é, Lino, se o espanhol se atirou não está em questão. Está em questão o fato de que o juiz apontou o lance como faltoso — e ele ocorreu dentro da área. Quanto ao gol anulado, há polêmica até hoje.
    Abraço

  • Sol

    Oh, Setti! E você ainda cai numa dessa! Olha o que a pressão no juiz faz! FOI NO PEITO!!!! NÃO FOI MÃO!!!!!!!!!!

  • Abreu

    Oh Setti, bem se vê que você não é do ramo; não é boleiro! Toda a imprensa mundial faz pressão para que os árbitros não “errem” a favor do Brasil, mas apenas contra o Brasil. Ademais, o gol do Hulk foi legalíssimo, uma “matada” de bola no ar, dificílima…! Vai tentar fazer, vai…

    É, eu não sou do ramo. Eu vivo no planeta Plutão, você não sabia?
    Só você entende de futebol, não é mesmo?
    Então, estamos entendidos.
    “Abreu” como próximo técnico da Seleção.

  • maroog

    Âpenas um playboy mimado carioca. Como tantos que vemos por aí. Um exxxxxxperto que conseguiu uma sombra para se deitar.

  • Rafael

    Esse tipo de pressão sempre foi feito! Agora!O Rodrigo Paiva foi no máximo deselegante!Esse tipo de coisa qualquer jornalista que trabalha com o futebol mata no peito!Não gosto do Rodrigo Paiva, mas o que ele fez faz parte do jogo!Não é a primeira vez que isso acontece nem a ultima!Agora!Tu justifica a pergunta do cara puxando a copa de 62? Bom então a Argentina NUNCA mais vai poder jogar uma partida sequer em uma Copa do Mundo devido a la mano del Dios e o famigerado jogo contra o Peru!

  • Silvio

    Isso é o retrato do ambiente em que vive a seleção. A dosagem de patriotismo entre jogadores, comissão técnica e demais componentes do grupo, ultrapassou os limites do bom senso. As choradeiras provam isso. Felipão deve ter parte de culpa, para unir o time usa o patriotismo como arma, passando aos jogadores um sentimento como se estivéssemos em guerra. Sua declaração de que ganhar a Copa no Brasil era uma obrigação colocou uma responsabilidade enorme sobre a jovem seleção. Até porque não há qualquer obrigatoriedade de se ganhar só pelo fato de que a Copa se dá em nosso território. O mundial é apenas mais uma competição esportiva e nada mais. O Brasil se vencedor ou não, continuará no mesmo lugar em que se encontra e com os mesmos problemas a serem resolvidos. Deveríamos discutir menos que substituirá Luis Gustavo contra a Colômbia e refletir mais em quem indicaremos para nos governar nos próximos 4 anos. Isso fará a diferença e não a Copa do Mundo.

  • Silvio

    Não há como se negar a verdade dos fatos. As câmaras provaram que a bola bateu no braço do Hulk. Tanto é que praticamente todos os jornalistas esportivos concordaram que o árbitro acertou em anular o gol. Por outro lado, na minha opinião houve um pênalti no próprio Hulk não anotado pelo juiz. Coisas normais no futebol, onde erros de arbitragem ocorrem,ora beneficiando um time ora outro. O Brasil já foi beneficiado como também foi várias vezes prejudicado, em uma delas o arbitro acabou o jogo quando o Brasil ia fazer o gol e se classificar.

  • Luiz Garcia

    Excelente matéria. Pena que a maioria dos minions vestidos de verde e amarelo também devem ter preguiça de lêr assim como o seu ex-dirigente nonedactilo.

  • Cidadão Quem

    Se não vejo méritos na intervenção pouco inteligente do “assessor” da CBF, vejo muita malandragem na atitude chilena em face da arbitragem no jogo com o Brasil. Tanto fizeram os chilenos que o juiz da partida acabou sendo “imparcial” contra o Brasil…
    Por outro lado, e histórias de Copas passadas à parte, a postura de nossos jogadores em campo é e sempre foi marcada por espírito esportivo quase incomum. Nossos jogadores não são violentos, não são dados a praticar o antijogo e, no tocante à catimba, quando muito, empatam com a seleção holandesa, ao menos no tocante a pênaltis.
    Por isso, não dou razão ao “assessor da CBF”, considerando-o inábil, mas menos razão ainda dou ao time chileno – catimbeiro de marca maior, chorões, apelões e, por vezes, até desonestos. Lembremo-nos de jogos passados de Copa América, da violência de times como o Cobreloa, do episódio em que um goleiro simulou haver sido atingido por um rojão, e por aí vai…
    O fato é que os caras foram muito bem recebidos e tratados no Brasil e acabaram confundindo gentileza com burrice ou ingenuidade.