Crescimento do país sob governo Dilma só é melhor do que o de dois presidentes: Floriano Peixoto (1891-1894) e Fernando Collor

Eduardo Gianetti: crescimento sob Dilma é um dos piores da história da República (Foto: TV Cultura)

Eduardo Gianetti: crescimento econômico sob Dilma é um dos piores da história da República (Foto: TV Cultura)

É espantosa a constatação feita pelo respeitado economista Eduardo Gianetti da Fonseca: o crescimento do Produto Interno Bruto do país durante os quatro anos do governo Dilma será o mais baixo — o pior, portanto — em quase 125 anos de história da República, excetuados os verificados em dois governos.

O primeiro é o longínquo período de Floriano Peixoto, o “Marechal de Ferro”, o segundo presidente da República, que governou entre 1891 e 1894.

Floriano Peixoto (1891-1984): o governo do "Marechal de Ferro" conseguiu fazer o país crescer menos do que no período Dilma (Foto: planalto.gov.br)

Floriano Peixoto (1891-1984): o governo do “Marechal de Ferro” conseguiu fazer o país crescer menos do que no período Dilma (Foto: planalto.gov.br)

O segundo é o catastrófico governo de Fernando Collor, aquele do plano econômico que confiscou a poupança da população e, entre 1990 e 1992, levou o país à hiperinflação.

Eduardo Gianetti, principal assessor econômico do candidato à Presidência Eduardo Campos (PSB), é um dos economistas mais respeitados do país. Formou-se em economia e em ciências sociais pela Universidade de São Paulo e doutorou-se pela Universidade de Cambridge, onde foi professor. É autor de vários livros, inclusive no exterior, e dois deles obtiveram o mais importante prêmio literário do Brasil, o Jabuti.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − três =

Nenhum comentário

  • João

    Meu Deus! que situação calamitosa que o Brasil se encontra, chegar a um ponto de comparar o pleito da “gerentona”, com o Governo de Fernando Collor; isso significa o fim dos petistas.

  • Gonçalo Osório

    O Eduardo é respeitadíssimo, além de pessoa afável, atenciosa e cordata. Só não entendo a opção política pela Marina (por onde ele chegou à chapa do PSB). Enfim, é meio quando um amigo começa a namorar alguém de quem a gente não gosta. A gente torce pra paixão passar depressa.

  • Jandira Gomes

    Depois desta análise, só nos resta gritar: Jesus, Maria e José, socorro!!!!!!!!!!!

  • Luiz Fernando Mendes de Santana

    Comparações absolutas são pouco realistas.

  • Mario Sergio

    Será que o PT e a Presidenta vão mandar mudar a história?com ou sem pedido de desculpas?

  • Ronaldo força

    O derretido Guido Mantega vai contestar peremptoriamente e apresentar números ****** como é do seu feitio.

  • norton

    PLANO DO PT PARA IMPLANTAR A DITADURA.
    ESCUTE E COMPARTILHE.
    https://www.youtube.com/watch?v=-Qu52lnMWzw

  • Roberto Souza

    Caro Setti,

    eis aí a prova de que o pessimismo dos cidadãos atrapalha os governantes.

    Nunca antes na história “destepaíz” houve tantos pessimistas a provocar tantas catástrofes.
    A epidemia de pessimismo tem provocado o crescimento pífio, inflação nas alturas e juros extratosféricos, o caos na saúde, a monumental insegurança e a caótica educação.
    De quebra, tem produzido também um número colossal de casos de corrupção ou, como diz a presidenta, “mal feitos”.
    Como demonstra o economista Eduardo Gianetti da Fonseca, parece que desde 1891, o Brasil não tinha tantos pessimistas, derrotistas e desesperançados atrapalhando os governantes.
    Ou nós nos transformamos em um país de otimistas animadíssimos ou “estepaiz” vai a falência e ninguém poderá culpar o governo.
    Um abraço!

  • adam ninel

    Floriano Peixoto tinha sérios problemas mentais , pois sempre viveu sozinho , e uma vez ao ser visitado de surpresa , foi pego sentado no chão , comendo de uma panela com os dedos.
    O Collor tem aquela arregalada de olhos frequente quando fala , mostrando que inúmeros neurônios estão sendo fritos.
    Já a Dilma . Não é caso de psiquiatria mas de veterinária.

  • Meméia

    Antes de expor todas as possibilidades do Brasil “entrar pelo cano” eu queria ter ouvido primeiro o que fazer com meu dinheiro.
    Com paciência ouvirei até o fim para saber o porque de assinar o quê…rs
    Se não volto aqui é porque já comecei arrumar minhas malas…rs
    De qualquer forma vou encaminhar esse aos que entendem do assunto…
    Esse EMPICURUS é profeta ou pai de santo?…

  • FILÓSOFO

    Até que o “post” foi encomiástico em relação à nossa PRESIDENTA na sua avaliação – colocando-a acima de dois ex-presidentes que tiveram certa relevância, apesar das históricas controvérsias, senão vejamos :

    FERNANDO COLLOR – Reabertura dos portos – similar ao ato de D. João VI em 1.808 ?! – internacionalização da economia, incentivo dos investimentos externos mediante benefícios fiscais e privatização das empresas estatais ( abrindo caminho para a ERA DAS PRIVATIZAÇÕES do governo FHC ), redução dos impostos de importação e invasão de produtos do primeiro mundo ( telefonia, computação, indústria automotiva, bens de consumo e capital, etc ) – com transferência de tecnologia. Portanto o tucanato tem uma dívida com o “caçador de Marajás”, visto que rezou na cartilha do ex-presidente – principalmente nos parâmetros de sua política econômica externa – neoliberal e anti-estatizante. Desejaria frisar que discordo completamente desta política de dilapidação do patrimônio público e subserviência ao grande capital estrangeiro.

    FLORIANO PEIXOTO – foi o vice de Deodoro da Fonseca e assumiu a presidência após a renúncia deste. Floriano recebeu o apoio de militares florianistas e de oligarquias estaduais antideodoristas.
    O presidente achou necessário governar pela força devido aos inúmeros problemas enfrentados pela nação e ganhou com isso o apelido de “Marechal de Ferro”.
    Floriano enfrentou protestos da oposição que não o aceitava como presidente. Esta queria a convocação de novas eleições. Tal atitude tinha uma explicação: caso o presidente ficasse menos de 2 anos no poder, novas eleições teriam que ser feitas, Deodoro governou por 9 meses; logo, este era um bom motivo para que Floriano convocasse eleições. Porém, não as convocou e por isso enfrentou várias revoltas que soube como combater.
    Em 1893 ainda enfrentou mais 2 revoltas:
    1)A Revolta Federalista do Rio Grande do Sul
    2)A Revolta da Armada.
    Floriano usou da violência para acabar com as duas.
    Nem todos o apoiavam, seus principais opositores eram as oligarquias cafeeiras e os banqueiros estrangeiros. Contudo, contava com o apoio de uma parte do Congresso Nacional, da classe média e da ala militar florianista.
    A nação o admirava, pois ele apoiava a classe média menos favorecida tomando medidas eficazes para diminuir o custo de vida.
    Com todo esse poder, Floriano não quis continuar na presidência. Muitos insistiram, mas ele não quis e preferiu se retirar da vida pública.
    Muitos achavam que ele daria um Golpe de Estado para prejudicar a posse de Prudente de Moraes, porém nada fez e Prudente assumiu a presidência.
    Além disso Floriano foi cognominado o “Consolidador da República” :
    No dia da Proclamação da República, encarregado da segurança do ministério do Visconde de Ouro Preto, Floriano se recusou a atacar os revoltosos e assim justificou sua insubordinação, respondendo ao Visconde de Ouro Preto:
    ” Sim, mas lá (no Paraguai) tínhamos em frente inimigos e aqui somos todos brasileiros! ”

    Em seguida, aderindo ao movimento republicano, Floriano Peixoto deu voz de prisão ao chefe de governo, Visconde de Ouro Preto.

    CONCLUINDO, portanto é uma das raras vezes neste prestigioso BLOG que a presidenta teve uma crítica favorável em relação aos seus méritos, suplantando duas personalidades : da REPÚBLICA DAS ESPADAS e da CIVIL PÓS-DITADURA MILITAR.

    “HAPPY WEEKEND” a todos os leitores do conceituado BLOG.

  • João

    Posso até cncordar que Fernando Collor fez tudo isso que esse Filósofo disse; em 02anos de governo, mas a maior obra não fora citada nesse post: É a confiscação das Poupanças da classe média-baixa de todos os Bancos brasileiros; só não confiscou as aplicações dos políticos; porquê: antes de tal proeza cada político e cidadãos protegido pela máfia do governo foram avisados; com isso; os quais abriram contas no exterior, ficando assim, livres do confisco fiscal. Agora as pessoas simples da classe média-baixa; à maioria ficou no prejuízo. Porquê o FILÓSOFO não mencionou essa atuação escusa e criminosa de Fernando Collor?

  • FILÓSOFO

    João

    03/08/2014 às 11:03

    SR. JOÃO :

    Longe estou de advogar em favor do Collor – o confisco dos depósitos bancários no seu governo visava reduzir a quantidade de moeda em circulação, além de alterações no cálculo da correção monetária e no funcionamento das aplicações financeiras, ou resumindo : tentar conter a hiperinflação. Ao contrário do que o sr. imagina, a classe média alta e grandes empresários também foram atingidos pelo bloqueio bancário da ministra Zélia Cardoso de Mello, o que poderia ter sido o estopim – ou fator desencadeante – de um futuro “impeachment” do presidente ( afinal neste país quem derruba governos – além dos golpes militares – são as classes dominantes como sempre, ao contrário dos esfuziantes “cara-pintadas” ). Ainda desejaria salientar que o confisco já foi utilizado em países do primeiro mundo- como o Japão com bloqueios de contas e congelamento de preços para reduzir o fluxo da moeda ( após a derrota na Segunda Grande Guerra ) com pleno sucesso, tornando a nação oriental uma potência econômica , inclusive atualmente adotando medidas para conter a deflação.

    Antes do sr. presumir que sou um militante petista, desejaria esclarecer que fui crítico à aliança do PT com setores conservadores – como Collor, Sarney e Maluf – pois isto fez perder a identidade do partido á troca de espúrias coligações partidárias ( talvez em nome da governabilidade ), mas não pode-se negar os significativos avanços sociais nestes 11 anos de governo.

    Quanto à menção de Collor no artigo encomiástico a nossa presidenta, simplesmente quis citar algo talvez positivo do seu breve governo ( mais positivo para os “tucanos” obviamente ) que foi “a abertura do portos às nações amigas”, tal como fez o príncipe-regente D. João VI em 1.808. Talvez o partido que tenha a maior dívida com o Collor seja o dos tucanos – visto que ele lançou os alicerces para a internacionalização da economia e das grandes privatizações do setor público.

    Concluindo, despeço-me agradecendo a deferência do jornalista Setti e desculpando-me pelos arrazoados ( evitando comentar neste período eleitoral para não criar mais celeumas ).

    Como afirmava o estóico Sêneca : “A filosofia é um bom conselho”.

    Abraços Cordiais.

  • Carlos

    Otimistas,.. então!.. só se for aqueles que usufruem das benesses e privilégios atribuídos à petralha ordinária. É fácil pregar o otimismo com os bolsos cheios, sem esforço!… Pensam que enganam quem? até os incautos começam a perceber o tamanho do abismo. Acorda Brasil enquanto é tempo.