Image
O árbitro Nawaf Shukralla, do Bahrein, que apitou a partida entre Espanha e Austrália ontem, gesticula para o atacante espanhol Fernando Torres: só está na Copa porque Blatter quer arrecadar votos (Foto: David Ramos/Getty Images)

Tudo bem que a Espanha já estava eliminada da Copa do Mundo quando entrou em campo, ontem, para enfrentar a Austrália — que acabaria vencendo por 3 a 0.

Mas, obviamente, o juiz Nawaf Shukralla, do Bahrein, já estava escalado há meses para essa partida, que envolvia a seleção campeã do mundo vigente.

Uma partida com um time campeão do mundo, apitada por um árbitro do… Bahrein???

Como é possível? Quem já ouviu falar de qualquer coisa minimamente significativa ligando esse minúsculo emirado petroleiro no Golfo Pérsico ao futebol? Algum jogador? Algum time? A seleção?

O Bahrein é um minipaís constituído de uma ilha de menos de 1.000 quilômetros quadrados (seis vezes menor que o Distrito Federal, no Brasil) e menos de 1 milhão de habitantes situado no Golfo Pérsico, vizinho do Qatar e da Arábia Saudita rico em petróleo e governador por uma monarquia absolutista — além do emir, o primeiro-ministro e todos os ministros pertencem à “família real”.

Image
Na saideira da Copa, a Espanha fez 3 a 0 na Austrália. Na foto, o atacante David Villa, que abriu a contagem com um sensacional gol de letra  (Foto: AP)

Nunca teve, não tem e jamais terá qualquer importância no universo do futebol.

O absurdo de um juiz de um país inexistente nesse universo só tem uma razão de ser: os interesses eleitoreiros do nefando cartola Joseph Blatter, o suíço de 78 anos que está há 39 anos encastelado na FIFA, é seu presidente há 16 anos e, em 2015, vai candidatar-se a mais um mandato de quatro anos — o quinto consecutivo — porque, no Congresso da entidade realizado em São Paulo há alguns dias, conseguiu derrubar uma proposta das federações europeias de limitar a 72 anos a idade máxima do ocupante do cargo.

As federações da Ásia, região em que o Bahrein está localizado, votaram maciçamente com Blatter nessa questão.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − quatro =

7 Comentários

Plahço em 25 de junho de 2014

Hmmm…e devido ao fato do país dele não ter futebol de qualidade, o impede de ser um bom árbitro? além de que esse jogo não valia nada.. acho que só vc assistiu.. O mundo parou para ver Holanda e Chile

Leonel em 25 de junho de 2014

Hmmm...e devido ao fato do país dele não ter futebol de qualidade, o impede de ser um bom árbitro?

Botanelles em 24 de junho de 2014

Eu também sou ABSOLUTAMENTE CONTRA MUTRETAS! ABSOLUTAMENTE! E é justamente por isso que o leio e estamos aqui trocando ideias. Repito o que eu disse abaixo: "desde que não sejam violados os direitos dos outros. Sempre." É esse o ponto. Caro, é só uma crítica construtiva. Não me leve a mal. Concordo com a maioria de seus textos. Desse não deu! Mas vou tentar compreendê-lo. Procure fazer o mesmo, peço-lhe. Abraços Compreendo perfeitamente.

alberto santo andre em 24 de junho de 2014

pelo visto, as inumeras denuncias de fraudes fiscais e roubalheiras,em que a interpol vem investigando a fifa, nao sao so indicios , sao realidades criminosas como vem sistematicamente denunciando o reporter da bbc,e parece ,pelas denuncias que orrupcao alem de grassar solta envolve ba cilhoes de euros,vamos ver ate onde vai a justiça suissa

Botanelles em 24 de junho de 2014

Direito de discordar, sim, é claro que tem! Dos argumentos utilizados é que discordo veementemente. Sou pela absoluta liberdade em atividades privadas, tanto dele como sua, desde que não sejam violados os direitos dos outros. Sempre. Eu, de meu lado, sou contra roubalheiras e mutretas.

Botanelles em 24 de junho de 2014

Caro Setti, Ao que me parece a FIFA é uma entidade privada, certo? Não me obriga (nem a ninguém que eu saiba) a pagar impostos a ela ou comprar seus produtos, certo? Entendo que justamente por ser privada o tem o direito de fazer tudo aquilo que a lei não proíba, aliás, princípio consagrado em direito. Logo, para ser coerente, o Sr. cartola Joseph Blatter tem todo direito de ser eleito, reeleito, e fazer sua política privada. Desculpe-me, mas não entendi sua contrariedade? Interesses eleitoreiros? Nefando? Encastelado? Não consigo ver nada disso. Para mim, compra quem quer. Entidades privadas também têm -- e se têm! -- lados escuros e escusos. Blatter é mestre nesses dois lados e eu tenho o pleno direito, como fã de futebol, de não gostar do que ele faz e de não querer que ele se reeleja, como de fato não gostaria.

Antoninho em 24 de junho de 2014

Tem razao, mas o q joga esse James Rodriguez, com certeza vai ser uma das revelacoes da Copa. Fazia tempo q nao via um grande armador com a 10.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI