Image
O time do Corinthians campeão do mundo em 2012: agora com reforços como Alexandre Pato, o alvinegro busca o difícil bicampeonato na Libertadores  (Foto: Reuters)

É hoje. Finalmente ostentando o título de campeão da Libertadores da América e com um elenco encarecido pela chegada de jogadores como Alexandre Pato, o Corinthians volta a disputar o torneio sul-americano – será sua décima-primeira participação desde a primeira, em 1977 –, carregando as perigosas etiquetas de “um dos grandes favoritos”  e “o time a ser batido”.

Pudera. Afinal, o alvinegro de Parque São Jorge viveu um 2012 de glórias, que acabou com a conquista do bicampeonato mundial da FIFA, desta vez  no Japão.

Outro desafio

Além das óbvias responsabilidades de um atual campeão, o time que sobe  logo mais aos desumanos 3.700 metros de altitude de Oruro, na Bolívia, para enfrentar o pouco expressivo San José — quando é que os clubes brasileiros vão se insurgir contra essa manobra baixa e antiesportiva de disputar partidas nessas condições? –, se depara com outro desafio: o de repetir a dose consecutivamente, ou seja, ser um legítimo “bicampeão” de um dos torneios mais difíceis do mundo futebolístico.

Trata-se de um hall seleto do qual poucos clubes fazem parte. Entre as 53 edições da Libertadores jogadas desde sua criação, em 1960, 23 equipes sagraram-se campeãs. Destas, somente doze venceram a competição mais de uma vez, incluindo os representantes brasileiros São Paulo e Santos, ambos tricampeões, e mais Grêmio, Cruzeiro e Internacional, cada qual com dois canecos.

No entanto, apenas o Tricolor e o Peixe, rivais ancestrais do Coringão, realizaram a proeza do “repeteco” com só um ano de diferença, ou seja, foram efetivamente bicampeões da competição: os santistas na Era Pelé, em 1962 e 1963, e os são-paulinos na Era Raí, em 1992 e1993.

Bichos-papões uruguaios e argentinos

A dupla faz companhia aos bicho-papões que reinaram nas duas primeiras décadas do torneio, quando ainda era pouco valorizado por brasileiros: o uruguaio Peñarol (1961-1962) e os argentinos Independiente (1964-1965) e Boca Juniors (duas vezes, 1977-1978 e 2000-2001), bicampeões, e os que foram além, os também hermanos Estudiantes (1968-1970, tricampeão) e, novamente, Independiente (1971-1975, único tetracampeão).

Será que vai dar para o Timão? Hoje a partir das 22 horas (de Brasília) começaremos a saber. A partida será transmitida pela Globo e pelo canal pago Fox Sports.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − 12 =

9 Comentários

carlos nascimento em 21 de fevereiro de 2013

Ricardo, As tragédias em estádios de futebol se repetem, envolvendo quem .....as torcidas organizadas. Quem patrocina essas excrecências ? Quem é conivente com essas turbas ? Quem usa e manipula esses neurônios distorcidos ? pensem/adivinhem....PENSARAM, sim, eles mesmos, os nossos dirigentes esportivos, os presidentes e diretores dos Clubes e Federações, bancam tudo isso, subsidiam de alguma forma, com ingressos, com passagens, com verbas, etc.. É uma troca de custo x benefício, para se manterem no comando do poder, fazem genuflexão, não cobram posturas e códigos de condutas, simplesmente só querem o balançar de cabeças afirmativas, servindo de massa de manobra para fins políticos e eleitoreiros, o resultado são essas tragédias, que se repetem. A Justiça também tem de punir os coniventes, os incitadores, os co-responsáveis por esses atos insanos. O episódio foi causado por um torcedor corintiano, como poderia ser de outros Clubes, a praga dessa cultura envergonha o nosso País. Será que aí na Europa essa cultura ainda existe ? O episódio foi um horror, uma coisa pavorosa mesmo, Carlos. Na Europa, a cultura é subjacente, especialmente entre torcedores de certos países, como o Reino Unido e, para meu pasmo, a Holanda. Mas as medidas drásticas adotadas pela UEFA e pelos clubes, sem contar, naturalmente, as enérgicas medidas preventivas e punitivas adotadas pelos governos, como o britânico, fizeram a ameaça desses vândalos e bárbaros diminuir muito. As providências incluem repressão a agressões verbais, como insultos racistas, infelizmente muito constantes. Pelo que sei, a coisa em geral está sob controle. Abração

Umberto Jr. em 21 de fevereiro de 2013

Amigo Ricardo, Saudades, de toda a família Boihagian. Sei que o assunto aqui não é exatamente este, mas vou comentar o que se seguiu, infelizmente, a ele. E também lamentavelmente não tem relação alguma a prática esportiva. Gostaria de falar um pouco sobre a imbecilidade chamada - FOGOS DE ARTIFÍCIO. Está mais que provado que não dá certo. Não funciona. O benefício (seja estético, audio visual, funcional, estimulante) é muito pouco e diria nenhum, perto de tudo que estamos vivenciando ultimamente. Eu particularmente tenho um amigo que perdeu a mão em uma brincadeira destas. Chega, não dá mais, é impossível convivermos com (mais) esta chaga. Desculpas a aqueles que os comercializam, mas não podemos mais tratar de algo que não nos faz (nenhum) bem. Certa vez passei a festa de ano novo no Rio de Janeiro e confesso que nunca tive tanto medo na vida. A cada "rojão" que alguém atirava 2 falhavam e nos surpreendiam na areia. Testemunhei pelo menos umas 15 pessoas feridas pela "brincadeira". Chega... Não é possível. Algo deve ser feito a respeito. Abraços de seus amigos, Umberto e os Boihagians Caro Beto, saudades também de vocês todos! O número de tragédias que os fogos de artifícios provocaram ao longo dos anos é terrível (converse com qualquer médico de pronto-socorro). E esse caso da pessoa que teve morte horrível na Bolívia por causa de um torcedor criminoso me deixou revoltado. Concordo, é claro, com você. E defendo algo que, sei, jamais vai ocorrer (e se ocorrer será mal fiscalizado): a proibição total de fogos de artifícios, a não ser em solenidades e eventos (tipo réveillon) em que eles são manipulados por profissionais. Um abração pra você, seus pais e irmãos.

Hippie Kicker em 21 de fevereiro de 2013

Setti... De novo o Timão perdendo a chance de acabar logo com o jogo e dando sopa pro azar... assim vai ser difícil! Ô Luiz Carlos 20/02/2013 às 18:12, vai pra Caixa você também - a funerária!

Luiz em 21 de fevereiro de 2013

Infelizmente teve uma morte por causa, mais uma vez, de uma torcida organizada. http://esportes.terra.com.br/futebol/libertadores/garoto-morto-por-rojao-de-torcida-do-corinthians-perdeu-massa-encefalica,a6dff956b0bfc310VgnVCM4000009bcceb0aRCRD.html Torcidas organizadas devem ser contra a lei, em todos os times do Brasil.

Matheus em 20 de fevereiro de 2013

Don Setti; Outra coisa, espero q a chuva q caiu hj, em Poa, não vá para ir. Rapaz ,da zona Sul até a zona norte, levei 6hrs, tudo alagado, pensei q o Arroio dilúvio, ia me levar para o Guaíba, foi feio o estrago.E o pior q tu não sabe para onde ir. Na próxima vez entro num shopping e vou para o cinema. Abs.

Matheus em 20 de fevereiro de 2013

Don Setti; Jogador "perna de marido", aqui no Sul, se refere a jogador q não gosta de treino físico. Abs.

Matheus em 20 de fevereiro de 2013

Don Setti; Na minha opinião tb é o favorito, ontem assisti um belo programa esportivo, acho q um dos melhores q assisti,nos últimos tempos. Chama-se cartão verde, gostei muito das opiniões do ex centroavante Luisão.Como jogador sempre o achei "perna de marido". Mas como comentarista é do ramo. Ainda estava o Riva, junto. Muito bom papo sobre futebol. Ou melhor fazia tempo q não assistia argumentos tão noblesse sobre o tema. Fica a dica, para ti dar uma conferida, ou o Daniel. Ao nosso Carlito sinto em informar q o coringão, na minha modesta opinião, me parece melhor do q o tricolor, apesar do tricolor já está malhado e forjado nesse tipo de competição. Abraços. Ps- Por problema de saúde na família, estou participando pouco. Mas sempre q posso.

carlos nascimento em 20 de fevereiro de 2013

Ricardo, Respeito sua paixão, mas vc como líder de sua Classe, tem que ter olhares diferenciados, principalmente, com a experiência diária que vivencia em Barcelona, claro que as comparações são díspares,falo da filosofia de gestão, o Clube da Catalunha é o que é, por ter investido absurdos em suas escolinhas de BASE. O passado não garante o presente, muito menos o futuro, me diga, me aponte, após a saída de RIVELINO do parque São Jorge para as Laranjeiras, qual foi o grande craque que o seu Corinthians formou na BASE. Ando preocupado com o filme que assisto, estão endividando o Clube, por ora há subsídios governamentais, vc como ninguém sabe que o jogo político e igual nuvem de poeira, muda rapidamente, portanto, caro amigo, menos, menos, tem muito água para passar por debaixo dessa ponte. Anote, vamos lá na frente fazer um balanço do que expressamos hoje, o Flamengo depois que abandonou a filosofia das Escolinhas, naufragou, deu no que está ocorrendo, um TIMINHO. abração. Carlos Nascimento.

Luiz Carlos em 20 de fevereiro de 2013

O maior reforço do Corinthians é a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Como todos os times são iguais perante a Lei, peço que todos recebam o mesmo valor do Banco Público... Trata-se de patrocínio da camisa, meu caro. Operação corriqueira, correta, legal. Do ponto de vista do Corinthians, tudo perfeito. A Caixa quer fazer propaganda e procurou o time campeão do mundo, campoeão da Libertadores e o mais popular do Brasil (veja a última pesquisa Datafolha sobre torcidas). Você protestava durante os 15 anos, por aí, em que o Flamengo tinha o patrocínio da Petrobras? E os incontáveis times de vôlei que têm camisas patrocinadas pelo Banco do Brasil? E por aí vai.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI