Image
Peritos forenses transportam o caixão de Allende: o Chile quer saber tudo o que ocorreu durante o regime militar  (Foto: Claudio Santana/AFP)

Amigos, vocês devem estar se perguntando porque foi exumado ontem, segunda-feira, 23, o corpo do deposto presidente do Chile Salvador Allende, mais de 37 anos após sua morte por presumível suicídio, no dia do golpe militar comandado pelo general Augusto Pinochet – 11 de setembro de 1973.

Em cerimônia plena de emoção, pouco depois das 7 da manhã de ontem, na presença das filhas Isabel Allende, senadora pelo Partido Socialista (é xará da escritora do mesmo nome, sua prima distante), e Carmen Paz (a outra filha, Beatriz, se suicidou no exílio em Cuba em 1977), o caixão lacrado com o corpo foi retirado do moderno panteão em que jaz desde 1990 no grande Cemitério Geral de Santiago e levado ao Instituto Médico Legal da capital para exames.

A versão do suicídio se baseou em declarações de assessores, guarda-costas e do médico pessoal de Allende, Patrício Guijón, que teriam visto quando o presidente, diante da evidência de que o golpe triunfaria e de sua decisão de jamais se entregar, disparou contra o próprio queixo um fuzil AK-47 que havia recebido de presente de Fidel Castro.

Anos atrás, Guijón assegurou sua condição de testemunha da morte do presidente em entrevista às “Páginas Amarelas” de VEJA.

Contradições entre os testemunhos

A versão terminou por ser aceita como verdadeira inclusive pela família de Allende e pelo Partido Socialista, de que o presidente era o máximo expente quando do golpe.

O problema é que, com o tempo, foram aparecendo contradições entre os depoimentos. Jornalistas que estiveram no Palácio de la Moneda, semidestruído por bombas da Força Aérea Chilena, disseram ter visto o cadáver de Allende assentado sobre um sofá. Mais tarde, outras testemunhas alegaram havê-lo divisado no chão, em meio a uma poça de sangue.

Há quem tenha mencionado um disparo, e outros que aludem a uma rajada de tiros em sequência, o que o AK-47 permite. Sem contar a tese conspiratória de que o presidente foi assassinado a sangue frio por um agente golpista infiltrado entre sua guarda — a preferida de Fidel Castro e da então União Soviética, na época — ou a de que, depois de se disparar um tiro, agonizante, recebeu de alguém o tiro de misericórdia.

Image
Allende: contradições entre depoimentos levantaram dúvidas sobre suicídio

A democracia chilena quer saber do passado

Além de tudo, a autópsia realizada às pressas pelo regime militar no mesmo dia do golpe, antes de sepultá-lo em sigilo, num túmulo sem identificação, em Viña del Mar, a 100 quilômetros de Santiago, apresenta, segundo técnicos que a examinaram, lacunas e incongruências. (O corpo só ganharia sepultura digna com a volta da democracia e o retorno da família Allende do exílio, em 1990).

Tudo isso é que levou o juiz de Direito Mario Carroza, a pedido das filhas do presidente morto, a incluir seu caso entre outras 725 mortes causadas pela ditadura que jamais foram investigadas.

Diferentemente de certos países, o Chile democrático quer, sim, saber tudo o que ocorreu durante o regime militar (1973-1990), que fim levaram os desaparecidos e como morreram os que já se sabe que foram mortos.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 Comentários

patricia m. em 26 de maio de 2011

O Daniel Cavalcanti Xavier delira na maionese. Se o Brasil fosse Cuba, metade do pais ja tinha ido de balsa aos Estados Unidos, mesmo enfrentando o Atlantico rsrsrs. Se o Brasil fosse aquela b*sta de Cuba, estariamos passando fome com aquela agricultura social imbecil que eles tem - os idiotas importam alimentos e os campos estao vazios!!! Em suma, o Daniel Cavalcanti Xavier eh mais um petralha desinformado que nunca leu um livro na vida.

patricia m. em 26 de maio de 2011

Se o comuna desgracado se matou ou foi morto, eu nao quero nem saber. Que bom que o Chile teve Pinochet ao inves de ter Allende!!! E viva o Chile, o melhor e mais rico pais da America Lat(r)ina... Que os meritos sejam todos de Pinochet.

anonimo em 25 de maio de 2011

Desde que a História seja investigada e contada como de fato aconteceu, entendo que todos são a favor dessas investigações póstumas. Afinal todos querem suas História verdadeira. O que não acontece aqui no Brasil, onde políticos, os mais velhos, que participaram de guerrilhas e as comandaram afirmam na maior cara de pau que 'lutaram a favor da Democracia e do Estado de Direito', quando na verdade eram subordinados ao comunismo russo e o cubano de Fidel Castro. Aqui uma investigação como a chilena seria pura perda de tempo com esses ex-guerrilheiros no poder.

daniel cavalcanti xavier em 25 de maio de 2011

claro,e quantas vezes bush e obama apertaram a mão de kadhaf?e a ridiculização da morte "cardíaca" de stálin?

daniel cavalcanti xavier em 25 de maio de 2011

se a colombia fosse cuba, não haveria narcotráfico e se o brasil fosse cuba,nós teríamos bomba atomica,mais segurança nas ruas,energia mais barata(brasil segurando na china,teria todos os recursos naturais do terceiro mundo),menos crime organizado e pedofilia na internet além de produtos mais baratos(importados da china).

Ailton em 25 de maio de 2011

Salvador Allende morreu execultado pela sua guarda pessoal no palácio La Moneda, em Santiago, (me lembro da Rede Globo a anunciar o ataque ao palácio La Moneda e a sua morte durante o bombardeio, horas depois veio o anuncio de suicidio, (Lá também imperava o metodo das forças armadas, de 'suicidarem' pessoas) anuncio foi dado em notíciário extraordinário pelo globo.

Ricardo PN em 25 de maio de 2011

Não é que os brasileiros não queiram saber da "vedrdade", o problema é que alguns do atual governo só querem saber (revelar) o que os militares fizeram e não o que os terroristas de esquerda fizeram também. Este é o problema. Se é para rever o passsado, então vamos falar de todos os que se envolveram na luta armada, tanto de direita quanto de esquerda, sem esconder nada, inclusive o passado dos membros do atual governo petista, não é Presidenta.

Marcos em 24 de maio de 2011

O Chile foi salvo de se transformar em mais uma Cuba. É como dizem que disse Kissinger: "Não vejo por que temos que ficar parados e assistir a um país virar comunista por causa da irresponsabilidade se seu povo". Já pensaram em duas Cubas na América Latina?

wilson em 24 de maio de 2011

Quando vão exumar Fidel quero detalhes.

Paulo Bento Bandarra em 24 de maio de 2011

Como morreu Allende? Quem não sabe? Foi a visita de Fidel e o discurso que ele fez na Organização Latino-Americana de Solidariedade (Olas) que sentenciou Allende e seu governo a morte. Passou, em 1971, mais de 20 dias levantando fogo no país. Quando um país soberano pode permitir isto de outro ditador agindo livremente dentro das suas fronteiras? Allende se suicidou aí. Em 73 apenas se materializou o ato. Só comparar Cuba e o Chile hoje para ver que a atitude foi correta. Em Cuba até hoje o povo passa fome e possui o mesmo ditador.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI