Dorfman: alguns só vão acreditar que Barack Obama nasceu nos EUA se ele branquear o rosto e a pele

Amigos, quando mencionei em post anterior que havia traços de racismo em setores dos norte-americanos que duvidam que o presidente Barack Obama tenha nascido em território dos Estados Unidos – o que o tornaria inabilitado para exercer o cargo –, quase fui metaforicamente linchado por algunsleitores.

Pois bem, leiam trecho de recente artigo de um escritor, roteirista de cinema, ativista dos direitos humanos, professor da Duke University e intelectual de múltiplas preocupações, que construiu sua carreira apontando e denunciando o “imperialismo cultural” dos Estados Unidos – o chileno naturalizado americano Ariel Dorfman, de cuja vasta obra saiu, entre outros, o excelente filme A Morte e a Donzela, com Ben Kingsley e Sigourney Weaver:

(…) Como [Obama] iria postar-se diante do mundo e revelar o assassinato de Bin Laden em nome dos Estados Unidos se uma insólita percentagem de seu próprio povo duvidada de que o presidente fosse, efetivamente, norte-americano?

Como (…), se se acusava Obama de ter nascido no estrangeiro, no Quênia, que, como se sabe, está muito mais longe do Kansas [onde nasceu a mãe do presidente] do que do planeta Kryton [planeta fictício onde nasceu o Super-Homem das histórias em quadrinhos](…)?

E então Obama apresentou há alguns dias sua certidão de nascimento, tapando a boca de quem o apontava como um alien (alheio, estrangeiro, mas alien também significa extraterrestre (…).

Por certo que um grupo de seus concidadãos continua acreditando que Obama não nasceu em território norte-americano. Insistem em que o documento foi falsificado e que o hospital [onde nasceu, em Honolulu, Havaí] foi subornado e que a mãe trouxe a criança de contrabando ao Havaí porque sabia que dali a quarenta e tantos anos esse garotinho mulato seria presidente.

Me ocorre que a única maneira de que esses recalcitrantes aceitem que Obama nasceu nos Estados Unidos seria que branqueasse inteiramente o rosto e toda a pele. Já não seria, então, um alien”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + 6 =

8 Comentários

  • Vera Scheidemann

    E a gente ainda pensa que a proliferação de
    idiotas só ocorre no Brasil…
    Vera

  • Ixe

    Prezado Setti, faço uma sugestão fora do post, se permitir. É que acho muito importante que se divulgue ao máximo a entrevista completa do bravo repórter do CQC, Danilo Gentile, com vários parlamentáres a respeito da Comissão de Ética do Senado. O Programa foi ao ar ontem e a entrevista está disponível no youtube no endereço http://www.youtube.com/watch?v=2vNIIxKpZe4&feature=player_embedded. A reportagem está sensacional. Lava a alma da gente ver um repórter jovem e corajoso fazendo a alguns personagens nefastos alguma perguntas que gostaríamos de fazer. Também porque é muito raro ver jornalistas com tanta ousadia e percuciência por estas bandas. A turma do CQC está de parabéns.

  • Rommel

    A polêmica continua:
    ——————————–
    Diário do Comércio – 9 maio 2011
    Caso Obama: mico universal
    Olavo de Carvalho

    Droga! Eu não aprendo mesmo. Cada vez que acredito em esquerdistas, acabo pagando mico. No entanto, movido por uma crença residual na bondade da espécie humana continuo tentando de novo e de novo, e tomando na cabeça com a regularidade dos ciclos planetários, econômicos, menstruais e quantos mais ciclos existam.

    Acaba de acontecer mais uma vez. Tão logo publicada a certidão integral de nascimento de Barack Hussein Obama, dei por pressuposto que o documento era autêntico e comecei a analisar a situação com base nessa premissa. Agora vejo que o anúncio espetacular destinado a tapar a boca dos birthers foi isso e apenas isso: um golpe de teatro.

    Nada mais. A certidão não é autêntica, é praticamente impossível que seja autêntica. Os erros nela são tão gritantes, as anomalias tão vistosas, que a probabilidade de se tratar de documento genuíno deve ser calculada na base de um para vários milhões.

    Vou dar só oito exemplos:

    1) As certidões de duas meninas que nasceram um dia depois de Obama – e foram registradas na mesma repartição do governo três dias depois – têm números anteriores ao do distinto. As folhas de um livro de registros não se movem para trás espontaneamente. O carimbo rotativo, que avança um número depois de cada carimbada, também não faz marcha a ré por decisão própria.

    2) O funcionário do registro civil assina, com letra de criança, algo que se lê “Ukulele”. Quer dizer “cavaquinho”, um instrumento muito popular no Havaí. Isso nunca foi nome de gente. Pode ser no máximo um apelido, mas quem acreditaria num documento oficial assinado “Mané Porcão” ou “Zé das Couves”?

    3) A raça do pai de Obama é designada, em pleno 1961, como “African” em vez de “Black” ou “Negro” – uma convenção verbal que só apareceu a partir dos anos 70 com a onda politicamente correta.

    4) 1) A assinatura da mãe vem com o nome “Stanley” acima da linha, entre parênteses e sem qualquer autenticação da emenda. Ou a coisa foi maqueada ex post facto, ou a sra. Stanley Ann Dunham Obama, emocionadíssima por dar à luz o futuro presidente da República, se esqueceu do seu primeiro nome na hora de assinar.

    5) A data de nascimento do pai de Obama está errada. Segundo dados da Imigração, no dia do registro ele tinha 27 e não 25 anos, como consta do documento. A convivência do casal Obama foi fugaz, mas não tanto que não houvesse tempo para a dona se informar da idade do marido, amante ou sabe-se lá o quê.

    6) A certidão não contém o aditamento referente à adoção de Obama por Lolo Soetoro, como a lei exige. O omissão torna o documento automaticamente inválido, mesmo que seja de origem autêntica.

    7) O nome do médico que assina a certidão não confere com o que a Casa Branca havia divulgado antes. Era Roger West, agora é David Sinclair.

    8) Tão logo explodiu a onda de exames técnicos que denunciavam a certidão como uma fraude montada por computador mediante superposição de camadas, a Casa Branca substituiu a versão online por uma segunda, com resolução menor, dificultando a separação das camadas, que antes qualquer cidadão podia testar facilmente com programas comuns de ilustração gráfica (v. http://conservativeamerica online.blogspot.com/2011/05/ washington-times-newly-released-obama.html). A primeira versão tinha o selo autenticador do Departamento de Saúde do Havaí. A segunda, nem isso. Precisa mais?

    Exames feitos por especialistas em computação gráfica pululam na internet, afirmando que a certidão não foi escaneada de um documento único, mas montada por meio de superposição de imagens.

    Mas agora já não são apenas obscuros blogueiros que fazem esses exames. O técnico Ivan Zatcovitch, da eComp Consultants , empresa respeitável que é consultora da Amazon Books, afirma em definitivo que o documento foi alterado. Não tenho condição de julgar isso. Mas, é claro, junto com a farsa documental veio uma campanha do governo, com amplo apoio da mídia chapa-branca, para rotular de “racista” quem quer que enxergue aquelas obviedades e não consinta em ceder à chantagem clássica de Groucho Marx: “Afinal, você vai crer em mim ou nos seus próprios olhos?”

    Desde que a questão foi levantada pelo advogado (democrata) Philip Berg em 2008, a reação do campo obamista tem sido sempre a mesma: procurar por todos os meios inibir a discussão.
    Cada indício mínimo, parcial e duvidoso que a militância obamista exibiu – como a certidão eletrônica resumida, que milhares de estrangeiros também têm, ou os anúncios do nascimento publicados desde um endereço que nunca foi o do casal Obama – foi invariavelmente brandido como prova cabal de que mudar de assunto com a máxima rapidez era um dever cívico.

    Uma investigação em regra, bipartidária, como se fez quando o suspeito de inelegibilidade era John McCain, foi hipótese afastada in limine com soberano desprezo, como ofensiva à dignidade daquele que ao mesmo tempo se pavoneava de apóstolo da “transparência”.

    Agora, o pior de tudo: quando se investigava a candidatura McCain, o Congresso decidiu oficialmente que o critério para distinguir “cidadão nativo” era: “nascido em território americano, de pais americanos”. Entre os que assinaram essa decisão estava… o senador Barack Hussein Obama. Exigir que ele agora se submeta ao mesmo critério é, segundo o establishment e a mídia, prova de loucura ou crime de racismo. A duplicidade de tratamentos e a proibição de perguntar foram elevadas à condição de princípios fundamentais da democracia.

    Se Obama tivesse um mínimo de decência, teria imediatamente retirado sua candidatura logo após assinar aquela decisão, por saber que, como filho de estrangeiro, não cumpria o requisito de elegibilidade que ele mesmo acabava de impor ao seu adversário. Se ele preferiu blefar, apostando que a sonsice nacional americana jamais perceberia o engodo, é porque tem o cinismo frio de uma personalidade psicopática.

    =========================================

  • celsoJ

    Bem, os assuntos variam tanto… O comentário a seguir é sobre o Obama e sua origem. Esse foguetório todo -será que aprenderam com o Brasil?- sobre se ELE nasceu ou não nos EEUU ( mesmo o HAvaí sendo ‘território’ americano é assunto controverso)esconde a verdadeira questão: seu (o dele) pai. Pela constituição dos EUA, não basta ser americano: o pai também tem que ser. Ainda não sabem se o velho tinha dupla cidadania. De qualquer maneira, não conseguirão corrigir a baita c***** feita.

    Por favor, Celso, me aponte o artigo da Constituição americana que diz o que você afirma, tá?

  • marcos

    pai americano? Não achei nada sobre isso…

    MAM

  • MKK

    MKK: Alguns só vão acreditar que Barack Obama pode ser criticado se ele branquear o rosto e a pele.
    Enquanto for negro ele só pode ser vítima de racismo. Errado e criticado legitimamente, nunca!

  • Gilx

    Caro Setti,
    Olavo de Carvalho aponta pelo menos 8 motivos fortes questionando a autenticidade da certidão de nascimento de Obama:

    1) As certidões de duas meninas que nasceram um dia depois de Obama – e foram registradas na mesma repartição do governo três dias depois – têm números anteriores ao do distinto. As folhas de um livro de registros não se movem para trás espontaneamente. O carimbo rotativo, que avança um número depois de cada carimbada, também não faz marcha a ré por decisão própria.

    2) O funcionário do registro civil assina, com letra de criança, algo que se lê “Ukulele”. Quer dizer “cavaquinho”, um instrumento muito popular no Havaí. Isso nunca foi nome de gente. Pode ser no máximo um apelido, mas quem acreditaria num documento oficial assinado “Mané Porcão” ou “Zé das Couves”?

    3) A raça do pai de Obama é designada, em pleno 1961, como “African” em vez de “Black” ou “Negro” – uma convenção verbal que só apareceu a partir dos anos 70 com a onda politicamente correta.

    4) 1) A assinatura da mãe vem com o nome “Stanley” acima da linha, entre parênteses e sem qualquer autenticação da emenda. Ou a coisa foi maqueada ex post facto, ou a sra. Stanley Ann Dunham Obama, emocionadíssima por dar à luz o futuro presidente da República, se esqueceu do seu primeiro nome na hora de assinar.

    5) A data de nascimento do pai de Obama está errada. Segundo dados da Imigração, no dia do registro ele tinha 27 e não 25 anos, como consta do documento. A convivência do casal Obama foi fugaz, mas não tanto que não houvesse tempo para a dona se informar da idade do marido, amante ou sabe-se lá o quê.

    6) A certidão não contém o aditamento referente à adoção de Obama por Lolo Soetoro, como a lei exige. O omissão torna o documento automaticamente inválido, mesmo que seja de origem autêntica.

    7) O nome do médico que assina a certidão não confere com o que a Casa Branca havia divulgado antes. Era Roger West, agora é David Sinclair.

    8) Tão logo explodiu a onda de exames técnicos que denunciavam a certidão como uma fraude montada por computador mediante superposição de camadas, a Casa Branca substituiu a versão online por uma segunda, com resolução menor, dificultando a separação das camadas, que antes qualquer cidadão podia testar facilmente com programas comuns de ilustração gráfica. A primeira versão tinha o selo autenticador do Departamento de Saúde do Havaí. A segunda, nem isso. Precisa mais?

    Exames feitos por especialistas em computação gráfica pululam na internet, afirmando que a certidão não foi escaneada de um documento único, mas montada por meio de superposição de imagens.

  • Pedro

    Seu comentário imbecil e insultuoso, e além do mais quase incompreensível pelo péssimo texto, foi deletado.