A foto esplêndida de Ariovaldo dos Santos apanhou um ângulo que permitia identificar o personagem principal sem mostrar-lhe o rosto. E precisava?

Naquele 18 de julho de 1989, em plena campanha para a Presidência, foi um time reforçado do Jornal do Brasil para entrevistar o ex-presidente da Constituinte e principal figura do PMDB: o editor de Política do jornal, Marcelo Pontes, veio do Rio especialmente (na foto, só aparece, à direita, um detalhe de suas pernas), e ainda fomos o coordenador de Política de então, Marco Damiani, e eu.

Na foto, aparecem ainda, à esquerda, Dona Mora, mulher do Dr. Ulysses, e, à direita, o jornalista Jorge Moreno, à época assessor do candidato do PMDB.

Na entrevista, o dr. Ulysses disse, com extraordinário otimismo para quem fora abandonado pelo partido a quem havia conferido grandeza e que viria a ter apenas a sétima maior votação no primeiro turno da eleição presidencial: “Já estou no segundo turno”.

À saída, Dona Mora dirigiu-se a mim, brava com as perguntas que fizemos aos candidatos, e desafiou:

— Quero só ver se vocês vão apertar desse jeito o Fernando Collor.

Para ler o resultado do nosso trabalho, basta clicar aqui.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + dezoito =

TWITTER DO SETTI