Image
Gentili deveria estar sendo processado criminalmente pelo Ministério Público (Foto: divulgação)

Amigos, leiam a espantosa notícia abaixo, publicada pelo Estadão hoje, e que comentarei depois, também em itálico.

SÃO PAULO – O humorista Danilo Gentili, integrante do programa CQC, da Band, envolveu-se em uma polêmica nesta quinta-feira no Twitter após comentar o cancelamento da Estação Angélica do Metrô em Higienópolis, bairro da região central da capital que possui alta concetração de judeus de várias nacionalidades. “Entendo os velhos de Higienópolis temerem o metrô. A última vez que eles chegaram perto de um vagão foram parar em Auschwitz”, escreveu Gentili em seu perfil na rede social. Rapidamente, a frase (que você pode ver abaixo) foi “retuitada” por centenas de internautas – e desencadeou críticas com a mesma velocidade.

(…)

Após polêmico comentário envolvendo judeus feito ao comentar o cancelamento da Estação Angélica do Metrô em Higienópolis, o humorista publicou em seu twitter um pedido de desculpas, no qual diz: ‘Minha intenção como comediante nunca foi trazer nenhum outro sentimento ao público q não fosse alegria.’ e completa ‘Peço perdão se falhei nesse meu objetivo com a piada q fiz essa tarde. Me coloco a disposição da comunidade Judaica para me redimir’ (sic)”.

“Outro sentimento ao público que não fosse alegria”?

Deus do céu, em que país que esse energúmeno que se diz humorista está pensando que estamos? Zombar das vítimas do Holocausto? Com os horrendos “trens da morte”, em que milhões de pessoas foram transportadas como gado para uma serem dizimadas?

Existe um nome para o que ele fez: chama-se CRIME. Está no artigo 20 da lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, outrora chamada “Lei Caó” em homenagem ao então deputado Carlos Alberto Caó, do PDT do Rio de Janeiro, que a propôs, e que honra o Congresso e o Brasil.

Diz o artigo 20: “Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.

Pena: reclusão de um a três anos e multa”.

Esse rapaz não deveria estar “à [com crase, por favor] disposição da comunidade judaica” para nada, mas sendo processado criminalmente pelo Ministério Público.

Deveria pegar cadeia.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove − sete =

Nenhum comentário

Angelo Losguardi em 13 de maio de 2011

A "piada" é péssima e inoportuna, mas "só" isso. Em Democracias, coisa que esquerdistas não conhecem, toleramos até os idiotas. Mas estamos vivendo um momento surreal no Brasil. Pode barbarizar alguém, assassinar cruelmente, roubar, que tá ok. Logo os esquerdistas, amparados por "juristas" tais como o Sr. Marcio Tomas Bastos, logo gritam: "cadeia não recupera, logo não adianta prender". Mas ai de quem der uma opinião considerada politicamente incorreta: as milícias do pt pedem até pena de morte. Estão conseguindo transformar o Brasil em país de ódio e conflitos. Eles estão de parabéns! Bom trabalho!!!

Internauta em 13 de maio de 2011

Pelo amor de Deus. Chega de hipocrisia babaca. Todo mundo faz piada em particular, pq não fazer em público? Na Europa, não se pode negar o holocausto sem ir para a cadeia. Isso sim é cercear o livre pensamento.

DONI em 13 de maio de 2011

uando certos humoristas se envolvem

LolMongol em 13 de maio de 2011

Acho que você tá exagerando muito ao condenar o cara, Ricardo. Da mesma forma que você exagerou ao não verificar a questão do avião presidencial. E mais, se o cara tivesse antecedentes de coisas desse tipo, eu até concordaria. Mas ao que parece, ele foi infeliz e se justificou, afinal de contas, o ganha-pão dele é o humor. Não acredito que você seja mal-informado. Mas acredito que simplesmente passar a notícia já é válido, e não botar mais pilha no assunto. Deixe que quem se ofendeu que se manifeste. Pois então, caro Lol. Eu, como cidadão, me senti ofendido -- e fiz exatamente isso: me manifestei. Abraços

Silvia em 13 de maio de 2011

Concordo plenamente, Ricardo. Não se brinca com um episódio vergonhoso da história da humanidade, onde inocentes foram mortos como gado. O duro é mandar alguém pra cadeia nesse país - e principalmente, mantê-lo por lá o tempo de sua pena. Mas temos mesmo de protestar.

Filipe em 13 de maio de 2011

Ricardo, vc tem toda a razao em recriminar a piada (muito infeliz inclusive). Mas se vc realmente acha que ele deve ser processado pelo Ministério Publico, deveria prestar mais atencao tambem as piadas que o governo faz com a classe media, que sao tao infelizes quanto a do Danilo . Sugiro que se comece processando os amigos do mensalao, das cotas raciais, o maestro Lula etc.

Cris Azevedo em 13 de maio de 2011

Ricardo O "burro, inexperiente e mal intencionado" fica por sua conta, Eu não disse isso. Disse que posts como o que você escreveu, lotado de preconceitos contra os que não são "pobre-beleza" ajudam, da mesma forma, a instigar o ódio "de classes". No fim, transformou-se na sua variante, que é o preconceito de "raça". Leia o que escreveu Reinaldo, que é morador de Higienópolis e sabe o que está falando. O pessoal do Leblon do Rio de Janeiro, sofre o mesmo patrulhamento que vc fez, apenas e tão somente porque não fazem parte da classe C?D. Quanto a Gentili, considero-o um cretino, há muito tempo. "O preconceito às avessas é uma arma política cada vez mais quente no país. Em nome do combate à discriminação, discrimina-se; em nome da igualdade, faz-se a apologia da desigualdade; em nome da crítica à insensibilidade dos ricos, exercita-se o pobrismo mais vagabundo. O “pobrismo” não se traduz por amor, admiração ou respeito pelos pobres. Ao contrário: ele significa a consolidação da diferença, como se “eles”, os pobres, existissem como animais de uma outra natureza, distinta da nossa; como se fossem uma variante antropológica. É evidente, sempre chamo as coisas pelo nome, que a consolidação dessa estupidez se deu com a chegada do PT ao poder. " (Reinaldo Azevedo) Oi, Cris, desculpe se fui grosseiro. A última coisa que quis foi levantar preconceitos, muito menos antissemitas, até por uma circunstância pessoal (com o qual os leitores nada têm a ver, mas que trago aqui para você ver o quanto estou desarmado nessa história): embora eu tenha sido educado como católico, pelo lado paterno, minha queridíssima mãe é judia, tenho orgulho de minha origem materna, tinha veneração pelos meus avós e pelos meus vários tios que infelizmente já se foram, convivo muitíssimo com meus primos. Sou o último dos jornalistas que incitaria ao antissemitismo, antes de mais nada por me horrorizar com preconceitos desse tipo. Quanto a conhecer Higienópolis, quem em SP não conhece? Por coincidência, tal como ocorre hoje com o Reinaldo, eu morei anos no bairro, na própria Avenida Angélica, por sinal, e frequento amigos que lá vivem. Abraços

tadeu silva em 13 de maio de 2011

Não há nada de mais no comentário do humorista, nada. Em nada ofendeu judeus, enm tao pouco incitou discriminação ou preconceito. No Brasil, exige-se hoje cala a boca a todos! Ninguém mais pode se referir a nada, pois está sempre com preconceitos. Absurdo os tempos vividos!. Amo os Judeus! Mas não houve nenhuma maldade por parte do humorista. Tá bom, brincar com os "Trens da Morte" cuja lembrança assustaria os "velhinhos de Higienópolis" -- implicitamente, sobreviventes do Holocausto -- é piadinha leve, não tem nada demais. Céus, em que mundo você vive? Façamos assim: você fica com sua opinião, e eu continuo com a minha, tá?

Robson Vieira em 13 de maio de 2011

O problema é que muitos humoristas de hoje, em especial nesta era dos 140 caracteres que podem ser apagados conforme o resultado, devem estar achando que possuem "imunidade humorística" pelas opiniões extravasadas no exercício de suas funções, assim como parlamentares, assim falando e ofendendo a quaisquer grupos, sem se preocupar com nada. Convém lembrar que mesmo os direitos têm limites, que nada mais são que representações da velha, batida, mas verdadeira frase: "O seu direito termina, onde o meu começa". Grande abraço ao caro Ricardo Setti por mais essa valiosa opinião. Obrigado, caro Robson. Você detectou muito bem a "era dos 140 caracteres". E tem gente defendendo o rapaz... Não acredito! Um grande abraço, volte sempre.

Cris Azevedo em 13 de maio de 2011

Ricardo, me desculpe, mas o seu texto sobre Higienópolis, é um dos que instigam este tipo de coisa. Vc é bastante mal informado. Converse mais com Reinaldo Azevedo, seu colega. Ah, eu sou muito mal informado mesmo. Também sou burro, inexperiente e mal-intencionado, Cris. Nem sei porque você vem ler o que escrevo. O que você quer dizer com isso? Que esse cretino do CQC fez uma boa piada?

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI