Image
Cooke (à direita) ajudou o amigo Clay em sua curiosa incursão musical

Por Daniel Setti

Se há três semanas a série “Encontro de gigantes” inaugurava, com Mussum e Tião Macalé, uma nova modalidade com uma colaboração música x humor, hoje, é a vez da estreia da dupla música x esporte. Abaixo, texto originalmente publicado no blog Lá Vem o Mala da Lista:

Muhammad Ali era pura música. Diziam – ele, inclusive – que dançava em suas lutas.

No documentário When We Were Kings (1996, de Leon Gast), sobre a luta que travou com George Foreman em 1974 no Zaire, não faltam convidados ilustres como B.B. King e James Brown Seus fãs africanos não param um minuto de entoar o cântico “Ali, Bomaye” (“Ali, mate-o”) e inclusive suas hilárias provocações a Foreman são tão ritmadas que poderiam embalar uma pista de baile.

Image
A capa do disco de Clay

O namoro entre suas esquivas perfeitas e as notas musicais se transformou até em disco, que não poderia ter outro nome a não ser I Am The Greatest! (“Eu Sou o Melhor!”). Editado em 1963, quando o mito pré-muçulmano ainda era conhecido como Cassius Clay, inclui “The Gang’s All Here”, que tem seu nome nos créditos (ai se não tivesse…).

Mas a versão mais preciosa da canção é a deste vídeo prévio ao lançamento do álbum, que registra passagem de Clay pela rádio BBC de Londres, durante a qual divide os vocais com o gogó de veludo do maior ídolo pop negro da época: Sam Cooke.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove − três =

2 Comentários

carlos nascimento em 18 de novembro de 2011

Daniel, Seu acervo é espantoso. Pérolas e mais pérolas. O conhecimento musical já está comprovado, entretanto, gostaria de provocar um desafio: "Quebrando Paradigmas" Gêneros e gostos musicais são variados, a musicalidade do povo brasileiro é diversa, tem de tudo um pouco: brega,boleros, samba, bossa nova, tecno brega, sertanejo, repentistas, funk, enfim, uma salada de ritmos, tente também divulgar essa tribo de gostos. Creio que vc irá se surpreender com o gigantismo comercial e musical desse ritmos. Lógico que o jazz, blue, rock, romântico, sempre serão prioridades. abraços Carlos Nascimento. Muito obrigado, Carlos. E te agradeço também pela valiosíssima dica. Um abraço, Daniel

Reynaldo-BH em 17 de novembro de 2011

Daniel, essa foi do fundo do baú! Nunca soube que Ali tinha gravado um disco! Valeu! Valeu, Reynaldo. Um abraço, Daniel

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI