Tem circulado na internet um arquivo de PowerPoint afirmando que a foto acima foi tirada segundos antes de um tsunami de 32 metros atingir a ilha de Sumatra, na Indonésia, em dezembro de 2004.

O documento intitulado “a última fotografia”, como você pode ler logo abaixo, conta ainda que a imagem foi encontrada em uma câmera digital um mês e meio depois do acidente.

A mensagem do arquivo é válida. Devemos mesmo pensar na nossa pequenez perante as forças da natureza. Mas, neste caso, as forças da natureza não estão representadas por um tsunami, e sim por uma tempestade de areia, com ventos de até 90 km por hora, que atingiu a cidade de Griffith, na Austrália, em 13 de Novembro de 2002.

A imagem original feita por Denis Couch e publicada abaixo tem até um carimbo com a data, que foi toscamente apagado  na apresentação do PowerPoint. Tosco também é imaginar que a cidade que aparece na foto fica na Indonésia, cujo feitio urbano é inteiramente diferente.

Uma outra foto do incidente captada pelo fotógrafo no mesmo dia foi reproduzida em diversos sites de notícias como US Today, Discovery News e Sydney Morning Herald.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × um =

11 Comentários

Antonio Carlos em 26 de junho de 2011

É um aviso de que temos que ter muito cuidado com que nós e nossos filhos vêem e lêem na Internet.

Isqueiro em 24 de junho de 2011

Conheço uma MONTAGEM de longe. E essa está mal feita. A foto é verdadeira. Montagem era dizer que se tratava de um tsunami na Indonésia, quando era uma tempestade de areia na Austrália.

Tuco em 24 de junho de 2011

. Nem mesmo quem nunca viu uma onda d'água (?) poderia "confundir"... Enfim, o que mais existe por aí são incautos - basta observarmos pelo governo, fruto de eleições, que temos! .

Carlos Costa Aguiar em 24 de junho de 2011

Isso me lembrou a história do "Turist Guy", o pobre coitado que estava no topo do WTC no dia dos atentados às torres gêmeas. A foto rodou o mundo, virou febre na internet, ganhou centenas de versões e, até o verdadeiro tourist guy aparecer, um espertalhão brasileiro tentou se passar por ele e ganhou até contreato para participar de comerciais da WV (se não me engano). Foi mandado embora quando o verdadeiro turista se identificou. O cara era hungaro, nunca tinha estado no WTC na vida, o topo do prédio não era o do WTC e as fotos foram feitas dois anos antes dos atentados. Tem até sites dedicados a perpetuar essa que foi uma das primeiras febres virais da internet.

Ailton em 24 de junho de 2011

Só mesmo com impacto de um meteoro com quatro quilometros quadrados em um dos oceanos, para ondas chegarem com mais de 35 metros de altura e na posição vertical. Se fossem ondas, daria para ser vistas do espaço pelo estação espacial.

Ailton em 24 de junho de 2011

Zé Ramalho da Paraíba "Quanto tempo temos antes de voltarem aquelas ondas Que vieram como gotas em silêncio tão furioso; Derrubando homens entre outros animais, Devastando a sede desses matagais; Devorando árvores, pensamentos seguindo a linha Do que foi escrito pelo mesmo lábio tão furioso, E se teu amigo vento não te procurar, É porque multidões ele foi arrastar Tão furioso". Essa música de Zé Ramalho se aplica muito bem a fotos acima, não foi a água, foi o vento que veio arrastar.

Vera Scheidemann em 23 de junho de 2011

Apesar da mentira, temos que admitir que foi uma bela foto. Vera

Heitor em 23 de junho de 2011

É uma tempestade de areia.

Newman em 23 de junho de 2011

Isso aí é tempestade de areia.

Pepino Breve em 23 de junho de 2011

Tenho enorme curiosidade acerca da índole e motivações de gente que se ocupa em criar e divulgar essas farsas grosseiras. Apenas mórbido prazer em iludir incautos? Note que tudo é de um amadorismo vulgar (não apenas a data borrada, de modo a dar veracidade ao pseudo registro de evento em data posterior ao verdadeiro), mas o estilo deplorável do texto, que tenta ser edificante, ao mesmo tempo em que se apropria porcamente de alguns elementos do padrão jornalístico, além, é claro, da improbabilíssima câmera digital sobrevivente - e com o registro incólume do flagrante! - que sobreviveu ao fim do mundo, ao contrário de seu dono. Nem menciono a própria fotografia, já que raros confundiriam uma tempestade de areia com um tsunami. Sem contar, caro Pepino Breve, as casas que aparecem na foto, que não têm um único elemento característico da Indonésia. Poderiam estar num subúrbio americano, no Canadá, em certos bairros residenciais até do Brasil, mas nunca na Indonésia, que tem uma arquitetura e uma tradição urbana completamente diferente. Também a mim me intrigam esses malucos que se dedicam a falsear registros e colocá-los na Web. O verdadeiro é belíssimo e impressionante. Não bastou para o sujeito que inventou a história? Abraços

Paulo Bento Bandarra em 23 de junho de 2011

As casa não tem cara de sumatra mesmo. Parecem EUA ou Austrália. Onda de Tsunamis não são assim também. É mais uma das enganações que se acha na internet.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI