Amigos, chego um pouco atrasado no assunto, mas sempre é tempo de dizer o que deve ser dito: estou orgulhoso do voto do Brasil a favor de que a ONU nomeie um relator para analisar a questão dos direitos humanos no Irã.

Depois de oito vergonhosos anos em que o lulalato se absteve diante da barbárie em curso em diversas ditaduras de quem o ex-presidente se sentia próximo, é um alívio ver que a presidente Dilma, sem fazer alarde nem demagogia, faz girar a roda do timão da política externa e embica o país no rumo da decência.

Ainda é cedo para julgara política externa da presidente?

Pode ser. Deve ser.

Mas minha independência como jornalista me indica que agora devo aplaudi-la.

O ex-chanceler Celso Amorim, coerentemente, diz que, se pudesse, votaria contra a designação do relator.

Uma razão a mais para constatar a mudança em curso, e gostar dela.

No terreno do desempenho internacional do país em matéria de direitos humanos, está começando a passar a vergonha de ser brasileiro.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × três =

Nenhum comentário

Jefff em 28 de março de 2011

È muito chato ter que pedir desculpas por elogiar um ato correto de um governante apenas porque ele é execrado pelos leitores do blog. Claro que os leitores não execram esse governante por idelogia não...apenas utilizam criterios tecnicos para o juizo de valor...rs

Caio Frascino Cassaro em 26 de março de 2011

Prezado Ricardo: Me opus com todas as forças à eleição da Presidente Dilma. Continuo me opondo ao seu governo e ainda não acho que ela esteja a altura do cargo. Estou, portanto, extremamente a vontade para ver com bons olhos algumas atitudes tomadas por ela neste início de governo e que trouxeram um mínimo de racionalidade a nossa vida política. A mudança de posicionamento no âmbito internacional, as privatizações anunciadas, o afastamento de figuras abjetas como Franklin "Goebbels" Martins, Celso "Pintassilgo" Amorim, Paulo "Nulidade" Vanucchi, a ida para o banco de reservas, e provavelmente dali para a aposentadoria, de Marco Aurélio "Rei do Tártaro" Garcia, o convite a todos os ex-presidentes e em particular a FHC (que teceu rasgados elogios à presidente, preparando terreno para uma aproximação política antevendo um possível abandono da presidente por parte de antigos aliados) para participarem do encontro com o Pres. Obama, mostrando que a política não precisa ser um eterno Palmeiras e Corinthians e que a oposição tem seu papel em uma democracia. Além disso, a disposição demonstrada com relação ao trabalho dentro de seu gabinete, despachando e cobrando eficiência de seus subordinados, evitando ficar passeando de avião para cima e para baixo e, mais ainda, evitando o excesso de exposição que só faz vulgarizar a imagem de um/uma presidente, enfim, tudo isso nestes primeiros três meses de governo nos faz ter a impressão de despertar de um pesadelo, retornando à normalidade de um país sem a figura de um "Grande Irmão" a nos assombrar diariamente com o tonitruar constante de uma verborragia sem qualquer tipo de pudor ou limite. Usando a metáfora futebolística tão ao gosto de Luiz Inácio, Presidentes, Governadores, Prefeitos e políticos de uma forma geral são como juizes de futebol: quanto menos aparecerem, melhor será o jogo. Finalizando, acho que as desconfianças de boa parte do PT com relação à presidente parece que estão se transformando em certezas, e a ciumeira vinda das bandas de São Bernardo começa a tomar forma em deselegâncias como o não atendimento ao convite da presidente para o encontro com Obama, entre outras pequenas demonstrações de desconforto. Já há sinais de fumaça no horizonte. É só esperar para ver o circo pegar fogo, talvez antes do que a gente imagina. Um abraço P.S. Aproveitando o ensejo, um passarinho que mora no Planalto Central do país me contou que logo logo o ABC deixará de ser a moradia de um casal importante de nossa vida pública. Na verdade, por exigência de um dos cônjuges, este casal se mudará para uma cobertura nos Jardins, que obviamente será oferecida de graça por um amigo íntimo do casal.

Gerson em 26 de março de 2011

Agreeing to disagree. Não tenho, não tive e não terei vergonha de ser brasileiro, apesar dos posicionamentos do Governo Lula com relação ao Irã. Existe uma política de relações exteriores hoje de posicionamento bem mais próximo ao anterior - basta ver a questão Líbia. Acho que o esforço para enxergar no governo Dilma qualquer sinal de desacordo com o governo anterior não convém, até porque não há uma solidificação dessa política exterior ainda.

Mily em 26 de março de 2011

Passar a vergonha de ser brasileiro pra você significa apoiar as guerra do imperialismo autoritário, sanguinário e dono do mundo? Isso sim, é que dá vergonha de ser brasileira.

SergioD em 25 de março de 2011

Ricardo, cuidado. Daqui a pouco você vai ser chamado de petralha se continuar elogiando a Presidente Dilma. Foi o que quase aconteceu com o ex-presidente Fernando Henrique no BLOG do Augusto Nunes outro dia. Tive entrar comentando em defesa de FHC, quem diria. Um abraço.

elionier em 25 de março de 2011

Os semelhantes se atraem e por isto Lula apoiava coisas erradas. Ponto p Dilma.

Pimenta em 25 de março de 2011

Setti, Penso como Augusto Nunes, que postou em seu blog que o ínicio da mudança se deve mais a resistência democrática, e de menos à Dilma Rousseff e seu governo. Talvez, a política externa de Lula tenha sido o único "senão" do adesismo da grande imprensa, ao que você chama de LULALATO. Pelo menos, as coisas parecem voltar ao normal.

Skander em 25 de março de 2011

Setti, Sabe o que me deixa feliz? É ver que a fantoche está cortando os cordões. Ela está fazendo simplesmente o que deveria ser feito e por isso não a aplaudo ainda. Mas com esse pouco já se mostra muito, mas muito melhor que o apedeuta. Gosto muito de comparar o governo do FHC com o do apedeuta, no qual o primeiro dá de dez a zero. Agora, a Dilma já está dando de três a zero no apedeuta. Que delícia ver a criatura humilhando o criador :o]

jfaraujo em 25 de março de 2011

Ainda está muito, mais muuuuito longe de eu dexar a vergonha de ser brasileiro. E os motivos vão bem mais além da nossa política externa.

sergio em 25 de março de 2011

Falta muita vergonha para passar, Setti. E os afagos co chaveco? Ao hermanos castro? Aos mensaleiros? Flata muiiiiiita.

Paulo Bento Bandarra em 25 de março de 2011

Muito cedo ainda para passar a vergonha de ter sido governado por um apedeuta hipócrita e mentiroso. Esta turam ainda quer fazer as leis retroagirem na criação da Comissão da Verdade. Uma das deputadas que atua junto com a Maria do Rosário é a Deputada do PCdoB, Manuela D'Avila. Ela devia era pedir a comissão da verdade do que fez o presidente do partido, o ministro do Esporte, Orlando Silva, onde foi parar todo aquele dinheiro público desviado dos programas do partido.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI