Esta era a modestíssima credencial de imprensa para cobrir a Seleção brasileira para VEJA na Copa da Espanha, em 1982. Mas nenhum dos 400 jornalistas que faziam o trabalho a usavam, porque todo mundo levava dependurado o crachá do Comitê Organizador/FIFA.

A modéstia dessa credencial preenchida à mão contrastava com o grande profissionalismo daquela delegação da CBF, à frente o então presidente, o empresário Giulio Coutinho.

Por exemplo, cada um dos 22 jogadores dispunha de grandes quantidades de fotos com o uniforme da Seleção, já impressas com os respectivos autógrafos, para distribuição aos fãs e criação de uma boa imagem da delegação. O mesmo se dava com as camisetas — das de treinamento, muito bonitas, foram distribuídas milhares.

Tudo naquela Seleção funcionava muito bem fora de campo — e dentro também, até aquela absurda derrota para a Itália. (Credencial recebida a 31 de maio de 1982).

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × um =

TWITTER DO SETTI