Cristina Kirchner e seu luto de luxo, levemente eleitoreiro

Cristina-Kirchner

A recente visita a Brasília da presidente da Argentina, Cristina Kirchner, mostrou o quanto de luxo tem o luto que ela invariavelmente traja desde que lhe morreu o marido, o ex-presidente Néstor Kirchner, em outubro do ano passado. Um luto pela partida de um companheiro de 35 anos de vida em comum, mas também um luto algo eleitoreiro – a presidente apresenta essa imagem compungida como uma das formas de comover o eleitorado argentino, já que concorre em outubro próximo à reeleição.

O fato é que a presidente apareceu, na capital, ostentando um vestido preto com saia levemente rodada, ligeiramente mais rodada do que o recomendável, cinto largo de couro, seu tradicional cabelão, mais adequado para uma mulher com bem menos que seus 58 anos de idade, sapatos com tacones, os saltos talvez 2 ou 3 centímetros mais altos do que deveria, brincos vistosos, pulseiras nos dois pulsos, anéis de pedras preciosas, um colar de pérolas gigantes e a tradicional maquiagem pesada, noturna.

Um luto de luxo, e de grife.

Um espanto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − um =

35 Comentários

  • Tuco

    .

    Nunca chegará a ser uma Morticia Addams.

    .

  • Reynaldo-BH

    Será que ela parou de comer cochinillos? Segundo o que ela mesmo disse, após os cochinillos, ela e El Pinguino estavam prontos para… deixa prá lá! Até hoje acho que Nestor morreu de indigestão…

  • Wilson-SP

    Ricardo,

    Se for muita maldade, não publique. Mas a presidenta hermana não é a cara da nossa simpática e espevitada Rogéria.
    Um abraço.
    Wilson

  • mané brasileiro

    Setti
    Há um dito popular: Viuva rica,um zóio chóra,
    o outro repica.

  • Mari Labbate

    É a VIÚVA-NEGRA argentina, SETTI! Não confiemos em doces mulheres políticas, que trajam-se assim, de forma tão vampiresca e ostensiva. Essa é outra que também faz “coraçõezinhos” com os dedos, durante as campanhas eleitorais… Na cerimônia de posse, a porcelana aplicada, no rosto de Dona Dillmá, quase rachou! Agora, RACHOU…

  • Luis R N Ferreira

    Acho a figura dela mais próxima do grotesco do que propriamente do luxo.

    Então acho que a ironia por escrito do post não funcionou…

  • Bombou na Web

    Essa foto da Cristina bombou na web

  • Jefff

    Nossa esses jornalistas se fixam em cada besteira…é o exercicio diario em desqualificar quem não comunga com suas ideias. Descrevem o manequim presidencial como se fosse uma panaceia. Antes de ser presidente(a) ela é mulher. Mullher quando se veste bem é perua e quando se veste mal é mal ajambrada. Como é duro ser mulher. Pior ainda são as mulheres amargas que corroboram essa visão mediocre.

  • Rafael

    Comentário muito aquem do talendo to jornalista.

  • Fernando SP

    Ricardo, você parece mais comentarista do SPFW que outra coisa. Inveja mata!

    Faça-me uma gentileza, caro Fernando, já que parece ser seu território: quem estaria com inveja dessa perua autoritária que quer calar a boca a mídia independente da Argentina, que se utiliza dos baderneiros “piqueteiros” para assustar os adversários?

  • Luis R N Ferreira

    Pelos seus textos sei que você é uma pessoa de bom gosto e de uma fina ironia. Só fico imaginando aqueles argentinos com complexo de britânicos e o embaraço que não devem sentir pela semelhança de sua presidente com uma bailarina decadente de tango.

  • Zé da Silva

    Nunca chegará a ser uma Monica Serra, ex-quase futura primeira dama brasileira…

  • Alline

    Fora a bolsa Hermès clássica que custa mais de 3 mil reais!
    Viúva alegre…

  • Noa

    Nossa, que vergonha desse jornalismo que debocha de uma presidenta que veio nos visitar.
    É muita misoginia pra um veículo que se diz sério.
    Envergonhadíssimo!!!!!!!!

    Não posso ser misógino, Noa — se é que este é seu nome. Tenho mulher, tenho filha, tenho mãe, tenho nora — mãe de me netinho, cunhadas, sobrinhas, colegas de trabalho, amigas. Adoro as mulheres. Não estou debochando da presidente da Argentina, estou mostrando um aspecto fundamental de seu modo de ser — e a utilização visivel e notoriamente demagógica que ela faz de seu luto.
    E o veículo VEJA não tem culpa de nada do que escrevo aqui. É tudo responsabilidade minha.
    Antes de terminar, deixe-me lhe dizer que é assombrosa sua falta de senso de humor.

  • Eduardo

    Seu comentário é cafajeste e ofensivo — provavelmente revela seus próprios problemas. Assim sendo, foi suprimido tendo em vista as regras do blog.
    Se ainda não as conhece, vá ao link
    http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/tema-livre/amigos-depois-de-mais-de-8-meses-de-blog-e-40-mil-comentarios-nao-havera-mais-asteriscos-comentarios-com-linguagem-inconveniente-serao-deletados-vejam-minhas-razoes-e-as-regras-para-comentarios/

  • nilson torres

    Sr setti
    Seus textos são de uma mediocridade espantosa,
    mas esse da presidenta da Argentina chega a raia
    da imbecilidade.

    Nada, porém, Nilson, que se compare a seus comentários.

  • Eduardo

    Setti,
    Comentário cafajeste e ofensivo é o seu a respeito da Presidenta da Argentina. Se nao quer publicar, tudo bem, a coluna é sua. Concordo inteiramente, o meu comentário revela meus problemas. Um deles é
    ficar indignado diante de uma coluna, que com falso humor, revela verdadeiro preconceito.

    Você posa de indignado mas já chegou me insultando. Vá passear, não preciso de leitores como você.

  • Eduardo

    Setti,
    Agora entendi. Você escolhe seus leitores. Mas saiba que sou eu que nao preciso de sua coluna.
    Tenha certeza, nao voltarei. Vou passear. Amplexo.

  • cristina.quercetti

    A resposta que o Sr textualizou para o Sr. Fernando das 12:00hs somente comprova como está o humor dos colunistas daqui, a Sra. Kirchner é uma mulher muita bonita para os seus 58 anos, e ainda por cima chefe d euma bela nação, e eleita por um povo reconhecido como masi esclarecido que a média brasileria, portantpo merece respeito.

    Mas parece que para manter o emprego na Veja tem que fazer o estilo “pit bull”.

    Você não tem o menor senso de humor, e ainda é grosseira e sem educação. Para manter meu emprego na Veja, tudo o que tenho que fazer é escrever livremente o que penso. Aliás, meu contrato acaba de ser renovado.

  • Bugs Bunny

    Caro Bugs, o blog publica críticas, mesmo as mais duras. Mas xingamentos e ofensas, não. Assim sendo, seu comentário foi suprimido tendo em vista as regras do blog.
    Se ainda não as conhece, por favor, vá ao link
    http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/tema-livre/amigos-depois-de-mais-de-8-meses-de-blog-e-40-mil-comentarios-nao-havera-mais-asteriscos-comentarios-com-linguagem-inconveniente-serao-deletados-vejam-minhas-razoes-e-as-regras-para-comentarios/

  • fogoamigo

    Caro amigo, o blog publica críticas, mesmo as mais duras. Mas xingamentos e ofensas, não. Seu comentário, lamento dizer, era vulgar demais. Assim sendo, foi suprimido tendo em vista as regras do blog.
    Se ainda não as conhece, por favor, vá ao link
    http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/tema-livre/amigos-depois-de-mais-de-8-meses-de-blog-e-40-mil-comentarios-nao-havera-mais-asteriscos-comentarios-com-linguagem-inconveniente-serao-deletados-vejam-minhas-razoes-e-as-regras-para-comentarios/

  • alexandre

    É difícil julgar o tempo de luto de uma pessoa mas no caso da Cristina Kirchner está com um certo ar eleitoral. Não posso afirmar com certeza que ela está usando o luto como arma eleitoral mas se está, é de péssimo gosto e uma atitude repugante

  • Tocqueville

    Caro Tocquevile, seu comentário é extremamente bem humorado, engraçado, mas — reconheça — é grosseiro. Assim sendo, foi suprimido tendo em vista as regras do blog.
    Se ainda não as conhece, por favor, vá ao link
    http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/tema-livre/amigos-depois-de-mais-de-8-meses-de-blog-e-40-mil-comentarios-nao-havera-mais-asteriscos-comentarios-com-linguagem-inconveniente-serao-deletados-vejam-minhas-razoes-e-as-regras-para-comentarios/

  • Paulão

    Prezado Setti,
    E as mãos, as mãos? Estas não mentem a decadência da madame.
    Nem o excesso de botos naquele rosto tão deformado que passa quase o tempo todo semioculto pelo cabelo.
    Mas o pior traço dessa legítima representante da argentina, sem dúvida, é a política que pratica naquele país, promovendo o dissenso entre a população. Sem falar nas amizades internacionais……

  • Jotavê

    É um pouco deselegante, concordo, mas tem seu charme. Uma mistura paradoxal de força e fragilidade, de tragédia e caricatura – parece uma personagem de Almodóvar. Explora eleitoralmente a viuvez, é claro. Mas é uma exploração legítima – ela se apresenta como a continuidade de um certo estilo de governo. Os argentinos decidirão se é isso que querem. A mensagem não me parece ser, enfim “votem em mim, porque sou uma pobre viúva”. O que Cristina diz é – “votem em mim, pois sou a viúva de Néstor Kirchner, e darei continuidade ao seu trabalho”. É legítimo.

    Pena que dar continuidade ao trabalho de Kirchner seja um projeto populista e autoritário, que entre outras coisas quer calar — e vem aos poucos calando — a imprensa independente, entre outras coisas, como o uso dos piqueteiros baderneiros como tropa de choque para amedrontar adversários, não é mesmo, Jotavê?
    Abração

  • Wilsoleaks Alves

    Pô, Wilsonleaks, até agora você vinha sempre utilizando argumentos — contestáveis, mas argumentos — para comentar meus posts.
    Mas vir com essas insinuações pessoais ofensivas, tenha paciência.
    Não está à altura de seus muitos comentários anteriores.
    Você sabe que o blog publica críticas, mesmo as mais duras. Mas ofensas, não. Assim sendo, seu comentário foi suprimido tendo em vista as regras do blog.
    Se ainda não as conhece, por favor, vá ao link
    http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/tema-livre/amigos-depois-de-mais-de-8-meses-de-blog-e-40-mil-comentarios-nao-havera-mais-asteriscos-comentarios-com-linguagem-inconveniente-serao-deletados-vejam-minhas-razoes-e-as-regras-para-comentarios

  • paulo v

    Caro Paulo, o blog publica críticas, mesmo as mais duras. Mas insinuações pessoais ofensivas, não. Assim sendo, seu comentário foi suprimido tendo em vista as regras do blog.
    Se ainda não as conhece, por favor, vá ao link
    http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/tema-livre/amigos-depois-de-mais-de-8-meses-de-blog-e-40-mil-comentarios-nao-havera-mais-asteriscos-comentarios-com-linguagem-inconveniente-serao-deletados-vejam-minhas-razoes-e-as-regras-para-comentarios/

  • Jotavê

    Essa coisa da imprensa tem que ser melhor discutida, Setti. Qualquer hora faremos isso. Sou contra determinadas modalidades de controle público – basicamente, qualquer um que envolva censura prévia. Mas acho que tem que haver regulamentação, sim. Basicamente, ampliar a facilitar o direito de resposta. Quantos direitos de resposta você viu exercidos nos últimos meses? Na prática, o direito inexiste. Quando e como ele deve existir, é exatamente o tema da discussão a ser feita. Mas tem que ser ampliado. Tal como existe hoje, na minha opinião, é letra morta. O Estado não pode censurar. Mas pode (e deve) garantir a pluralidade. Nada disso significa aprovação do que se tem feito ao grupo Clarín. Mas significa reconhecer a necessidade de controles de ALGUM TIPO. E a imprensa, verdade seja dita, gostaria de não ter controle NENHUM – ou praticamente nenhum, o que dá na mesma.

    Concordo com você plenamente que precisa haver regulação — desde que o Estado fique de fora. O Estado, e aí concordo com o Vargas Llosa, é o maior inimigo potencial da liberdade. Auto-controle, como existe em vários países sérios, por um lado, e recurso à Justiça no caso de abusos, de outro, seria um começo.
    O direito de resposta é muito citado, Jotavê.
    Mas o que mais me angustiou a vida toda como jornalista é algo a meu ver ainda mais relevante do que isso: como reparar um erro, depois que ele foi cometido e nos casos em que ele comprometeu a vida e a reputação de pessoas, empresas, entidades etc junto a centenas de milhares de pessoas?

  • Barraco

    Ricardo:

    A Argentina não se cansa de repetir, sem inovar nada: Evita, Isabelita e agora D. Cristina!

  • World

    É muita misoginia mesmo. Tem cada político homen que come garotinhas e recebem aplausos. Se ela fosse brasileira o comentario do jornalista seria bem diferente!
    Dilma se arrumou todinha pra ser eleita, vejam as fotos dela do pasado. A Presidente da Argentina sempre foi muito bela, os anos passam pra todo o mundo.
    Façam críticas sob o trabalho dela, se há corrupçao ou nao, nao a julguem pela sua apariencias. Geralmente os políticos roubam, e todos ganham boa grana, podem se vestir até como mendigos e guardam o dinheiro embaixo do colchao.

  • Ana Paula Costa

    Desculpa, mas isso virou uma coluna de moda daquelas que falam mal de celebridades???
    Pensei que fosse uma coluna séria.

  • paulo v

    Liberdade de imprensa para o Setti, para os demais não. Aborto no Chile pode, no Brasil não. Estes Setti!

    Não entendi absolutamente nada de seu comentário, Paulo. Defendo a liberdade de imprensa para todo mundo. De onde você tirou esse conceito maluco?
    Liberdade de imprensa significa poder, por exemplo, criticar a presidente da Argentina, inclusive pelo modo como ela se apresenta.
    Um abraço

  • Jefff

    Caro Setti o leitor Paulo está falando do aborto que a esposa do ex-candidato a presidencia Jose Serra a Monica Serra fez no Chile. Um ex-aluna dela confirmou isso e se ofereceu para maiores esclarecimentos. Isso não teve repercursão na “grande” midia…a unica coisa que teve repercursão foi quando Monica Serra disse que “Dilma é a favor de matar criancinhas”.

    Bem, estou à vontade nesse caso, pois jamais comentei esse assunto pessoal da esposa de Serra, se é que existiu, e nunca critiquei a presidente Dilma por nada relacionado a sua postura no passado sobre o aborto, com a qual, aliás, eu concordo plenamente.

  • kk

    Muito comédia seu texto. Gloria Kalil que se cuide.
    Quano a alguns dos comentários: entendo ser misógino porque o sr. tenta desqualificar a pessoa e não a política, e o faz baseado na roupa e nos sapatos de salto.
    Depois, autorregulamentação? Que país permite isso e é sério ao mesmo tempo?
    Tinha muito tempo que não frequentava esse site. Li um outro texto que fez referencia a este.
    e valeu a indicação, dei boas risadas.

  • Carolina

    Nem eu entendo tanto de moda quanto Ricardo Setti!
    E se ela estivesse de coque, cara limpa e saia reta? Seria chamada de frígida?, na minha opiniao a forma de apresentação dela pouco importa desde que esteja decente.