Image
O uruguaio Martínez disputa bola com a estrela do jogo, o colombiano James Rodríguez (Foto: Oliver Welken/EFE)

Sem o astro Luis Suárez, o Luisito, expulso da Copa pela maluquice de morder um zagueiro italiano, a seleção do Uruguai não tinha quase nada mais além da famosa “raça” a oferecer contra uma Colômbia muito bem acertada em todas as suas linhas.

Mas foi insuficiente a raça uruguaia, tantas vezes confundida por seus jogadores com deslealdade — o chute absurdo aplicado por um zagueiro da Celeste contra o lateral colombiano Armeiro, sem bola, no segundo tempo, é bom exemplo. A vitória da Colômbia por 2 a 0 foi até de pouco. Os colombianos deram um show de futebol bonito, leal e eficiente.

O que vimos agora há pouco terminar no Maracanã senão uma disputa com um Uruguai melancólico, sem categoria, sem qualidade de passe e sem grandes jogadores? O que ocorreu na Copa de 2010, quando o time chegou na quarta posição, foi um ponto fora da curva: o Uruguai, infelizmente, só tem mesmo a tradição e a camisa para se gabar.

Seu campeonato nacional é fraco, e os times uruguaios vêm tendo atuação apagada na Libertadores da América — só venceram duas das últimas 30 competições. No quadro internacional do futebol, poucos atletas uruguaios ocupam posição de destaque, como o zagueirão Godín, campeão espanhol e vice da Champions League pelo Atlético de Madrid, e o atacante Cavani, do Paris Saint Germain.

Já o capitão do time, o ex-sampaulino Diego Lugano — hoje no banco de reservas –, acaba de deixar o inexpressivo West Bromwich inglês e está sem time. O maior jogador da Copa de 2010, Diego Forlan — em triste decadência e hoje, totalmente inoperante, substituído por Stuani –, depois de não dar certo no Inter de Porto Alegre, alojou-se no modesto Cerezo Osaka do Japão.

A Colômbia, por outro lado, deixou de lado o futebol moleque e irresponsável de tantas Copas e, sob o comando do treinador argentino José Pekelman, é um time aplicado taticamente, com um esquema de jogo ofensivo que não se descuida da defesa, com jogadores habilidosos e um time que mistura veteranos com jogadores mais jovens — tem a mais elevada média de idade de toda a Copa, com 28,6 anos, pouco superior aos 28,5 da Argentina –, entre os quais se destaca o ótimo James Rodríguez, 22 anos, do Monaco, autor dos dois belos gols do time.

Será um osso duro de roer para os comandados de Felipão.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − seis =

5 Comentários

Paulão em 29 de junho de 2014

Prezado Setti, Com esse time de ex-jogadores, a seleção uruguaia poderia ter melhor desempenho se trouxesse ao Maracanã o eterno Gighia.

wilson em 29 de junho de 2014

Uruguay era só onze camisas sem futebol e sem raça, Inglaterra e Itália duas galinhas mortas.

Paulo Marcos em 28 de junho de 2014

Eu sabia que a missão seria difícil e a vitória só poderia vir na base de muita superação, pois a seleção colombiana é bem melhor (inclusive que a brasileira), mas como no futebol nem sempre o melhor vence e tinha do outro lado a famosa garra uruguaia, que achei que seria o maior combustível da equipe (ainda mais depois da covardia que a FIFA fez com o Suárez), então esperava uma partida brigada até o final...Quebrei a cara, o Uruguai protagonizou o seu próprio maracanazo, jogando muito mal, de forma extremamente burocrática, sem garra nenhuma, contra uma Colômbia muito veloz e de um ótimo toque de bola, que se deu ao luxo de tirar o pé, tranquilamente, já na metade do segundo tempo. Agora Setti, não entendo esta sua perseverança e empenho em denegrir a imagem da seleção uruguaia, eles são os atuais campeões da Copa América e fizeram uma excelente campanha na copa de 2010, enaltecendo e representando muito bem as tradições do futebol sul americano, inclusive com um dos artilheiros e craque da copa. Outra coisa, corrige o seu artigo porque o Uruguai chegou na quarta posição na copa de 2010 e não na terceira como você informou. Um Abraço. Obrigado pela correção, que farei em seguida. Eu não insisto em denegrir nada nem ninguém, apenas expressei minha opinião. O Uruguai não tem mais futebol que seja relevante para o mundo. Só isso. Abraço

CassiaM em 28 de junho de 2014

COLOMBIA! COLOMBIA! COLOMBIA!

Tatibitate em 28 de junho de 2014

A Colômbia é o Brasil que eu queria ver em campo!

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI