Amigos, vejam vocês como é complicado tocar adiante um projeto político, econômico e civilizatório como a União Europeia (UE), com 27 países unidos cada vez por mais laços, com menos barreiras entre si e dos quais 16 adotam a mesma moeda, o euro, administrado por um único banco central, o Banco Central Europeu.

As eleições parlamentares de ontem na pequena Finlândia – 5,5 milhões de habitantes, em meio aos quase 500 milhões da UE – deixaram em minoria o governo de coalizão do Partido de Centro da primeira-ministra Mari Kiviniemi. E os dois principais partidos de oposição, o Social Democrata, de centro-esquerda, e os Autênticos Finlandeses, de extrema direita xenófoba, são contrários ao resgate financeiro de Portugal, país-membro à beira da bancarrota.

Há em jogo 80 bilhões de euros de ajuda de que Portugal precisa desesperadamente, a decisão do resgate precisa contar com a unanimidade dos votos e o novo governo que emergir da eleição finlandesa pode complicar tudo.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 1 =

7 Comentários

sinisorsa em 21 de abril de 2011

Seu charlito, o senhor não sabe do que está falando, o senhor ouviu o galo cantar e näo sabe onde o danado está. Se há algo que me permito fazer é lhe sugerir que se informe melhor. Comece por aqui http://www.iltalehti.fi/uutiset/2011030613292488_uu.shtml

Charlito em 21 de abril de 2011

SINISORSA, O quadro demográfico da Finlândia é diferente do da Alemanha e da Inglaterra. A questão é saber até quando. Se a imigração continuar a tendência é ficar igual ou pior. Os dirigentes do país devem prevenir ou depois ficarem se debatendo com um problema que até agora se mostrou insolúvel?

sinisorsa em 20 de abril de 2011

Xii, eu meti o pé na jaca com meu comentário! O copy and paste ao qual me referi, e que tentei (sem sucesso) comentar, não se referia exatamente a você. Como disse, todos embarcaram na mesma onda, a notícia é propagada de tal maneira que o PS está sendo incorretamente chamado de xenófobo, quando a meu ver eles são apenas populistas (da pior qualidade). E sim, eu moro na Finlândia há 10 anos, e leio principalmente a BBC, os jornais locais e espanhóis. Em suma, você se ofendeu e eu lhe peço desculpas. Desculpas aceitas, claro, Sinisorsa. Você é leitor fiel do blog e muito me orgulho disso. Um abração

sinisorsa em 20 de abril de 2011

Devagar com o andor que o santo é de barro. A tchurma do Soini tem sido erroneamente tachada de ultra/extrema-direita xenófoba. Não é bem assim. Se a língua não fosse uma barreira tão grande, as leitores poderiam compreender que o que os Perussuomalaiset realmente se opõem ao resgate financeiro näo só de Portugal, mas de todo e qualquer país membro da UE que precise de uma injeção de dinheiro às custas dos demais países membros. Mas o fato é que Soini e cia (aqui fica a ressalva para o comprovadamente mentiroso e falasträo Jussi Halla-aho), não se enquadram no esterótipo racista-que-odeia-todos-os-estrangeiros-e-que-quer-banir-a-todos-do-solo-pátrio. Em minhas opinião, Soini não é flor que se cheire. Eleito euro-deputado, o sujeito näo fez nada no parlamento, não conseguiu contruir alianças, nunca fez uma única proposta (a meu ver) útil. A sua única obsessäao é criticar a EU. Só que agora, ao ver-se obrigado a fazer um governo de coalisäo, as divisões internas no PS já estão vindo à tona. Contudo, a mídia em geral (e não apenas a brasileira) embarcou na onda do copy and paste e aderiu com força e com vontade ao título "partido de xenófobos". Me matam de tanto rir! A vedade é que poucos sabem que o que lhes deus tamanha projeção é o fator de questionarem o ensino obrigatório do sueco nas escolas. Esse Soini até que näo é bobo, não. Foi só levantar essa lebre pra que a sua popularidade batesse na estratosfera. E por favor, nada de tentar comparar outros países e seus problemas populacionais com a Finlândia! Aqui a situação é outra, totalmente diferente do que acontece na Inglaterra ou na Alemanha. Não faço copy and paste, Sinisorsa. Me critique, mas não me ofenda. Não sei se você vive na Finlândia e, no país, só lê jornais locais. Todos os grandes jornais europeus e as principais emissoras de TV referem-se ao partido em questão como "xenófono", porque o termo vem sendo usado para partidos "duros" no item imigração.

paulo gaúcho em 18 de abril de 2011

Ricardo, boa noite!!!! Se os portugueses realmente precisam desesperadamente de 80 bilhões de euros para equilibrar a suas contas, porque eles foram postergando o programa de ajuda e ajuste que a própria União Européia estava montando em seu socorro??? A recusa do Parlamento português em aprovar o ajuste fiscal necessário foi o que levou a renúncia recente do Primeiro Ministro português - naquele caso em que nossa Presidenta sonsa ficou em dúvida sobre quem a receberia em sua visita a Portugal. Devemos lembrar que políticos influentes portugueses(haja vista a então presidência portuguesa da União Européia) tentaram de todos os modos atrasar os esforços europeus - sendo que os alemães são os fiadores maiores destas operações financeiras, para que pudessem se socorrer de dinheiro estrangeiro, notadamente chinês, e não se submeter às condições propaladamente humilhantes que os europeus lhes exigiriam, em termos de ajuste fiscal. E deu no que deu....... Aliás, falando em Presidente sonsa, nossa Dilma I, como define o Reinaldo Azevedo, não estava a considerar um aporte considerável de dinheiro público brasileiro para financiar nossos colonizadores??????? Por outro lado, 80 bilhões de euros, numa economia insignificante como a portuguesa, é dinheiro pra caramba!!! Como eles conseguiram isso???? Se os portugueses estão nessa situação, com certeza eles são seus próprios algozes!!! Abraço grande,

Charlito em 18 de abril de 2011

Links funcionando: http://www.dailymail.co.uk/news/article-1326844/DIY-jihadists-Roshonara-Choudhry-supporters-living-benefits.html http://www.spiegel.de/international/germany/0,1518,575170,00.html

Charlito em 18 de abril de 2011

Setti, será mesmo que chamar os Autênticos Finlandeses de xenófobos é ofensa? Xenofobia, de acordo com o Houaiss, é desconfiança, temor ou antipatia por pessoas estranhas ao meio daquele que as ajuíza, ou pelo que é incomum ou vem de fora do país. Vendo o que os imigrantes muçulmanos fazem na Alemanha, França, Bélgica, Holanda, Dinamarca, Suécia... será mesmo que ser xenófobo é errado? Rejeitar estrangeiros que recusam assimilação pela cultura anfitriã, cometem crimes de honra, oprimem as mulheres da sua cultura, insultam e agridem as mulheres nativas, fazem casamentos forçados, hostilizam abertamente o país anfitrião (na Inglaterra insultam os militares do país e vivem da assistência social http://www.dailymail.co.uk/news/article-1326844/DIY-jihadists-Roshonara-Choudhry-supporters-living-benefits.html), tentam competir com os símbolos históricos do país anfitrião (querem fazer a maior mesquita da Alemanha justamente em Colônia http://www.spiegel.de/international/germany/0,1518,575170,00.html) não é a coisa mais sensata a fazer? Eu poderia colocar links de vários incidentes, mas para não ficar muito longo coloquei só esses dois acima. A xenofobia nesse caso não é a qualquer estrangeiro, duvido que um americano, argentino, brasileiro, sul-africano seja alvo aqui. A xenofobia é ao estrangeiro hostil - especificamente os muçulmanos. Infelizmente a História está demonstrando que a integração entre os povos ocidentais é possível porque temos os mesmos valores. Com os asiáticos é possível também porque não temos tantas divergências. Mas os muçulmanos se mostram resistentes, têm a petulância de imigrar para um país e querer impor seus valores aos nativos! Qual o problema, então, de um partido se propor a limitar a entrada de estrangeiros de cultura sabidamente conflitante com a nacional e fazer isso respeitando as leis, os direitos humanos e dentro da democracia? O politicamente correto, que é dizer que não se deve generalizar e então não fazer nada a respeito, vai levar ao que aconteceu em Inglaterra, Bélgica, Holanda, Alemanha, França, Dinamarca, Suécia: formação de minorias estrangeiras crescentes com valores, hábitos e cultura hostis dentro da população do país.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI