GAVETA DE PRESIDENTES: de como Collor, no debate decisivo com Lula, em 1989, evitou ficar com a mão estendida no ar para o adversário, sem ser cumprimentado

(Foto: Reprodução TV)

No debate decisivo Collor x Lula, em 1989, mediado por Boris Casoy, Collor ficou sabendo antes que Lula não o cumprimentaria, deixando-o com a mão estendida no ar, e conseguiu retirar do roteiro a cena do aperto de mãos (Foto: Reprodução TV)

Conforme informei anteriormente aos amigos do blog, estou em processo de montagem de meu site pessoal, no qual estarão, organizadamente, todas os milhares de reportagens, entrevistas, artigos, notas de coluna, vídeos, fotos e áudios que consegui guardar ou recuperar de uma longa carreira jornalística.

Pois bem, no processo de alimentar o site venho constantemente me deparando com material que, embora de muito tempo atrás, apresenta algum tipo de atualidade — no mínimo, contém curiosidades históricas que merecem registro.

Vejam, por exemplo, esta nota que publiquei no longínquo 20 de dezembro de 1990, na extinta Coluna 2, mantida na época pela jornalista Sonia Racy no jornal O Estado de S. Paulo, do qual era editor-chefe:

Só ontem, um ano depois da vitória de Fernando Collor sobre Luiz Inácio Lula da Silva no segundo turno da eleição presidencial de 1989, foi esclarecido um episódio importante dos bastidores da campanha: como foi que Collor, no segundo e decisivo debate entre ambos, dia 14 de dezembro, ficou sabendo que Lula não iria cumprimentá-lo, deixando-o com a mão estendida no ar, e evitou a arapuca.

O candidato do PT estava indignado com o depoimento de sua ex-namorada Mirian Cordeiro, feito dois dias antes, e segundo o qual Lula propusera que ela abortasse a filha dos dois, Lurian, hoje com 16 anos.

Ao chegar à Rede Bandeirantes, onde se daria o debate transmitido por um pool de emissoras de TV, Lula disse a Fernando Mitre, diretor de jornalismo da rede:

— Não posso apertar a mão desse cara.

Mitre respondeu que o aperto de mãos constava do roteiro, e que nesse caso ela precisaria avisar Collor.

Lula concordou, o aviso foi feito e Collor disse:

— Então é preciso tirar o cumprimento do roteiro.

O PT, assim, descartou o que seus estrategistas consideravam um dos grandes trunfos do debate.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 + cinco =

8 Comentários

  • Skarilha4

    Bons tempos em que ainda se avisava com antecedência quanto às crocodilagens alheias. Não fosse Aécio o reconhecido gentleman que é, poderíamos esperar um simpático “como vai a senhora sua mãe?” ao cruzar com o nababo boquirroto.

  • Luiz Pereira

    Setti,
    Hj eles se abraçam. E se for preciso, Lurian convida Collor para uma boquinha em sua casa com papai Lulla.
    abs

  • Geodematos

    Ê, Molusco, quem te viu e quem te vê, heim? Antes não conseguias nem apertar a mão do “cara” e agora vocês vivem aos beijos e abraços!!!! Não sei qual dos dois é mais cínico, mas a verdade é que dá vontade de vomitar ao presenciarmos tanta falsidade e vigarice nos principais políticos de agora. Pobre Brasil ………

  • Renato

    Lula deveria ter ganhado essas eleições. Hoje estaríamos livre dele, afinal seu governo foi beneficiado pelo de FHC que deixou tudo pronto para ele. Pior: ainda falou de herança maldita que nunca houve.

  • roby

    E hoje os dois crápulas são amiguinhos de infância! Não é lindo o amor?

  • Toninho Malvadeza

    Setti,lendo o livro “Do golpe ao Planalto” se Ricardo Kotscho,onde você,Augusto Nunes,Boris e outras feras do jornalismo são citados,podemos encontrar várias peculiaridades da época.E foi o próprio Kotscho que conversou com a direção da emissora e convenceu Lula de ir ao debate.

  • Luto pelo Brasil

    Essa prática de mudar as regras ao invés de se adequar ao jogo vem se sagrando como uma estratégia petista.

  • geraldo barros

    Sr. Setti, eu não acho que estes caras tem moral para falar um do outro, na epoca os dois tinham um objetivo enganar o povão, o Molusco com a cara mais deslavada do mundo mentia adoidado, e o cassados de Marajas das Alagoas não passou de um cassador de uma Fiat Elba, que ele como presidente, não teve vergonha de se vender por uma ninharia, e a pose da peça andava de naris empinado e fez uma reforma na casa da DINDA, com a grana do contribuinte, afina foi um canalha disfarsado de presidente, e depois o Molusco pegou o Pais organizado e começou a ladainha do PT, que ele aparelhou para a roubalheira durante 12 anos, e o povo que recebe bolsa familha merece isso e muito mais porque ele o X9 fala que tirou estes infelizes da miseria, se o bolsa familha qie é uma pequena contribuçao tira quem recebe da miseria, imagine os cupinchas do Lula que metem a mão na grana grossa.