Crises ministeriais agora estão melhorando: 8º ministro em xeque, Negromonte não diz que só sai “a bala”: “Não fico de joelhos para ninguém por causa do cargo”

mario-negromonte

Negromonte: “Eu não tenho apego e não fico de joelhos para ninguém por causa de cargo” (Foto: Renato Araujo/ABr)

Um deles, Orlando Silva, do PC do B, chegou a dizer que era “indestrutível” antes de se esborrachar no chão devido aos graves sinais de roubalheira detectados em seu Ministério, o do Esporte.

Outro ministro, Carlos Lupi, o infeliz ex-ocupante do Trabalho (PDT), desesperado para permanecer no cargo, oscilou entre sua declaração de que “amava” a presidente Dilma e a fanfarronada de que só deixaria o cargo “a bala”.

Tal qual Silva, e os quatro outros ministros detonados por suspeita de corrupção, Lupi se estatelou no solo.

Agora, o tom dos ministros sob suspeição está mudando. Mário Negromonte (PP), ministro das Cidades, cuja pasta está envolvida em uma série de suspeitas (leia aqui) deixou de lado tanto a arrogância como a humilhação e declarou:

— Eu não tenho apego e não fico de joelhos para ninguém por causa de cargo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 5 =

2 Comentários

  • André

    Convenhamos que é uma declaração muito melhor que a de seus pares. Se é sincera ou não, são outros 500…

  • Luiz Pereira

    Setti,

    O ministro diz a verdade. Não fica de joelhos. Está de cócoras.
    abs