Para quem é considerada ingênua, intransigente ou sem cintura para lidar com temas políticos, até que a presidente Dilma Rousseff não se saiu mal na recente reunião com os presidentes das centrais sindicais.

Alguns dos dirigentes saíram da reunião roncando grosso, como foi o caso do deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o “Paulinho da Força”, presidente da Força Sindical, e o vice-presidente da CUT, José Lopez Feijóo.

Em diferentes tons e com distintas palavras, ambos afirmaram haver “exigido” da presidente, para vigorar até o final de seu mandato, em 2014, uma política de correção anual da tabela do Imposto de Renda pelo mesmo índice que constitui o centro da meta de inflação programada pelo governo.

(Neste ano, embora vá ser ultrapassado de longe, o centro da meta pretendida é 4,5%, admitindo-se variação de 2 pontos percentuais para baixo ou para cima).

Dilma respondeu, à la Lula, que iria estudar a proposta “com carinho”.

Deixou de dizer que era exatamente essa a proposta que se encontra em adiantado estudo dentro do governo.

Ou seja, apresentou como grande concessão algo que já pretendia fazer.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + 10 =

Nenhum comentário

Interrogações à distância em 23 de março de 2011

Acorde "fafa"! Pare de tomar os seus desejos por realidade. No mais, de evidência, à tarefa de Síssifo não está escrito na... Bíblia! Abraços.

fernando em 22 de março de 2011

PEC 300!

fafa em 22 de março de 2011

Se enganam quem acha que Dilma se afastará de Lula e de seu projeto de acabar com a miseria nesse pais. Eles tem estilos diferentes, mas objetivos iguais! Ambos sabem disso, ambos estao prearados para as tentativas de afasta-los. Lembrem do que Dilma disse apos a vitoria: ninguem me afastará do Lula.

Vera Scheidemann em 22 de março de 2011

E os sindicalistas, sempre tão toscos e agressivos, saíram da reunião todos felizes. Ha, ha, ha ! Vera

Interrogações à distância em 21 de março de 2011

Ai, que gracinha essa Dilma. Que peeele linda! (como diria a Hebe). Resta saber, até quando o Brasil vai ficar neste faz de conta (apesar de ser governado pelo super-PARTIDO DOS TRABALHADORES [sic]), um gigante deitado em berço esplêndido, eternamente cochilando!? Pois é, quanto carinho...

fafa em 21 de março de 2011

Grande presidente!!

J.B.CRUZ em 21 de março de 2011

DILMA vai se desvencilhando mesmo que devagar, desta camarilha que se apossou do PAÍS nos últimos 8 anos..Depois dessa visita de BARACK OBAMA,a política internacional novamente voltará aos trilhos do desenvolvimento para o BRASIL!!Ela, DILMA, precisa se livrar de alguns pseudos-assessôres,para aí sim< DIAS MELHORES VIRÃO!!

Jose Fernando em 21 de março de 2011

Me parece aquela estória do caipira que, com toda a sua simplicidade tentou explicar ao farmaceutico o seu sintoma: Eu tô com uma dorzinha que faz que dói, mas não dói. E o farmaceutico responde: entao vou te dar essa pomada. o senhor faz que passa mas nao passa. O caipira entendeuo gracejo e respondeu: Ta certo, então eu faço que pago, mas nao pago. E o farmaceutico: nao tem problema, o senhor faz que leva, mas nao leva. O caso da bravata desse Paulinho, me parece conversa fiada. jogo de cena. aparecer para a trcida. ele fez que ficou bravo, a presidente fez que se assustou, ele fez que exigiu alguma coisa em troca, ela fez que cedeu, e assim o Paulinho aprova o salario mínimo e sai com o arzinho de que nao cedeu sem tirar alguma vantagem para o trabalhador. Infantil, mas parece que funcionou.

Markito-Pi em 21 de março de 2011

Uma questão relevante: A segurança do Planalto revistou a pelegaiada? Era mais que necessário.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI